1. Spirit Fanfics >
  2. Wasurete wa ikemasen. red velvet joyri Revisão >
  3. 07

História Wasurete wa ikemasen. red velvet joyri Revisão - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ☕

Capítulo 7 - 07


Fanfic / Fanfiction Wasurete wa ikemasen. red velvet joyri Revisão - Capítulo 7 - 07

Quando uma música martela na sua cabeça e você tem vontade de sair na sua rua com um carro super foda e colocar ''Mr. Sandman'' é realmente um sonho de consumo. Bom, não é bom ter esse desejo ou coisas relacionadas, porque aqui onde vivo as coisas não são bem assim. Apenas tenho o direito de cantarolar solitária em meu quarto ou deixar que a música machuque meu cérebro burro e sensível enquanto faço toc-toc como uma verdadeira insana no café da Senhora Go. 

Agora estou sozinha, posso cantar o quanto eu quiser. Gostaria de mostrar para todos o quanto que esta melodia me agrada, mas nem todos se importam com o que temos a oferecer, por isso não crie expectativas. 

Abro a porta do banheiro com tanta força que a maçaneta machuca a parede de gesso. Essas merdas de paredes também. Logo eu, tão rica, por que a minha parede e minha estupida força? Isso deveria ser mais resistentes.

Uma toalha rosa está enrolada sobre me corpo e uma escova de banho protagoniza o papel do microfone - Tenho um no meio das tralhas deixadas que sobraram da Yeri, mas as caixas devem estar tão empoeiradas quanto o meu passado feliz, então apenas deixo lá, começo a gritar com todas as minhas forças as piores canções do mundo, mas mais esquecidas e congeladas no meu tempo, já dito antes, feliz.

Não sou fã de Abba, mas, por alguma razão, o refrão de ''Gimme! Gimme! Gimme!'' o clássico da década de 70, sai de lábios feridos com toda emoção possível enquanto vou em passos dançantes até a pia e lá deposito minha toalha e minhas coisas de banho.

Ligo a banheira e espero enchê-la ao som de outra música. Quem me olhasse agora diria que sou a pré-adulta mais feliz que já existiu nos últimos dez anos estressantes, mas a verdade é que sou uma desocupada que só pensa em coisas ruins sobre quaisquer coisa e procuro algo para me distrair. Já tentei tirar uma semana de férias para os Alpes. Realmente, é muito bonito, mas caso você tenha um cérebro de merda e calças apertadas demais, Não tente escorregar do alto de uma montanha. Você vai ser derrubada e perceber que uma montanha é melhor que você. Se você tem o potencial de uma montanha, já é algo diferente, mas se você se sente como uma bola de pelos que o gato da vovó cuspiu, não aconselho que você desça lá.

Com a banheira já cheia, tiro o patinho de brinquedo que flutua ali e o jogo contra o espelho sem querer. A água espirra e eu não me movo durante cinco segundos idiotas.

É só água. Meu cérebro diz, mas minhas mãos, pernas e olhos dizem o contrário. É como se quisessem fugir de mim e agir por si só, então quando percebo, minhas pernas desobedientes então caminho até o chuveirinho da banheira, meus braços rebeldes estendem e minhas mãos pegam o aparelho, enquanto meus olhos miram no resto do cômodo, espalhando água pelo banheiro. Alguém tem de fazer o serviço completo nas coisas, mas, quem gostaria de ter um emprego como esse? Só uma louca como eu.

Molho o vaso, as toalhas e tudo ao meu alcance dentro daquele banheiro já úmido. Não tenho problema algum de limpar tudinho depois, por que eu sou uma desocupada, não é mesmo? 

Logo depois da bagunça, meus braços - dessa vez bem obedientes - voltam segurando rodos, panos e um secador. É burrice dizer que vou secar o banheiro depois de molhá-lo todo por conta de uma necessidade, mas os babacas que me vissem agora não estão dentro do meu cérebro quase imperceptível para dizer o que devo ou não fazer, por mais que eu saiba que eles pensam. Bom, eles mesmo dizem.

A bagunça agora se encontra somente dentro de mim e não mais no meu banheiro limpinho e sequinho. Então tomo um banho rápido, sem derrubar uma gota a mais ou a menos pelo resto do cômodo e me seco de frente para o espelho.

Meus cabelos estão molhados e pingando, faço uma careta e me analiso bem. Chego até a debruçar em direção ao espelho para observar de perto meus olhos consideravelmente grandes para uma coreana. Analiso bem, porque quero que eles me contem a verdade.

Visto me e continuo a me encarar no espelho. Escovo os dentes, seco o cabelo e o penteio. Então finalmente escaro meus lábios, meu pescoço e meu coração.

Estralo o pescoço.

Boa noite.


Notas Finais


Obrigada por ler ☕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...