História Wakfu: Uma historia diferente - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias Dofus (Wakfu)
Personagens Adamaï, Evangelyne, Personagens Originais, Princesa Amália Sheran Sharm, Ruel Stroud, Sir Tristepin de Percidal "Dally", Yugo
Tags Luta, Oswaldo, Romance, Shonen, Wakfu, Yulia
Visualizações 25
Palavras 2.450
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 47 - Livro 2: Ush


Visão do Oswaldo

   É incrível o que um único número pode prever. Como eu soube, Bonta tentou pegar os Dofus e conseguiram, porem, o Conde e companhia pegaram de Joris e amigos.

   Eu comecei a ignora a conversa de Joris, explicando tudo o que eu já sabia. Des que me aprofundei na politica do Mundo dos Doze, descobri que era mais podre que imaginava. Ninguém confia em ninguém, tudo por um favor e outras coisas banais. Se eu pudesse tomar uma atitude, eu desejaria que o povo eliatrope voltasse em outro lugar, por sorte isso não é uma alternativa

   Por isso mudei o foco da Brigada, arrumar um espaço bom para o povo meu e de Yugo poder viver em paz, para eu conseguir... ter a vida que imaginei para ela, para nos... Tudo passa de apenas um sonho impossível, pelo menos, para mim.

   Infelizmente, meu irmão terá que cavar o resto do caminho. Espero que pelo menos, eu tenha afofado a terra para ele

   Percedal derreteu o gelo que o gato estava preso, logo ele se juntou a Querubin e Joris. Está chegando o tempo...

-Oswaldo, você está bem? -Perguntou Yugo

-Sim -Falei voltando de minha mente -Só estou pensando um pouco demais. Yugo, você... confia em mim?

-Claro. Que pergunta mais boba -Ele riu

-Eu sei, mas... tenho um plano que vai fazer tudo dar certo no final, só preciso que pelo menos alguem confie em mim nesta parte. Agora, tudo ficara mais complicado

   Minha visão ficou embaçada, esfreguei os olhos e ela volto ao normal. Bufei

   As orelhas de Percedal começaram a se mexer e o próprio a falar sozinho, reclamando de um barulho. Também senti uma vibração no ar e ativei o Sense. Era Goultard, mestre do iop, isso era supressa, mas já sei o motivo

-Goultard -Falei -Pode falar agora, arrumei seu sinal

-Sr.Goultard!! -Gritou Percedal

“Sim, sou eu mesmo. Mas não grite comigo, me dar dor de cabeça. Quem é esse que está falando também.” Ouvi ele

-Oswaldo -Falei -Os deuses não falaram com você?

-Estou fora de contato a um tempo. Qual é a noticia?

-Digamos que sou um candidato por enquanto. Mas já pode me chamar

“Esses inventam cada coisa, mas para escolher alguém para ser o decimo terceiro sem ter o decimo quarto deve ser um cara e tanto”

-Derrotou Rushu?! Onde estar?! -Gritou Percedal

“Sim, estou em Shukrute”

-Deveria ir visita-lo com a família

“A jornada é complicada. Ainda não encontrei o caminho de volta”

-Serio? -Falei -Eu já encontrei umas duas entradas nestes seis anos, com certeza devem ser saídas também

   Olhei para Percedal, pelo menos conseguia ver a aura alaranjada que anos eu não via.

-Vai contar a ele? -Perguntei

-Você sabe?! -Gritaram Rubilax e Goultard, fazendo eu quase tombar para o lado

-Sabe o que? -Perguntou Percedal

-Gritam no meu ouvido mais uma vez e eu desligo essa chamada! Se ligarem de novo coloco a cobrar! -Gritei -Falam tu ou falar eu!

-Falar o que?! -Gritou Percedal no meu ouvido

-Iops comeram mega fones por acaso!!

-Percedal é uma mulher! -Gritou Rubilax

   Enquanto todo mundo se espantava, eu chutei uma pedra de gelo para os quintos dos infernos

-Eu queira tanto fazer essa piada -Falou Rubilax

-Sou mulher? -Perguntou Percedal -Mas eu...

-São piores do que o Kal -Falei explodindo coisas lá atrás -Tinham que ser shushu e iops! Percedal é o Iop!!

-Ava -Falou Ruel -E você um dragão

-EU SOU UM DRAGÂO!! -Cuspi fogo no cabelo do enutrof -Povo chato! Esse iop aqui é o Iop! -Peguei Percedal e coloquei na minha frente -Ele é o deus iop!

   Todo mundo se espantou

-Ser mulher era mais fácil -Falou Ruel

-Papai é um deus!! -Gritaram Elely e Flopin

-O deus iop? -Perguntou Percedal

-A séculos, o deus iop foi testado e obrigado a descer ao Mundo Dos Doze para passar no teste. -Falou Rubilax -Mas ele experimentou a vida mortal e decidiu renunciar a sua posição de deus e viver uma vida mais simples. Até hoje, seu filho Goultard assumiu seu lugar

   Enquanto Evangelyne falava, cutuquei Yugo e mostrei uma lista. Ele ficou supresso e pediu para esconder essa coisa. Estão escritas as famílias que o deus iop formou, e não é muito pequena

-Mas por que agora? -Perguntou Evangelyne, senti que estava abalada

-Choque emocional -Falei tentando ajudar -Como aquela fez que lutei contra o Rakiz, despertei o lado do meu pai... Só de lembra doi.

“Cuidei de você por anos Dallynho, agora é sua de assumir. O mundo dos Doze está nas mão de você e desse garoto ai”

-Tenho vinte um, garoto é tua avó -Falei com as mechas para cima -Se tiver uma... Amalia, antes que pensa que isso pode salvar seu reino, alerto que é somente plausível. Recomendo que esperem alguns minutos para os poderes de Percedal voltaram

-A quanto tempo sabe disso? -Perguntou Evangelyne, estava nervosa

-Des de Garra Purpura. De inicio, pensei que fosse nada, mas depois da luta contra Tiranus, tive a maior das certezas. Não contei devido ao choque que previ que isso aconteceria, afinal, esses dois tinham apenas um mês na sua barriga, briga por causa de divindade seria uma idiotice. Agradeça pelo menos que ele pode ter filhos -Cuspi a ultima palavra com rancor

   Nocauteei Percedal no chão e o coloquei junto a Evangelyne

-Isso deve ser melhor -Falei -Yugo, iniciaremos o plano. Temos pouco tempo e faltam quatro Dofus. -Fui até o gato sem pelo e peguei um saco dele e tirei um “Amendoim” -Dimensão ecaflip com um dos amigos do Grupo de Joris

-Grupo do Joris? -Perguntou o próprio

-Minha semente! -Falou o gato pegando a sacola novamente

-Ush deve esta com os dois Dofus que roubaram -Ignorei eles -Adamai logo chegara com os outros dois

-Temos um deus do nosso lado -Falou Amalia -Não precisamos dos Dofus

-Erva daninha -Chamei a atenção dela -Confie em mim, precisaremos de todos para salvar seu reino, o quer que Ogrest continue chorando. Alertando também que mesmo todos os doze queridos deuses de suas fofas religiões conseguiram derrotar o ogro.

-Oswaldo! -Gritou Evangelyne

   Parei de andar e olhei para ela

-Você sabia de tudo que está acontecendo e que vai acontecer e não contou nada para gente?! -Perguntou ela

   Olhei para o outro lado

-O certo é prever possibilidades, mas sim, eu sabia -Falei

-Sabe quanto? -Perguntou Amalia

-Des de Percedal voltar a ser deus agora e até... uns quarenta e seis minutos daqui para frente 

   Pessoal ficou em choque

-Como? -Perguntou Yugo

-Não posso e nem conseguiria explicar, mas... -Falei -Só eu sei disso. Existe um numero que, se ter as contas certas e o tempo necessário, consegue adivinhar o que pode acontecer. Estou fazendo isso a anos, encontrando uma boa forma disso tudo acabar “bem”

   Suspirei

-Antes quem me xinguem -Falei –“Conta cento e doze: Elely e Flopin morrem junto com Percedal na lava da maquina. Evangelyne fica em choque por anos... Amalia se sacrifica para salvar Yugo do raio do Conde, e por raiva, Yugo mata o Conde com uma explosão de energia

  Me sentei no chão enquanto me lembrava de milhares de contas

-Conta trezentos e seis: Yugo morre pelo conde e Amalia mata ele por vingança. Reino sadida é salvo por Percedal por pouco meses, pois Ogrest aumentou o choro -Continuei -Conta duzentos e seis: Amalia se casa com Conde, o resto da Irmandade é congelada e só é solta alguns anos depois pela Brigada, porem, a floresta sadida quase não mais existe... São mais e mais contas, todos com finais tristes. Somente uma, que descobri a um ano, tem um final bom o suficiente -Me levantei -Estamos na rota certa

   Caminhei até o quanto do lugar

-Não -Falei -Eu não consigo ver o meu futuro ou de quem mais quero. Apenas... possibilidades... Só quero esquecer desse maldito número!

   Yugo segurou minha mão

-Confio em você -Falou Yugo -Vamos fazer esse final bom

   Percebi que quase chorava, carregar o fardo de saber o que tem que fazer é pesado.

-Yugo, se despede do pessoal -Falei e ele foi abraçar Amalia -Vamos demora uns trinta e cinco minutos para voltar. Joris e companhia é melhor ir com a gente

   Me afastei do pessoal e soquei o feijão no chão, logo um buraco verde no chão se abriu

-Vamos! -Gritou o gato pulando no buraco

   Os outros dois pularam, logo depois Yugo. Lancei os Dofus para as crianças e fiquei olhando o buraco

-Erva daninha -Chamei -Lembra do que prometi? Saiba que eu vou cumprir.

   Dei um passo para frente

-Só tem uma promessa que já fiz que irei quebrar -Falei e cai no buraco

   O numero permite eu descobri o que pode acontecer, não o como vai acontecer

   A entrada mudou de lugar des a ultima fez que vim aqui, começamos a cair indo em direção as ruinas desse lugar. A queda não era pouca

-Cruzes! O que é essa ratoeira?! -Gritou o gato sem pelo

-Ush! -Gritou o branco

-Golpes baixos são sua especialidade!

   Concentrei o wakfu em meu corpo e o expandir

-Segurem em mim! -Falei

   Os 4 me agarraram e começamos a planar.

-Sorte nossa que descobriu essa habilidade, pequeno dragão -Falou Yugo rindo

-Não me chame de pequeno dragão -Falei

-Gosto de briga entre irmãos -Falou Joris -Mas...

   Ele apontou para tras e vi uma nuvem negra cheia olhos verdes

-Odeio gatos... -Falamos eu e Yugo

   Após sermos pegos, viajamos por um tempo e caímos em um tipo de arena. Nunca vi essa parte de Ecaflip, mas pelas presenças na minha frente...

-Aqui estão eles, os heróis valentes -Falou um

   Um gato negro com roupas brancas, armado de uma espada negra e vermelha.

-Como estão as coisas? -Perguntou ele

   O gato branco se alongou

-Melhores que sua cara vai ficar em um instante -Falou ele

   Dois tiros passaram por ele de raspão. Me virei para frente, Remington Smisse está em cima de uma estatua. Ao lado dele, está um sacrier sem camisa, com a pele um pouco queimada e quase totalmente coberta com tatuagens. Seus grandes cabelos negros como seus olhos estavam cerrados

-Remington -Falou Yugo

-Esse cara está em todo lugar -Falei

-Ush, sabe o porque viemos -Falou Joris -Coisas terríveis acontecem no Mundo dos Doze...

-Eu sei de tudo isso, Joris. -Falou Ush -Não é porque derrubou aqueles dois que vamos nos unir a você

-Não seja bobo, Ush-Falou o gato branco -Somos irmão, embora que você tenha vindo antes

-Não me orgulho e termos o mesmo pai. Aquele deus idiota que só pensa nele. Se vieram atrás dos Dofus que estão comigo, acho bom merecê-los

   Ele estalou os dedos, no mesmo instante, a estatua rodou, revelando duas pessoas. Um mascarado vermelho e uma gosma com um martelo. Os Dofus estavam no meio dela

-Senhores, conheçam Percimol e Maskemane -Falou Ush -Aquele lá em cima é Painister

   Ush pulou até a estátua

-Estão na minha equipe -Falou ele

-La vamos nos -Falou o gato sem pelo -É mais um jogo dele, cujo o segredo ele guarda

-Desta vez sera simples. Uma briga em equipes. Jovens e velhos contra uma equipe que reunir. Uma batalha cronometrada que vale todos os golpes. Tem trinta minutos para pegarem o Dofus. Se conseguirem, são seus. Se não vou destruir os dois Dofus

-Isso é impossível, nada destruí um Dofus! -Falou Yugo

   Isso não é verdade

-Vamos ver -Falou Ush

  Ele apertou um botão e os dois Dofus que estavam no centro da estátua, começaram a se espremer um no outro

-Oswaldo, o plano. Agora -Falou Yugo

-Já está em andamento -Falei -Afinal, vale tudo

   Fiz brilhar meus dois antebraços e entrei em posição de luta

-Quando quiser, cabeludo -Falei

   Ouvimos um estrondo, nesta hora, todos focaram no Remington esmagado contra a pedra. Uma mão negra está agarrada a sua cabeça, e essa mão pertence ao sacrier que sorria com seus dentes brancos

-Estava louco para esmagar esse cara! -Gritou o Sacrier

-Painister! -Gritou Ush -O que...

   O gato negro foi esmagado no chão, em seguida seu corpo começou a ser arrastado pelas pedras. O sacrier soltou a cabeça de Ush e olhou para mim

-Finalmente -Falou ele -Oswaldo

-Douller -Falei

   Avancei sobre ele e dei um soco em seu estomago, o sacrier sentiu o golpe, mas não gruniu. Segundos depois, dois estrondos foram ouvidos e dois corpos no chão ao lado de Douller apareceram. Percimol e Maskemane foram derrotados.

-Mesmo com essa coisa em suas costas -Falou Douller estalando seu corpo -Seu soco nunca perde a força

   Amarramos Ush, Remington, Percimol e Maskemane com cordas, mas somente o gato preto acordou. Douller está estalando seus ossos a um tempo, ele tinha guardado os verdadeiros Dofus em suas tatuagens, eles estavam com Yugo agora.

-Você sabia sobre Ush? -Perguntou Joris

-Foi um palpite -Falei

-Ele me mandou faz meses para me infiltrar -Falou Douller parando de ser alongar -Eu ia pegar os Dofus e voltar, mas algo movimentou Ush

-O que?

-Não sei, o do pelo nunca me contou -Falou -Mas tem alguem por tras desse roupo dos Dofus

-O Conde -Falou Yugo -Já sabemos

-Ele só queira a Amalia -Falei -Deve ser outra pessoa... Douller, faça o gato falar

-Vai por mim, posso deixa esse bicho pelado mais abrir a boca ele não vai -Falou Douller apontando o dedo para Ush

-Tudo bem. Obrigado Douller

-As ordens. Tenho que ir agora, prometi ler um livro para Ely.

   O sacrier passou por mim e colocou a mão no meu ombro

-Eu que tenho que agradecer -Falou ele no meu ouvido -Lutar ao seu lado que me trouxe de volta. Adeus parceiro

-Adeus, amigo -Falei

   Douller pulou para fora da arena e desapareceu

-Vocês vão ser arrepender por pegarem os Dofus de volta -Falou Ush

-Não temos tempo para ladainhas -Falou Joris -Temos que volta ao reino sadida.

-Yugo, a parti de agora, eu não sei o que vai acontecer -Falei -Agora... e contar com a sorte

   Yugo assentiu

   O gato pelado jogou o grão de arroz no chão, o buraco apareceu no chão. Minha visão ficou embaçada de novo e me senti tonto. Agarrei meu colar “Só mais um pouco”

   Chegamos no reino e entramos no palácio, pelo estado de todo o lugar, Percedal resolveu o problema da enchente. Abrimos a porta. Amalia, Evangelyne e seus filhos, o rei e Armand, Otomai, Adamai estavam lá, mas Percedal, cadê o iop

-Yugo! -Gritou Amalia

-Missão cumprida -Falou Yugo -Temos os dois Dofus

-A nossa também! -Falou Adamai

-Adamai!

   Os dois se abraçaram, eu fiquei procurando Percedal com meu Sense, mas nada.

-E Dally? -Perguntou Yugo

   Senti o sentimento no ar. Me espantei, aquele iop! Não acredito!

-Ogrest -Falei

 

   “Não tem mais volta...”


Notas Finais


Chegando no fim... Não da Historia, mas de algo mais importante


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...