História Walking in the air - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Fa Mulan, Princesa Aurora, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Colegial, Once Upon A Time, Sleeping Warrior, Swan Queen, Swanqueen, Universo Alternativo
Visualizações 20
Palavras 796
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: FemmeSlash, Ficção Adolescente, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Após muito ler fanfics Swanqueen e Delena, estou aqui escrevendo a minha primeira história e espero muito que vocês gostem.
Obs: Essa fanfic não será focada apenas em SQ, mas também será SW porque queria muito ler fics delas e nunca encontro.
Em cada capítulo será focado em apenas um do casal. Ex: esse cap é focado na Jamie, o proximo na Regina. Depois na Jamie novamente, ou na Aurora, pois elas serão um casal como sempre quis.

Comentem o que acharam da fanfic

Capítulo 1 - Capítulo - 1


P.O.V Jamie
Sinto-me uma completa estranha andando inteiramente distraída observando cada detalhe de onde passava. Sabe a reação de uma criança ao ver o mar pela primeira vez? Os olhos brilhantes e um sorriso desacreditado ao vislumbrar o infinito azul e as pequenas ondas indo e vindo... Vejamos... Eu estava exatamente assim na plataforma do metrô.


Percebi a comparação que fiz e, minha nossa, eu realmente estava feito uma criança ao avistar o mar. Mas no lugar do mar, era uma grandiosa plataforma onde eu esperava ansiosamente o metrô para entrar nele pela primeira vez na minha vida.


A plataforma iluminada acolhia muitas pessoas agasalhadas e centradas em seus aparelhos telefônicos. Observo suas aparências completamente vidradas no pequeno “retângulo digital”. Sinceramente, não sou muito tecnológica, pois não tenho esses tipos de aparelhos. Costumo entrar em contato com os conhecidos através de cartas ou telefonemas.


Encolhi-me dentro do sobretudo preto que meus pais tanto lutaram e compraram de presente para esta minha incrível jornada. Falando assim, pode se pensar que estou indo para Paris ou algum lugar de classe altíssima. Mas para mim, voltar para Storybrooke após muitos anos realmente é uma incrível jornada.


Sinto meus dentes baterem no outro. Não esperava um frio tão rigoroso, mesmo estando em época de inverno. E para piorar, sentia um frio na barriga ao observar o transporte se aproximando tão ligeiramente, tão ligeiramente que mais parecia um raio.


Ao parar na minha frente, e uma aglomeração de pessoas entrarem e saírem sem parar, eu respirei fundo abrindo um enorme sorriso bobo e caminhei junto às pessoas que adentravam ao veículo.


Quando eu tinha oito anos, não fazia parte dos habitantes de Boston. Nasci e cresci por um bom tempo na pacata cidade esquecida do Maine. Sim... Estou falando de Storybrooke. Na época não havia metrô ou altos prédios lá. Agora, pelo que estou vendo, foi instalado o transporte que nunca tinha experimentado antes e, pelo que Regina Mills me contou, agora há prédios tão altos quanto as montanhas.


Regina é uma antiga amiga de infância. Na verdade, minha única amiga desde sempre. Ela sempre foi mais alegre, popular e bonita que eu. Sempre tínhamos Zelena, sua irmã mais velha, para nos proteger das encrencas que ela nos metia. Hoje, ela mora sozinha numa pequena casa um pouco distante da cidade, localizada perto de algumas trilhas para caminhadas. 


Achei que minha sensação ao andar de metrô seria a de uma pessoa chique, pois para mim que nunca andei em um acaba se tornando algo de primeiro mundo. Mas não era. Quase não encontrei lugar para descansar, porque as pessoas acham que bolsas também ocupam assento, até que uma velhinha bastante caridosa cedeu o lugar de sua linda bolsa de couro para mim.


Eu não carregava peso, até porque odeio forçar a coluna. Carregava comigo apenas uma pequena mochila com sanduíche natural, frutas e suco. Acomodei-me no único banco disponível naquele metrô e petisquei lentamente, sentindo todas as misturas de paladar do saboroso lanche que minha mãe preparou para minha mudança.


Chegando ao ponto onde eu ia descer percebi que, mesmo com prédios altos e metrô, Storykrooke continua desconhecida visto que apenas eu descia naquele ponto. Até que ouvi o clique se saltos reverberando na plataforma vazia e senti a doce e extraordinária essência do perfume Coco Mademoiselle By Chanel. 


Virei-me prontamente ao bálsamo que me atraia, e fiquei inteiramente sem ação; inteiramente intacta e hipnotizada com o que acabara de contemplar em minha frente.


Sem exageros, senti minhas pernas bambearem e minha boca involuntariamente entreaberta. Sem dúvidas acabara de apreciar uma fada. Não! Pensei que havia morrido e aquele era o céu ou algum tipo de julgamento final, e aquela mulher era um anjo... Um anjo lindo e ruivo.


A quantidade de luz da plataforma ampliava ainda mais o tom de pele extremamente branco da mulher que olhava e sorria claramente para mim. Os olhos azuis como a água do oceano eram tão belos que mal conseguia piscar ao admirar tamanha beleza. Os longos cabelos ondulados e ruivos dançavam, encostando-se a sua pele facial. 


Admirei aquela miragem como se nunca a visse novamente, e quase desmoronei quando os cliques continuavam cada vez mais perto.


Meu coração nunca batera tão descontroladamente antes. Uma série de reações estranhas estava acontecendo comigo apenas por me encantar pela pequenina mulher misteriosa que se encolhia num grosso sobretudo enquanto andava sorrindo de lado, com seu batom roxo matte destacando ainda mais a pele pálida.


– Boa noite. – sua voz suave e baixa tornou-se música para meus ouvidos e o exótico eflúvio que emanava dela, subiu em minhas narinas me deixando entorpecida. 


Respondi quase babando de tanto encanto pela moça, e ela apenas passou reto e sorrindo em direção à saída do metrô e a entrada de Storybrooke.


Notas Finais


Se voces gostarem eu continuarei a fanfic.
E para quem não sabe, Jamie é a atriz que interpreta Mulan. O nome dela será Jamie Mulan. kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...