1. Spirit Fanfics >
  2. WangXian - Em Família >
  3. Extra: Peônia

História WangXian - Em Família - Capítulo 57


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, meus repolhinhos de GusuLan!

Prontos para um capítulo super soft?

Eu acho q esse é o capítulo mais fofo e romântico de toda fic, até mais que os capítulos do Nie Ziang com o Li Feng e do Wei-Wei com a Fang-Fang!

Ele se passa quando os filhos do Wei e do Lan WangJi voltam para Gusu e a Fang-Fang está à espera de seu bebê, mais ou menos dezoito anos depois do nascimento das Jades Gemeas, filhas de Lan XiChen e He Hua, lembrando que MeiLi é a Segunda Jade, reencarnação da mãe do XiChen e do WangJi e a MeiFen é q reencarnação da irmã mais velha do QiRen e primeira esposa do Líder He!

Boa leitura ❤️☺️😉

Capítulo 57 - Extra: Peônia


Fanfic / Fanfiction WangXian - Em Família - Capítulo 57 - Extra: Peônia

“JingYi, finalmente eu te achei!” Lan SiZhui sentiu um alívio no peito ao encontrar o amigo na fonte fria, meditando. 

“O que foi?” Ele perguntou, saindo de seu silêncio. 

“Eu o procurei em sua reclusão e não o achei, então imaginei que você havia saído e o busquei por toda GusuLan!” Explicou, enquanto o amigo saía das águas geladas e se vestia. 

Lan SiZhui havia retornado de uma missão na Seita Ouyang, na qual Lan JingYi se recusara a ir, justificando que suas energias estavam desalinhadas e ele não se sentia bem em partir numa longa viagem, iniciando uma reclusão voluntária para poder expandir seu cultivo. 

Lan SiZhui foi juntamente com outros mestres, os Líderes Lan e as Jades Gêmeas de Lan, mas não teve a oportunidade de conversar corretamente com o colega de cultivo sobre esse assunto antes de partir. Durante todo esse tempo, Lan SiZhui ficou preocupado com Lan JingYi, já que nunca ele havia presenciado o amigo recusar uma missão, ainda mais numa seita onde o líder era seu amigo. 

“Você se sente melhor depois dessas semanas em meditação?” Perguntou ao amigo. 

“Sim!” Forçou um sorriso, que Lan SiZhui sabia ser falso. “Eu meditei muito e consegui expandir meu núcleo dourado...” explicou, sem muito ânimo. 

“JingYi, eu te conheço desde quando éramos crianças! Eu sei que está acontecendo alguma coisa com você e você não quer me falar!” O acusou, num misto de preocupação e repreensão. 

“Não é nada de mais, SiZhui!” Desviou o olhar, pousando sobre um ponto qualquer no caminho de saída da fonte fria. “Nada que mereça sua atenção...”

“JingYi, desde quando você esconde as coisas de mim?” Lan SiZhui não se conteve mais e o repreendeu, parando a sua frente e o fazendo encarar seus olhos. “Me diga, o que está te levando a ter esse comportamento?” 

Foi então que Lan SiZhui compreendeu que era algo mais profundo e intenso do que sequer poderia supor. 

Grossas lágrimas tomaram conta dos olhos do colega de cultivo, tornando suas orbes avermelhadas e sôfregas. 

Lan JingYi esforçou-se por disfarçar, levando as mãos aos olhos e a todo custo secando as lágrimas antes que elas percorressem seu curso pelo seu rosto, mas não havia como esconder mais. Seu coração estava em farrapos. 

“JingYi, me conte, por favor! Sempre fomos confidentes um do outro! Você foi o primeiro a saber quando eu me apaixonei pela minha Senhora e nós sempre nos ajudamos! O que está acontecendo agora? Me diga!” Lan SiZhui insistiu, não sabendo mais o que dizer para poder convencer o amigo a expor suas dores e angústias. 

“Vamos até a reclusão e poderemos conversar lá...” Lan JingYi se deu por vencido e durante todo o caminho permaneceu em silêncio, refletindo sobre como tocar em assunto tão delicado com seu colega de cultivo. 

Ao chegarem a residência, se sentaram ao redor da mesa de centro e Lan JingYi serviu um chá, mas ainda estava relutante em falar. 

“JingYi, assim eu vou achar que você não confia em mim...” Lan SiZhui comentou, sabendo que assim seria mais efetivo para conseguir que seu colega de cultivo desabafasse. 

“Eu... eu acho... que estou...” não conseguiu terminar. Nunca falou isso em voz alta e agora era ainda mais torturante. 

“Você está...?” Lan SiZhui insistiu, mas quando se deu conta do que poderia ser, arregalou os olhos encarando o amigo que estava de cabeça baixa. “Você está apaixonado?” Falou em voz alta.

Ouvir essas palavras do seu melhor amigo, aquele que ele considerava como um irmão o fez se sentir ainda mais angustiado, apenas confirmando com um movimento.

“Ora, JingYi, e desde quando estar apaixonado é algo que devamos esconder? Ou sofrer por isso?” Lan SiZhui comentou casualmente, quando se deu conta que isso poderia ser mais delicado do que imaginava. “JingYi, ela é comprometida?” Perguntou, hesitante, mas só poderia ser isso! Só poderia ser alguém tão inalcançável que fazia seu amigo sofrer a tal ponto de forçar uma reclusão para tentar esconder seus sentimentos. 

“Não... é pior que isso... ela é impossível para mim...” confessou, sentindo toda a dor dessas palavras tomarem seu ser. 

“Como impossível? Se ela não é comprometida, se ela não é casada, o que faz com que você não possa confessar seus sentimentos?” Lan SiZhui insistiu, não conseguindo compreender. 

Lan JingYi volveu seus olhos avermelhados e lacrimejantes para o amigo e num sussurro contendo toda a dor de seu coração, externou aquilo que a tanto tempo o fazia afundar-se solitariamente em sofrimento. 

“Ela é nossa discípula...” sua voz saiu agonizante e surpreendeu ao seu colega de cultivo. 

“O que? Como? Quem?” Lan SiZhui tentava raciocinar, mas sua mente estava em branco. Ele não consegui imaginar quem poderia ser a junior merecedora dos sentimentos de seu amigo. 

Lan JingYi juntou toda a força que ainda lhe restava e colocou em palavras o nome daquela jovem senhorita que fazia seu coração disparar de uma maneira tão incompreensível. 

“A Primeira Jade Gêmea...” soltou, deixando que as lágrimas finalmente escorressem livremente de seus olhos. 

Lan SiZhui estava atônito. Ele jamais imaginaria que seu amigo de cultivo, que havia se tornado um mestre renomado, iria se apaixonar por uma das herdeiras Lan e que tinha exatamente a metade da idade de seu amigo.

“SiZhui, eu juro que nunca tive esses sentimentos por ela quando elas foram nossas discípulas ainda crianças, mas quando ela se tornou adolescente, sempre com sua figura centrada e seu olhar compenetrante, que parece ler os pensamentos de qualquer um que esteja diante de si, eu não sei o que aconteceu comigo, mas eu não conseguia mais ficar na sua presença e não tremer... e não me encantar...” falava exasperado, esforçando-se para desfazer qualquer mal entendido de seu amigo de cultivo. 

“Então, por isso que você se recusou a ministrar as aulas para a turma dos juniores quando o Mestre Wei teve que viajar com HanGuang-Jun a alguns meses atrás...?” Lan SiZhui refletiu, recebendo um movimento em afirmativa do colega. 

“Eu sabia que não conseguiria disfarçar os meus sentimentos em sua presença e por isso, achei melhor evitar, dizendo que não me sentia preparado para ensinar a uma turma de juniores, então, pedi que você me substituísse. Eu sei que você estava atarefado e sua filha havia acabado de nascer, mas eu não vi outra saída...” explicou.

“E por isso também não quis ir a essa missão em Ouyang?” Mais uma vez, Lan SiZhui recebeu uma resposta afirmativa. 

“Eu estou a cada dia me esforçando mais para tentar suprimir esses sentimentos e esquecê-la, mas eu estou chegando a conclusão de que é impossível e que vou levar esses sentimentos para o meu túmulo...” refletiu, pesaroso. 

“Eu sei que parece uma loucura, mas por que você não tenta...?” Lan SiZhui argumentou, mas foi imediatamente interrompido. 

“Não, SiZhui! Isso é impossível! Eu sou mais velho que ela e ela nasceu para ser a líder Lan! Jamais olharia para um mestre qualquer como eu! Eu não sou digno de se quer uma batida de seu coração! Ela está destinada a casar com algum jovem herdeiro de alguma seita importante e jamais teria os mesmos sentimentos por mim!” Exclamou entre lágrimas de dor e desespero. 

“JingYi, não pense assim...” Mais uma vez, Lan SiZhui tentou argumentar inutilmente. 

“Esqueça, SiZhui! Eu já estou conformado! Nada poderá mudar o destino que os deuses traçaram para nós!” Falou, desiludido. 

“Mas, e se os deuses tiverem destinado vocês dois, um ao outro?” Perguntou, tentando dar esperanças ao amigo. 

“Será que os deuses fariam uma brincadeira dessas, colocando em meu peito um sentimento que jamais será correspondido?” Refletiu, ainda em negação. 

Para Lan JingYi, estava claro! Ele não poderia jamais revelar seus sentimentos. Isso só o iria ferir mais ainda diante da recusa que sofreria por parte de Lan MeiFen, a Primeira Jade Gêmea. Seria presunção demais da sua parte ousar se apaixonar pela herdeira Lan, a discípula mais perfeita e correta dessa geração, tão digna de sua posição. 

Por algum tempo, imaginou que ela seria a esposa ideal para Lan Shu, discípulo destaque entres os mestres masculinos e que era tão correto quando a Primeira Jade Gêmea, mas qual sua surpresa ao vê-lo noivando com a Segunda Jade Gêmea, Lan MeiLi e recebendo as felicitações sinceras da Jade Primeira.

Era um casal inusitado, já que a Segunda Jade Gêmea era extrovertida e adorava quebrar algumas regras e ele jamais vislumbrou Lan Shu cometendo qualquer deslize, do contrário, sempre estava de acordo com as milhares de regras de GusuLan.

De qualquer forma, Lan MeiFen logo se apaixonaria por algum jovem mestre de alguma seita poderosa. Sua beleza imaculada, seu sorriso discreto e seus olhos brilhantes atraiam a atenção de todos a sua volta. Sua postura sempre irretocável e o ar gélido que emanava de si traziam um ar de mistério e sedução que faziam o pobre mestre Lan JingYi punir-se cada vez que ousava tê-la em seus pensamentos. 

Era uma Jade rara, única e inalcançável. 

Por mais que Lan SiZhui tentasse argumentar, nada convencia Lan JingYi de que seus sentimentos poderiam algum dia serem retribuídos pela jovem que o maltratava apenas por existir, não restando a Lan SiZhui se não deixar seu amigo em sua meditação para assim aliviar as dores do peito e do espírito. 

Algumas semanas depois, ainda em reclusão, Lan JingYi recebeu mais uma das constantes visitas de seu amigo, Lan SiZhui, mas dessa vez, o motivo era especial. 

“Eu não vou! Esqueça!” Se recusava com todas as suas forças.

“JingYi, por favor! Nie Ziang quer que todos os seus colegas vão a celebração de seus 15 anos como Líder Nie e você não poderá faltar!” Lan SiZhui explicou. 

“Mas os Líderes Lan irão e certamente, as filhas também! Eu não posso fazer uma viagem junto a elas e arriscar que alguém perceba meus sentimentos!” Exclamou. 

“Sobre isso, tem algo mais...” Lan SiZhui vacilou, mas precisava falar. “ZeWu-Jun pediu para que escolhamos alguns juniores para irem junto a essa viagem. Ziang preparou uma caçada e os juniores farão uma competição, então teremos que selecionar os melhores. Como HanGuang-Jun e o Mestre Wei estão cuidando da Lan Fang, eles pediram para que nós dois fizéssemos a seleção...” Lan SiZhui contou. 

“Você sabe quem são os melhores, nem precisamos escolher!” Lan JingYi exclamou, referindo-se às Jades Gêmeas de Lan, Lan Shu, Lan Wei e a própria Lan Fang, que por estar grávida seria arriscado participar. 

“As Jades Gêmeas e Lan Shu obviamente irão, Wei-Wei e Fang-Fang não poderão participar, pois a gestação aproxima-se do final e nós teremos que escolher os demais. Por favor, JingYi, eu não posso fazer isso sozinho! Você sabe que temos juniores muito bons e eu não quero ser injusto...” argumentou, conseguindo convencer o colega de cultivo. 

“Está bem! Poderemos fazer uma competição de esgrima e assim escolher os melhores!” Sugeriu. 

“Perfeito! Amanhã a tarde os reuniremos!” Lan SiZhui exclamou, contente por finalmente tirar o irmão de cultivo da reclusão e poder distraí-lo. “E nós dois seremos os responsáveis pelos juniores na caçada em QingheNie!”

Lan JingYi não ficou feliz com esse compromisso, mas já havia fugido demais nas suas obrigações para com a sua seita e não quis negar novamente. 

No dia seguinte, a competição foi acirrada. Sem a participação dos principais discípulos, os demais estavam eufóricos querendo conquistar as vagas para viajar e participar de tal caçada. Depois de escolherem os cinco melhores, Lan JingYi se dirigia à reclusão, quando uma voz familiar o chamou, fazendo-o parar imediatamente. 

“Mestre JingYi!” Lan MeiFen o chamou, antes que o perdesse de vista. Ela tinha passado a tarde toda a espreita, esperando o momento certo para ir falar a sós com o mestre.

“Sim...” Se virou, esforçando-se para manter o controle sobre seus atos, a cumprimentando.

“Meu pai disse que o mestre irá nos acompanhar a QingheNie...” comentou, séria, mas com a voz suave e o coração esperançoso. 

“Oh, sim... serei responsável, junto com o Mestre SiZhui, pelos juniores durante a caçada...” explicou. 

“Será uma honra participar da caçada em sua presença...” falou, sentindo as pontinhas das suas orelhas queimarem, mas já que chegou até aqui, não poderia desistir. “Eu sinto falta do Mestre nos acompanhando e nos ensinando...” juntou toda sua coragem para falar. 

Lan JingYi não pode acreditar no que ouvira e ficou sem palavras. Diante de tantos mestres importantes e poderosos, Lan MeiFen só poderia estar sendo gentil ao fazer esse comentário, porém, conhecendo-a bem, ele sabia que ela não iria falar nada desnecessário ou sem objetivo. 

“Mamãe comentou que haverá um banquete após a caçada e todos iremos participar...” falou, ainda com as pontinhas das orelhas queimando. 

“Oh, sim! Os banquetes de QingheNie são esplêndidos...” mas sentiu uma dor no coração ao tocar nesse assunto. “Tenho certeza que vários jovens mestres irão cortejá-la, afinal, a senhorita é uma jovem mestra muito habilidosa e sua beleza encanta aos olhos de todos...” falou sem pensar e imediatamente se arrependeu, sendo extremamente indiscreto ao comentar sobre isso. 

Lan MeiFen sentiu um arrepio percorrer todo seu corpo ao ouvir tais palavras vindas de seu mestre e por alguns segundos, faltou-lhe ar aos pulmões.

Quando Lan JingYi, movido pelo constrangimento e arrependimento, estava prestes a despedir-se e partir, ouviu a voz doce e suave da discípula, lhe falando mais uma vez. 

“Só desejo que os olhos de um mestre se voltem para mim e se eu atrair sua admiração, será o suficiente!” Exclamou, em seu tom claro e confiante. 

Lan JingYi sentiu seu coração falhar algumas batidas. Será que a Jovem Mestra já tinha se encantado por algum Júnior? Será que seus sentimentos já haviam sido despertados por alguém? 

Imediatamente se arrependeu de ter aceitado fazer essa viagem e participar dessa caçada. Vê-la conversando e talvez até sorrindo para outro jovem mestre iria destruir de vez seu pobre coração, mas isso era inevitável e a qualquer momento a Primeira Jade Gêmea poderia se encantar por algum jovem cultivador e entregar-lhe seu coração. Lan JingYi sobreviveria a isso? 

“Certamente, em breve, a senhorita encontrará um jovem mestre que irá roubar seu coração, assim como Lan Shu fez com sua irmã...” falou, extremamente consternado, mas desejando que a jovem discípula não percebesse a dor em suas palavras. 

“Mestre, não sei se terei coragem de revelar meus sentimentos a alguém...” falou tristemente, desviando o olhar, mas mais uma vez tomou coragem para prosseguir. “Mestre, você já ouviu falar da minha tia-avó? Irmã mais velha do nosso Grande Mestre e do nosso avô Lan?” Perguntou, curiosa.

“Não... eu não sabia que o Grande Mestre tinha uma irmã mais velha...” respondeu, não sabendo de quem se tratava. 

“Mamãe me contou que ela foi a primeira esposa de meu avô He e que por algum motivo o casamento deles não foi feliz e ela acabou morrendo muito jovem...” contou e Lan JingYi percebeu que havia algo a mais nessa história que a jovem estava lhe contando. “Um dia, MeiLi estava bisbilhotando nos arquivos secretos da seita e...” 

“Ela estava o que? Se o Grande Mestre descobrir isso...!” Lan JingYi se assustou, mas se tratando da Segunda Jade Gêmea, já era de se esperar. 

“MeiLi é muito astuta e nunca deixa pistas. Lá ela encontrou um livro com no nome da nossa tia-avó na capa, mas seu interior estava todo em branco. Ela ficou curiosa e levou esse livro até mim e nós descobrimos que era um diário e que ele havia sido selado com um encantamento e somente com o encantamento correto, as palavras iriam aparecer. MeiLi tentou de tudo, mas apenas eu consegui desfazer o encantamento...” ela explicava. 

“Eu nem imagino a quantidade de regras que vocês descumpriram ao fazer isso...” Lan JingYi comentou, mas curioso em saber do que se tratava essa história e o objetivo da discípula em contá-la. 

“Nós descobrimos que a minha tia-avó era apaixonada por um discípulo Lan, mas ele morreu em uma caçada antes que minha tia-avó tivesse coragem de revelar seus sentimentos a ele, então ela ficou desiludida e jurou que seu coração pertenceria a ele e a mais ninguém...” contava com um certo pesar na voz. “Acho que por isso ela não conseguiu ser feliz com o meu avô He, já que foi um casamento arranjado...” completou. 

“Eu não acredito que seus pais possam fazer algo assim com você...” Lan JingYi comentou, sentindo um nó se formar em sua garganta. 

“Meus pais me disseram que jamais me obrigariam a casar com alguém que eu não ame...” Lan MeiFen contou, abrindo um pequeno sorriso. “Eu acho que sou parecida com a minha tia-avó...” suspirou, ainda com os cantos de sua boca levemente arqueados. 

A visão do pequeno sorriso nos lábios da discípula era um evento extremamente raro e fez com que Lan JingYi se sentisse abençoado por presenciar tal cena. 

“E por que você acha isso?” Não aguentou de curiosidade e teve que perguntar. 

“Por que meu coração já pertence a alguém e mesmo que eu não tenha coragem de me confessar, jamais amaria outra pessoa além dele...” confessou, sentindo mais uma vez as orelhas arderem e um frio enorme lhe atingir o estômago.

Lan JingYi ficou atônito. Sua amada acabara de lhe confessar que já tinha um amor e isso lhe destruiu completamente por dentro. Não soube o que falar. Não soube o que fazer. Mal sabia como ainda conseguia respirar. 

“Mestre JingYi, já está escurecendo. Eu preciso me retirar...” e num cumprimento suave e gentil, ela o reverenciou e saiu. 

Naquela noite, Lan JingYi não dormiu, mal respirou e nem sabia se seu coração ainda batia, mas como antes, resolveu se conformar e calar seu sentimento. Como um mestre qualquer e ainda por cima mais velho poderia despertar às graças de tão gentil e honrada jovem senhorita? 

Na viagem a QingheNie, Lan JingYi manteve a maior distância possível das Jades Gêmeas, que estavam sempre acompanhadas por Lan Shu e por seus pais. Lan MeiLi estava eufórica, já que adorava viajar e conhecer novas pessoas e novos lugares. Lan Shu sempre a admirava e seus olhos eram extremamente complacentes e devotos da sua noiva. 

Lan SiZhui, apesar de perceber toda a dor que emanava de Lan JingYi, preferiu deixá-lo em silêncio, sabendo que palavra alguma poderia aliviar sua angústia. 

Durante a caçada, os mestres que estavam acompanhando seus discípulos não poderiam intervir, para pesar de Lan JingYi, que não sabia se conseguiria manter o controle caso visse a Primeira Jade Gêmea correndo algum risco, mas para a sua sorte, as duas irmãs eram extremamente habilidosas e não sofreram nenhum risco durante todo o dia de competição. 

Como esperado, as Duas Jades Gêmeas ficaram empatadas em primeiro lugar no número de presas, já Lan Shu não capturou presa alguma. Ele sabia que não precisava capturar nenhuma entidade para provar seu valor e competência, portanto preferiu observar a sua noiva e sua cunhada de longe, as protegendo caso necessário, abdicando das glórias de uma posição de destaque durante a competição. Nada que pudesse ferir seu orgulho e sua posição diante dos demais discípulos Lan. 

Em seguida, Jing Yang, Cao Xiang e Jin Hao. Nie Hong, apesar de não conseguir um grande número de presas, também surpreendeu, capturando as presas mais perigosas do lugar e recebendo as devidas homenagens pelo feito. 

A noite, um grandioso banquete se seguiu e apesar de não estar muito animado, Lan JingYi contentou-se em reencontrar seus velhos amigos, não deixando de tremer por dentro ao ver as serpentes espirituais de Li Feng e Nie Ziang, ambas ultrapassando os dez metros de cumprimento e sendo extremamente protetores, embora hoje estivessem amistosas e se colocassem a distância para não assustar os demais convidados. 

Era bom poder conversar com seus amigos e esquecer por um momento de suas angústias, mas foi só correr os olhos pelo salão e vislumbrou algo que o feriu profundamente. 

Lan MeiFen estava a alguns metros de seus pais e de sua irmã e o noivo, obviamente sob seus olhares, recebendo uma peônia branca de um jovem discípulo com vestes da seita Jin. 

Aquela visão destruiu seu ser por completo. Era como se sua carne estivesse sendo estraçalhada por mil espadas ao mesmo tempo, ferindo-lhe o corpo e dilacerando-lhe o espírito. Ele não poderia ficar ali e presenciar tal visão, movendo-se imediatamente em direção à saída mais próxima. 

“JingYi, onde você vai?” Lan SiZhui imediatamente pôs-se ao lado do amigo, a passos largos. 

“Eu não vou ficar aqui vendo-a ser cortejada!” Exclamou, já com os olhos inundados de lágrimas. 

Lan SiZhui sabia que nada poderia ser feito ou dito para desfazer tamanho sofrimento. E ele acabava sofrendo junto. Sentia que a vida havia sido injusta com seu amigo e até mesmo se condenava por ter sua amada como esposa e já ter sua primeira filha ao mesmo tempo que seu colega de cultivo sofria tanto não podendo realizar os mesmos sonhos. 

Lan JingYi atravessou o pátio central da seita Nie, andando pelos corredores e parando sobre uma ponte que ultrapassava um pequeno lago com alguns peixes ornamentais em um jardim que até então ele não conhecia. A iluminação fraca não deixaria que ninguém que passasse por ali percebesse seu rosto consternado e seu estado de espírito. Mas ele sabia que mais cedo ou mais tarde isso aconteceria e só caberia a ele aceitar seu sofrimento e rezar aos deuses para que sua amada encontrasse a felicidade, mesmo junto a outro. 

Perdido em seus pensamentos, nem se quer pode perceber que passos suaves se aproximavam. 

“Mestre JingYi...!?” Aquela voz que ele tanto amava ouvir o chamou, desmontando completamente toda a sua tentativa de esquecê-la. 

“Senhorita Lan MeiFen...” ele a cumprimentou, deslumbrado por tamanha beleza, vendo-a em suas vestes brancas e azuis reluzindo sob a luz da lua cheia. 

Por ser um banquete comemorativo, ela estava mais linda do que nunca, vestindo trajes de festa e algumas joias, com o cabelo trabalhado em transas presas no alto da cabeça, diferentemente de quando estava em seu tradicional uniforme. 

“Devo parabeniza-lá pela caçada de hoje! Não preciso dizer que você e sua irmã sempre superam qualquer expectativa!” Exclamou, ainda deslumbrado e não conseguindo disfarçar seu encantamento pela jovem. 

“Obrigada, Mestre...” baixou o olhar, sentindo as pontinhas das orelhas queimarem, mas ela veio atrás do mestre quando finalmente o viu saindo do salão a sós por um único objetivo. “Mestre, eu quero lhe entregar algo...” tomou coragem e levantou os olhos até o mestre, surpreso diante da discípula. 

Um pequeno silêncio se fez e quando o coração de Lan MeiFen parecia que iria explodir em seu peito, ela retirou o braço direito de trás de suas costas e estendeu-o em direção ao mestre, tendo em sua mão uma peônia rosada ainda com as pétalas fechadas, prestes a desabrochar. 

“O que... o que significa isso?” Lan JingYi bem sabia o que significava quando uma jovem senhorita entregava esta flor para um homem, mas ele não conseguia acreditar. Não fazia sentido. Não poderia ser mais nada além de uma gentileza. Mesmo assim, ele queria saber o significado desse gesto para a jovem que lhe fazia perder completamente o domínio sobre seus pensamentos.

“Esta flor simboliza meu coração...” falou, quase num sussurro inaudível. “Por favor, a aceite... eu jamais seria capaz de dá-la a outro mestre...” ainda não tinha coragem de olhar nos olhos de Lan JingYi e estremeceu ao toque do mestre ao encostar com seus dedos na sua mão para pegar a flor. 

Lan JingYi mal conseguia raciocinar diante do que acabara de presenciar. Ela estava apaixonada por ele? Não! Não podia ser! Ele não era digno! Ele não seria capaz de fazê-la feliz! Isso era impossível! 

Assim que viu o mestre diante de si segurando a peônia rosada, Lan MeiFen imediatamente virou-se e saiu, não tendo coragem para dizer mais nada e nem encara-lo em seus olhos. Toda a coragem que tinha já havia se esvaído ao entregar-lhe tal flor. 

Lan JingYi não conseguiu mover-se e ficou na mesma posição por longos minutos. Sua mente estava em branco e ele não era capaz de acreditar no que presenciara. Fora um sonho? O mais lindo que já teve? Ele poderia se permitir ter esperanças? 

Não... Ele não era digno! Não era o merecedor do afeto da Primeira Jade gêmea de Lan. 

Perdido em seus pensamentos e segurando delicadamente a peônia em suas mãos, como se ali realmente estivesse o coração de sua amada, Lan JingYi ouviu uma voz familiar o chamar e imediatamente virou-se naquela direção. 

“JingYi!?” Era o seu mestre Wei WuXian aproximando-se a passos lentos. “Vejo que recebeu um presente de uma jovem senhorita...” referiu-se a flor nas mãos de seu discípulo. 

Wei WuXian a muito tempo já havia percebido o comportamento arredio de Lan JingYi, mas sabendo que se tratava de assuntos sentimentais, foi contido por seu marido, que não queria que ele interferisse, mas hoje seus olhos rápidos perceberam a fuga de Lan JingYi e depois observaram a saída discreta de sua sobrinha com a flor em mãos e em alguns minutos o seu retorno. Estava claro para seus pais e seus tios o que havia acontecido ali, mas apenas Wei WuXian não teria face suficiente para disfarçar e se aproximar do mestre que recebeu tão valioso presente.

Lan JingYi baixou os olhos para a flor e por mais raro que isso fosse, não tinha palavras para responder a seu mestre. 

“JingYi, o que está em suas mãos é o presente mais valioso que um mestre pode receber...” colocou uma mão sobre o ombro do discípulo e olhou profundamente em seus olhos confusos. “Cuide dessa flor e dos sentimentos que ela representa!” Aconselhou. 

“Mestre, eu não sou digno de receber esse presente...” falou, faltando-lhe o ar para respirar ao ter que admitir isso. 

“Sob o julgo de quem você diz isso?” Wei WuXian o instigou. “É seu coração que diz isso?” Continuava encarando-o. “Eu tenho certeza que seu coração sabe o que fazer e você só vai se ferir se tentar resistir a isso...” apontou.

“Mas eu sou mais velho e eu sou seu...” não conseguiu concluir. Se continuasse, iria entregar a jovem senhorita e ele acreditava que seu mestre não sabia de quem se tratava. 

“Se observar sob esse ponto de vista, HanGuang-Jun também é mais velho que eu, já que esse corpo é alguns anos mais novo e ZeWu-Zun também é mais velho que a Senhora Lan. SanduSheng-Shou também tem uma boa diferença de idade para com a Senhora Jiang!” Argumentava, tentando passar confiança ao seu discípulo. “Os espíritos não tem idade e eles vão se encontrar, custe o que custar, não importa a idade de seus corpos!” Deu um breve sorriso, sabendo que seu discípulo havia entendido do que se tratava. 

Lan JingYi teve um vislumbre de esperança com as palavras de seu mestre e sentiu seu coração se aquecer de uma forma que jamais imaginaria. 

‘Eu sou o dono do coração da Primeira Jade Gêmea de Lan?’ Esse pensamento veio em sua mente. ‘Não! Ela é que possui o meu coração sem a menor dúvida e eu não quero tê-lo de volta!’

Apesar de chegar a essas conclusões, Lan JingYi ainda não sabia como agir e na manhã seguinte, depois de uma noite muito mal dormida, saiu para passear pelos corredores silenciosos da seita Nie, longe dos barulhos da cidade comercial, mas não esperava encontrar em seu caminho outro membro de GusuLan. 

“ZeWu-Jun!” Lan JingYi o reverenciou formalmente, tentando disfarçar seu nervosismo. 

“Mestre, não é necessário!” Falou, segurando-lhe em suas mãos. 

Lan JingYi novamente se pôs a sua frente, não sabendo o que dizer no momento. 

“Essa parte de QingheNie é realmente bela a essa hora do dia...” comentou, observando ao redor. Era o jardim que Lan JingYi estava na noite anterior.

Lan JingYi apenas concordou, mas de fato nem havia observado com atenção o local e mal lembrara-se do caminho percorrido até ali. 

“Lembro-me da primeira vez que trouxe minhas filhas a QingheNie...” começou a falar, saudosista. “MeiLi saiu escondida e se perdeu. Quando começamos a procurá-la, MeiFen me puxou pela mão e me trouxe aqui, exatamente nesse local. Ela estava angustiada, mas de alguma forma sabia que iria encontrar a irmã aqui, mesmo sem nunca ter vindo nesse jardim. Quando chegamos, encontramos MeiLi abaixada, abraçada aos joelhos e chorando de medo. A serpente espiritual do Líder Nie havia a encontrado e a impediu de fugir, bloqueando a passagem, mas uma criança de cinco anos de idade claramente iria se assustar diante de tal animal, mesmo que suas intenções fossem boas. Quando o Líder Nie chegou, a sua serpente já havia se escondido para que as minhas filhas não temessem mais...” contava, olhando para aquelas grossas paredes de pedra iluminadas pelo sol da manhã, recordando-se de cada detalhe daquele dia. “Acredito que minhas filhas nem se lembrem mais disso, mas nas vezes que retornarmos a QingheNie, elas não vieram mais aqui... até ontem...” volveu seu olhar até Lan JingYi, que sabia exatamente de que se tratava. 

Nesse lugar, exatamente nesse jardim, MeiFen havia lhe entregue a peônia rosada, o seu coração. 

Lan XiChen deu um pequeno sorriso observando o discípulo que viu crescer entre os demais e que se tornou um dos mais habilidosos e poderosos mestres de GusuLan. Ele jamais iria censurar as decisões dos corações de suas filhas e ele bem sabia como era amar e não ter os seus sentimentos correspondidos. Apesar disso, não poderia forçar nada e nem mesmo havia planejado esse encontro matinal.

“Minhas filhas e minha esposa são as melhores partes de mim e não sei o que seria de mim sem elas...” falou com sinceridade. “Só posso desejar que minhas filhas sejam tão felizes quanto eu sou com minha senhora e não importa o que aconteça, sempre as apoiarei em suas decisões...” falou, tentando passar confiança ao mestre diante de si. 

“Eu compreendo, ZeWu-Jun... não há nada mais importante para um homem do que sua família!” Exclamou, mesmo sem ter sido criado por seus pais, que morreram quando ele era bebê, sentia que Lan SiZhui, HanGuang-Jun e seu Mestre Wei WuXian eram sua família, juntamente com Lan Wei e Lan Fang. 

“E só existe família onde há amor!” O Líder Lan completou, ainda lhe enviando um sorriso discreto. 

Não havia mais nada que pudesse falar. O Mestre diante de si já havia compreendido tudo. 

No dia seguinte, retornaram para o Recanto das Nuvens e foram recebidos calorosamente por Lan Wei e Lan Fang, que aguardavam as notícias trazidas pelos pais e pelas primas, suas melhores amigas em GusuLan. 

As semanas passaram rápido e o dia do casamento de Lan MeiLi, a Segunda Jade Gêmea de Lan chegou. Ela estava deslumbrante, toda posta em vestes vermelhas e ornamentada de joias Lan e He, trazendo orgulho a seus pais, tios e avô. Foi acompanhada pelo casal de Líderes Lan até o salão ancestral, onde encontrou-se com seu noivo, Lan Shu, que desde menino só tinha olhos para a amada. 

O casamento foi lindo, digno de uma das herdeiras Lan e contou com a presença dos líderes das demais seitas e de todos os membros de GusuLan. 

Mas um coração apaixonado estava deveras emocionado nessa ocasião. Lan JingYi não havia mais se encontrado com a Primeira Jade Gêmea desde a viagem a QingheNie, já que resolveu concluir sua reclusão, atingindo finalmente a expansão do seu núcleo espiritual da forma que almejara, mas durante toda a festa, não deixou de imaginar como seria ver a sua amada em vestes vermelhas e fazendo as três reverências ao seu lado, fazendo juras de companheirismo e amor eterno. 

Seus olhos a todo momento pousavam na jovem mestra, que usava um lindo vestido verde claro, cor tradicional da seita He, com algumas joias de prata da seita Lan e com o cabelo solto e balançando com a suave brisa da primavera. Sua face sempre séria apenas abria espaço para um sorriso quando estava na presença de seus familiares e em especial dos noivos, sua amada irmã e seu cunhado. 

Lan JingYi pode se encontrar com seus amigos e antigos companheiros de turma, discípulos do Mestre Wei WuXian, mas em dado momento, correu os olhos pelo grande pátio onde a festa de casamento acontecia e não encontrou com a jovem mestra de vestes verdes. 

Seu coração disparou freneticamente ao imaginar que algum jovem discípulo poderia estar cortejando-a em algum lugar a sós.

Desesperadamente, buscou com seus olhos entre todos os convidados e não a encontrou, então, saiu do grande pátio e andou apressadamente entre os corredores de GusuLan buscando qualquer vestígio da jovem mestra que havia o feito perder completamente a razão. 

Quando já não restavam mais esperanças de encontrá-la, pensando em voltar para a festa, viu uma silhueta de vestes verdes e cabelos esvoaçantes ao vento sentada sobre um manto de pétalas cor de rosa,  abaixo de uma cerejeira em flor.

“Senhorita Lan MeiFen...!?” Chamou, ofegante depois dessa busca. 

Rapidamente, Lan MeiFen se colocou em pé e observou a seu mestre que acabara de chegar, fitando aqueles olhos esperançosos. 

“Mestre...” ela o reverenciou respeitosamente, vendo-o se aproximar. 

Lan JingYi não sabia exatamente o que falar, mas só de estar na presença da amada, seu coração sentia um grande alívio e se aquecia.

“Mestre, nós não nos vemos desde QingheNie...” Lan MeiFen comentou, constrangida, acreditando que talvez pudesse ter ofendido ao mestre e por isso ele não quis vê-la desde então. 

“Eu precisava terminar minha reclusão...” respondeu, num sussurro, observando a cada detalhe do rosto delicado e intacto da jovem mestra. 

“Por que...? Por que o mestre se retirou em reclusão?” Lan MeiFen não compreendia os motivos que o levaram a isso e se culpava internamente por talvez Lan JingYi fazer isso para se manter afastado dela. 

“No começo, eu fui para a reclusão para esquecer...” vacilou, mas queria falar a verdade. Estava cansado de esconder seus sentimentos. “Esquecer de você...” contou, encarando aqueles olhos doces e gentis, que tremeram ao ouvir tal confissão. “Mas quando voltei de QingheNie, resolvi continuar minha reclusão para aperfeiçoar minhas habilidades e expandir meu núcleo dourado, assim, eu poderia me tornar alguém digno da senhorita!” Exclamou, revelando tudo aquilo que estava guardado em seu peito. 

“Digno de mim...!?” Lan MeiFen, a mais séria e rígida das Jades Gêmeas se viu completamente vulnerável e frágil diante dessa confissão, deixando com que uma lágrima solitária e sincera escapasse de seus olhos. 

“Senhorita Lan MeiFen...” Lan JingYi finalmente tomou coragem e ajoelhou-se diante da jovem. “Sei que não sou digno de seus sentimentos, mas não consigo mais viver guardando esse amor apenas para mim...” ele retirou de sua lapela um lenço branco com motivos de nuvem, de onde desembrulhou uma flor já seca, mas que era possível identificar como sendo uma peônia rosada, a flor que Lan MeiFen o presenteou. “Eu a levo sempre comigo e a cuido como se aqui estivesse o seu coração...” falou, voltando a encarar aqueles olhos ainda mais emotivos do que antes. 

Um vento forte novamente os atingiu, fazendo com que aquelas pétalas secas sobre o lenço voassem formando uma dança juntamente com as pétalas rosas de cerejeira. 

“A peônia...” Lan JingYi se culpou por ter exposto a flor ao vento, restando-lhe apenas poucas pétalas ligadas ao caule seco. 

“Mestre JingYi...” Lan MeiFen se abaixou a sua frente, fechando-lhe a mão com o lenço entre as suas mãos. “Meu coração não está mais com essa flor...” falou-lhe, fitando em seus olhos. “Meu coração está aqui...” puxou a outra mão de Lan JingYi para o seu peito, pousando-a sobre os tecidos leves do seu vestido, mas permitindo que o mestre sentisse a pulsação acelerada sob a pele da amada. “... e ele só bate por ti...” confessou, não conseguindo mais manter a distância que havia entre eles e se aproximando, selando seus lábios junto aos de Lan JingYi.

O primeiro beijo aconteceu, envoltos pelas pétalas que caiam da cerejeira, num tapete que contemplava ao casal. Beijo que simbolizada o encontro de duas almas, criadas juntas nos primórdios dos tempos, que vagaram entre tantas encarnações, em encontros e desencontros, mas que agora estavam selando sua união rumo a eternidade. 


Notas Finais


E então, repolhinhos, gostaram?

Se eu não estou muito enganada, a peônia é a flor que representa um “flerte” na obra original e que o Wei, “de brincadeira” da uma flor dessa para o WangJi em um festival que eles participam e o WangJi guarda ela carinhosamente dentro de um livro 🥰🥰🥰

Coisa mais linda do mundo!

Eu falei pra vcs que o que eu estava preparando para o JingYi era algo inimaginável!? Ninguém passou nem perto de acertar 😅

E sim, o jovem mestre q a outra incarnação da MeiFen era apaixonada era o próprio JingYi, mas eles não ficaram juntos na vida passada 😭😭😭😭

Bem, espero que tenham gostado e se a autora não der mais umas surtadas, ainda escreverei mais dois extras!

Aguardo os comentários de vcs! ☺️😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...