1. Spirit Fanfics >
  2. Wait On Me >
  3. Eu não quero perder você.

História Wait On Me - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


mais uma vez aqui estou eu e também mais uma vez chocada por estar conseguindo manter um bom ritmo de atualizações. se eu tô chorando? só um pouco :''''''')

boa leitura!!! <3

Capítulo 26 - Eu não quero perder você.


Os olhos de Heeyeon abriram-se com certa dificuldade na manhã seguinte. Seu corpo parecia ainda dormir, extremamente cansado e relaxado em meio às cobertas e ao colchão aconchegante da cama de Solji. Mesmo sentindo-se tão confortável, a Ahn sentiu a falta da mais velha na cama, buscando-a cegamente com a mão.

— Estou aqui, Heeyeon. — Solji chamou sua atenção, sorrindo pequeno para os atos da outra. Ela estava de pé em frente ao grande espelho do banheiro, ajeitando um par de brinco em suas orelhas. 

— O que você 'tá fazendo? — questionou ao sentar-se de qualquer jeito na cama e coçar os olhos.

— Me arrumando 'pra ir trabalhar. Esqueceu que hoje é terça-feira? — explicou Solji, terminando de colocar as joias e dirigindo-se até a cama novamente.

— E por que não me chamou? Eu tenho que ir para a aula… — Heeyeon espantou-se ao verificar o horário no celular: precisaria levantar imediatamente se não quisesse se atrasar.

— Não, nada disso. Você não vai 'pro colégio hoje. — Solji balançou a cabeça para ambos os lados.

— Ah, é? Por quê? 

— Você já pegou muita chuva ontem, ficar em uma sala fechada cheia de outras pessoas com certeza vai te deixar doente. Você não tem prova hoje ou alguma coisa assim, tem? — Heeyeon não pôde conter o sorriso que surgiu em seu rosto, sentindo-se boba por Solji ainda se preocupar consigo daquele jeito.

— Não tenho nada, não. 

— Ótimo, então pode deitar de novo. — Solji esticou as cobertas grossas devidamente sobre o corpo novamente deitado. Após terminar, ajoelhou-se do lado da própria cama, a fim de poder olhar Heeyeon nos olhos. — Descanse bastante. Eu volto já. — deixou um casto beijo na testa da mais nova, que instintivamente fechou seus olhos para o contato. Solji acariciou os cabelos alheios uma última vez antes de recolher sua pasta e sair porta afora. 

[...]

Heeyeon despertou novamente cerca de quatro horas depois. Era muito mais agradável dormir sentindo o aroma de Solji que estava impregnado em toda sua roupa de cama, mesmo que ela não estivesse por perto. A Ahn levantou-se rapidamente ao perceber que já passava de onze horas, voltando a ter esperanças quanto a seu relacionamento voltar a ser perfeito como era antes.

Escovou os dentes com a escova que Solji comprara para ela fazia alguns meses, agradecendo por ela ainda estar ali mesmo após o término. Fez o restante de sua higiene e não trocou de roupa, pois seus trajes ainda estavam molhados e o pijama de Solji era perfeitamente quentinho e lhe confortava a ponto de não querer tirá-lo nunca mais; arrumou a cama na qual haviam dormido e retirou-se do quarto, abrindo um sorriso apaixonado toda vez que lembrava dos acontecimentos recentes.

— Bom dia! — desejou a Junghwa e Hyerin, já esperando encontrá-las pela sala de estar.

— Heeyeon? Você ainda 'tá aí? — Hyerin franziu as sobrancelhas, esperando que Solji tivesse levado Heeyeon para o colégio há horas.

— Acho que 'tô, 'né? — brincou ao tocar algumas vezes no próprio corpo, como se verificasse se estava ali mesmo.

— E você dormiu… Lá? — indicou o quarto de Solji com a cabeça.

— Uhum. 'Tá com inveja? — Heeyeon sentou-se ao lado de Hyerin no sofá.

— Bom, considerando que você dormiu lá e não parou de fazer piada besta desde que chegou aqui…  Quer dizer que vocês se acertaram? 

— Mais ou menos… — Heeyeon realmente não sabia o que pensar. Queria muito afirmar com toda a certeza que estavam juntas de novo, mas sabia que não seria certo. — Quer dizer, tomara que sim… Mas não sei.

— Hum… Ok. — Hyerin disse, confusa.

— Bom dia, Junghwa. — Heeyeon desejou novamente, percebendo a quietude da menina gato, que não havia falado nada até então e estava sentada no grande tapete da sala, fingindo prestar atenção na televisão.

— Bom dia, Hani unnie. — Junghwa falou baixo, não desviando o olhar da tela da TV. 

— Tudo bem com você? — Heeyeon questionou, soltando uma risada sem graça ao estranhar ainda mais o comportamento alheio.

— Acho que ela 'tá brava com você, Hani. — Hyerin comentou, lembrando-se da conversa que havia tido com Junghwa alguns dias atrás, quando Heeyeon terminou o namoro com Solji.

— Por quê? O que foi, Junghwa? — a Ahn passou para o chão, sentando-se ao lado da menina no tapete. 

— Fale para ela, Junghwa. — Hyerin encorajou, percebendo que Junghwa estava hesitante.

— É que… — Junghwa cruzou as pernas, um tanto nervosa. — Solji unnie sempre está triste por sua causa…

— Sempre? Olha, eu admito a culpa pelo o que aconteceu agora, mas da outra vez eu não fiz na… — Heeyeon continuaria falando se não tivesse notado o quanto Hyerin lhe julgava com o olhar. Logo, fez questão de reconstruir seus dizeres. — Quer dizer… Sinto muito, Junghwa. Eu também 'tô brava comigo. Sinto muito mesmo, mas prometo que vai ser a última vez, 'tá bom? Você perdoa sua unnie agora?

Junghwa pensou por alguns segundos.

— Hum… Está bem. 

— Obrigada. — Heeyeon abraçou a menina pelo lado, já sorrindo novamente. — Você não viveria sem mim, Junghwa. Quem é que te ensina as coisas mais legais?

— A Hyerin unnie, ora… — Junghwa respondeu imediatamente, ingênua, o que fez com que Hyerin risse. 

— Vamos ver por quanto tempo você fica com esse título. — Heeyeon mostrou a língua para Hyerin, que apenas riu uma outra vez. 

As três permaneceram em silêncio por certo tempo, todas se concentrando superficialmente no programa que passava na grande televisão da sala. Heeyeon desviava o olhar para a porta toda vez que escutava algum ruído, cada vez mais ansiosa para a chegada de Solji. Hyerin passou para a cozinha alguns minutos depois, sabendo que precisava começar a preparar o que comeriam no almoço. 

Solji por muitas vezes já insistiu para que Hyerin aceitasse alguma quantia de dinheiro por tudo o que fazia por ela e pela irmã, mas a Seo nunca nem mesmo considerou a possibilidade de aceitar, sabendo que aquele dinheiro poderia ter um uso muito melhor e, claro, porque ela adorava a companhia de Junghwa e não se custava a preparar o almoço para elas enquanto Solji trabalhava. Era muito mais divertido do que ficar em casa, de qualquer jeito. Sem contar que Hyerin trabalhava em casa, com horários muito flexíveis, e sempre sentia-se mais inspirada e animada para escrever à noite.

Quando a porta do apartamento finalmente foi aberta, Heeyeon sentiu o coração subitamente acelerar. Solji estava linda — como sempre —, e combinava perfeitamente com as roupas sociais que usava para trabalhar, deixando-a com aquela aura séria que a Ahn achou ridiculamente atrativa desde o primeiro momento em que a viu. 

— Olá. — desejou a mais velha, sorrindo e alternando o olhar entre as outras três. Sentiu certa dificuldade em não manter os olhos fixos em Heeyeon quando avistou-lhe. 

— Como foi na escola hoje, unnie? — Junghwa questionou.

— Nada demais. — Solji deu de ombros, deixando a pasta que carregava consigo e as chaves de seu carro sobre a mesa de canto da sala. — Só estou me sentindo um pouco cansada… — sentou-se no sofá, um suspiro enfraquecido saindo de sua boca.

— Por que não descansa um pouco antes do almoço? — Hyerin, que prestava atenção na conversa mesmo estando na cozinha, fez o questionamento. — Você tem tempo, ainda vai demorar um pouco...

Solji negou com a cabeça lentamente.

— Não, eu… — arranhou sem muita força o tecido do sofá. — Eu não consigo dormir, não vale a pena. — desviou o olhar para a ex inconscientemente, recebendo um sorriso sem graça em troca. 

Heeyeon não sabia como deveria agir. Solji certamente parecia não estar mais tão chateada como anteriormente, mas suas ações eram indecifráveis; como saberia se o que aconteceu durante a madrugada mudaria a situação de alguma forma? 

— Vou ao banheiro. — Solji anunciou antes de pôr-se de pé outra vez, fazendo seu caminho ao banheiro.

— Bem, isso foi estranho… — Hyerin retornou à sala de estar apenas para falar, referindo-se à atmosfera esquisita que formou-se desde o momento em que os olhares de Heeyeon e Solji se encontraram.

— Eu não sei o que falar perto dela! Isso é tão estranho… — reclamou Heeyeon, que se sentia desagradavelmente ansiosa e incomodada. Não havia nada mais inusitado do que não saber o que fazer e nem mesmo falar perto de Solji, a pessoa que mais lhe deixava confortável e à vontade em todo o mundo. — Me ajuda, Hyerin. O que eu faço? — levou uma de suas mãos até a cabeça, preocupada.

— Só seja você mesma. Eu sei que é estranho, mas ela gosta de você por quem você é… — Hyerin provocou, o que só serviu para que Heeyeon lhe fitasse com o olhar irado.

— Você não ‘tá ajudando!

— Eu não ‘tô brincando, Heeyeon. Só aja normalmente. — Hyerin estava séria desta vez. — Por que você está tão preocupada? Ainda é a Solji, não há por que ter medo de falar com ela…

— Eu sei, mas essa é uma versão da Solji que eu magoei! Eu não me preparei nem um pouco ‘pra uma situação assim… — Heeyeon sentiu uma súbita vontade de chorar, mas não podia render-se a ela naquele momento, então apenas respirou fundo e encolheu-se no sofá. — Eu só queria não ter feito essa merda toda.

Uma vez que o retorno da mais velha foi percebido, o silêncio imediatamente retornou à sala de estar e Hyerin voltou a sua posição para continuar o preparo do almoço.

Solji caminhou até a cozinha silenciosamente e serviu-se de um copo de água gelada, ingerindo o líquido com demasiada lentidão, parecendo ponderar sobre algumas coisas enquanto observava a Ahn pelo canto do olho discretamente. 

Ao abandonar o copo sobre o balcão da cozinha, Solji aproximou-se um pouco mais do sofá. Após longos segundos de receio, cutucou a ex-namorada com suavidade para chamar sua atenção. 

— Eu acho que te devo uma conversa, certo?

Heeyeon culpou-se por não saber o que dizer outra vez, mas o complemento veio instantes depois:

— Vem, vamos no meu quarto. — Solji abriu um sorriso tão adorável que a Ahn não foi capaz de temê-lo. Logo, apenas acompanhou-lhe em passos receosos até o quarto, pensando minuciosamente no que falaria. — Primeiramente, eu queria dizer que você não trocou nenhuma palavra comigo desde que eu cheguei e isso ‘tá me assustando um pouco…

Heeyeon soltou uma risadinha nasal, reconhecendo que de fato era muito bizarro ela estar tanto tempo assim sem falar, especialmente estando próxima a Solji.

— Desculpa. — riu uma outra vez. — Sinceramente, você me deixou muito nervosa 'pra falar qualquer coisa…

— Ah, então a culpa é minha? — Solji riu também. Mesmo após meros segundos de diálogo, Heeyeon já se sentia um pouco mais confortável. — Enfim, eu queria que você soubesse que eu mudei de ideia. Eu quero conversar com você, ouvir o que tem a dizer sobre o que aconteceu.

— Obrigada. — foi a primeira coisa que pensou em dizer.

— Agradeça a você mesma, babo. Você foi muito incrível comigo nessa madrugada. 

Heeyeon não lembrava de ter desejado tanto beijar Solji como naquele momento em específico.

— Eu amo muito você. — foram as palavras escolhidas para que começasse a falar. — Eu não quero perder você, Solji. Eu fui muito idiota e entendo se você não quiser me perdoar nunca mais, mas… — mesmo que tentasse segurar, Heeyeon sentiu algumas lágrimas fugirem de seus olhos. — O que temos é tão perfeito. É a melhor coisa que já aconteceu na minha vida. — soltou um suspiro pesado. — Eu me odeio por ter feito isso com a gente. 

— Eu só queria que você… — Solji interrompeu o próprio raciocínio, tentando encontrar as palavras certas a serem ditas. — Você não tinha o direito de decidir o que era ou não o melhor ‘pra mim, Heeyeon… Eu pensei que seríamos honestas sobre tudo depois do que aconteceu com Sanghyuk. O meu emprego estava sendo ameaçado e o meu relacionamento estava sendo ameaçado. Eu só queria entender o que você estava pensando quando achou que estava fazendo a coisa certa… — dizia tudo calmamente, pronunciando cada palavra com extremo cuidado.

Heeyeon abaixou a cabeça ao fim da fala alheia, sentindo-se envergonhada. Agora que estava ouvindo o discurso de Solji, a coisa certa a se fazer parecia ridiculamente óbvia, e culpava-se cada vez mais por não ter enxergado isso desde o começo, não sendo capaz de bolar nenhum argumento que fosse em sua defesa.

— Eu não pensei direito. Desculpa, você tem toda a razão. — a voz de Heeyeon tremeu e um soluço rasgou sua garganta posteriormente a sua fala. Já não tinha mais tantas esperanças sobre um final feliz naquela situação.

— Não chore, Heeyeon-ah. — Solji sentia-se aliviada por finalmente ter tirado todas aquelas coisas do peito, mas ver a pessoa que tanto amava deprimida daquele jeito nunca passaria nem perto de ser agradável. 

— Me desculpa mesmo. — limpou algumas lágrimas com a manga do pijama, virando-se em direção à saída do quarto.

— Ei, onde ‘cê vai? 

— Embora… — mais um soluço fracou acabou por escapar. — Pensei que a conversa já tinha acabado.

— Ainda não. — Solji se aproximou um pouco mais. O silêncio reinou no ambiente por longos segundos. — É claro que eu perdôo você, Heeyeon.

— O quê? — o choque foi inevitável. 

— Eu continuo sem entender o que você fez, e por favor, nunca mais faça nada assim… — Solji posicionou ambas as mãos sobre os ombros alheios, acariciando-os superficialmente. — Promete ‘pra mim que nunca vai mais mentir, nunca mesmo, não importa o que acontecer?

— Prometo. — a resposta veio imediatamente. 

— Então está tudo bem. — Solji abriu um sorriso galanteador que não tardou em arrancar um semelhante da outra. 

— Espera, então… — Heeyeon estava tendo sérias dificuldades para assimilar as informações, mas a sensação não era nada ruim. — Então eu posso, tipo… — limpou a garganta. — Te beijar agora? 

— Você nunca precisou perguntar. 

Heeyeon abraçou Solji pelo pescoço e assim beijaram-se, ainda mais apaixonadamente do que das outras vezes; o encaixe de suas bocas se mostrava cada vez mais impecável, fator que servia para que acreditassem com ainda mais força que eram perfeitas uma para a outra.

O contato acabou alguns segundos depois, mas seus rostos ainda estavam ridiculamente próximos. 

— Namora comigo de novo, Solji-ya? — Heeyeon murmurou, deixando mais um rápido selar nos lábios cheios da mais velha após falar.

— Ah, Heeyeon, você só pode estar de brincadeira! — Solji afastou-se instantaneamente e sua expressão decepcionada fez com que o coração de Heeyeon ficasse apertado. Será que havia feito alguma coisa errada? — Eu pensei que eu pediria primeiro dessa vez! Como você ganhou de mim de novo?

— Se você me assustar com isso de novo eu juro que acabou ‘pra você, sua ruiva sem coração! — Heeyeon pôs a mão no peito, recuperando-se do pequeno (mas intenso) susto. 

— Então da próxima vez você me espera pedir primeiro. Aish… — continuou a reclamar, sentando-se na beira da cama bem arrumada.

— Espera, próxima vez? Não vai ter próxima vez, nós não vamos terminar nunca mais! — Heeyeon sentou ao lado da namorada. — A não ser que você esteja falando do pedido de casamento… — abriu um sorriso sugestivo.

— Nós acabamos de voltar a namorar e você já ‘tá falando de casamento?! 

— Uhum. E se você reclamar, falo de filhos também. 

— Mas você tem razão… Ainda tem o pedido de casamento! Nesse eu com certeza vou ganhar de você. — Solji empolgou-se, cena que Heeyeon não pôde evitar achar adorável.

— É o que a gente vai ver. — deixou um beijo na bochecha farta da namorada após falar.

— É uma droga que perdi minha aliança. — Solji fez uma careta ao observar o dedo anelar, que já não carregava anel nenhum consigo fazia alguns dias. — Você ainda tem a sua?

— Tenho, ‘tá lá em casa. — Heeyeon abraçou a namorada pelos ombros e lhe faz uma sequência de carícias. — Solji, eu posso fazer um comentário sobre nosso término ou ainda é estranho falar sobre isso?

— Ainda? Nós voltamos a namorar não faz nem um minuto… — brincou Solji, mas complementou logo em seguida: — Claro, pode perguntar.

— Olha, não me leva a mal, 'tá? De verdade.

— Você é tão fofa. — apertou o abraço. — Não vou levar a mal, pode falar.

— Não sei como você acreditou naquelas coisas que eu falei… 

— Ei, foi bem convincente! — Solji interrompeu. Ainda lembrava detalhadamente das palavras que Heeyeon usara em seu “término”. 

— Você acha que eu sou burra? Eu nunca trocaria você por ninguém! — Heeyeon exclamou, arrancando uma risadinha boba da namorada. — Sério mesmo, tem que ser louco ‘pra fazer uma coisa dessas.

— Bom, você pode adicionar “atuação” ao seu currículo, porque foi bem impossível não acreditar.

— Então trate logo de voltar a acreditar que eu quero só você e mais ninguém, 'tá bem? — Heeyeon olhou Solji nos olhos profundamente. Era um momento extremamente agradável. — Agora eu posso te beijar de novo?

— Se você começar a perguntar todas as vezes uma hora eu vou começar a negar, viu?

Heeyeon soltou uma risada convencida.

— Até parece. 

E assim beijaram-se mais uma vez.


Notas Finais


posso ouvir um amém???

sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...