História Voltando para casa (Versão 1) "Imagine Jungkook e Jimin" - Capítulo 97


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lay, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Bts, Exo, Imagine, Jimin, Jungkook
Visualizações 57
Palavras 2.657
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ficou grande? ficou.
Não sei se foi exagero meu, mas tudo bem.
Não sei se vão gostar, mas boa leitura ai.

Capítulo 97 - T2-10 Vamos ver a princesa.


Desde os meus dois anos, morei fora da coreia, pois minha mãe me entregou aos meus avós paternos para buscar emprego, mas ela disse que voltaria quando pudesse me dar uma boa vida, o que nunca aconteceu, então fui criado por meus avós. Ao longo dos anos ela quase nunca mandava noticias e quando mandava, era para avisar que estava bem e que os pratões dela eram muito bons.

 Quando tinha 22 anos, nunca esqueci minha mãe apesar de nunca mais ter tido noticias dela. Decidi sair de casa para procura-la, meus avós me entregaram todo dinheiro que tinham para conseguir comprar uma passagem para a Coreia do Sul e uma carta com o endereço da casa. Esta carta também foi a ultima noticia que ela mandou e agora eu sei que tenho um irmão.

Quando consegui chegar à Coreia, fiquei impressionado com o quão grande era o lugar e por causa disso acabei caindo em uma cilada das grandes. Roubaram todo o dinheiro que eu tinha e me venderam como uma mercadoria para um senhor e acabei indo parar em um leilão. Aquele foi o pior dia da minha vida, me drogaram, me vendaram e tiraram toda a minha roupa e a única coisa que podia escutar, eram pessoas falando números . Quando acordei, estava deitado em uma cama, algumas garotas me olhando e um senhor que chegou logo em seguida. As garotas explicaram que eu tive sorte de não ter parado em outro lugar, pois poderia já estar morto e me explicaram também que se eu quisesse ir embora teria que trabalhar para o senhor por um tempo para compensar o dinheiro que gastou.

Eu estava em um dos quartos de um hotel de luxo com um dos clientes mais frequentes que o senhor Dark recebeu. Desde que eu havia chegado no quarto, ele não trocou uma única palavra comigo e como eu estava cansado decidi não falar nada. * Não sei porque fiquei com tanto medo do que aqueles caras falaram, apesar de não falar nada, ele não foi nada agressivo, mas uma coisa enteavam certos, ele não é daqueles que se separa de imediato .* Estava quase dormindo enquanto estava ali abraçado a ele.

- Então o que você quer? – O cara falou, me deixando surpreso.

- Como assim? – Me levantei e olhei para ele.

- Você já deve ter ouvido dos outros um rumor de que eu dou qualquer coisa para quem dorme comigo. – Ele me olhou sem expressão. * Verdade, aqueles caras me falaram sobre isso.*

- Sinto muito, mas não tem nada que possa fazer quanto ao que eu quero, eu pretendo sair dessa sozinho. – Minha resposta pareceu surpreende-lo. – Mas e você o quer agora?

- O que? como assim?

- Você ainda me tem por 2 horas segundo aquele relógio. – Falei enquanto me espreguiçava.

- Nossa acho que fui rápido de mais, você esta realmente bem? – Ele se aproximou um pouco.

- Não se preocupe, comparado aos outros, você foi o mais gentil ate agora. – Tentei não preocupa-lo. * Realmente é totalmente diferente.*

- Oh, isso é um alivio... – Colocou a mão sobre o peito. – Você não faz isso a muito tempo não é?

- Porque esta tão interessado em saber isso? – Ele ficou serio. – Não me leve a mau, mas me disseram que você não eram muito de falar e eu sou um simples acompanhante, porque isso agora? – Ele deu um sorriso.

- Você tem razão em tudo, mas você foi o primeiro que não me pediu nada então...

- Não se preocupe, eu não pretendo chantageá-lo. – Respondi me levantando da cama indo tomar um pouco de água.

- Eu não quis dizer... – Ele deu um suspiro. – Meu nome é Zhang Yixing, mas pode me chamar de Lay, qual é o seu? – Ele se levantou vindo na minha direção. * Porque ele esta se apresentando?*

- Eu me chamo Oh Sehun... – Falei sem me virar para olha-lo. – Ai...

- Isso foi culpa minha? – Ele perguntou assustado assim que viu a situação das minhas costas. – Me desculpa eu não...

- Não foi culpa sua... – Coloquei uma das mãos por cima do ombro. – Foi um dos clientes de hoje mais cedo, eu ainda tive sorte de que não fiquei com marcas nos pulsos... – Parei de falar assim que lembrei com quem estava falando. * Eu fiquei maluco só pode.* - Sinto muito, não deveria estar falando sobre isto... – Coloquei um sorriso no rosto. – Então decidiu o que quer fazer?

- Me conte, quem é você...

- Isso não é certo, você pagou m...

- Eu estou mandando...- Ele parecia com raiva. – Foi para isso que eu paguei, para você me obedecer.

- Já entendi... – Fiquei surpreso. * Ele é realmente diferente do que falaram.* - Se é o que você quer... -Aquelas duas horas foram se passando muito devagar e acabei contando tudo para ele e também acabei descobrindo algumas coisas sobre ele.

Depois daquele dia, ele passou a aparecer todos os dias para me requisitar e mais alguma tempo depois o senhor Dark me avisou que eu estaria sendo o acompanhante exclusivo daquele cara, o que me deixou surpreso, pois ficava me perguntando quanto dinheiro aquele cara pretendia gastar comigo.

 Um ano depois minha divida com o senhor Dark havia acabando e era a ultima noite que passaria com o Lay. Quando cheguei ao hotel, Lay veio me receber, mas percebeu que eu estava um pouco triste, então acabou só me abraçando, sem dizer nada.

- Lay eu...

- Eu já sei o que vai dizer não se preocupe, ainda posso te ver certo? – Quando ele falou isso, parei para pensar um pouco. * Ele tem razão, eu sei onde fica a empresa e eu tenho o numero dele.*

- Claro que pode, eu realmente me preocupo muito. – Abri um sorriso e depois o abracei.

Durante aquela noite me senti feliz como nunca tinha ficado em anos, pois finalmente estaria livre para procurar minha mãe e meu irmão. Assim que amanheceu o dia, Lay me acordou e me ofereceu uma carona, para ir buscar minhas coisas, pelo menos, as que eu ganhei durante esses anos. Enquanto estávamos indo para o local, acabei me lembrando de que havia perdido o endereço da casa junto com a carta quando fui sequestrado. * E agora? Como é que eu vou fazer para encontrar eles?* Estava fincado preocupado com aquilo que acabei não prestando atenção no que o Lay estava falando, ate que o mesmo parou o carro.

- Sehun... Ei Sehun?

- O que? O que houve? – Perguntei voltando meu olhar para ele.

- Já chegamos... – Ele me olhou serio. – Mas o que foi que aconteceu, pensei que não tivesse mais com que se preocupar. – Ele colocou as mão no meu rosto.

- Eu também pensei isso, mas parece que eu não tenho como encontrar minha mãe, muito menos meu irmão. – Falei depois dei um suspiro.

 - Como assim? Não me diga que esta com medo?

- Longe disso, é que acabei de me lembrar que não tenho mais o endereço onde possivelmente posso encontra-los. – Lay ficou surpreso.

- Mas você não tem o nome dos patrões, alguma referencia deles, em que parte da cidade, nada?

- Bom, eu me lembro que o sobrenome da família é Jeon, pelo que minha mãe dizia na carta na carta, eles tem ou tinham uma empresa famosa e o pai do meu irmão é um dos sócios dessa empresa, mas não consigo me lembrar de mais nada.

- Espera ai, sua mãe acabou seduzindo um homem casado por causa do dinheiro? – Ele me perguntou.

- Parando para pensar, ela me deixou com a desculpa de que queria me dar uma boa vida e pouco tempo depois fala que eu vou ter um irmão que é filho que um empresário... – Fiquei pensativo. – Nossa minha mãe é uma pessoa horrível.

- Calma ai, tem uma boa chance de eu estar errado e ela ser a mulher que eu vi no outro dia. – Ele falou batendo a cabeça no volante.

- Isto significa que você sabe de quem estou falando? – Fiquei um pouco animado.

- Provavelmente sim, mas agora vai lá pegar suas coisas, eu te levo ate a casa.

Assim que sai do carro fui correndo ate o quarto onde eu ficava para pegar minhas coisas, me despedi das garotas que me imploraram para de vez em quando voltar para visita-las e me despedi também do senhor Dark, depois voltei para o carro, então Lay pode seguir ate a casa. Quando chegamos na frente da casa, fiquei impressionado, mas acabei correndo direto para a porta e toquei a campainha e fiquei esperando junto com o Lay. Depois de alguns minutos uma mulher atendeu e perguntou quem eu procurava.

- A senhora sabe se a MiCha esta? – Quando perguntei isso, a cara da senhora ficou seria. * Sera que é ela?*

- Você é algum parente meu jovem? – Assim que assenti, ela pediu para entrarmos. – Eu me lembro de você, é um de nossos patrocinadores na China, certo? – Falou olhando para o Lay.

- Sim senhora.

- Bom sentem-se, por favor... – Me sentei em um dos sofás. – Não é todo dia que a gente descobre que a MiCha ainda tem parentes. – Ela parecia triste. * Então ela não é a minha mãe.*

- Então a senhora a conheci? – Perguntei olhando ao redor.

- Bom, conheci, mas ela morreu a muito tempo, na verdade, depois de quase dois anos trabalhando aqui... – Parou um pouco. * Não pode ser, o que eu vou fazer agora?*– Você é algum sobrinho dela?

- Não, na verdade, eu sou o filho dela. – Falei olhando para meus pés.

- Meu Deus, não sabia que ela teve outro filho antes do...- Eu e Lay olhamos para ela. – Quer dizer sinto muito pela sua perda.

- Senhora, por favor, não esconda nada... – Lay ficou serio e se aproximou a senhora. – A senhora conhece o irmão dele, certo? – Ela baixou a cabeça.

- Sim eu conheço...

- Como ele se chama, onde ele esta, por favor, me conte. – Acabei correndo ate ela e segurando os braços dela com força. * Pelo menos ainda tenho o meu irmão e isso não podem me tirar também.*

- Sehun calma, você esta machucando ela. – Lay me afastou. – Esta bem?

- Sim não se preocupe... – Ela me olhou nos olhos. – Por favor, se eu te contar quem ele é, não interfira na vida dele, isso vai ser um grande choque.

- Não, ele é meu irmão, seja lá onde ele esti...

- Mãe... – Escutei alguém falando no andar de cima. – A senhora viu onde deixei aquele livro que... Me desculpe não sabia que tinha visita... – Olhei para o garoto. * Ele lembra a minha mãe, não me diga que... *

- Não se preocupe com a gente garoto, pode perguntar. – Falei sorrindo enquanto olhava para ele.

- Tudo bem... – Ele desviou o olhar para a senhora. – A senhora sabe onde eu deixei aquele livro que meu pai trouxe para mim na ultima viagem? A _____ esta precisando dele.

- Jungkook, eu vi a SunHee com ele a pouco tempo então é bom correr. – O jeito que ela falou com ele, parecia preocupada. * Então com certeza é ele. *

- A SunHee... – Ele gritou, mas olhou para mim e o Lay e voltou ao normal. – Se me derem licença, eu tenho que ter uma conversinha com a minha irmã. – Foi embora. * Irmã? É por isso que ela não quer que eu interfira?*

- Ela esta no banho, então cuidado. – Senhora falou com um pouco de medo. – Crianças... Bom, onde estávamos mesmo?- Eu ia falar alguma coisa, mas não consegui. – Ah olha só a hora tanta coisa para fazer, sinto muito preciso que se retirem. – Ela saiu andando ate a porta.

- Isso tudo é porque aquele garoto é meu irmão, não é? A senhora não quer que ele saiba que a família dele mentiu esse tempo todo. – Falei com raiva e indo ate ela.

- Sehun tenha modos...

- Cala boca Lay, fala logo... – Eu quase a empurrei, ao mesmo tempo que comecei a chorar.- É ele não é. – Ela ficou calada olhando para o outro lado e encarei aquilo como um sim, então fui em direção as escadas. – Jungkook... Jungkook.

- Ei controle seu amigo...

- Estou tentando... – Lay estava me puxando pelo braço.

- Me solta Lay, eu quero ver meu irmão. – Falei tentando me largar – Jungkook, é o seu irmão..

- Não tem outro jeito... – Quando escutei isso, acabei apagando.

Assim que acordei, percebi que estava dentro carro do Lay e quando ele percebeu que eu havia acordado, ficou me dando bronca. * Por um momento achei que era tudo um sonho.* Quando ele parou o carro na frente de uma faculdade, já passava das 18:35. Ligou para alguém, falou alguns minutos e depois desligou, pediu para que eu crescesse do carro e o acompanhasse.

- Onde vamos? – Perguntei assim que ele pegou minhas coisas.

- Eu tenho que viajar para a China essa noite e só volto daqui a três dias, então pedi para uns amigos cuidarem de você durante esse tempo e eles estão vindo ai.

- Como assim? Eu posso me cuidar sozinho. – Falei com um pouco de raiva.

- Depois do que eu vi hoje, você com certeza não vai se virar bem e pode acabar caindo em uma cilada outra vez. – Falou me abraçando. – E por falar nos meus amigos ali estão eles. – Vi dois caras saindo da faculdade e acenando na nossa direção.

- Quanto tempo Lay, pelo visto se amarrou a alguém, de vez. – Falou um deles brincando com ele.

- Para Kai, vai envergonhar ele.

- Tarde de mais... – O outro se aproximou de mim tentando fazer a mesma coisa.

- Xiumin larga ele... – Lay correu ate mim e afastou o cara.

- Olha o ciúme... – O tal do Kai começou a rir. – Se ele vai ficar com a gente, pelo menos temos que nos acostumar.

- E outra, você se esqueceu que ele não faz nosso tipo. – Quando o outro falou isso Lay começou a rir.

- Onde estou com a cabeça, isso é verdade.

Acabamos conversando por um bom tempo e nos apresentado direito, Lay inventou de falar o motivo de eu ter vindo para a coreia e tudo mais, o que deixou os dois de boca aberta porque não imaginaria que estariam ligados tanto com uma família só, mesmo sendo professores. No começo eu não entendi, mas depois que eles falaram tudo, eu entendi a situação. Nos despedimos do Lay e ele foi embora, enquanto nós fomos para o carro do Xiumin guardar as coisas ir embora dali.

- Espero que não se importe, mas vamos para a casa de uma aluna antes de seguimos para casa. – O Kai falou sorrindo.

- Claro que não me importo, mas é seguro?

- Não, mas eu preciso ir ou vou ter que colocar uma nota ruim. – Saímos dai e fomos ate a casa da tal aluna e quando chegamos lá ele desceu do carro e foi ate a porta. * Essa garota tem uma vida boa.*

- Ue já voltou? Porque esse sorrisinho? O que foi que aconteceu lá? – O Xiumin não parava de fazer perguntas.

- Bom a Ammi não esta em casa Xiumin. – Ele falou com um sorriso vitorioso.

- E onde ela esta?

- A mãe disse que ela esta na casa de uma amiga de escola que ela não falava a um tempo... – Ele colocou o sinto de segurança e Xiumin deu a partida. – A como eu tenho sorte.

- Já entendi, estamos indo para lá agora. – Xiumin falou sem animo. – Você ainda vai ser preso por isso e além disso não é só você que teve sorte, o Sehun também.

- Eu? Como assim? – Perguntei confuso.

- Porque vamos ver a princesa... – Quando Kai falou isso eu fiquei preocupado. * Ele ficou louco.*


Notas Finais


Desculpem os erros ou outra coisa.
O que achou?
Pode comentar se quiser.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...