História VPP - Extra - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias MeiaUm (André Felipe)
Personagens Personagens Originais
Tags @tawan, Andre, Dalua, Meiaum, Romance, Tawo, Tawum
Visualizações 8
Palavras 1.265
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Festa, Ficção, Hentai, LGBT, Literatura Feminina, Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como vai minhas gracinhas? ~

Trazendo uma one-short de Vivenciando o Passado no Presente! (Fui contra esse nome mas sou apenas uma coadjuvante aqui, tsk).

Andei muito sumida ultimamente então nada como algo romântico e simples para me desculpar com vocês~ ♡

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction VPP - Extra - Capítulo 1 - Capítulo Único

A batida poderosa do som ecoava por toda a boate extremecendo o corpo de qualquer pessoa viva ali, as pessoas dançavam e bebiam feito loucas como qualquer adolescente ou jovem adulto a flor da pele, aquela era a última festa em que estariam juntos, todos se esforçaram em juntar dinheiro e alugar o local para a despedida dos alunos.

Apesar de ter uma quantidade consideravelmente alta de álcool passando por seu corpo naquele momento ainda estava parcialmente sóbrio, arrumando o óculos em seu rosto Tawo sentia sua garganta ainda com a leve ardência da última garrafa que havia bebido; assistia como se estivesse em casa em um canal pornô Ycaro sendo agarrado fortemente por cima do balcão de bebidas por Saiko, seus corpos estavam colados em todos os sentidos possíveis enquanto as mãos do meio Loiro passeavam por sua nuca a agarrando firmemente enquanto dividiam seus DNAs em um beijo quente.

Preferindo os deixar em paz em seu "momento de paixão" o garoto de origem peruana se levantou pedindo mais uma garrafa e saindo para o lado de fora do estabelecimento, se apoiando contra as barras de proteção do estacionamento ele bebia lentamente o conteúdo da garrafa observando a vista do alto do Morro em que ficava a boate.

Fechou seus olhos lentamente aproveitando a brisa que murmurava graciosamente contra seus ouvidos bater em seu rosto, o som abafado da música tocando dentro do local deixava o ambiente cada vez mais relaxante e melancólico, virando bruscamente a bebida sentiu sua garganta arder como nunca pela velocidade que havia bebido assim como míseras gotas salgadas escorrerem, arremessando a garrafa e a ouvindo quebrar contra o chão ao longe um tempo depois ele finalmente notou, aquela era a altura perfeita para cometer uma loucura.

Apertou o mais forte que conseguia as barras de proteção, apenas precisava de um impulso...

Sentio seus pensamentos se desmancharem por completo ao notar dois braços se cruzarem em sua cintura, aquele toque era irreconhecível até conseguir observar claramente por cima do ombro a pessoa que o abraçava de forma protetora. Os fios de cabelo caídos sobre seu rosto e suas bochechas avermelhadas assim como seus lábios era incrivelmente convidativos, o rapaz mais baixo que si o encarava fixamente enquanto permanecia totalmente colado em seu corpo, sentindo o aroma viciante do peruano.

André sabia que iria sofrer depois, que iria morrer de amor, sentir dor, mas a bebida que corria por suas veias o deixava querendo mais e mais com vontade de toca-lo, já teria perdido todo tipo de paz espiritual possível, se sentia louco, o peruano mexeu consigo. Iria acabar se arrependendo no fim de tudo, mas não se arrependeria de arriscar tal loucura. Ele observava Tawo a um tempo, seu olhar afiado deixava claro que ele não teria vontade de ficar com ninguém, mas ele não se importava, queria poder ouvir o rapaz o chamar de "Baby," sentir seu corpo invadido pelo mesmo e os gemidos em uni-som.

Ele não o reconhecia, o encarava de forma dura como se fosse um aviso de "última chance", André sentia-se feliz de poder o tocar novamente, mas aquilo ainda era pouco. Após alguns minutos naquele silêncio agradável Tawo soltará um ar pesado pela boca o qual nem lembrava de ter puxado, se virou para o rapaz atrás de si na intenção de pedir "gentilmente" que o solta-se.

André não ouvia mais nada em sua volta além de sua própria cabeça, aproximou lentamente seu rosto do mais alto levando uma das mãos a sua nuca a puxando para perto. André sussurrou: — Você sabe o que vai acontecer aqui certo? — E o selar de lábios aconteceu, os lábios frios e finos de Meiaum graças ao clima foram de encontro com os de Tawo não se importando muito com o toque metálico do piercing falso em sua boca. Não havia malícia ou algum tipo de maldade naquele beijo, parecia o beijo de dois jovens garotos que apenas estavam testando algo novo, tímido e tranquilo.

— Desisto.
— Hun...?

Em um movimento rápido o toque das mãos levemente ásperas do peruano atravessaram o tecido da camiseta por baixo agarrando firmemente seu quadril, o beijo começou a se intensificar com o passar do tempo enquanto as mãos de Tawan passeavam uma por suas costas e a outra descia lentamente para a bainha de sua bermuda. André por um momento deixou o ato de entregar-se totalmente ao moreno de lado, o guiando até um dos carros parados no estacionamento.

O barulho da porta do carona destravando foi o suficiente para fazer com que Tawo o agarra-se pelas coxas para seu colo, o aperto em sua cintura indicava que o rapaz o qual devorava sem piedade os delicados e saborosos lábios havia entrelaçado suas pernas em si. Abrindo a porta do carro ele gentilmente deitou Meiaum sobre o banco, ao contrário dele que o encarava com timidez e paixão Tawo possuía olhos de pura luxúria, era como se uma parte de si que encarava o rapaz deitado de forma indefesa o esperando fosse um sonho de infância prestes a realizar-se.

A visão de Tawan tirando lentamente seu casaco e camiseta enquanto o encarava feito um predador o deixava cada vez mais excitado, com o passar dos anos não só seu comportamento teria mudado, mas seu corpo também estava mais viril. Subindo no banco ele conseguiu fechar a porta atrás de si e se posicionando por cima de André voltou a beija-lo, porém de forma mais tranquila. Meiaum cruzou seus braços no pescoço de Da lua acariciando a área enquanto o rapaz gentilmente levantava seu moletom junto com a camisa em baixo dele, o beijo foi se separando lentamente e deixando ainda um certo contato entre os lábios eles se olharam fixamente, tanto André como Tawan estavam perdidos na visão um do outro, o mundo em volta deles não existia mais.

Se afastando do contato de Meiaum, Tawo começou a fazer uma trilha de beijos sobre sua barriga até alcançar um de seus mamilos o qual deu total atenção com sua boca, André em primeiro contato sentiu seu corpo esquentar assim como suas bochechas, os sons que saiam de sua boca agradava cada vez mais o peruano que só parou quando tinha certeza de que seu tronco estava totalmente molhado, o puxando pelas pernas Tawo fez com que a área intima de ambos se esfregassem fazendo com que ambos soltassem um suspiro pesado de suas bocas. Com um selar de lábios André se soltou forçando Tawo a se acomodar de forma correta no carro, sentando da forma mais forte e agradável possível sobre a ereção já robusta na calça do peruano, o som de um gemido rouco o deu mais coragem ainda para uma iniciativa.

Movendo o quadril para frente e para trás em seu colo ele se desfez do beijo passando a atacar de forma tímida o pescoço de Tawan, apenas com beijos e curtas lambidas causando arrepios no mais alto a cada vez que respirava contra a pele do moreno. Terminando de tirar sua camiseta Tawo em um movimento rápido desabotou ambas calças recebendo ajuda de Meiaum para abaixa-las, o tecido da cueca de ambos já estava parcialmente encharcado pelo pré-gozo e antes mesmo que pude-se pensar a cueca de André assim como os óculos de Tawo já tinham sido arremessados para um canto qualquer do carro.

Tawo começou a fazer movimentos lentos sobre o membro de André com uma de suas mãos, pondo dois dedos na boca de Meiaum os pressionou contra.....

Na verdade....

Isso tudo não passa de um sonho erótico de André Felipe. ;)


Notas Finais


Beijinhos de chocolate para todos! E que sua imaginação consiga terminar o que eu comecei~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...