1. Spirit Fanfics >
  2. Warriors >
  3. Time

História Warriors - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, espero que todos estejam em casa, bem protegidos. E não tem necessidade de tédio. Tem sempre livros para ler, músicas para ouvir e aprender a tocar. Filmes e seriados para assistir. E sei lá, aprender a desenhar, cozinhar. Mas fiquem em casa.

Capítulo 2 - Time


Fanfic / Fanfiction Warriors - Capítulo 2 - Time

Draco estava parado, o rosto demonstrava medo. Uma Hermione com olhar bravo estava diante dele, erguendo uma espada na sua garganta. Harry estava ao lado dela, com a varinha erguida também. 

Harry: O que faz aqui Malfoy? - Perguntou mal encarado. 

Gina: Esperem, não façam nada. Ele está do nosso lado. - Gina aparece ao lado do marido desesperada.  

Mesmo sem muito acreditar Hermione abaixa a espada e a ruiva abraça o loiro, ambos aliviados. Rony vem correndo e observar as figuras paradas, corre na direção dos dois e os abraça ao mesmo tempo. Que logo retribuem o abraça dado pelo ruivo. 

Rony: Vocês estão vivos! Estão vivos! - Grita comemorando assim que o solta os amigos. 

Um a um, os membros da resistência vão chegando, surpresos e chocados. 

Sirius: Harry! - Sirius corre para o afilhado que fica paralisado ao ver o homem ali, mas assim que Sirius o abraça, ele também abraça o padrinho.  

Harry: Vi você morrer, como é possível? - Tinha o olhar chocado e o rosto ofegante. - Isso é tão confuso. - Ele olha para Hermione. 

Hermione: E pelo visto não tivemos uma visão mais cedo. - Apontada para Cedrico e Tonks. A menina também é abraçada por Sirius. 

Sirius: Como está linda, Hermione. - Ela fica corada.  

Lupin é o próximo a cumprimentá-los. E um a um todos vão fazendo. Até restarem duas figuras paradas ao fundo. Ambos com os olhos marejados. O homem, muito parecido com Harry dá o primeiro passo. O menino que sobreviveu, hoje um homem parece congelado, mas abraça o pai com emoção. Ficam um bom tempo em silêncio, envolvidos naquele abraço. Até James se afastar e ergue a mão para Lilian se aproximar. Ao se abraçarem, eles não aguentam o choro.  

Depois de se recomporem das emoções do reencontro entre pais e filho, o casal mais velho, vira para menina que acompanha Harry. Hoje uma mulher. Ambos mudaram com tempo. Harry e Hermione estão mais fortes, o corpo de ambos parece malhado, o cabelo dela está solto, aparentemente ela conseguiu domar a rebeldia dele. Harry ainda mantém a bagunça dos deles, mas usa lente e está barbado.  

James: Ouvimos muito de você, querida. - Ele se aproximou dela com quem já a conhecia e a abraçou, que ficou surpresa com atitude do homem. 

Lilian: Não via a hora de te conhecer. - Lilian fez o mesmo que o marido. Mas Hermione não sentiu desconforto. Era bom conhecer os pais de Harry. 

Minutos depois, estavam reunidos na tenda de reuniões. Harry e Hermione sentaram no centro da mesa, sob olhares atentos. 

Snape: Quem vai começar a falar? - Perguntou com sua fala mansa, mas impaciente. 

Ron: Eu. Sei que a história de vocês deve ser longa e sinceramente, tudo parece lento depois da batalha. - Rony suspirou fundo. - Depois que você desapareceu com Harry. - Ele se virou para Hermione. - Bellatrix fez o mesmo com você-sabe-quem. Viemos saber que ele passou uma semana desacordado e um ano sem poder usar magia. - Mas o mais interessante, foi que alguns minutos depois da batalha, as pessoas que morreram começaram a acordar. Fred, Lupin, Tonks. O Severo. Foi sinistro. 

Molly: Ficamos assustados, achando que era alguma maldição. Mas não era. Algo os trouxe de volta a vida. Ainda não descobrimos o que é. 

Minerva: A maior surpresa foi o Dumbledore. Depois que ele acordou, nos organizou para tentar encontrar mais pessoas nessa situação. Eu fui imediatamente para Godric’s Hollow. E ele estava certo, James e Liliam estavam por lá. E a Batilda. 

Sirius: Eu acordei no Ministério e fui para o Largo Grimmauld. Chamei por Monstro e ele me informou sobre a batalha, fui para Hogwarts. 

Gui: Eu lembrei do Olho-Tonto e fui procurar por ele. 

Cedrico: Acordei no cemitério, voltei para Hogwarts imediatamente. 

Hermione: Descobriram o motivo da volta? 

Lilian: Infelizmente não. Mas ainda não desistir de achar a resposta. Talvez possa me ajudar. - Olhou para Hermione. 

Hermione: Claro. Acharemos a respostas juntas. 

Sirius: Ótimos! Já são amigas de infância. 

Harry: O que mais aconteceu? 

Gui: Bellatrix ficou no comando enquanto você-sabe-quem estava sem poderes. Mas surpreende, ela não tomou atitudes. Não houveram ataques, mas conseguiu reunir muitos seguidores. 

Ron: Quando você-sabe-quem recuperou a magia, ele assumiu o controle de cidade por cidade. Vivemos aqui refugiados, sobre o feitiço fidelius. Sou o fiel segredo. Mas vocês já conheciam o local. 

Hermione: Sem mencionar o rastreador que está na Tonks e no Cedrico. - Os dois levantaram a cabeça. - Na roupa de vocês. Colocamos quando vocês estavam no sítio fora de Tower Bridge. 

Cedrico: Não tinha ninguém lá. 

Harry: Estávamos lá. 

Lilian: As cidades sobre o comando de Voldermort estão caindo. Foram vocês não foram? 

Harry: Quando voltamos, cidade por cidade que íamos, tinha comensais. Então acabamos com eles. 

Snape: Como? 

Hermione: Não usamos maldições imperdoáveis, mas alguns morreram. Usamos também feitiços de memória. 

Lilian: Eu disse que era isso. 

Dumbledore: Como vocês mataram os comensais? - Perguntou pela primeira vez. - Além do fato de qua o Harry Potter e Hermione Granger que conhecíamos, não matariam ninguém. 

Harry: Porque aquele Harry e aquela Hermione tiveram que fazer o necessário para sobreviver. E sobreviver numa guerra não é fácil.  

Draco: Como o Rony falou, deve ser longa. Podemos deixar para amanhã. Deixei minha bebê dormindo sozinha em casa. E sei que tem outros nessa situação. 

Hermione: Você disse bebê? Como? 

Draco: Granger, passou cinco anos sei lá onde com o Potter. Não é possível que não tenha se familiarizado com o ato de fazer bebês.                

Hermione: Malfoy colocou na minha menta a imagem dele fazendo um bebê. - Cochichou para Harry. 

Harry: Na minha também. É nojento. - Olhou para o loiro. - Sabe Draquinho, melhor cuidar da sua bebê. Mas se não se importa, como é o nome? 

Gina: Lucia. Tem um ano, é gordinha, ruiva e quando crescer, jogará quadribol. 

Hermione: Você é mãe! - Arregalou os olhos.  

Harry: Quem mais tem bebês? 

Ron: Dois. Dois meninos! 

Gui: Duas meninas e Fleur está grávida. 

Neville: Esperando. 

Fred: Gêmeas. 

Jorge: Um menino. 

Os dois olhavam paralisados. Basicamente todos os amigos já tinha filhos. 

Harry: Falando nisso, Remo... e o Teddy? 

Remo: Dormindo. E quando acordar amanhã e vê o padrinho e madrinha. - Apontou para ele e Hermione. - Vai ser como manhã de Natal. Não tem um dia que ele não fale em vocês. 

Hermione: Madrinha? 

Remo: Se quiser. - A mulher pulou nos braços dele. 

Hermione: Vou amar. 

Ron: Espero que ame dobrado, porque também tenho um bebê esperando vocês para padrinhos. 

Harry: Sério? 

Ron: Jonathan Harry Weasley. 

Harry sorri bobo quando ao ouvir o amigo falar aqui. Já contando os minutos para conhecer o pequeno de Rony. A tenda vai se esvaziando, deixando a pena os bruxos recém-chegados e os pais. 

James: Vamos para casa. - O Potter mais velho sai andando na frente, enquanto Lilian acompanha os mais jovens.  

Eles tinham uma bonita cabana de madeira, feita por Liliab e James, ao lado era a de Lupin , Tonks, Sirius, Andrômeda e o pequeno Teddy. Era um pouco maior que a dos Potter. James falou que o terreno do outro lado ficou vazia, esperava por Harry, caso ele quisesse.  

Lilian: Mas não precisa ter pressa. Fizemos um quarto para vocês.  

Eles já estavam dentro de casa, que possuí apenas dois quartos, o de Lilian e James. E outro reservado para Harry e Hermione. Ambos os quartos de mesmo tamanho e com banheiro. Tinha um guarda roupa, uma cômoda, uma cama de casal e duas mesinhas na lateral da cama. 

Lilian: Coloquei o lençol ontem na cama, está novo. 

James: Sempre arrumamos o quarto, para no caso de vocês chegarem de surpresa. - Eles estavam parados, enquanto Harry e Hermione olham em volta. 

Hermione: É lindo. Obrigada! 

Lilian: Estamos tão felizes que estão em casa. - Passou o braço pelos ombros dela. 

James: Estão com fome? Ainda tem sopa. 

Harry: Seria ótimo pai. Se não importam, eu comeria agora mesmo, antes do banho. 

Lilian: Magina filho. Venham. - Saiu puxando Hermione pela mão e os rapazes seguiram as duas. 

Hermione saiu do banheiro. Harry já estava com um moletom, deitado na cama. Tinha tirado as lentes e estava com os óculos.                                                                                  

Hermione: Como está se sentindo? Vendo seus pais, Sirius, o Remo? 

Harry: Feliz, com medo. Com quase tudo que sempre que quis. Só falta essa guerra acabar e seus pais estarem com a gente. 

O moreno evitava falar nos pais de Hermione. Eles ainda estavam supostamente na Austrália e sem memórias da filha. 

Hermione: Sinto que estamos cada vez mais perto disso. 

Harry: Espero. - Sorriu para ele. - O Ron já tem filhos. - Sorriu. - Sabe o que é isso? O Ron com filhos e ainda por cima dois. 

Hermione: Inacreditável, não é? Aposto que ele deve ser bem bobão. 

Harry: Com certeza. Mi, nunca falamos em filhos. 

Hermione: Nunca tivemos tempos. Com todo o treinamento e todas as Terras que existem. - Ela passa mão no rosto dele. - Quer ter filhos? 

Harry: Claro! Espero mesmo que possamos bolar um plano pra finalizar logo essa guerra. Quero que nossas crianças cresçam em tempo de brincar com os de Rony, com os filhos dos nossos amigos. 

Hermione: Mesmo que o pai das crianças da Gina seja Malfoy? 

Harry: Rony tem filhos com Pansy. 

Hermione: Pois é. Estranho, mas acho até bom. Dá uma esperança de uma vida melhor. - Eles trocam um selinho. - E se eu dissesse que estou grávida? 

Harry: Você está? 

Hermione: Infelizmente não. Me cuido para não ter, pelo menos por agora.  

Harry: Se você dissesse que está grávida agora, eu provavelmente sairia gritando e contando para todos que vou ter um bebê com a mulher que eu amo. 

Hermione: Então descanse. Porque quando recuperamos as forças, vamos terminar com essa guerra de uma vez. - Ela recostou nele, que a abraçou imediatamente. - Harry... você ficou... eu nem sei como perguntar isso. O que sentiu quando viu Gina? Especialmente com o Malfoy. 

Harry: Fiquei surpreso. Nada além disso. Você sentiu alguma coisa ao ver o Rony? 

Hermione: O mesmo que você com a Gina... quando fugimos, éramos apaixonados por ele.  

Harry: Ou pelo menos achávamos isso. Ou tentávamos não ser apaixonados um pelo outro. 

Hermione: Falhamos nisso então. - Ela deu um sorriso e recostou nele outra vez e adormeceram. 

No dia seguinte, Harry foi o primeiro a levantar, após uma rápida passada no banheiro, ele notou Hermione despertando, deu um beijo rápido nela e foi para cozinha. Sem cerimônia ele foi preparando o café da manhã, estava distraído preparando uns ovos, quando viu Lilian olhando para ele encostada na porta. 

Lilian: Ainda não acredito que está aqui. Desde que eu voltei, esperava esse momento. - Sorrindo ela se aproximou e abraçou o filho. 

Harry: Acho que teria voltado mais cedo se soubesse que estariam aqui... Mas foi até bom, eu e Hermione tivemos muito tempo de treinamento.  

James: Acho que nem precisa falar, dá para notar pelos músculos que conseguiu. - Também abraçou o filho. - Rony me mostrou foto de vocês na escola, era um pouco magricela, filho. 

Harry: Pouco é bondade. 

Hermione: Bom dia! - Ela chegou na cozinha, usava ainda o moletom com que dormiu, assim como Harry. 

Lilian: Bom dia. - Também a abraçou e James fez o mesmo. - Harry está preparando um banquete. 

Hermione: Ele é ótimo na cozinha. Mas não posso dizer o mesmo de mim. Sou um desastre.  

James: Olha pelo o lado positivo. Você sempre salvou a bunda dele. Te alimentar bem é o mínimo que ele pode fazer. 

Lilian: James! - Reclamou. 

James: Passamos muito tempo ouvindo Rony e todo mundo falando sobre vocês. É claro que queremos ouvir de vocês agora. Mas mesmo assim. Sem Hermione vocês não teriam saído do primeiro ano. 

Harry: Isso é fato! - Parou um momento e sorriu para si. - Lembrei de uma coisa... Conheci uma versão minha que virou escritor. Quer dizer. Ele fez uma série de livros para narrar nossa história ao redor dos anos em Hogwarts.  

Hermione: Verdade. Fez o maior sucesso. Ele ainda adaptou e lançou no mundo trouxa como ficção.  

Lilian: Uma outra versão de você? Como um... multiverso? 

Hermione: É por isso que eu amo sua mãe. - Ela olha para Harry e depois volta atenção para Lilian. - Em todas as Terras que fomos conversar com você é tão fácil.  

Lilian: E eu quero saber de todas. 

Harry: Elas sempre viram melhores amigas. - Explica para James.  

James: É. Coisa de gente inteligente.  

Eles estavam rindo, quando dois garotos apareceram correndo na cozinha. Um de cabelos azuis e outro moreno. Atrás vinham Remo e Sirius. E ainda mais atrás, vinha Rony com um bebê com cachinhos ruivos. 

Gareth: Tio Harry! - Correu na direção dele e abraçou suas pernas. 

Teddy: Madrina! - Se jogou nos braços de Hermione, que estava sentada conversando com Lilian. 

Remo: Eu disse, manhã de Natal! 


Notas Finais


Musiquinha: https://www.youtube.com/watch?v=JwYX52BP2Sk

Para quem não tem muitos livros físicos em casa, fica dica: http://lelivros.love/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...