História Wag - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Adrien Rabiot, Álvaro Morata, André Silva, Antoine Griezmann, Julian Draxler, Kevin De Bruyne, Lucas Moura, Marco Verratti, Neymar
Personagens Adrien Rabiot, Álvaro Morata, Julian Draxler, Kevin De Bruyne, Lucas Moura, Marco Verratti, Neymar, Personagens Originais
Tags Aure, Bridget Saterlle, Fanfics, Futebol! Romance, Julian Draxler, Psg
Visualizações 216
Palavras 1.331
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi! Grata por todo apoio :)

Capítulo 3 - Bebendo como um jogador


Fanfic / Fanfiction Wag - Capítulo 3 - Bebendo como um jogador


A música tocada em um volume exageradamente alto, quase ensurdecedor, dificultava a audição de qualquer mortal que estivesse por perto. As luzes frenéticas, coloridas e piscantes muito se assemelhavam a um insano arco íris bem na minha frente. Tomei mais uma dose da forte bebida que nem mesmo sabia o nome, sentindo a descer por minha garganta, tão forte que parecia queimar. Nunca foi do meu costume fazer este tipo de coisa, boates nunca foram meu local preferido para frequentar, porém depois de tamanha insistência da parte de Adrien e alguns outros companheiros de time, acabei concordando com tal idéia, e bem, até agora não estou nada arrependido.

- Vai com calma! - Marco surgiu apenas para rir da minha cara. Gastei alguns meros segundos do meu tempo para encarar ele e a bela mulher que estava ao seu lado, pelo visto eu era o único ali que não estava atrás de alguém para passar a noite.

- Me esquece, Marco! Se preocupe em se divertir com sua garota e me deixa ser feliz também! - Rebati em um tom dramático demais e ele apenas riu se afastando ainda ao lado de sua bela acompanhante. Aproveitei a ausência de seus cuidados para pedir mais uma bebida, logo meu pedido fora atendido por um barman que me entregou a bebida a qual tomei toda em um gole só, setenciando novamente minha garganta aquela sensação de queimação, o gosto até que era bom e eu estava completamente envolvido pelo ambiente, sendo levada por uma passageira sensação de controle absoluto sobre a minha vida. Copos e mais copos eram esvaziados, enquanto eu torcia para que o amanhã nunca chegasse.

...

- Quem vai levar a boneca em casa? - Marco perguntou rindo, enquanto ele e Adrien me carregavam para fora da boate. Admito que meu estado era deplorável, digno de pena. As primeiras pontadas do mais amargo arrependimento surgia em meu ser, além claro do enjôo em razão de ter bebido tanto. Sem duvidas era vergonhoso para um jogador de futebol do meu nível ser visto desta maneira, só desejava que amanhã a minha imagem não estivesse estampada nas páginas de todos os jornais do país.

- O Adrien leva, eles moram juntos. - Meunier respondeu e Marco pareceu concordar.

Me sentia como uma criança chata que ninguém quer ser encarregado de cuidar.

- Tenho outros planos! Planos que tem nome e sobrenome. - Adrien falou jogando um beijo em direção a uma mulher morena que o observava em um canto pouco iluminado da rua.

- Está bem! Eu levo ele, mas da próxima vez que eu aparecer chapado na casa de vocês, espero que o garoto Draxler não me dê um sermão. - Meunier se deu por vencido enquanto me acomodava de qualquer jeito no banco de trás do carro.

O caminho era feito sem grandes acontecimentos. A todo o momento mantinha minha cabeça encostada no banco do carro enquanto a mesma começava a latejar, o efeito do álcool já se fazia presente, confirmando ainda mais o fato de que eu ainda era muito fraco para ingerir tanta bebida. Vez ou outra, Meunier me encarava pelo retrovisor do carro, provavelmente a procura de algum assunto para conversar e assim livrar se da sensação de calmaria a qual eu tanto fazia questão de manter.

- Você deve estar exausto de tudo mesmo. Sempre se mostrou o mais controlado do time. Se quer saber, não é legal beber tanto assim apenas porque se sente frustrado. Eu e os outros bebemos por diversão, deve ser por isso que aguentamos. - Falou ele em um tom preocupado. Dentro do time, Meunier e Adrien são os que mais me escutam, aqueles que estão cientes de todos os problemas que venho enfrentando ultimamente. São pessoas nas quais aprendi a confiar verdadeiramente e em questão de pouco tempo. - Chegamos! - Meunier anunciou estacionando o carro em frente ao prédio onde eu e Adrien morávamos. Me retirei com certa dificuldade de dentro do veículo, sendo acompanhado por Meunier. Logo adentramos o meu apartamento que ficava no terceiro andar. - Aqui tem umas roupas limpas para você, já que não posso te dar banho. - Riu. - Um celular para o caso de você escorregar durante o banho e precise ligar para a emergência, e um remédio para ressaca. - Disse ele em um tom brincalhão enquanto me entregava todos os itens, peguei e me dirigi até banheiro, antes tratei de me despedir de Meunier que foi embora logo após. E novamente eu estava sozinho naquele espaçoso apartamento.

...

Depois de protagonizar um dos mais longos banhos da história dá humanidade, me sentia melhor, menos bêbado digamos assim. Liguei a TV na inútil tentativa de achar algo bom para assistir, porém seguidas tentativas foram em vão. Também não tinha ao meu alcance jogos legais de vídeo game e mesmo que os tivesse, não teria a menor graça jogar sem um parceiro.

- Que droga! - Murmurei frustrado enquanto checava as mensagens em meu celular, aquela tela excessivamente brilhante e a animação usada como papel de parede pareciam mais interessantes do que a minha vida aos poucos sugada pelas paredes deste apartamento. Cliquei na agenda de contatos sem querer e o número de Aure foi o primeiro a surgir no visor, graças ao recurso de organizar tudo em orem alfabética. Não evitei um sorriso apenas ao pensar na remota possibilidade de falar com ela. Depois do dia que a encontrei no CT mantemos contato algumas poucas vezes, Aure era uma garota muito ocupada e dedicada em todas as suas obrigações, como por exemplo cuidar do irmão caçula, pois pelo que entendi sua mãe está um pouco adoentada. Além do fato de que minha profissão não permite que eu desfrute de grandes momentos de conversa, treino atrás de treino. Cliquei no número e desejei que Aure não se importasse de dedicar um pouco de seu precioso tempo a mim.

- Alô? - Sua voz em tom sonolento soou do outro lado dá linha, só então percebi que já era madrugada, claro que ela deveria estar dormindo.

- Oi, Aure! Sou eu, Julian, espero não estar te incomodando. - Respondi e nada foi dito por parte dela, porém eu era capaz de escutar sua respiração.

- Não, claro que não, você nunca incomoda. - Foi inevitável não sorrir que nem um idiota ao ouvir aquilo.

- Liguei para a gente conversar um pouco, como foi o seu dia?

- Nada bom, passei manhã e tarde atendendo no bar, depois tive que cuidar dá minha mãe e ela continua agindo com teimosia. Bern não para de falar que quer muito te ver de novo e anda espalhando na escola que eu namoro com Julian draxler, finalmente consegui relaxar um pouco há alguns minutos e você me ligou. - Senti um amargo arrependimento me corroer ao escutá la, já era ruim ter de vê la lidando com tantas coisas, e ainda por cima me tornei o responsável por atrapalhar os seus raros momentos de descanso.

- Acho que é melhor te ligar depois.

- Não, pelo contrário, me conte como foi a sua noite, faz muito tempo que não nos falamos e eu quero te ouvir.

- Minha noite não foi tão cansativa quanto a sua, mas estou com uma grande ressaca, acho que exagerei na dose. - Falei e pude ouvir Aure sussurrar algo do outro lado, ela parecia nervosa.

- Não acredito que se embebedou! Sabe que isso não faz nada bem para a sua saúde, certo? - Perguntou ela usando um tom de voz mais alterado. Não entendi sua preocupação, eu estava bem fisicamente e não havia realizado nenhum tipo de conduta errada, apenas fiz o que todo mundo faz, sair para me divertir um pouco.

- Não fiz nada de mal, na verdade foi até divertido.

- Não sou muito fã de bebidas alcoólicas.

- Não gosta de bebidas? E por qual motivo trabalha em um bar? - Perguntei surpreso, assumindo o risco de ter sido rude demais e a resposta não tardou a vir, um telefone desligado bem na minha cara!


Notas Finais


Julian bobo huehuehie até o próximo!

Minha nova fic 👇👇👇

https://spiritfanfics.com/historia/el-amante-10327739


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...