História Volte para Dezembro - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Cora Hale, Corey Bryant, Derek Hale, Hayden Romero, Isaac Lahey, Kira Yukimura, Lydia Martin, Malia Tate, Mason Hewitt, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Personagens Originais, Peter Hale, Scott McCall, Theo Raeken
Tags Corisaac, Maleo, Romance, Scira, Stydia, Teen Wolf
Visualizações 297
Palavras 2.423
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Well, here I am! Eu estou tentado escrever semanalmente assim e vou tentar continuar assim. Mas obrigada por todos os comentários e favoritos e espero que gostem do capítulo! ♥

Capítulo 7 - Sete


Lydia Martin era uma mulher maravilhosa aos olhos de Malia. Sem que ela quisesse admitir, ela a invejava ás vezes. Mas também, o que não teria para invejar? Lydia era linda, inteligente, extrovertida e tinha de tudo. (incluindo seu ex-namorado).

Malia sabia que não era culpa de Lydia ela e Stiles ficarem juntos e apaixonados. Mas ela não conseguia pensar que, se ela o amava desde antes de Malia aparecer, por que ela não fez nada? Por que não o contar que o amava antes disso? Mas agora eles já estavam juntos e nada disso importava. Nada. Não seu amor por ele, não como ele era sua âncora, nada.

— Terra para Malia Raeken! — Kira disse estralando os dedos no rosto de Malia, afastando-a de seus pensamentos.

Malia Raeken.

Kira não tinha ideia do quanto isso a deixou desconfortável. Mas não era culpa dela, então Malia riu junto d’ela e Lydia e tentou o máximo abrir um sorriso verdadeiro. Apesar de que só o pensamento de ter seu nome, sua identidade que ela tanto buscou, trocado por Raeken já a dava arrepios.

— Acho que você precisava mesmo dessas férias. — Lydia deduziu.

Malia suspirou e concordou num pequeno sussurro. Elas continuaram andando pelo hotel. Lydia apontava as melhores partes – como piscinas, restaurantes, SPAs – e Kira falava como planejava os acontecimentos daquela semana.

Malia não prestou muita atenção.

∞∞

Theo saiu do quarto para pegar o elevador e descer para a recepção, onde Isaac aparentemente queria sua palavra. Mas foi surpreendido por uma figura pequena com grandes olhos azuis cutucando sua perna antes do elevador chegar.

— Pai!

Ele não respondeu. Por favor, Katherine, não é uma boa hora agora.

Como não obteve resposta, a menina repetiu:

— Pai! Pai, pai, pai, pai!

O quê, Katherine?

— Quando que a gente vai comer?

Theo suspirou. Katherine conseguia ser irritante quando tentava. Ele já tinha problemas, pensamentos demais em sua cabeça. E se preocupar com as necessidades de sua filha não estava necessariamente em seus planos para o dia de hoje.

Outra razão para querer sair daquele lugar o mais rápido possível.

— Você não vai me responder?

Os olhos azul-esverdeados dele se reviraram. Ele não disse uma palavra.

Katherine soltou um “huh” murmurado e cruzou os braços. Parou, pensou no que dizer. Até que, com um sorriso sorrateiro, ela perguntou:

— A mamãe está brava com você?

Theo franziu o cenho e Katherine sorriu, porque sabia que tinha conseguido o que queria. Ele virou-se para ela – que tratou-se de logo esconder o sorriso – e a olhou confuso. Desviou o olhar e mordeu o lábio, pensando na pergunta da garota. Era quase engraçado. A verdadeira pergunta deveria ser: quando ela não estava? Ah, ele queria que ela não estivesse.

Mas ela estava. Por isso, Theo teve que encarar mini Malia do seu lado e responder:

— Por que acha isso?

— Ah, eu não acho nada. — Katherine sorriu para ele. O rosto de Theo podia ser descrito como um perfeito ponto de interrogação. — Eu só queria que você prestasse atenção em mim. Aliás, por que vocês iriam ficar se pegando se estivessem brigados? Não faz sentido.

Oh.

— Certo. — ele disse quietamente e virou-se para o elevador de novo. — Não faz sentido.

— Ei, não vira as costas pra mim! Você ainda não me respondeu. — Katherine reclamou. 

— Depois, Katherine. Depois.

A porta do elevador finalmente abriu e Theo entrou lá. Apertou o botão para o térreo e assistiu a porta se fechar e Katherine ir para seu quarto depois de bufar e rolar os olhos. Então se sentiu aliviado por não ter mais que lidar com Katherine. Pelo menos, não por algum tempo. Aquilo já era o suficiente para ele.

Quando a porta se abriu novamente, Theo saiu para encontrar, no fim do corredor, o homem que ele lembrava ser Isaac conversando com Scott e Stiles e rindo. Andou até ele, que quando sentiu alguém d'o seu lado, virou-se para ele e sorriu amplamente.

— Theo! — ele disse, colocando um braço ao redor de seu ombro. (o que, sim, era um pouco constrangedor, considerando a diferença de altura d'os dois). — Finalmente, hein! Eu achei que iria perder minha aposta para Stiles.

— Aposta?

— Hm, sim! Mieczyslaw aqui apostou que você não viria ou demoraria tanto que desistiríamos de te esperar. E, bem, como isso não aconteceu... — ele se virou para Stiles. — Pode pagar.

Stiles revirou os olhos, mas continha um pequeno sorriso de lado nos olhos. Pegou sua carteira em seu bolso e tirou de lá uma nota de vinte dólares. Isaac sorriu confiante e pegou o dinheiro, o guardando no bolso de sua camisa.

— Wow, se não quisesse que eu viesse era só falar, Stilinski. — Theo disse.

— Se é assim, então: eu não quero você aqui, Theo. Tchau.

— Rude! — Scott disse ao seu lado.  

— Concordo. Muito rude. — Isaac acrescentou e se virou para Theo novamente. — Mas mesmo se Mieczyslaw não te quiser aqui, eu ainda tenho que falar com você.

— Não me chame de Mieczyslaw.

— Eu te chamo d'o que eu quiser, amor.

Stiles riu e franziu o cenho. Isaac sugeriu que eles fossem para outro lugar para conversar e os outros três concordaram. Saíram do hotel – com o braço de Isaac ainda ao redor d'o pescoço de Theo, o fazendo ficar ligeiramente envergonhado com sua altura.

Aquele seria um longo dia.

∞∞

— Eu não entendi nada. — Lydia pensou em voz alta, com seu cenho franzido e sobrancelhas arqueadas.

De volta à Beacon Hills, no verdadeiro Beacon Hills, Deaton tentava explicar o que havia acontecido com Theo e Malia. Os dois haviam desaparecido, como Stiles, mas não esquecidos. O que Scott e Lydia, junto com o resto da alcateia, acharam muito estranho. Se eles não foram esquecidos, então não tinham sido levados – certo? Mas, aparentemente, eles não estavam em lugar nenhum. Então decidiram buscar ajuda de Alan para uma solução plausível.

— Quero dizer, eu entendi o que você disse. Mas, se eles foram levados, por que nos lembramos d'eles? Isso não faz o menor sentido.

— Isso é o que eu estou tentando descobrir, Lydia. — Alan respondeu.

Lydia suspirou e fechou os olhos. Scott, vendo a situação que a amiga estava, pegou sua mão e apertou-a, dando-a conforto. Ela permitiu-se sorrir com o gesto, apesar de tudo o que estava acontecendo. Três pessoas da alcateia já haviam sido levadas. E, com isso, as chances de conseguir todos de volta era mínima.

— Se eles foram levados, assim como Stiles, nós podemos trazê-lo da mesma maneira que ele? — Scott virou-se para Alan e perguntou. — Nós iríamos tentar reconquistar nossas memórias com a ideia da Lydia. Sem Malia aqui, ainda acha que daria certo?

— De certa forma, sim. — ele concluiu. — Se conseguirem se conectar com todos eles, acho que conseguiriam abrir um portal para ambos os casos.

— Ambos os casos?

— Bem, vejam, Stiles não está junto de Theo e Malia. Eles não foram esquecidos, então estão em outro lugar juntos. Terão que abrir dois portais.

Enquanto Lydia começava a se preocupar mais e mais e Scott tentava acalmá-la, no fundo da sala, Hayden, Corey e Mason ouviam tudo. Após a última fala de Deaton, Hayden se virou para seus melhores amigos e sussurrou:

— Theo e Malia aprisionados n'uma prisão dos Ghost Riders juntos? Isso não pode dar coisa boa. Não me surpreenderia se Malia matasse Theo antes de podermos resgatá-los.

— Aposto cinquenta dólares que eles vão voltar apaixonados. — Corey sussurrou em resposta.

Hayden riu baixo. Decidiu entrar na brincadeira também:

— Aposto cinquenta dólares que eles vão voltar se odiando. — Mason e Corey olharam para ela sarcasticamente e ela decidiu adicionar: — Mais.

— Aposto cinquenta dólares que pelo menos um d'eles não vai voltar.

Eles olharam para Mason confusos e com olhos arregalados. Mason virou-se para eles e sussurrou um “o quê?”. Hayden suspirou, enquanto Corey riu do namorado. Hayden virou-se para eles e estendeu uma nota de cinquenta, perguntando:

— Apostado?

— Apostado. — eles responderam.

∞∞

De volta para Flórida, Theo acabou parando em um restaurante perto da praia junto de Isaac, Scott e Stiles. Eles sentaram-se em uma mesa e fizeram seus pedidos. Enquanto esperavam, Theo virou-se para Isaac para ouvir o que ele queria dizer.

— Então — ele começou. —, pronto para a minha proposta?

— Pode falar.

— Eu estava pensando ultimamente. Sabe, com Allison e tudo isso rolando lá em casa, eu não acho que Dimitri esteja se sentindo muito bem.

— Dimitri é...?

Isaac arqueou as sobrancelhas e disse como se fosse óbvio:

— Filho de Allison...?

— Ah, seu filho. Tudo bem, continua.

— Não meu filho. De Allison. Só dela. Eu e Allison- nós nunca- não. Dimitri é filho de Allison.

— Theo, 'tá tudo bem com você? — Stiles perguntou, com um tom de divertimento e confusão em sua voz.

— 'To ótimo, continue.

Os outros três homens se entreolharam. Stiles iria falar alguma coisa e abriu a boca, mas mudou de ideia no meio. Decidiu continuar em silêncio enquanto Isaac prosseguia:

— Continuando... Ele não está se sentindo muito bem e eu acho que ele também precisa de umas férias. Então eu pensei e ele pode ficar com vocês no final do feriado?

Theo olhou para Isaac e depois para os outros dois homens na mesa. Voltou o olhar para o indivíduo ao seu lado e deu os ombros, respondendo com um:

— Não vejo por que não.

Isaac agradeceu e, bem no meio de sua fala, dois garçons foram para a mesa entregar seus pratos. Cada prato foi colocado junto d'a bebida em seus cantos. Cada um dos quatro amigos colocou sua parte da conta num montinho e Scott os manteve para pagar no final.

Bem, foi mais fácil do que Theo achava que iria ser.

∞∞

O dia de Malia não teve nada de especial e, se ela fosse honesta consigo mesma, ela estava entediada. Ela, junto de Kira e Lydia, compraram alguns biquínis e roupas e tomaram sorvete e, se elas fizeram mais alguma coisa, ela não se lembrava. Malia estava muito estressada para aproveitar qualquer uma das atividades.

Então quando o dia já estava no fim, ela voltou para o hotel e subiu para seu quarto. Ela pôde notar que, no quarto do lado, Katherine devorava um prato cheio de espaguete provavelmente pedido pelo serviço de quarto. E na hora ela se lembrou de que tinha se esquecido de sua filha e de alimentá-la. Ela decidiu que iria pedir desculpas mais tarde.

Então ela entrou no quarto, tomou um banho e colocou apenas uma camiseta para dormir, juntos das partes de baixo. Enquanto passava a camiseta pela cabeça, ouviu a porta se abrir e bufou pois sabia quem era.

Theo Raeken entrou no quarto tirando a blusa e jogou-a para algum canto. Pelo canto do olho ele percebeu que Malia encarava, e ele não pôde evitar o sorriso. Malia balançou a cabeça e desviou o olhar.

— Sabia que aqui meu nome é Malia Raeken, não Malia Tate?

— Faz sentido, somos casados. — ele respondeu. — Eu gostei como soa. Malia Raeken.

— Eu não. — ela suspirou.

O silêncio pairou no ar. Malia, desconfortável com a falta de palavras, virou-se para ele e o observou por um momento. Ele notou seu olhar e a encarou de volta, abrindo um sorriso de lado com a irritação clara da mulher. Ela suspirou e disse:

— Eu não entendo. Não era você que queria falar sobre aquilo? Por que não está falando nada?

— O que você quer que eu fale? — ele se aproximou d'ela. — É simples o que aconteceu. Eu te beijei e você me beijou de volta. Você se sente culpada, mas quer que eu peça desculpas. Mas eu não me arrependo ou sinto muito, coiote. Não por isso.

— O que você quer dizer?

— Quero dizer que eu faria de novo. — ele abriu um sorriso desafiador. — E eu sei que vai acontecer de novo.

Malia arqueou as sobrancelhas, tentando esconder o começo de um sorriso em seus lábios.

— Ah, é? Por que aconteceria de novo?

— Malia — ele riu e abaixou a cabeça. —, você realmente espera que acreditem que estamos casados se nunca nos beijamos?

— Hm, sim. Nós não precisamos nos beijar. — quando ele a olhou novamente com diversão nos olhos, ela justificou: — Diremos que você está com herpes.

— Cale a boca e me beije logo. Um selinho nos lábios e você estará livre.

Cale a boca e me beije. — ela repetiu. — Você é charmoso.

Ele continuava com um sorriso travesso nos lábios. Aproximou-se mais ainda d'ela e conseguiu percebeu a fração de um sorriso se formando nos lábios da garota a sua frente.

— Então? — ele perguntou.

Ela suspirou. Tudo bem. Ela respirou fundo e o puxou para perto. Theo abriu ainda mais aquele sorriso maligno quando soube que tinha ganhado. Ele colocou uma mão em sua cintura e ela não queria aqueles arrepios em sua pele que ela estava sentido naquele momento.

Malia inclinou seu rosto para o lado e beijou os lábios finos de Theo. Ela tentou fazer com que fosse apenas um selinho, ela poderia jurar que tentou. Mas então ele abriu a boca e aprofundou o beijo, a deixando perdida. E então seus braços foram parar em seu pescoço involuntariamente e ela não conseguia pensar direito.

As mãos dele apertaram sua cintura, a fazendo arfar em sua boca. E foi nesse momento em que ela percebeu que aquilo tinha passado dos limites para um beijo técnico e se afastou o mais rápido possível.

Com hesito, ela abriu seus olhos e encontrou exatamente o que esperava encontrar. Theo Raeken com seu maldito sorriso confiante.

— Doeu tanto assim?

— A língua era necessária?

— Eu não vi você reclamar.

Malia iria retrucar, mas percebeu que seria inútil. Ela tentou ver pelo lado positivo. Eles não estavam em Beacon Hills – ainda – e ela ainda poderia consertar tudo. Ela já tinha errado, não? Então qual seria o problema de se envolver com esse problema só mais um pouco?

Sim, ela iria consertar tudo no final. Ela tinha que consertar.

Mas por aquele momento ela deixou-se sorrir e simplesmente ir dormir. Aquelas eram suas férias e ela decidiu que iria aproveitá-las. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo! Comentários são sempre bem-vindos e respondidos! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...