História Vorpal Swords: O Time Invencível, Ou Será Que Não...? - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Furihata Koki, Himuro Tatsuya, Hyuga Junpei, Izuki Shun, Kagami Taiga, Kise Ryouta, Kiyoshi Miyaji, Kiyoshi Teppei, Kousuke Wakamatsu, Kuroko Tetsuya, Makoto Hanamiya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Personagens Originais, Riko Aida, Sakurai Ryou, Shougo Haizaki, Takao Kazunari, Wei Liu
Visualizações 48
Palavras 2.498
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yoo...
Estamos Aqui Outra Vez, Trazendo Para Vocês, Meus Bolinhos Queridos, Um Novo Capítulo Dessa História Infinitamente Anormal
Espero Que Tenham Uma Leitura Agradável
Obrigado Por Sua Atenção

Capítulo 29 - Taurinas Nunca Dão Segundas Chances


Haku

Aida era uma ótima companhia, era o tipo de pessoa que te ajuda a esquecer os problemas...

Era definitivo, Aida era uma amiga que eu apreciava imensamente, uma ótima amiga e uma ótima pessoa, também 

Hyuga era um caso sério de ciúme bobo e infundado, era mais que óbvio seus olhares odiosos em minha direção... Se ele soubesse que eu estou mais do que envolvido com aquela ruiva absurdamente cega chamada Shizutti Lenka...

Aida vivia negando o fato de que Hyuga gostava dela, o que era um tanto quanto estúpido da parte dela, já que era óbvio que ela era apaixonada pelo cara...

Lenka tem sido fria comigo de uns tempos pra cá... E isso realmente me deixa aflito...

Aida diz que isso não é minha culpa e que Lenka só está um pouco estressada... Acho que ela tem razão!

Fugaku diz que Lenka está tensa por causa da nova carga horária de treinos e isso pode ter ocasionado essa mudança de comportamento, o que confirma minha teoria de que Aida tem razão, ambas têm plena razão...

Fugaku, Yumi e Akari continuaram frequentando Seirin, o que não me incomodava, era bom que Fugaku e Yumi descansassem pelo menos um pouco

É claro que isso significava que Mariko entrava em modo dragão durante os treinos, mas Fugaku daria um jeito nessa situação 

" Para tudo nessa vida dá-se um jeito! ", nas palavras da própria genialidade, Kaito Fugaku M.

E era exatamente por isso que não iríamos treinar as pequenas em Aspien hoje...

— Hoje o treino não será efetuado aqui! — anunciou Yumi

— Nande, sensei? — perguntou Ninhow 

— Logo vocês descobrirão...

Fugaku

— Mariko! — chamei quando ela seguiu até a saída — Só elas vão treinar fora... Nós ficaremos aqui! 

— Ma...

— Sem mas, Mariko! Você precisa ser treinada separadamente até estar apta à treinar junto de suas companheiras novamente! Seu temperamento irregular e egoísta em quadra pode prejudicá-las! 

— Você também é temperamental! — argumentou

— Hai, eu sou temperamental, querida Mariko, mas confio em minhas companheiras e as respeito, como uma verdadeira esportista faz!

— Existem coisas que só eu posso fazer, Fugaku! 

— De fato, existem. Cada jogadora tem sua função, mas cada função se interliga e é isso que forma uma equipe! 

— Ma...

— Soldados confiam uns nos outros, é o que faz deles um exército! 

— Odeio o Capitão América! — a loira revirou seus olhos azuis

— Isso é seu problema, pequena... 

Mariko

Fugaku era uma pessoa imponente, era por isso que eu a respeitava, porque ninguém podia subjulgá-la...

Mas confesso que as vezes toda essa imponência me deixava furiosa, porque ela sempre encontrava um jeito de usá-la contra mim 

— Vamos começar! — exclamou ela, tirando uma venda da bolsa 

— Pra que isso? — indiquei a venda preta em sua mão 

— Vamos treinar a sua audição, da mesma maneira que meu mestre me treinou... Você será vendada e seu desafio será descobrir onde estou e qual a distância que há entre mim e a cesta! — murmurou, amarrando o pano preto para cobrir meus olhos — Vê alguma coisa? 

— Absolutamente nada! 

Ouvi ela se afastar, sem saber exatamente para onde ela iria... Ouvi também o som da bola batendo contra o piso da quadra

— Direção? — pude ouví-la perguntar

— Sudoeste? 

— Distância? 

— Dez metros? 

Errado nas duas respostas! — anunciou, rindo

— Onde está? — não recebi nenhuma resposta, apenas ouvi o barulho de seus passos, mudando sua posição na quadra

— Diga você.

— Leste? Quinze metros e meio da cesta? — hesitação era o que definia meu estado

Errado!

Ficamos naquele jogo sem sentido e nem fundamento durante várias horas e a única coisa que Fugaku dizia era que minha resposta estava errada, nunca me dizia a resposta certa, o que certamente me dava nos nervos

— Você se saiu realmente mal nesse primeiro teste, Mariko-kun! — anunciou ela, ao desatar o nó que prendia a venda em minha cabeça — Mas ainda conseguiremos mudar esse quadro! 

— Seu " mestre " usou esse método com você? — perguntei, duvidando do absurdo que ouvi antes de começarmos 

— Usou e é por isso que sou assim hoje!

— Seu " mestre " era completamente insano

Isso pareceu a ofender profundamente, o que me fez morder a língua 

— Não fale assim do meu mestre! Tão pouco use a palavra " mestre " com esse tom enojado! Fui treinada pelo melhor e mais experiente jogador que já conheci em toda minha vida, então, nunca mais ouse falar dele dessa forma! 

Confesso que tinha me assustado com a reação dela diante de uma simples frase

— Vestiário, agora mesmo! — ordenou ela, de modo frio 

Fugaku saía do sério com facilidade, eu deveria anotar isso para me lembrar de não confrontá-la, embora fosse mais difícil do que parecia ser... Era bem mais forte que eu...

Quando deixamos as dependências do colégio, Fugaku parecia mais fria e quieta que o normal, era estranho vê-la tão distante e tão fechada...

— Escuta Mariko... Sei que não concorda com meus métodos de ensino, aqueles que aprendi com meu mestre, mas nunca deve ofender um homem tão sábio quanto aquele que me instruiu! 

— Não imaginei que seria tão importante...

— Meu mestre me ensinou tudo que sei e me fez ser quem eu sou hoje, ele fez e ainda faz parte de minha vida de uma forma que você talvez nunca entenda, pequena Mariko! 

— Não irá se repetir, eu juro, sensei! — prometi, acanhada com seu olhar duro

— Esteja preparada para amanhã, cara Mariko... Seu treinamento não será diminuído, tenha uma boa noite de sono e procure estar plenamente disposta amanhã! Não irei pegar tão leve!

E assim ela se distanciou, seguindo seu próprio rumo 

Mouky

Tino era minha tutora, disseram que fomos distribuídas de acordo com nossas compatibilidades com nossas respectivas tutoras...

Nosso treino tinha acabado, eu particularmente estava totalmente acabada, mas não o suficiente para ignorar o que acontecia na quadra pública ao lado daquela em que treinamos...

Havia um grupo de garotos, garotos que não eram grande coisa jogando e uma menina fofa se aproximou, perguntando se podia jogar com eles...

— Você é só uma garotinha... Acha mesmo que deixaríamos você jogar, docinho? — perguntou um dos garotos, tão convencido que chegou a me enojar...

— M-mas... — balbuciou a pequena

— Apenas saia daqui, bebê! — ordenou um outro rapaz, tão metido quanto o anterior a ele

A menina deixou a quadra cabisbaixa, não pude me conformar com aquela cena machista e insuportável que aconteceu ali mesmo

Abordei a garota e sorri pra ela

— Posso lhe fazer uma proposta, querida? — ela inclinou a cabeça para o lado, me encarando confusa — Volte aqui amanhã, neste mesmo horário, esses garotos costumam ficar aqui sempre nesse horário, posso resolver esse problema para você!

— Certo... — murmurou, ainda mais confusa — Mas, quem é você?

— Mouky. E você? 

— Sook. — respondeu ela, aparentemente contente

— Até amanhã, Sook!

Esses machistas imprestáveis vão ter a punição que merecem...

Murasakibara 

Estava ansioso para ver minha Fuga-chin no colégio, queria abraçá-la e dar um beijo na minha namorada, pois estava morrendo de saudades...

Ao entrar na sala de aula eu a vi conversando com seu treinador

— Mariko ainda reluta, mas em breve será uma jogadora disciplinada! — comentou Fuga-chin 

— Sua paciência é digna de prêmio!

— Sou boa no que faço, o que posso fazer quanto à isso? 

 Ah meu bebê! O que eu faria sem você? — ele beliscou a bochecha dela e sorriu

Fiquei irritado, não pude conter esse sentimento, Fuga-chin era minha e ninguém iria tirá-la  de mim! 

Ela se levantou e passou por mim, me cumprimentando e deixando um beijo em minha bochecha

O treinador começou a vasculhar sua mochila e eu apenas o observei, não gostava nem um pouco dele! 

— Fuu-chan não gosta de ser controlada! — me assustei ao ouvir a voz de Takao-chin ao meu lado

— O que quer dizer com isso?

— Fuu-chan não nasceu pra abaixar a cabeça pra absolutamente ninguém... Ela é como... Um espírito livre, entende? Não procure prendê-la, pois ela irá resistir e isso não acabará bem! 

— Ma...

— Escute-o! — a voz de Mido-chin me assustou também — Takao conhece sua namorada desde a infância e sabe muito bem quem é aquela maluca!

— Por que estão dizendo isso?

— Porque somos seus amigos e queremos ajudá-lo! Afinal, essa é sua única chance...

— Como assim?

— Fugaku é uma taurina, uma taurina que ama sua liberdade... Se a prender demais ela vai deixá-lo e acredite... Taurinas nunca dão segundas chances! — respondeu Mido-chin 

Yumi

Ninhow sempre era uma companhia muito agradável, mas estar longe de Mariko fazia mal à minha pequena aprendiz...

Ninhow tinha apenas um metro e quarenta e oito centímetros de altura, seus cabelos loiros eram cortados no estilo chanel, levemente ondulados e tinha lindos olhinhos azuis escuros, que brilhavam intensamente e incessantemente, mas agora estavam tristes por saudades de sua irmã mais velha...

— Mariko-nee deveria estar conosco... Por que ela tem que treinar sozinha com Fugaku-sensei?

— Fugaku-chan sabe o que faz... Logo você e Mariko estarão treinando juntas novamente! 

— Nós não somos as mesmas sem Mariko-nee, ela é uma parte muito importante da Spectry! 

— Não de preocupe, pequena Ninhow... — interviu Haku — Mariko precisa ser treinada separadamente mas isso é apenas por algum tempo... Seja paciente!

Kaiba era outro que estava abatido com a ausência da Goten mais velha...

Não iria negar, me preocupava o fato de que Fugaku estava treinando Mariko sozinha... Ainda mais quando Fugaku fazia uso dos métodos de Hiro... Embora Hiro tenha sido uma peça essencial para nosso desenvolvimento como atletas... 

Mouky 

O capuz cobria bem meu rosto e o gigantesco moletom disfarçava meus traços femininos... Meus cabelos escuros e curtos contribuíam perfeitamente para meu plano...

Sook chegou assim que os outros foram embora, sorrindo timidamente 

— Os babacas estão bem ali, vá até eles e peça para jogar com eles novamente!

— Hai! 

Assim como imaginei que seria, os garotos rejeitaram a proposta, hora de colocar meu plano em ação! 

Esperei um pouco, apenas o tempo para que eles voltassem a jogar e caminhei em passos firmes até eles 

— Posso jogar com vocês? — minha voz era pouco feminina, um tanto quanto áspera e meio grave 

— Pode ser. — deu de ombros um dos rapazes — Mas vai jogar sozinho contra nós! 

— Sem problemas! 

O bloqueio deles era cheio de falhas, o ataque era fraco e lento, jogar com eles era um enorme desperdício!

Dez minutos e eles tinham sido lindamente derrotados!

Tirei o moletom e o amarrei na cintura, estava muito calor e aquele moletom me sufocava 

— Vocês são péssimos jogadores! — comentei e eles me olharam incrédulos 

— Você...

— Hai, sou uma garota...  Que bom que notou! Aliás, considero muito grosseiro o fato de que não permitiram que a pequena Sook jogasse com vocês, pois eu aposto que ela se sairia melhor que vocês todos juntos!

— Está insinuando que não somos bons?

— Cara, isso é um fato irrevogável! Vocês são um perfeito lixo jogando!

— Ora sua... — um dos garotos avançou um passo em minha direação 

— Não se atreva a chegar perto de mim! — alertei — Eu posso perfeitamente acabar com vocês em dois segundos e irei mandá-los para o hospital tão rápido que apenas lá conseguirão entender o que houve! 

Fugaku

Mariko era um caso sério de falta de orientação sonora...

— Qual é o objetivo disso, Fugaku-sensei? 

— Um inimigo se aproxima por trás... Seus ouvidos devem estar atentos a essa aproximação e a distância que existe entre vocês para saber o momento perfeito para mudar sua jogada...

— Você calcula tudo isso como se não fosse nada... — comentou 

É um dom... Agora me fale, onde estou?

— Leste, seis metros da cesta? 

— Ainda não... 

Ela bufou irritada, o que me fez soltar uma risada baixa

— Lembre-se, eu não preciso de uma resposta imediata, cara Mariko... Fique atenta aos sons e me responda apenas quando tiver certeza do que está dizendo... Agora... Sua última tentativa... Onde estou?

Ela inclinou mais o ouvido na direção do som, respirou fundo e fez um breve silêncio

— Sudeste... Não! Nordeste! Dez... Onze metros da cesta! 

— Acertou! 

Ela soltou uma exclamação de alívio enquanto eu caminhava em sua direção, para soltar sua venda

— Seu erro era me dar a resposta como se ela fosse uma pergunta... Quando você responde perguntando se aquela é a resposta significa que está chutando ou não tem certeza do que está dizendo...

— Então minhas respostas anteriores estavam certas? 

— Quando foi que eu disse isso? Suas respostas estavam erradas... Estou tentando ilustrar que sua incerteza se deve ao fato de que você não estava pensando antes de responder... Um atleta não pode ser só físico, Mariko! Sua mente tem que estar totalmente ativa para que você possa trabalhar bem numa partida!

— Certo... 

Ela correu para o vestiário, parecendo feliz... Só preciso ajudá-la a melhorar nesse quesito da audição e na falta de confiança em suas companheiras... E então ela estará pronta!

Yumi

Era uma manhã tediosa, eu não tinha dormido bem na noite anterior e estava um pouco cansada...

Chegando na sala, avistei um enorme buquê de rosas brancas sobre a minha mesa, o que me deixou confusa...

— Quem deixou essas flores aqui? — perguntei à Fugaku 

— Tenho cara de adivinha? Não faço a menor ideia pequena...

Fugaku

Aquela história era muito suspeita, Seijuurou provavelmente não tinha feito aquilo, levando em conta a expressão de desgosto que havia em seu rosto

Vi Kuroko no fundo da sala e imaginei que ele pudesse saber de algo

— Viu quem deixou aquilo na mesa dela, Tetsuya? 

— Não... Já estava ali quando cheguei... Estou certo de que não foi obra de Akashi-kun! 

— Aquela expressão de ódio dele já deixa bem claro quem é o suspeito número um dele... Acho que é bem provável que tenha sido quem estou pensando... 

— Mas porque ele faria isso? 

— Por que ele acha que pode...

Midorima

As meninas tinham saído, mas Naomi não estava entre elas...

Entrei na quadra e a vi sentada, olhando para um ponto fixo de forma estranha...

— Naomi... — chamei e ela sorriu

— Yoo, Midori-chan! 

— Por que está aqui sozinha? 

— É bom para pensar... 

— Tenho algo para você! — lhe entreguei um bombom recheado com nozes à ela, que sorriu

Ela sorriu e abriu o doce, dando a primeira mordida extremamente contente 

Mas então ela começou a tossir

— Esse bombom é de... Nozes? — perguntou, desesperada

— É...

— Eu sou alérgica à nozes! 

Essa não...

Continua No Próximo Capítulo 


Notas Finais


Isso É Tudo P-p-pessoal!
Fechem As Cortinas
Sayonara


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...