1. Spirit Fanfics >
  2. Warrior >
  3. Prisioneiros

História Warrior - Capítulo 6


Escrita por: LegendaryReader

Capítulo 6 - Prisioneiros


Fanfic / Fanfiction Warrior - Capítulo 6 - Prisioneiros

"Chris, Laura desçam daí" - Travis apareceu interrompendo os jovens que estavam na tentativa de contatar o desconhecido.

"Pai olha isso" - Chris foi até ele com a câmera.

"O que eu estou vendo?" - Ele perguntou confuso.

"A luz, é alguém tentando fazer sinal, tem alguém fora da cerca" - Laura se aproximou dos dois.

"Vocês estão ocupando a cabeça com a coisa errada, Moyers garantiu que não tem ninguém lá"

"Moyers, Moyers, Moyers. Você nem conhece ele! Tá agindo como um cachorro que quer o osso que ele guarda no prato" - Laura disse irritada descendo do telhado e voltando para a casa.

"Sua mãe tá te procurando" - Ouviu Travis dizer.

"Mãe" - A chamou quando a avistou conversando com uma das vizinhas na rua.

"Oi querida" - Liza se aproximou.

"O que tem no pote?" 

"Sopa de abóbora" - Laura sorriu.

"Então, eu cuido disso pra você" - Disse sarcástica chacoalhando os dedos para pegar o pote, Liza riu.

"Primeiro..." - Disse afastando a comida de Laura enquanto ela fazia uma careta - "Eu esqueci uma caixa de primeiros socorros na casa do Hector, pega pra mim e verifica se a morfina fez efeito"

"Ok, mas deixe sopa para mim" - Disse dando um beijo no rosto dela e continuando sua caminhada até a casa do paciente.

Liza não era enfermeira de verdade, muito menos Laura, mas a segunda entendia muito bem de drogas e aprendeu a cuidar de ferimentos quando Merle voltava para casa sangrando por ter se metido em uma briga por maconha. Ambas eram perfeitas para cuidar de outras pessoas.

"Oi Cynthia" - Laura cumprimentou a mulher que cuidava do jardim.

"Oi Laurinha" - A mulher se aproximou e a abraçou, ela odiava ser chamada de Laurinha desde que fez 15 anos.

"Minha mãe esqueceu algumas coisas aqui, se importa se eu pegar?" - Perguntou.

"Ah não, pode entrar. Na verdade, você se importaria de ficar com Hector por alguns minutos? Preciso ir buscar água e não quero deixá-lo sozinho"

"Tudo bem, pode ir tranquila" - Ela sorriu, Cynthia chacoalhou a terra da calça e partiu. Laura se virou quando viu dois soldados se aproximando, fingiu estar mexendo na terra para ouvir a conversa deles.

"Eles estão falando do Cobalt a mais de uma semana, acha mesmo que vão colocar em prática?" - Um dos homens perguntou ao outro.

"Já colocaram, lembra dos barulhos no quinto dia? Era Atlanta sendo bombardeada. Explodiram tudo, qualquer um que estivesse lá morreu" - Os dois continuaram conversando quando passaram. Laura se levantou rapidamente e entrou na casa dos Ramirez.

Suas lágrimas se prenderam aos olhos ao ver os pés debaixo da cama de Hector, ela se aproximou, o homem dormia profundamente e não acordaria tão cedo, se acordasse. Ela se sentou no chão e Nick a encarou assustado.

Sem dizer uma palavra ela puxou a agulha dos pés dele e injetou no braço ignorando a repreensão do garoto que saiu debaixo da cama apressado.

"O que você tá fazendo? Vai ter uma recaída grave" - Ele disse a alertando.

"Foda-se" - Ela falou se encostando no pé da cama - "Atlanta foi bombardeada" - Disse se negando a chorar, logo a morfina faria efeito em seu organismo e a dor de certa forma iria embora.

"Amor" - Nick a abraçou e beijou o topo de sua cabeça. Ela já estava sonolenta, era fraca para esses tipos de drogas.

"Quando eu dormir devolve a morfina para o Hector" - Disse baixo - "Me leva pra casa e conta a verdade pro Travis, não tem motivo para esconder isso dele"

Nick assentiu e apoiou a cabeça dela em seu ombro. Depois de alguns minutos ela estava completamente apagada. Ele tirou a agulha do braço dela com cuidado, limpou com um algodão e álcool e pôs de volta em Hector antes que ele acordasse. Estava prestes a escurecer, Cynthia acabara de entrar na casa quando Nicholas pegou Laura no colo e foi para a cozinha.

"O que aconteceu?" - A mulher perguntou apavorada.

"Ela está bem, só dormiu mal essa noite" - Ele deu a desculpa e saiu rapidamente.

Caminhou depressa para não ser parado por nenhum soldado intrometido. Quando entrou na casa, como de costume, Madison e Travis discutiam, mas pararam quando Alicia gritou o nome de Laura e foi até ela.

"O que houve?!" - Travis perguntou preocupado.

"Tudo bem, tá tudo bem" - Nick colocou Laura no sofá com o maior cuidado do mundo e a cobriu com uma manta.

"Nick o que aconteceu?" - Alicia perguntou.

"Eu pedi pra ela ir buscar algumas coisas na casa da Cynthia e verificar a…" - Liza parou de falar deixando todos aflitos, Nick continuou quieto acariciando o rosto da namorada.

"Verificar o que? Fala!" - Madison disse afoita.

"A morfina" - Ortiz terminou a frase e todos olharam para Nick que se sentiu na obrigação de cumprir a promessa feita a Laura.

"Ela ouviu uns soldados falarem que explodiram Atlanta, todos lá morreram" - Travis colocou a mão na cabeça e começou a andar de um lado para o outro - "Ela não queria mais chorar. Teve uma recaída e usou parte da morfina do Hector em si mesma. Pediu pra te dizer a verdade" - Olhou para Travis.

Todos ficaram em silêncio, Laura tinha suas razões, fazer pães e bolos não ajudariam em nada naquele momento, ela queria se livrar da dor e achou um modo de fazer isso, Nick apenas rezava para que esse pensamento fosse embora da cabeça dela, caso contrário teriam um problema grave em suas mãos.

Quando amanheceu Nick despertou com um susto quando Liza o chamou repetidamente, uma mulher estava com a mão na cabeça de Laura, ele rapidamente se levantou e se pôs na frente.

"Tudo bem, eu sou médica, estou vendo se ela está com febre" - A mulher disse com as mãos erguidas - "Uma quantidade daquelas de morfina para alguém com o peso dela pode ser perigoso" - A mente de Nick voou para Glória não deixaria o mesmo acontecer com Laura, se afastou lentamente e olhou furioso para Liza.

"Contou pra ela?" 

"Ela quer ajudar e Laura precisa dessa ajuda mais do que a maioria aqui"

"Liza tem razão, uma recaída dessas pode aumentar a vontade dela por mais e o luto pode resultar em tentativa de suicídio"

"Laura nunca faria isso" - Nick afirmou.

"Ela também nunca mais usaria nada" - Liza disse.

"De que lado você está afinal?" - Nicholas fez uma careta.

"Posso examinar você agora?" - A médica se aproximou, ele pensou antes de concordar e se sentar na cadeira dura que passou a noite ao lado do sofá.

A noite Laura acordou com uma baita ressaca, mas agradeceu por ter dormido o dia todo para assim não ter que dar explicações e ouvir "sinto muito" o tempo todo.

Ignorou o olhar penetrante de Travis e foi para o banheiro, ao abrir a porta viu Nick com o rosto meio machucado, ele não disse nada, apenas a encarou pelo espelho. Ela entrou e os trancou lá dentro, pegou o algodão da mão dele e o ajudou em silêncio.

"Sint…"

"Não fala isso. Você não" - Ela o interrompeu.

"Obrigado" - Agradeceu quando ela terminou o serviço que estava tão acostumada.

"Quem fez isso?" - Perguntou se sentando na pia.

"Minha mãe, ela me pegou procurando mais morfina" - Admitiu enquanto guardava as coisas dentro do armário.

"Pra você ou pra mim?" - Ele se colocou entre as pernas dela e abraçou sua cintura, enquanto ela os seus ombros.

"Pra nós dois" - Ele respondeu.

"Desculpa por ter arrancado a agulha daquele jeito"

"Tudo bem, você precisava mais que eu" - Os dois sorriram. Nick começou a chorar baixo, ela fez cafuné na sua cabeça na tentativa de acalmá-lo - "Era eu quem devia fazer isso por você"

"Talvez outro dia" - Ela disse séria. Foram interrompidos por passos pesados na sala e várias vozes. Se encostaram no corredor ao lado de Alicia onde os soldados levavam Griselda para a cirurgia. Por um momento uma briga quase começou quando o soldado não deixou que Daniel acompanhasse a esposa.

"Tenho três nomes" - O homem disse.

"Griselda e Daniel Salazar são dois deles" - Daniel insistiu.

"Não, Griselda Salazar, Nick Clark e Laura Manawa" - Laura apertou a mão de Nick ao ouvir seus nomes.

"Corram" - Alicia se virou para eles.

Nick a puxou pelo corredor e eles tentaram correr para a porta dos fundos, mas foram cercados pelos soldados. Travis e Madison tentavam impedir que os levassem e a discussão já havia começado a se elevar.

"Nick!" - Dixon gritou quando ele caiu no chão após o guarda bater nele com a arma.

Nick e Laura estavam deitados no chão enquanto os homens prendiam suas mãos atrás das costas, eles foram arrastados para fora com brutalidade.

"Me solta, eu não fiz nada! Porra! Travis! Travis!" - Laura gritava e tentava se livrar das mãos que a seguravam com força.

"Solta ela, me leva, mas solta ela" - Nick dizia. Liza ao ver os dois sendo arrastados correu até a médica.

"Eles são minha filha e meu genro, não são um risco e ela controla ele!" - Disse.

"Ela não controla nem a si mesma, eu vou cuidar deles" - A mulher respondeu.

"Não! Laura! Laura!" - Chris tentava passar pelos homens e chegar na irmã.

"Chris!" - Ela gritou antes de ser empurrada para dentro do carro junto de Nick.

"Você tá bem?" - Ele perguntou.

"Você tá?" - Ninguém disse nada.

"Atenção base, estamos levando os prisioneiros e a paciente" - O soldado falou no rádio ligando o carro.

"Prisioneiros?" - Nick repetiu indignado.

"Você esperava outra coisa?" - Laura disse sarcástica, no fundo ela sabia que o exército acabaria os matando.


"Não, não! Pai tão levando a mamãe também!" - Chris disse dentro da casa.

"Ela está indo com eles, vai manter Laura segura" - Travis respondeu se afastando da janela.

"Segura? Laura não precisa de ninguém para mantê-la segura porque o Moyers vai matar ela e o Nick!" - Falou irritado saindo dali.

Ele se trancou no quarto e pegou a câmera, após pensar em todas as possibilidades a ligou e virou para si.

"O exercito levou a Laura. Vão mata-la por usar morfina dentro da cerca e Travis não quer fazer nada para salvar ela!" - Disse com raiva e quase chorando - "Essa merda não vai acabar, depois que ela morrer vai ser o Nick, aí a Griselda e a minha mãe. Depois vão bombardear esse lugar como fizeram com Atlanta. Aqueles que não morrerem vão se infectar, mas não a Laura, não a Liza! Eu não vou deixar minha família morrer desse jeito! Não vou!"


"Ai! Ai, para o carro!" - Laura dizia repetidamente. Nick caira desmaiando em suas pernas e suas mãos estavam amarradas nas costas a impossibilitando de checar o pulso dele.

"Relaxa garota, se ele morrer aqui só vai nos poupar munição" - O motorista disse e o passageiro começou a rir.

"Se ele morrer aqui vai se transformar e matar todos nós" - Ela disse, eles ficaram sérios, mas não voltaram atrás - "Não, droga agora não!" 

"O que está acontecendo?" - O soldado perguntou.

"Início… de… overdose" - Resmungou antes de desmaiar como Nick.

"Se eles se transformarem? Vamos Andy mais rápido, não estou afim de morrer hoje" - O soldado falou eufórico se virando para trás.

"Checa se ela está respirando" - O homem esticou o braço e colocou no pescoço de Nick, após soltou os braços de Laura e chegou o pulso dela.

"Os batimentos estão muito fracos. Merda de viciados" - Resmungou se virando para frente.

"Acha que o Moyers vai tirar eles de lá?" - O motorista perguntou.

"Tá brincando? Ele não se importa, vai iniciar o Cobalt e meter o pé, se não ficarmos atentos vamos morrer também" 

Eles estacionaram o carro e desceram, o passageiro e outro homem carregaram Nick para dentro enquanto o motorista levou Laura. Eles colocaram os dois na mesma cela, junto de Doug e um homem de terno.

"Novos amigos?" - O negro perguntou sorrindo.

"Se eles se transformarem, divirta-se" - O soldado falou ironico fechando a cela e saindo. Assim que a porta principal bateu Laura se levantou rápidamente exibindo o canivete — que pegou do cinto do soldado enquanto fingia estar desmaiada —, correndo até Nick do outro lado do isolamento.

"Nossa, você me assustou. Pensei que estivesse morta" - O homem negro falou. Laura o ignorou e colocou Nick sentado para que se caso acontecesse, ele não se afogasse com o próprio vômito.

"Doug? Mas que merda você tá fazendo aqui?" - Ela se aproximou do homem que estava chorando com uma foto da esposa e dos filhos.

"Eu estava no carro perto da cerca e eles me trouxeram pra cá" - Disse caindo no choro.

"Você é usuária ou vendedora?" - O homem perguntou apoiando o pé no banco.

"O que?" - Laura perguntou colocando o canivete na bota e cobrindo com a calça jeans.

"Você vende ou usa?" - Ele repetiu a pergunta.

"Nenhum dos dois. Foi só um pouco de morfina" - Ela disse procurando uma falha na contenção.

"Não foi só um pouco, você está tremendo e agitada, significa que vai desmaiar a qualquer momento, como o seu amigo ali" - Ele apontou para Nick.

"Eu não vou desmaiar, só não estou acostumada, faz dois anos que não uso nada queria uma reação diferente?" - Retrucou afiada.

"O que te fez parar?" - Ele perguntou, ela continuou procurando uma saída da cela.

"Prometi isso a uma pessoa" - Respondeu sem ligar muito para ele.

"E o que te fez voltar a usar?" - Ela parou o que estava fazendo.

"A pessoa morreu" - Disse baixo sem se virar para ele.

"Sinto muito. Eu dou Victor Strand, aliás" - Ele disse ficando ereto novamente.

"Laura Manawa" - Ela fitou o chão ao perceber que não disse seu sobrenome costumeiro. A visita foi ficando embaçada, ela chacoalhou a cabeça e se sentou ao lado de Doug e Victor ao lado dela - "Meus pêsames" - Disse 

"Por quem?" - Victor fez uma careta. Ela pegou sua mão esquerda e apontou a marca fina de uma aliança recém tirada do dedo - "Você é esperta" - Disse sorrindo de lado.

"Eu sei" - Ela olhou para Nick que foi sua última visão antes de cair para trás e sentir suas costas se apoiando em algo. 

"Eu disse que você ia desmaiar" - Strand falou ironico passando o braço por debaixo de suas pernas e a erguendo. Colocou ela com cuidado numa cama improvisada por ele, longe de onde Doug havia vomitado um tempo antes.



Notas Finais


Se eu criasse um grupo de whatsapp para falar sobre fanfics, séries, livros, etc. Vcs entrariam??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...