1. Spirit Fanfics >
  2. Wangxian >
  3. Extra - Desejo

História Wangxian - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Boa madrugada meus amores!
Boa leitura <3

Capítulo 20 - Extra - Desejo


Fanfic / Fanfiction Wangxian - Capítulo 20 - Extra - Desejo

   Xichen abriu os olhos sentindo que havia algo pesado em seu peito e viu um pouco chocado, na verdade enormemente surpreso, A fita roxa que prendia os cabelos de Jiang Cheng no campo de sua visão e em seguida o próprio, dormindo profundamente com a cabeça sobre seu peito. O silêncio ao redor era reconfortante permitindo que pudesse ouvir apenas o respirar suave do mais novo sobre si.

  Não entendia como foram parar naquela situação, mas estava um pouco feliz que o outro estava bem e descansava depois do tempo difícil que tiveram. Sabia que ele deveria estar bem cansado...

  Fechou os olhos e se concentrou em seu núcleo e em seu estado físico. Respirou com cuidado para que não atrapalhasse o sono naquela pessoa que com certeza estava exausto, e concluiu que estava de fato bem.

  A deusa lhe salvou de verdade e ele sentia o poder do selamento rolar por suas entranhas. Era como um cobertor interno e uma sensação de plenitude. Era... Reconfortante.

  Abriu os olhos outra vez e olhou ao redor com cuidado.

  Estavam em uma tenda então possivelmente estavam longe de Gusu. Nisso suspirou, o Recanto das nuvens estava distante e já não era mais seu lar. Talvez, e aquela constatação lhe doeu o coração, nunca tivesse sido. Pessoas não mudavam de personalidade, pessoas eram o que eram e seu tio tinha deixado claro seu ponto de vista.

  Traição.

  Ele tinha sentido isso na pele há pouco tempo e agora novamente. A lição foi aprendida.

  Suspirou baixinho e foi trazido dos pensamentos sombrios ao ver Jiang Cheng, assim como um felino se acomodando, se mover sobre seu corpo procurando uma posição melhor e virando o rosto para o seu depois de apertar aqui e ali como se ele fosse um travesseiro. Finalmente ele parou de se mexer e Xichen sorriu achando graça de tais modos.

  Ele tinha consciência que parecia um menino com o sono agitado?

  Na verdade, aquela pessoa sofreu muito também, sofreu perdas, traições, sofreu dolorosos golpes e ainda estava de pé, mesmo dormindo como um menino solitário.

  Então as palavras de Baoshan Sanren voltaram a sua mente:

“Nem mesmo o Píer Lótus está a salvo das manipulações agora. Entenda, escolhas mudam o destino. Aquela visão já não existe mais, não há futuro naquele lugar para sua família...”

  Escolhas mudam o destino, escolhas sempre mudariam o destino.

  Sua mão se ergueu com cuidado e tocou de leve a face de Jiang Cheng cuidadosamente com as pontas dos dedos enquanto ele tentava não fazer som algum. Estava preocupado, muito preocupado...

— Eu sei o quanto o Píer Lótus é importante para você, Jiang Cheng – Sussurrou solene - Não importa o que e o quanto custe, se escolhas mudam o destino, eu escolho mudar a mudança e vou lhe entregar o seu lar de volta. Ninguém vai arrancá-lo das suas mãos. Eu juro!

  O líder de YunmengJiang não se moveu mais e Xichen acariciou mais um pouco a bochecha dele antes de retirar a mão e o puxar com cuidado para que ele se deitasse melhor, já que estava meio sentado enquanto o tronco estava meio sobre si. Quando conseguiu tal façanha, sorriu satisfeito puxando seu manto externo sobre o mais novo e respirando mais tranquilamente, a cabeça dele continuava sobre seu peito, mas seu corpo estava em uma melhor posição.

— Você ficará furioso quando acordar e se ver assim.

  Acabou dizendo baixinho um pouco divertido. Gostava do temperamento dele apesar que sabia ser muito perigoso para sua integridade física. Ainda assim gostava, não havia grande explicação no fim.

 

■□■□■□

 

 

   Wei se sentia péssimo, mas tentou ao máximo ir para longe e deixar seu cunhado e seu irmão a sós. Vai que ao ver Xichen lá todo adormecido e ferido, Jiang Cheng fosse mais amorzinho com seu cunhado?

  Ele tinha esperanças de que os dois iriam se entender! Xichen era um ótimo partido, seu irmão só tinha que parar de ser idiota e preconceituoso, apesar de que... Bem, se ele não disse nada sobre os juniores, então aquele problema talvez não seria problema.

  Sorriu e vomitou de novo, para variar.

  No fim acabou perto do lago e ouvindo a voz de Sizhui ao seu lado antes de sentir suas costas serem esfregadas com preocupação.

  Como as mulheres passavam por aquilo e continuavam vivas?

— S-Sizhui... – Disse se virando e se afastando do mais novo, indo se sentar em outra pedra e não conseguindo não suspirar. Até quando aquilo continuaria? - Não se preocupe, é mal estar matinal comum, vou melhorar em algumas semanas, eu espero...

  Ao menos foi isso que leu nos livros de medicina dos Wen, porém seria de fato verdade!?

— Você está doente, sênior Wei!?

  A voz de Jingyi soou preocupada e Wei negou, devia acalmá-los, senão eles iriam começar a gritar pelo Lan Zhan e atrapalhar a maior chance do Xichen de ganhar atenção do seu irmão cabeça dura!

  Ele não queria que os sobrinhos fossem criados só por um dos pais, seria muito injusto! E se para isso ele tivesse de morrer vomitando naquela manhã, que fosse...

— Não, eu estou bem saudável, é a gravidez, ela causa enjoos, eu tinha me esquecido completamente desse detalhe!

  E também assim que possível ia perguntar para as mulheres que já tiveram filhos, como elas superavam esse inferno!

  Então viu que Jingyi lhe olhou de boca aberta seguido por Sizhui e quase bateu na testa. Eles não sabiam, na confusão toda nem se lembrou de contar.

— Sênior Wei, você bateu a cabeça? Nem temos tina aqui para você e o Hanguang-Jun terem algum tipo de queda drástica.

— Eu sei que parece loucura, Jingyi, mas é verdade!

— Pobre sênior Wei...

— Pare, A-Yi – Sizhui disse repreensivo e Wei quase abraçou aquele moleque de forma emocionada, amava ele, seu bebê... – Sênior Wei, vou te ajudar a voltar para a sua tenda. Vamos.

  Espera, ele não acreditava...

  Wei suspirou.

  Caramba, como ia explicar? Então sentiu mais ânsia e se deixou erguer por Sizhui. Poxa, se ainda tivesse alguma jarra e pudesse beber para se sentir melhor...

— Eu queria um pouquinho de sorriso do imperador, a vida é tão injusta!

  Acabou resmungando e viu Sizhui sorrir.

— Vamos, devagar.

  E ele lhe ajudou a sair dali com pouco esforço porque claro, Sizhui era um Lan e Lans eram fortes como muralhas.

  Eles foram andando pelas tendas e Wei parou quando viu que estavam indo para o local de onde ele fugiu propositalmente. Dali também viu Lan Zhan a distância com Xie Lian e o mestre do leque verde que se achava o mestre supremo do mundo.

  Fez bico e se firmou no chão fazendo Sizhui parar.

— Sênior Wei!?

— Sizhui, você gosta mais de mim do que todos os adultos aqui, não é mesmo? Eu sou quase seu pai, tenho prioridades!

  Ele parou e olhou para o jovem que na verdade era apenas alguns anos mais novo que o corpo que agora era seu, mas que fosse, para si ele ainda era um garoto. Sizhui abriu a boca e fechou várias vezes e por fim sorriu sem graça:

— Claro que sim, sênior Wei, o senhor e o Hanguang-Jun são como pais em meu coração.

— Mas você me ama mais?

  Sentiu seus olhos marejarem e sabia que estava exagerando, contudo, não conseguia controlar a si mesmo e ele assentiu levando a mão para sua testa:

— Talvez esteja com febre...

— Eu estou grávido, Wen Yuan! E me sinto horrível, eu quero chorar, vomitar e beber e não necessariamente nessa ordem... Vida injusta! E eu te proibido de ficar obedecendo aquele... Leque verde!

  Cruzou os braços e virou o rosto. Então ouviu um risinho:

— Sênior Wei, nunca ninguém terá o mesmo lugar que o senhor em meu coração.

— Ótimo!

— Se você já está assim com um filho que nem nasceu da sua barriga, imagina quando esses aí nascerem?

  A voz meio irônica soou perto e ele se virou para ver o homem que exalava energia demoníaca por todos os poros e que ele sabia bem que era tão poderoso quanto ele mesmo foi em seu auge, os encarar a poucos passos.

  Luo Binghe estava com dois espetos cheio de peixes crus e limpos em uma das mãos e uma tocha em outra. Aparentemente ele ficou responsável pelo café da manhã e Wei olhou fixo para os peixes pensando que eles pareciam bem apetitosos...

— Vai assar?

— É a ideia... – Wei deu alguns passos olhando para um peixe especialmente gordinho na ponta do espeto e aquele ser humano maléfico e mais alto que ele, por falar nisso, ergueu os espetos no alto – Nem pense, eu vou assá-los primeiro. Se você passar mais mal ainda, eu vou ter problemas com o Shizun!

— Eu só quero esse gordinho aí, Binghe, não seja cruel! Eu posso morrer de fome!

— E eu morrer sufocado porque matei o grávido do ano, jamais! Quer comer algo cru de estômago enjoado e morrer, fala com a sua estátua lá!

  Ele apontou para o ponto onde os três de branco conversam como alguma irmandade de funeral, e Wei sentiu que ia começar a chorar em segundos:

— Me dê esse peixe!

— Não, louco!

— Louco é você! Me dê o peixe gordinho!

— Há há, vai sonhando!

— Espera, o sênior Wei está... Ele...? Mas isso é impossível e...

  A voz de Sizhui soava chocada e Wei se virou para ele horrivelmente triste e com fome:

— Sizhui, pega o peixe para mim, bate nele e pega o meu peixe!

— Seu peixe!? Eu pesquei esses peixes, Wei Wuxian! Sozinho, por falar nisso!

— Mas eu estou grávido e tenho prioridades! Que espécie de pessoa é você fazendo uma pessoa frágil como eu passar desejos!?

— Frágil!?

  O alto, folgado, malvado e vilão Luo Binghe lhe olhou horrorizado e ele se apoiou em Sizhui sentindo que poderia desmaiar de fome pelo peixe cru:

— Eu quero comer esse peixe!

— Sênior Wei, deixe o sênior Luo assá-lo primeiro, hun?

  A voz de Sizhui soou suave e ele voltou a acariciar suas costas com cuidado o que lhe fez mais calmo, mas ainda sentia que queria sentar-se ali e chorar para sempre por causa do peixe.

— Mas eu quero o peixe cru, Sizhuiiiii...

— Deuses me livrem de pessoas loucas.

  O ser maléfico levou os peixes embora e Wei sentiu que seu choro poderia se tornar ódio em segundos. Cadê sua flauta nesse momento para golpear aquele megero!

— Odeio esse... Esse...

— Wei Ying?

  E Lan Zhan surgiu a sua frente lhe pegando do lado de Sizhui enquanto Xie Lian lhe olhava aflito:

— Está sentindo algo? Deixe-me ver sua pulsação!

  E ele pegou seu punho aflito e começou a contar e lhe examinar enquanto seu marido lhe olhava todo tenso. Wei sabia que a hora da vingança era agora!

— Lan Zhan, bate do Luo Binghe! Ele não quis me dar o peixe gordinho que ele pescou, ele tem um monte deles e eu estou com fome! Ele disse que vai assar! Mas veja bem, eu quero cru....

  Sabia que os seus lábios tremiam e que possivelmente estava fazendo um escândalo por nada, mas ele queria comer o peixe! Estava pedindo muito? Estava? ESTAVA?

  Lan Zhan o olhou silencioso e suspirou, enquanto Xie parecia se acalmar e finalmente lhe soltou:

— Está tudo bem, todo mundo bem, que alívio!

— Sua alteza, sênior Wei está mesmo... Er...?

  O deus ergueu os olhos e acabou sorrindo radiante:

— Sim, você vai ter irmãozinhos, jovem Lan, meus parabéns!

  Wei ia rolar os olhos e dizer que ele disse, mas ninguém acreditou nele, quando percebeu duas coisas: a divindade fofinha disse irmãozinhos, no plural, o que lhe levou a pensar que o malvado disse algo parecido e a outra coisa era que Sizhui congelou e lhe encarou petrificado:

— Eu... Vou ter irmãos!?

  Wei sorriu pronto para dizer um grandessíssimo sim, mesmo ainda querendo saber como chegaram a brilhante conclusão que não era só um bebê, quando então, para sua surpresa e a de todos ali, Sizhui ofegou e subitamente... Desmaiou.

 

 

 


Notas Finais


Beijocas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...