1. Spirit Fanfics >
  2. Watermelon Candy - Taekook/vkook >
  3. Um sonho.

História Watermelon Candy - Taekook/vkook - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi.<br /><br />Caraca eu sou muito ansiosa pra isso.<br /><br />Mas tá, gente essa vai ser uma shortfic e tem bastante palavrões então se não gosta não leia.<br /><br />E desculpa se tiver erros. Ah! e sem plágio ok.

Capítulo 1 - Um sonho.


Segunda-feira - 06:30


Puta que pariu, caralho, porra, inferno!

A merda do despertador tocando ao meu lado é o responsável por me tirar do meu maravilhoso sonho. Essa porra!

Vamos Jungkook acorda, levanta que você tem aula! Vamos vamos que é pra hoje! — Minha mãe entrou, gritou e saiu.

Oi estranhos, eu sou Jeon Jeongguk e estou nesse momento amaldiçoando toda a geração da pessoa que inventou a escola e achou que as pessoas iriam gostar disso. Quem gosta de acordar cedo pra estudar?

Levanto da cama cambaleando por causa da coberta que se embolou completamente nos meus pés depois do meu leve surto por ter que acordar cedo, e vou até o banheiro. Meu reflexo no espelho está horrível, simplesmente, meu cabelo parece um ninho de passarinho, meu Deus!

Paro de olhar pra aquilo que eu vi no espelho e vou tomar um banho rápido, depois escovo os dentes e vou me vestir para o colégio, o uniforme é o mais normal que eu já vi na vida, a calça é na cor vermelha, a camiseta é branca com o brasão da escola e um moletom vermelho também com o brasão do colégio.

Arrumo meu material na mochila, na verdade eu só jogo tudo lá e desço para o andar de baixo. Minha mãe está na cozinha, terminando de preparar uma panqueca, cantarolando e dançando uma música de novela, e minha irmã está esparramada de qualquer jeito na cadeira, mexendo no celular.

Largo a minha bolsa no sofá e me sento na mesa, Hyejin nem se mexe, minha mãe se vira um pouco e da um sorrisinho. Logo a mais velha põe um prato cheio de panquecas sobre a mesa junto com uma gosma doce — que eu não faço nem questão de saber o nome já que não gosto —.

Me senti um urubu quando fui com tudo 'pra cima do prato pegando de uma só vez, duas panquecas. Enquanto comia depressa podia sentir o olhar da minha mãe queimar sobre mim, julgando minha pressa. Mas fazer o que se eu ‘tô com pressa?

Credo Jungkook, come devagar garoto! 

— Ó mãe esse sem educação. — Hyejin se manifestou pela primeira vez, — e pra variar é pra me incomodar —.

Ah mãe eu 'tô com fome. — Me justifico, a outra apenas franze mais as sobrancelhas, me olhando estranho.

— Você está com fome, mas não passa, come devagar idiota. — Já falei que minha irmã é chata? Se não, ela é muito chata.

Apenas continuo comendo aquela deliciosa panqueca, ignorando completamente o olhar das duas sobre mim. Quando termino de comer me levanto e pego o meu celular vendo já ser sete e dez, então decidi que já era hora de ir.

Ô mãe, eu já vou! — Grito para a mesma e logo ela aparece secando suas mãos num pano. A mais velha vem até mim e deposita um beijo na minha bochecha.

— Vai filho, toma cuidado e bons estudos!

— Ok, tchau. — Dou um beijo em sua testa e enfim parto pro colégio, caminhando calmamente.

A escola não era longe, é só descer uma rua e seguir reto que eu já estava lá. É bem rápido mas as vezes eu me distraia e chegava atrasado... como agora. Mas eu não tenho culpa se eu vi dois quero-quero brincando e ensinando o filhotinho a voar encima de uma árvore, estava tão fofinho!

— Licença professor... p-posso entrar? — Pergunto um pouco tímido.

— Qual o motivo do atraso? — A voz forte do professor de história questionou. Engoli em seco com seu tom.

Eu... p-perdi o horário. — Droga, minhas bochechas estão corando, por que tem tanta gente me olhando?

Tudo bem pode entrar. — Acho que ele percebeu que eu estava nervoso e mentindo, e nem falou mais nada.

Caminhei apressado até o meu lugar no fundo da sala e me sentei, logo comecei a tirar os meu materiais da mochila, ainda sentindo alguns olhares queimarem sobre mim. Minhas bochechas ainda estão quentes.

A verdade é que apesar de parecer ser bem imperativo, na realidade eu sou bem tímido, são poucas as pessoas que eu converso e são menos ainda as que tentam fazer isso. Eu sou tipo o nerd esquisito, aquele que anda com no máximo duas pessoas e todo mundo ignora. 

E além de eu não ser de falar muito e não responder a chamada devidamente, ainda havia gente que perguntava se eu era algum aluno novo, ou os babacas que perguntavam se eu sabia falar. Enfim, eu realmente sou o nerd esquisito que fala pouco, e tem somente dois amigos — que pra minha amada sorte não estavam na minha sala —. Sintam a ironia.

Rupestre é o termo que se refere à rocha, geralmente usado para designar pinturas, gravuras ou... — Uma das vantagens de ser o nerd esquisito é que eu sento no fundo e ninguém se importa com a minha existência, então eu posso tranquilamente me deitar sobre os meus braços e tirar um cochilo.

E é exatamente isso que eu vou fazer agora.


[...]

Trinta e um, trinta e dois, trinta e três e trinta e quatro. — São trinta e quatro passos até chegar ao refeitório.

Bom, você deve estar pensando: " Por que ele está contando os próprios passos?"

Eu te respondo: Além de nerd, excluído e quieto, eu sou um pouco perfeccionista demais. Apesar do nome comprido, não é tão ruim assim, pelo menos não agora. Eu tenho umas 'brisa assim que do nada eu começo a arrumar as coisas, deixar tudo milimetricamente simétrico ou eu conto meu passos e pra sentir uma mínima satisfação o número sempre tem que terminar com um par, e tenho que resistir a vontade de voltar e começar a contar tudo de novo quando termina em ímpar.

Isso é no máximo o que acontece agora, antes de se tornar perfeccionismo era TOC, mas com idas diárias ao psicólogo desde os oito anos de idade eu melhorei, agora com dezessete anos eu só possuo a estranheza de deixar tudo certo.

Enfim, Hoseok parece um louco acenando pra mim e Yoongi está do seu lado com cara de decepção. Justificável.

— Oi Kook! 

— Oi Hoseok, oi Suga. — Cumprimento os dois depois de me sentar.

Caralho até que enfim você chegou, o Hoseok não para quieto. — Yoongi reclama com uma carranca mal humorada.

— Também te amo açúcar do meu sonho! Ei Jungkook o que você fez nesse final de semana? — Hoseok é aleatório.

— Não fiz nada e vocês?

— O Yoongi vegetou como sempre, eu fui no cinema com o Seokjin. Ai cara eu 'tô tão feliz, ele me chamou pra outro encontro e disse que ia me levar 'pra aquele parque que inaugurou esses dias atrás, sabe? — Perguntou animadamente, acenei um pouco com a cabeça e ele continuou. — Então, deixa eu te contar, ele foi me buscar e mano! Ele estava tão lindo, velho! Meu pai que homem gostoso da porra-

Ah Hoseok-ah! Não queremos saber do quão lindo ele é, vai direto ao ponto. — Suga o interrompeu reclamando.

— Ai tá bom seu chato, enfim... ele me beijou. — E surtou. Meu Deus Hoseok parece uma minhoca se retorcendo no banco. Ri juntamente com Yoongi, — ele deve ter pensado a mesma coisa —.

Seokjin um garoto do terceiro A que meu amigo é completamente apaixonado e desde que a turma deles se juntaram para fazer um trabalho, os dois começaram a conversar e agora Hoseok só sabe falar dele, a todo momento ele fica "Ah mas o Seokjin é bonito." " Ah mas o Seokjin joga bem mais." " Ah mas o Seokjin isso, o Seokjin aquilo..." Esse é o tipo de coisa que o moreno fala a qualquer momento em qualquer situação. É muito apaixonado mesmo.

— Devolve meu salgado Yoongi. — Ok, agora Hoseok está quase subindo encima de Yoongi por causa do seu salgado roubado.

— Não... você não para mais de falar desse... cara, eu não aguento mais! — Falou com dificuldade já que Hoseok esta com a mão inteira na sua cara, e pendurado em suas costas.

— Tá bom, tá bom, sai 'toma o seu salgado aqui. E para de falar desse cara. — Yoongi desistiu e Hoseok está com um bico nos lábios, bravo.

Eu estou rindo.

— Olha o que você fez com o Jungkook, ele 'tá vermelho. 

— Eu não fiz nada, é você com essa sua cara de palhaço!

— YOONGI!

Ai meu Deus! Minha barriga 'tá doendo! Calma, calma Jungkook, para de rir, para...! Uhh... calma, respira... 

Ok, acalmei!

— Pronto? — Os dois perguntam juntos.

— Pronto.

— Tá.

Os dois finalmente pararam e começaram a comer como se nada tivesse acontecido. Sinto minhas bochechas esquentarem quando realmente percebo a quantidade de pessoas a nossa volta, merda de timidez.

Me alivio quando percebo que quem menos poderia me ver rindo igual besta não estava ali. Porém durou pouco já que logo tal pessoa atravessa a porta com um grande sorriso e seus amigos.

Ele está tão lindo, puta que pariu!

Observei seus cabelos castanhos balançarem levemente com o seu jeito de andar, era confiante mas ao mesmo tempo desleixado - Mano! Ele abriu ainda mais seu sorriso e caminhou junto com os outros até a mesa em que quase sempre ficava com seus colegas de time - Puta merda! A regata que ele usava estava um pouco grande e escorregava pelo seu ombro, deixando parte da sua clavícula a mostra.

Caralho que homão gostoso da porra!

Quando Kim Taehyung vai ganhar o troféu de homem mais lindo do mundo? Não é possível um ser humano ser tão lindo cara, como que pode existir um sorriso tão adorável? Uma pele tão bonita? Ou até um cabelo tão brilhante e aparentemente macio!? Como que pode ter braços tão-


— Fecha a boca senão entra mosquito.

— Nossa...! Depois dessa secada ele vai precisar tomar uns dois litros de água pra se recompor. — Yoongi e Hoseok-hyung me tiraram dos meus pensamentos a cerca do Kim.

— Ah qual é Kook! Quando você vai falar com ele? Já faz uns dois anos que você tem um penhasco no cara. — Diz Hoseok, um pouco decepcionado. Ah mas, qual é? É do Kim Taehyung que estamos falando, todo mundo nesse colégio tem um crush nele, quem sou eu na fila do pão? E eu sou tímido demais pra ir falar com ele de qualquer forma.

— Hyung, eu não posso ir falar com ele.

— Por que não?

— Porque... ele nem me conhece, e eu também não tenho coragem. — Digo emburrado com um bico nos lábios.

— Mas daí você nunca vai falar com ele só porque não tem coragem? Você tem que arriscar. — Disse de forma mais suave.

— Qual a próxima aula de vocês? — Decido mudar de assunto, e agradeço mentalmente quando eles não insistem no assunto.

Não é que eu não queira conversar com eles sobre isso, mas é que eu... ok, eu realmente não quero falar sobre isso. A minha insegurança me impede de fazer varias coisa e entre elas infelizmente está desabafar com meus amigos. Hoseok e Yoongi estiveram comigo praticamente a vida inteira e eu ainda assim não consigo falar com eles tão abertamente quanto eles falam comigo.

E por que? Bom, eu não sei. Acho que isso sempre esteve comigo, essa privatização que eu fazia comigo mesmo é algo que está comigo desde que eu me entendo por gente. Eu não consigo conversar, eu não sei desabafar com as pessoas falando de mim mesmo, parece que quando eu tento fazer isso aparece uma trava na minha garganta e não sai nada.

O sinal tocando logo se fez presente e com isso eu pude enfim parar de pensar naquele pequeno desconforto que estava sentindo, e depois de dizer tchau pra Suga e Hoseok eu fui pra minha sala, pensando no quão péssimo amigo eu sou.



[...]


(No mesmo dia)


O porra não tem nada pra fazer aqui!

Bom, depois das aulas eu voltei pra casa. A minha irmã ainda não havia chego, minha mãe está trabalhando e eu estou fazendo nada. Na verdade eu 'tô tentando achar alguma coisa pra fazer no celular, mas o amado não colabora, então o que me resta é jogar Candy crush. Ô joguinho do demônio!



|Nova mensagem de Sol Falsifics🔅|



Ah até que enfim apareceu alguém pra me tirar desse maldito tédio.




     [Sol falsifics☀️]

  "Ei Kook deixa eu te perguntar"


                                                              [Eu]

                                                       "Oi, diga"


  [Sol falsifics☀️]

  "Quer ir pra uma festa?"


                                                                 [Eu]

                                                 "Ahm...não??"

     "Você sabe que eu não vou pra festas"


   [Sol falsifics☀️]

"Ah vamo biscoito, só uma vez "


                                                                 [Eu]

  "Ah não eu tenho muita coisa pra fazer"


   [Sol falsifics☀️]

"O quê?"


"A festa é Sábado"


                                                                   [Eu]

                                                            "Amas-"


  [Sol falsifics☀️]

  "Ah Jungkook sem desculpa"


   "Você vai sim."

                                                                  [Eu]

                                                           "Hum..."


Eu não gosto de festas. Definitivamente eu não gosto de festas. Tá bom que eu só fui em duas em toda a minha vida, mas mesmo assim... eu não gosto de festas.

A primeira vez que eu fui em uma eu tive que lidar com vômito no meu sapato e uma roupa toda suja de bebida, e eu nem sequer bebi!. A segunda vez que eu fui — a pior, vale ressaltar —, me disseram que era uma festa de aniversário e que iria começar nove horas da noite, e como a boa pessoa pontual que eu sou, eu cheguei lá exatamente oito e cinquenta e cinco, mas não tinha ninguém naquela porra, eu fiquei duas fucking horas sentado no sofá igual uma planta, junto com pessoas que eu nunca nem vi na vida e 'pra piorar Hoseok não pôde ir porque sua mãe de última hora não tinha deixado e Yoongi furou o rolê sete horas da noite, então eu fiquei plantado à toa e quando decidi aproveitar pelo menos um pouco, o pai do dono da festa chegou e expulsou todo mundo, — já que obviamente não era uma festa de aniversário autorizada —.

Fora que meu Deus do céu pra todo lado que você olha tem pessoas se comendo pela boca, mano do céu, eu nunca vi tanta gente se beijando, ao mesmo tempo, quase no mesmo lugar, pai amado, às vezes batia até uma vergonha alheia porque gente do céu... não é possível...

Enfim, eu não vou a essa festa, vai saber o que pode acontecer...


Sábado | 21:44


Eu vou pra festa.

Porra, vocês devem estar se perguntando: "Ué mas você não tinha dito que não ia ir?" E eu lhes respondo meus queridos: Hoseok é um pé no saco quando quer alguma coisa. 

Escuto o som da campainha tocando e desço correndo abrir a porta. Hoseok está parado com um enorme sorriso no rosto e seu cabelo está cobrindo um pouco seus olhos, a roupa que ele usa é um pouco... diferente. Uma calça jeans na cor azul marinho, uma camiseta estilo social florida na cor salmão e all star amarelo. 

Meu Deus como ele consegue ficar bonito usando uma coisa dessas!?

Yoongi está o completo oposto. Com uma calça skinny de couro, preta, uma camiseta também preta com um belo "fuck you" estampado bem no meio, e coturnos pretos pesados.

Bom, nem preciso dizer que estou parecendo um mendigo, né?

— Entrem. — Digo e abro espaço para eles passarem.

Caralho Jungkook, você nunca 'tá pronto no horário! — Suga como na maioria das vezes reclama.

— Ah me deixa, eu só vou me trocar!

— Para de incomodar ele Yoongi, pelo menos ele vai. — Hoseok me defende. Caraca ele não vai parar de sorrir? 

Piri di incomida ili Yoongi inhinhi... — Min Debochado Yoongi é o verdadeiro nome do meu amigo como podemos ver não é mesmo!?

— Venham logo, minha mãe está dormindo. — Apresso eles antes que eles comecem a discutir na frente da porta, e então subimos para o meu quarto.

Hoseok assim que entra se joga na minha cama e começa a se embolar nos lençóis, Yoongi apenas caminha civilizadamente até a cadeira da minha escrivaninha e se esparrama na mesma tirando seu celular do bolso e fazendo alguma coisa com ele.

Calmamente vou até meu guarda-roupas e peguei a roupa que já tinha deixada passadinha e dobradinha pra mim usar e fui até o banheiro me trocar. Fiz isso rapidamente e logo voltei 'pro quarto e calcei meu tênis branco.

Por fim voltei para o banheiro e dei um jeito na minha cara. Não passei muita coisa, só uma base bem de leve, um pó pra disfarçar as olheiras e um hidratante labial. Por fim voltei para o quarto e coloquei alguns acessórios que quase nunca usava, um brinco com uma correntinha, uma pulseira e alguns anéis. Coloquei uma corrente no pescoço e borrifei um pouco de perfume.

Me vi satisfeito quando olhei meu reflexo no espelho do guarda-roupa. Eu usava uma calça jeans de lavagem clara, uma camiseta vermelha com a estampa de um tigre e depois eu colocaria uma jaqueta jeans que era como um conjunto da calça.

Estava pronto 'pra me virar e dizer para os outros dois que estava pronto, mas fui interrompido.

— Até que enfim a madame está pronta!.— Suga O acelerado não pode deixar passar a oportunidade de reclamar, e logo se levanta caminhando até a porta com as mãos nos bolsos. 

Hoseok se levantou rapidamente da cama e o seguiu. Fiz o mesmo depois de dar uma última olhada no espelho e bagunçar um pouco meu cabelo. 

— Gente espera aí eu vou avisar minha mãe que a gente já vai. — Avisei os dois quando estava quase atravessando a porta, os dois acenaram com a cabeça e eu dei meia volta indo para o quarto da minha mãe.

Toc, toc, toc...

Mãe 'tô entrando. — Avisei antes de abrir a porta. — Mãe, a gente já 'tá indo tá bom? — Me aproximei da mais velha, que estava deitada na cama e depositei um beijo em sua testa.

— Tá bom filho, vai lá e toma cuidado ok?

— Tá tchau!

— Tchau... e juízo viu!?

Tá bom mãe!

A minha mãe não reclamou quando eu disse que iria a uma festa, na verdade a senhora Jeon Yangmi me apoia nisso, ao contrário dos meus amigos, ela obviamente me conhece melhor, então sempre que eu queria sair para algum lugar em que eu teria que socializar, ela dava permissão e dessa vez não foi diferente.

Fechei a porta e fui até o carro do Yoongi, na verdade é o carro que ele pediu emprestado do pai dele, mas enfim, adentrei no banco traseiro e depois de Hoseok colocar uma musica da Ariana Grande pra tocar no volume máximo, nós fomos.

O lugar onde ocorria a festa não era tão longe, então rapidamente chegamos lá. Da esquina já conseguíamos ouvir a música alta e quando chegamos mais perto, percebemos como estava cheio. A mansão — não era, mas eu me recuso a chamar isso de casa, olha o tamanho disso! — estava lotada, já na entrada tinha um monte de gente.

Suga levou um tempo pra procurar algum lugar pra estacionar, e depois que achou nós fomos pra festa. Como eu disse, no quintal da frente já tinha bastante gente, mas só Hoseok que cumprimentou algumas pessoas.

Ao adentrar realmente a mansão foi quando me surpreendi de verdade. O lugar era enorme e tinha muita gente. Logo na entrada vimos uma sala enorme, a mesma estava dívida, de um lado tinha um espaço onde varias pessoas dançavam, pulavam com algumas luzes piscando e do outro tinha sofás com outras bastante pessoas sentadas, no sofá maior estavam as pessoas "legais" que — agora — ou se beijavam loucamente ou jogavam um jogo com garrafas na mesa de centro.

No outro sofá estava claramente as pessoas que não tinham a menor vontade de estar ali, as expressões de “que merda cara, vontade de morrer" , faziam o papel de dizer isso. 

Nós três passamos com um pouco de dificuldade pelo tumultuado de pessoas até conseguir chegar na cozinha, o ambiente era bem grande e estava com quase tanta gente quanto havia na sala. Fomos para o lado de dentro que o balcão dividia e vimos dois frigobares ali. Hoseok e Yoongi pegaram direto uma garrafa de vodka, eu disse que iria com calma e peguei apenas uma garrafa de cerveja.

Por fim, nós passamos um tempo ali conversando, até os dois estarem alterados o suficiente para e se dispersarem, e me deixar ali sozinho. Bom, decidi que não iria ficar ali parado vendo todo mundo feliz e bêbado, então peguei uma bebida mais forte e fui pra pista de dança.



[...]


Domingo - 02:36 - madrugada 


Eu não faço a menor ideia de onde eu estou.

Tem pessoas que eu nunca vi na vida sentadas ao meu lado formando um círculo, também tem uma garrafa no centro e me disseram que seria um jogo de verdade ou desafio e agora eu estou aqui, no meio de gente que eu não conheço.

Exceto um, Kim Taehyung, ele é o único que eu conheço nessa roda.

Eu estou muito bêbado. Como eu sei disso? Eu estou ignorando completamente o anjinho no meu ombro dizendo: "saia daqui que vai dar ruim", mas se eu vou fazer isso? É claro que não, eu não vou perder a oportunidade de secar Kim Taehyung descaradamente já que ele está quase tão bêbado quanto eu e amanhã nem vai se lembrar disso.

Obviamente se eu não estivesse alterado eu nem pensaria em fazer isso, no colégio eu olho pra ele mas nunca diretamente, minhas pernas ficam bambas só em imaginar isso, ou em imaginar ele falando comigo. Já pensou se eu vou falar com ele e do nada eu solto um “suas coxas são bonitas."?, eu cavo um buraco no chão com a própria cabeça na mesma hora. E sinceramente eu não duvido que isso possa acontecer, então é apenas mais um motivo de eu não o encarar quando ele passa ao meu lado no corredor ou tentar falar com ele.

Fora que, eu sou Jeon Jeongguk, o nerd esquisito do terceiro B, aquele que não fala nada, ninguém conhece e todo mundo ignora.

Logo a brincadeira começou e antes mesmo das rodadas iniciarem todos tiveram que tomar uma dose de alguma bebida que eu não conhecia, mas tomei também. Assim como antes das rodadas começarem, também tínhamos que tomar uma dose quando a garrafa apontava para si e quando outra rodada era iniciada, o que só colaborava para que todo mundo ficasse bêbado e a brincadeira mais "interessante".

Depois de um tempo todos já estavam bêbados, alguns nem tanto, mas estavam alterados, e isso resultou em eu corando e rindo escandalosamente quando "as verdades e desafios" eram engraçados e constrangedores.

Eu não prestei muita atenção, mas eu tenho quase certeza de que senti um olhar mais pesado sobre mim quando a última 'verdade do jogo foi: "Quem você beijaria dessa roda?", perguntaram isso pra um garoto que estava do meu lado, então acho que foi só impressão ou a bebida que eu tomava.

Bom, depois de um tempo ninguém mais conseguia fazer perguntas decentes, já que estavam todos bêbado, então decidimos parar de brincar e assim todos se espalharam pela festa que ainda acontecia. Pelo horário não havia tanta gente quanto tinha no começo, mas o lugar ainda estava bem ocupado e desde que Hoseok e Suga me abandonaram eu não os vi mais.

Fiquei um tempo no "sofá dos excluídos" até eu conseguir andar devidamente, a essa altura eu já não estava bebendo mais nada. Já estava cogitando a ideia de ir embora, mas um toque me chamou a atenção, "I Feel Like a Drowning" do Two Feet começou a tocar e eu não resisti à vontade de levantar e ir dançar.

A música é envolvente e logo eu estava seguindo seu ritmo balançando o quadril de um lado para o outro em movimentos lentos e sensuais, fiquei com um pouco de vergonha quando percebi que tinha gente me olhando, mas logo passou e eu continuei dançando como se nada mais importasse. Minhas mãos estavam acima da minha cabeça e ela estava jogada para trás, eu movia apenas o quadril e as pernas, conseguia sentir uma camada de suor se formar na minha testa e minha respiração ofegante, mas continuei mesmo assim.

É estranho eu me sentir assim? Bem, com as pessoas me olhando?, certeza absoluta que se eu estivesse com o mínimo de sobriedade no sangue eu já teria saído correndo daqui faz horas, mas a mão firme e grande que acabou de pousar na minha cintura quase me faz esquecer disso. 

Senti um leve aperto e continuei dançando, eu não faço a menor ideia de quem está atrás de mim, mas está bom, é bom sentir esse aperto gostoso na minha cintura e é bom sentir um peitoral forte se colar em minhas costas, continuei movimentando meu quadril e cada vez que eu era um pouco mais ousado, eu sentia o aperto ficar mais forte, mas não durou tanto quanto eu queria já que logo a música acabou e eu me forcei a me afastar.

Porém, um aperto mais forte sendo feito na minha cintura e uma cabeça se apoiando na minha, me impediu de fazer qualquer outro movimento. O hálito quente que bateu na minha nuca me arrepiou completamente e conforme o outro ia abaixando sua cabeça em direção ao meu pescoço, mais a ideia de sair dali parecia inexistente.

Ele colou ainda mais o seu corpo ao meu e eu pude sentir sua ereção roçar em mim, depositou um beijo molhado no meu pescoço e continuou fazendo isso pela minha tez. A música que tocava era totalmente contradizente com a nossa situação, mas mesmo assim eu voltei a rebolar. Eu já conseguia sentir meu pau ficar duro com a primeira lambida que senti no meu pescoço, e quando senti um chupão forte foi que acabei soltando um gemido. 

Aquilo estava muito intenso, minhas pernas estão bambas e eu tenho certeza de que se o estranho não estivesse me segurando pela cintura agora, eu já teria despencado no chão feito um saco de batatas.

Meus olhos estavam fechados quando num reflexo eu me inclinei, roçando mais forte o pau do outro e ele gemeu, um gemido deliciosamente rouco e arrastado, senti meu pau fisgar e um arrepio subir desde lá até os pelinhos da minha nuca. O estranho voltou a morder e chupar meu pescoço, mas dessa vez era interrompido pelos próprios gemidos que soltava enquando eu fazia questão de empinar minha bunda nele, apenas 'pra escutar ele gemer daquele jeito. Tudo isso só ficou melhor quando ele direcionou seus lábios próximos do meu ouvido e passou a gemer ali, as vezes mordiscando e chupando meu lóbulo.

O estopim foi quando ele segurou meu lóbulo e no meio de um gemido soltou: — Você é lindo. — Eu juro que tentei não fazer nada, mas aquele homem segurando minha cintura quase que com possessão, roçando seu pau na minha bunda e gemendo tão bom no meu ouvido, me fez esquecer de tudo e virar de forma rápida, grudando meus lábios nos dele de forma agressiva.

E ele correspondeu tão rápido quanto achei que faria. Era louco, aquele beijo. Ele estava tão desesperado mas ao mesmo tempo intenso que dessa vez minha pernas fraquejaram de verdade, e isso só serviu para o outro me segurar com mais força e cavar sua língua na minha boca, desesperado. Eu correspondia da mesma forma, chupava sua língua com vontade. Tudo era uma grande e gostosa bagunça de salivas e línguas.

Nós estávamos no meio de uma festa com varias pessoas ao redor, mas eu não me importei nem um pouco quando ele direcionou suas mãos para minha bunda e a apertou, na verdade eu gemi com isso. Seu pau dessa vez roçava no meu e o aperto na minha bunda apenas serviu para deixar isso ridiculamente mais gostoso.

Meus braços estavam em torno do pescoço do outro e eu puxava e bagunçava ele de toda forma para descontar tudo o que eu estava sentindo. E era exatamente daquela forma que eu me sentia: bagunçado. Estava tudo tão fora de ordem, mas ao mesmo tempo certo, excitante e intenso que era quase surreal.

Quando nos separamos para respirar, eu fiquei um bom tempo com os olhos fechados apenas processando a informação de que esse foi um dos melhores beijos da minha vida. Passei a língua sobre o lábios e pude sentir muito bem o gosto de morango que veio dos lábios do outro e ele só não era mais saboroso porque eu não estava mais sentindo direto da fonte: a língua do estranho. E sentir a respiração dele mais embaralhada que a minha por ter acabado de me beijar era quase tão bom, — quase —, quanto todo o resto.

A sua respiração batia forte contra a minha boca enquanto nossas testas estavam juntas. A mão dele voltou a minha cintura e eu abaixei minhas mãos, apoiando-as no seu ombro.

Quando finalmente abri os olhos, a primeira coisa que eu vi foi lábios vermelhos e inchados entreabertos, era lindo...; a segunda coisa que eu vi foi um nariz com uma pintinha na ponta, hum...; a terceira coisa que eu reparei foi a pele dourada, as luzes do ambiente atrapalhavam um pouco, mas eu conseguia ver muito bem a pele amorenada sem nenhum defeito, estranho...; a quarta coisa que eu vi foi os lindos olhos cor de amêndoas de Kim Taehyung, isso era o que eu realmente nunca esperei ver, Kim Taehyung me beijar e me olhar da forma que ele está me olhando agora, definitivamente não esperava...; e bom, a quinta coisa que somente nos meus sonhos aconteceu, — e que me deixava frustado varias vezes por isso — acabou de acontecer pela segunda vez.


Kim Taehyung me beijou. Mais uma vez.


Isso é um sonho?


Notas Finais


Obrigado por terem lido até aqui e talvez a att demore, mas até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...