1. Spirit Fanfics >
  2. Wangxian >
  3. Eu sou seu

História Wangxian - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite meus amores lindos!
Como foram esses capítulos de fôlego, hum?
Espero que gostem do de hoje que embora curto, é nosso próximo ponto de virada hehe
E se preparem para os próximos ok? Hoje vou deixar a trilha sonora desse casal que amamos e queremos ver juntinhos logo de uma vez.
Boa leitura <3

Capítulo 21 - Eu sou seu


Fanfic / Fanfiction Wangxian - Capítulo 21 - Eu sou seu

 

  Há muito tempo que Jiang Cheng não ficava em uma situação como aquela, talvez nunca em sua vida adulta, por isso tudo o que conseguia fazer era observar.

  Por muitos anos em sua vida ele foi o líder de seita, ele estava no centro, sendo ouvido e obedecido, ele dava as ordens, ele controlava as situações e logicamente a situação que tinha diante de si agora, não era nada controlável e comum.

  Observar era o melhor método e ele o fez, assim que Wei Wuxian lhe acordou de um sono que não percebeu que caíra e que percebera o que tinha feito horrorizado: Dormindo sobre o corpo de Lan Xichen que estava de olhos bem abertos e aparentemente vivo e bem.

— Temos uma reunião urgente agora, namorem depois.

  Ele saiu da tenda entre risinhos e tudo que Jiang Cheng desejava era ir atrás e socar seu irmão até a morte, mas não fez, apenas fingiu que nada tinha acontecido, se levantou e perguntou se o outro estava se sentindo vivo, o que obteve com um sim, estou ótimo. Então saiu dali sem olhar para trás, espremendo as mãos em nervoso e choque.

  O que tinha dado na sua cabeça? Tinha ficado louco de vez!?

  Sua primeira ação foi ir atrás do sobrinho e o encontrou sendo carregado pelo Lan que nunca sabia diferenciar do outro, nos braços, como da primeira vez que os viu. Foi no dia anterior, mas parecia um século.

— Tio! Você está bem?

  Jin Ling pediu que o descesse e o garoto Lan fez com cuidado ainda que mantivesse a mão na cintura do seu sobrinho, o apoiando.

  Escudo e encosto. Eles eram mesmo bons nisso...

— Como você se sente?

  Perguntou indo para ele e cutucando aqui e ali sabendo que ele ficaria irritado e lhe distrairia dos seus próprios pensamentos insanos.

  Jin Ling reclamou e por fim acabou rindo tímido:

— Eu estou bem, e você, tio?

— Vivo – Olhou ao redor e viu que já haviam feito uma fogueira e que peixes assavam nela, além disso quase todos estavam em um semi círculo ao redor da fogueira – Isso daqui parece passeio na floresta, por acaso!?

— Antes fosse - Jin Ling suspirou e então ergueu os olhos para o Lan – Vamos, Zizhen logo vai acordar com fome.

  Não passou despercebido o tom zeloso daquele garoto para o outro que provavelmente ainda estava dormindo, o que lhe fez suspirar internamente.

  Na verdade, aquela altura não importava em nada com quem seu sobrinho tinha caído de amores ou com quantos. Eles nem estavam próximos da fronteira com o seu lar, tudo estava de ponta cabeça e talvez... Aquela realidade fosse a mais saudável para seu sobrinho. Ele não tinha idade ou maturidade para lidar com a dor de cabeça que era aquela seita dele... Porém era a herança daquele moleque, droga! Ninguém tinha o direito de ameaçar seu sobrinho e ficar vivo para contar história!

— Jiang Cheng, venha. Jingyi, traga Jin Ling.

  A voz de Xichen soou estável, simples, objetiva. E tranquilamente imperiosa.

  O Lan mais jovem se curvou assentindo e voltou a pegar seu sobrinho no colo o levando para perto da fogueira e Cheng voltou a suspirar baixo.

  Ele estava crescendo, ele em breve não seria mais a criança que criou e que lhe obedeceria obediente, não que Jin Ling fosse obediente de todo, mas eles eram algo juntos, algo que tinham um ao outro por um longo tempo.

  Um tecido cobriu seus ombros e ele sentiu a mão de Xichen suave sobre o tecido colocado:

— Ele já é adulto agora, deixe que ele trilhe seu próprio caminho.

  Jiang Cheng estreitou os olhos e se afastou dele sem uma palavra, indo para a fogueira e torcendo que não tivesse que falar com Xichen pelo resto do dia.

  E ali então ele ficou, de canto, observando.

  Mas não era o único.

  Aquele homem de vermelho e tapa olho estava do lado oposto ao seu, silencioso, também de pé e ocasionalmente olhava de relance para o deus de sorriso fácil e que falava baixinho ora com Wuxian, ora com o outro Lan jovem que ao ver Jin Ling correu para ele tocando seu sobrinho com intimidade demais para seu gosto.

  Até onde aquelas crianças foram? E ele queria de fato saber?

  Seu sobrinho parecia feliz e a vontade, nada ali parecia contra a vontade dele, então qual era a merda do problema!?

— Bem, acho que estamos todos aqui, menos o garoto ferido. Vamos começar antes que o sol torne nossas ações mais lentas – O homem estranho de leque verde e que tinha modos de um ancião e carinha sinistramente jovem demais, disse sério enquanto batia o leque fechado na outra mão – Antes de dar a palavra ao Hanguang-Jun, queria deixar claro que eu e meu discípulo os ajudaremos o quanto for necessário, não se preocupe, jovem Wen, de um modo ou outro eu cumprirei minha promessa.

  Ele se virou para um dos Lan jovens que assentiu suave e Wuxian pareceu que tinha comido vinagre com a troca de olhares. Quase riu, mas se controlou a tempo e viu com quase enfado Hanguang-Jun que estava como sempre, um fantasma branco de pé e silencioso, se mover apenas um passo e se virar para algo do seu lado e que ele percebeu com um sentimento de irritação e impotência que era Xichen.

— Irmão, como eu te disse ainda há pouco, meu desejo e o que deve ser feito são coisas distintas. Você é o mais apto e sábio entre nosso povo e pelo bem dos nossos... De nossa família, penso que recuar no momento seja a melhor solução e deve ser para um lugar o mais seguro possível. De onde estamos, podemos ir para qualquer direção, para onde então nos aconselharia ir?

  Aquele foi o mais longo discurso que ouviu daquela pessoa e pensou se seu irmão tinha perturbado tanto a mente da segunda jade de Lan ao ponto de ele falar mais do que três palavras de uma única vez.

  Não seria impossível.

  A pessoa ao seu lado ficou em silêncio e ele se controlou para não o olhar. Sentia olhares todos em sua direção e os ignorou de igual forma até que por fim ouviu a voz tranquila dele soar suave:

— Nenhum lugar desse mundo seria seguro se eles quisessem de fato nos perseguir, o que é a real situação. Eu olhei no fundo dos olhos do nosso tio, Wangji. Eles virão atrás de nós, o sino da execução é o sino da execução, envenenado ou não, ele virá - Um arrepio sombrio percorreu sua espinha e ele se voltou nervoso para Lan Xichen que parecia extremamente pensativo – Invariavelmente, seja um ano, sejam cinco, eles nos encontrarão. Deixe uma erva daninha na plantação e ela se multiplicará até destruir tudo.

— Então, o que sugere?

  A pergunta veio do deus de branco cujo corpo era coberto por olhos atentos que mal piscavam. O rei dos demônios de fato era um lobo sobre o sorriso fácil, Xie.

  Aquela pergunta era a mesma que tinha em mente e por isso se voltou para a primeira jade de Lan curioso para saber o que se passava pela mente dele, mas ao contrário do que esperava, Xichen se virou para si e sorriu pequeno:

— O que sugere, SanduShengshou? Eu ouvirei os conselhos do pai dos meus filhos. Você e Wei Wuxian são os mais importantes nessa situação. Vocês carregam os bebês, vocês são dois guerreiros formidáveis. Vocês devem decidir o nosso destino e nossas ações de agora em diante, eu os seguirei para o caminho que decidirem trilhar.

  Jiang Cheng ouviu alguns engasgos, sons de coisas caindo, mas mal conseguiu se mover e olhar ao redor tamanho era seu susto patético.

  Em sua mente mil coisas e nada ao mesmo tempo se tornaram caóticas, rodando e rodando...

  Então... Então para tudo ficar ainda mais chocante, estranho, vergonhoso e insano, aquele ser absurdo, louco e... ele já disse louco!? Se curvou sobre seu corpo e beijou sua testa com delicadeza:

— Minha vida é sua, minha espada é sua, minha mente lhe pertence e meu cultivo lhe servirá em cada respiração minha assim como todos os meus conhecimentos. Use-os.

— PELOS DEUSES, MEU TIO É AMANTE DO ZEWU-JUN! QUANTO TEMPO EU DORMI!?

  A voz do seu sobrinho soou alta, ofegante e completamente idiotamente chocada e tudo o que Jiang Cheng desejava era poder socar aquele idiota até uma morte lenta e sanguinária por ousar dizer aquelas coisas, mas sabia que não podia socá-lo por muitos motivos e um deles era que ele ainda estava machucado e por sua causa.

— Olha só que eu sabia que esses dois foram feitos um para o outro, viu Lan Zhan, você devia me dar mais créditos! Zewu-Jun é totalmente o padrão do meu irmão, olha só, ele tem beleza natural, é virtuoso, carinhoso, diligente, vem de uma boa família, não fala demais, tem voz suave, o nível de cultivo já é alto demais para o que ele queria, mas fazer o quê quando se ama a primeira Jade do Lan, não é verdade?

— Espera, sua alteza... SanduShengshou também terá bebês?

— Oh! Sim, não é incrível, jovem Lan? Seis bebês.

— Agora que o peixe está assado e pode comer, essa ameba não quer, veja só Sizhun, não é minha culpa!

— Você será amaldiçoado pelas sombras de todos os grávidos desse mundo!

— Que bom que é só você e aquele dali, não é mesmo? Te vejo depois que virar fantasma!

— Parem vocês dois!

   A voz do ancião de leque verde soou repreensiva e seu irmão choramingou que ele era a vítima ali.

  Tudo aquilo foi capitado por sua excelente audição, mas seu corpo permanecia o mesmo, paralisado em choque e atordoamento. Seus olhos mergulhados nos do Lan mais velho e ele dentro do seus, contemplativo e sereno.

  Malditos todos os Lans desse Universo!

— E então, o que o líder do Píer Lótus decide?

  A voz sem emoção de Hanguang-Jun soou no ambiente caótico e lhe trouxe para a realidade, uma realidade em que queria apenas fugir para nunca mais ter que lidar com ela.

  Ele sabia que o outro estava espremendo a espada com desejo de lhe decapitar, mas que jamais faria tal ação, ainda mais agora.

  Porque ele era um Lan e eles tinham aquelas milhões de regras idiotas e arcaicas.

  Acabou se erguendo e se afastando de todos ao menos o espaço suficiente para respirar. De costas a todos, ele fechou os olhos e pensou o mais sério possível em tudo o que dependeria da sua decisão. Sua ideia era observar, não participar e não se sentia equilibrado nem o mínimo o suficiente para tomar uma decisão por todos ali, de nenhuma forma.

  Mas a escolha foi dada a ele pelo idiota infernal da primeira maldita jade!

Suspirou e cruzou os braços tentando soar firme e duro, afinal ele ainda era SanduShengshou e não tinha chegado onde chegou, atoa:

— Se nenhum lugar desse mundo seria seguro, então até que seja seguro e que possamos voltar e retomar o que é nosso, vamos para outro mundo – Ele estreitou os olhos e se lembrou das palavras de sua mãe quando eram pequenos. Para além da borda do mundo, do oceano distante, o Zidian foi forjado. Na terra do relâmpago e trovão, na nação do clã violeta original, antes de alguns antepassados atravessarem o mar distante e formar o clã Yu desse lado – Há um antigo clã depois do oceano distante, Zidian foi forjado lá, ninguém ousaria ir nos procurar tão distante.

— Jiang Cheng! – A voz de Wei soou ofegante e para sua surpresa, logo tinha o irmão de criação e por quem tinha sentimentos perturbadores e complexos, parado ao seu lado e cutucando seu braço com olhos animados – Você é um gênio! Yusan... Claro!

  Ele olhou para a pessoa do seu lado querendo rolar os olhos e sabia que sorria mortal e um pouco mais ele mesmo, afinal sempre soube que era mesmo um gênio.

— Nenhum cultivador desse mundo se atreveria a ir até lá.

— Yusan... – Uma voz fria e apática soou e tanto ele quanto Wei se viraram para o dono da voz. Era o caladão de tapa olho e ele tinha as sobrancelhas arqueadas – Surpreendente.

— Você conhece esse lugar, San Lang?

  O deus perguntou de olhos arregalados e curiosos e o outro sorriu para ele assentindo e então estendeu uma mão que ele pegou sem um segundo de hesitação e foi levado para os braços do outro sem um pingo de vergonha. Aparentemente todo mundo estava bem confortável com esses tipos de ações na frente dos demais.

  Que ótimo!

  Rangeu os dentes enquanto o caladão de vermelho falou baixo:

— Terras matriarcais, é seguro. Vai amar as parreiras de uvas rubras, Gege.

— Oh!

  O deu ficou vermelho e Jiang Cheng rolou os olhos sem o mínimo interesse em saber o que havia por trás daquela alegação.

— Muito bem, comam e descansem mais um pouco, saímos em breve.

  A segunda jade de Lan finalizou aquela reunião ortodoxa e ele saiu dali voltando rápido para sua tenda.

  Tinha que respirar, apenas isso, respirar e sozinho de preferência.

  Contudo sua pele formigava onde foi tocada pelos lábios atrevidos daquele homem idiota! Como ele se atrevia!? Como...

  Quis socar o chão, mas respirou fundo e fechou os olhos.

  Ignore, apenas ignore... Ignore!

  E aquele se tornou seu mantra até levantarem acampamento.

 

 


Notas Finais


https://www.youtube.com/watch?v=q2WvTaqe9zU

Quem quiser a tradução, ela vai surgir por aqui nos próximos capítulos muaaaa
Beijocas!

PS: Só acho que essa musica devia se chamar Xicheng kkkkkkkkkkkkkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...