História War of hearts - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO
Personagens Christopher Vélez, Erick Brian Colón, Joel Pimentel, Personagens Originais, Richard Camacho, Zabdiel De Jesús
Tags Amor, Brigas, Cnco, Colegial, Dança, Musica, Original, Personagens Originais, Romance, Viagens
Visualizações 132
Palavras 1.127
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Saga
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Lua. 12


Fanfic / Fanfiction War of hearts - Capítulo 12 - Lua. 12

Estava sentada na cama enquanto a Malu me maquiava, ela também tinha me ajudado com a minha roupa. Uma saia verde água, all star branco e camisa jeans clara. Por ser a mais nova ela sempre cuidaram de mim e eu sempre amei isso, ser protegida por essas meninas na escola me ajudava muito.


Entreiei na boate abraçada com a Jade. A música era alta, as luzes me deixavam meio tonta, as pessoas andavam, bebiam, dançavam e se beijavam por todo lado. Zabdiel pegou na mão da Jade e só precisou de um olhar pra levar ela pra pista de dança.

Lina veio até mim e me abraçou.

- Vem comigo. - ela disse e saiu me arrastando.

Fomos até o bar, ela pediu uma bebida.

- Olha. - ela disse e apontou dois meninos com a cabeça.

Eles eram gêmeos, loiros, de olhos claros e cabelo grande, pareciam surfistas. Eles nos olhavam do outro lado do bar. Mas a voz do Erick me veio a mente.

"Por você eu me comportaria."

Olhei em volta por instinto, lá estava ele ao lado do Chris perto da mesa, com os outros sentados, fazendo uma dancinha engraçada.

- Tô de boa, Lina. - disse.

- Vai me deixar na mão? -

- Desculpa. - ri.

Voltamos pra mesa e eu me sentei ao lado da Morena.

- O que tá acontecendo com você? - perguntei.

- Como assim? - ela falava enquanto olhava o DJ no palco.

- Você, não está dançando, nem bebendo um monte de coisas locas, nem conversando com todo mundo da boate.

- Não posso correr o risco de fazer algo errado. - ela deu um sorriso fraco.

Ela não estava se divertindo, ela não queria estar ali. Ela não queria fazer algo que incomodasse o Chris, nada que desse material pra imprensa, ela não podia nem ser ela mesma.

- Desde quando você se importa com o que dizem? - perguntei.

- Não é só sobre mim. É sobre o Body5, é sobre nossa carreira.

- Ninguém disse que seria fácil, Morena.

- Nem que eu ia ter que viver em uma caixa.

Doía ver olhos que sempre estiveram brilhantes perder a vida, a menina que cuidou de mim e que queria bater no garoto que partiu meu coração, sentada olhando os outros se divertirem.

- Vem comigo. -

Puxei seu braço e ela não resistiu, ela queria aquilo. Fomos até a pista a música que tocava era "Traicionera" do Sebastian Yatra. Segurei seus pulsos enquanto dançava e fazia ela se mexer. Não demorou até seu sorriso aparecer e seu corpo começar a mexer. Não demorou muito até olhares se virarem pra nós, homens e mulheres.

Já era madrugada, estávamos dançando a horas, minhas pernas já estavam moles. Disse a Morena que iria ao banheiro e assim fiz. Caminhei até o canto do bar, quando virei a maçaneta senti alguém puxar meu braço e me empurrar contra a parede. Era um homem, alto, forte, com uma barba grossa que passava pelo meu pescoço.

- Ai me solta. - gritei.

- Solta? Eu vi como você tava dançando e me olhando.

- Te olhando? Você tá louco. Me solta. -

Comecei a gritar, a música estava alta então ninguém me ouvia. Ele mordia meu pescoço, senti suas mãos por dentro da minha blusa e gritei mais. Ninguém me escutava, minhas pernas estavam tremendo, eu sentia tanto medo que não podia mais falar, apenas tentava gritar até que ele tampou minha boca com a mão. Senti lágrimas descendo pelas minhas bochechas. "De novo não" dizia a mim mesma. Meus olhos já estavam fechados, já tinha aceitado o que aconteceria quando senti suas mãos me soltarem, cai no chão ajoelhada, já não tinha mais forças. Quando abri haviam vários homens encima deles, eles dava socos e chutes nele e gritavam coisas que minha audição ignorava. Senti alguém segurar meu ombro e me assustei.

- Vem comigo. - era uma mulher.

Ela parecia mais velha e sua voz era calma. Ela me ajudou a levantar e me segurou.

- Você tá sozinha? Quer que eu chame a polícia? -

- Não... - minha garganta estava travada. - Minhas amigas...

- Vou te levar até elas, se acalma, já passou. Aquele cara nunca mais vai fazer isso.

Olhei pra trás e eles já não batiam mais nele, ele estava jogado no chão, seu rosto estava irreconhecível de tanto sangue, suas roupas estavam sujas.

Caminhamos pela boate, Morena foi a primeira a nos ver e correu até nós.

- O que aconteceu? - ela perguntou já me abraçando.

- Um cara agarrou ela no banheiro, eu estava indo até lá e vi e gritei por ajuda.

- Ai meu Deus, tá tudo bem, já passou. - ela me abraçava forte. - Me desculpa.

- Eu já vou, fica bem. - a mulher disse e saiu.

- Eu jurei que nunca ia deixar isso acontecer de novo. - Morena falou.

- Não foi culpa sua. - disse.

Abri os olhos e vi a Malu correr até nós, atrás dela veio a Jade e a Lina. Todas me abraçaram sem dizer nada.

- O que aconteceu? - ouvi o Richard perguntar.

- Depois a gente explica, chama os meninos a gente espera vocês lá de foram - Lina respondeu.

Sai da boate abraçada com a Morena apesar de já conseguir andar sozinha. Estava escorada na Van, a Malu estava na minha frente junto com a Jade, a Morena do meu lado e a Lina sentada. Os meninos saíram da boate nos procurando. Erick correu na frente deles e me abraçou.

- O que aconteceu? O Richard disse que você tava chorando.

- Um cara tentou agarrar ela. - Jade respondeu.

Ele não disse nada, apenas me abraçou mais forte, escondi o rosto em seu peito e não pude segurar o choro. Dentro da van me deitei em seu peito com as pernas em cima da sua, ele fez carinho no meu cabelo enquanto eu tentava me acalmar. Um Erick protetor e cuidadoso que eu nunca tinha visto. Quando fui sair da van senti minhas pernas fracas e quase caí.

- Vem cá. - ele tentou me pegar no colo mas eu exitei. - me deixa cuidar de você.

Assim fiz, ele me levou no colo até o quarto, enquanto eu aproveitava pra me esconder o rosto e não olhar pra ninguém. Sentia o seu cheiro, misturado com perfume e suor, era confortante e fazia com que eu me sentisse segura.

Ele me colocou na cama e tirou meus tênis.

- Posso ficar aqui até você dormir. - ele disse baixo, quase um sussurro.

- Fica. - disse.

Ele tirou os tênis e a jaqueta e jogou na cama do lado e se deitou. Deitei minha cabeça em seu peito e fechei os olhos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...