História Waves - HopeKook - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags 2jung, Abandono, Hopekook, Hoseok Bottom, Jihope Menção, Jkook, Jungkook Top, Kyung Wonjin, Personagens Originais, Seok É Bottom Sim, Temas Abordados
Visualizações 265
Palavras 1.666
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


[Não revisado]

Me desculpem a demora! Estava ocupada com uma espécie de feira de ciências da escola.

Perdoe qualquer erro ortográfico, ou de digitação.

💚Não se esqueça, a esperança deve morrer por último💚

❤B O A L E I T U R A ❤

Capítulo 1 - Episódio 1


Fanfic / Fanfiction Waves - HopeKook - Capítulo 1 - Episódio 1

Eu Corria pelas ruas de Gwangju, chorando, borrando totalmente minha visão, enquanto passava rapidamente entre os carros em movimento.

A vida tem sempre suas idas e vindas.. no meu caso é só ida...

Bom,me chamo Jung Hoseok, e vou contar-lhes minha história de vida... mas não assim.

[Waves - Feelings of withdrawal]
[Ondas - Sentimentos de afastamento]

(figurado (sentido)figuradamente< distanciamento do convívio social e/ou familiar; perda ou ausência de intimidade;a briga gerou um afastamento entre eles)

Tudo começou quando eu tinha apenas 10 anos de idade.

- Hoseok, feche seus olhos - minha mãe mandou e eu apenas obedeci - comece a contar agora meu pequeno. Deixarei uma surpresa para você - falou e eu a ouvi "fungar".

Apenas ignorei, achei que ela tivesse apenas espirrado... eu era um tolo ingênuo mesmo. Eu tinha sido abandonado... fiquei perplexo ao descobrir isso por mim mesmo, Eu nem ao menos sabia andar por aquelas ruas movimentadas de Gwangju. Isso me garantiu mais e mais lágrimas naquele dia, ao menos ela havia me ensinado a não ser um louco de fome e devorar todo o chocolate de uma só vez, sim ela deixou apenas uma barra de chocolate.

Depois daquela meia sobrevivência garantida, passei a andar perdidamente naquele lugar totalmente desconhecido por mim.. e achei um lugar para passar ao menos uma noite. Um caixote pouco maior que eu... não tinha mais casa, não tinha mais uma família, Não tinha mais alguém para chamar de mãe......

Não tinha mais confiança. Em ninguém.. e assim dormi, com uma puta dor de cabeça, por ter chorado mais do que devia. No dia seguinte, lá  estava eu.. batendo de porta em porta procurando por alguém que conhecesse minha mãe, me levar de volta... minhas esperanças de voltar ainda eram grandes, mesmo para uma criança inocente de 10 anos..

- Senhora, você conhece a Srta. Jung Somin?.... preciso encontrar ela - falei de cabeça baixa. Tentava não deixar claro meu não tão pouco desespero.

- Me desculpe garoto, mas nunca ouvi esse nome na minha vida - a idosa respondia com tanto nojo na voz.. que me dava ânsia por ela... eu tinha nojo de mim mesmo, não tinha culpa.. não tomava banho a demorados 2 dias, eu havia sido empurrado na lama por garotinhas encrenqueiras... eu devia estar repugnante aos olhos da senhora.

- T-tudo bem - todas as vezes que obtia a mesma resposta, "Não", eu abaixava ainda mais a cabeça tentando conter as lágrimas grossas e salgadas... o que eu podia fazer? Eu era sensível demais... era um bebê  chorão desde pequeno. Isso meio que mexeu com meu psicológico ao passar do tempo. Mas é claro que nunca contei isso a ninguém. Saí daquele lugar "perfeito" demais para mim e voltei a andar pela cidade, não tinha mais o que comer ou beber, precisava de alimento e líquido... ou iria morrer facilmente nas ruas. 
Não irei negar, estava com um medo profundo do que o destino me guardava. 

Andando pela cidade, avistei um playground, não muito longe da casa da senhorinha na qual eu senti seu ranço, andei em direção ao pequeno parque e ao chegar no lugar... senti uma sensação horrível, quis morrer ao ver aquela cena... 

Minha própria mãe... havia me abandonado para ficar com outra família, meu coração estava perdidamente despedaçado. O que eu tinha feito para merecer todo aquele tormento? 

Minha dor parecia inacabável... 

Foi o que eu tinha pensado, até que. 

- Oi, garotinho! Tudo bem? - uma moça,  desconhecida por mim, me abordou perguntando se estava bem... com os olhos marejados respondi

- N-não! - comecei a chorar alto. - m-me ajuda... *snif* 

- Hey.. calma garoto - ela se abaixou até minha altura e me abraçou - não precisa chorar, vamos encontrar sua mãe, ok? 

Após isso, ela se levantou e pegou minha mão.. começamos a andar enquanto eu olhava tristemente o chão. 

- Não posso encontrar minha mãe... - *snif* - E-ela... me abandonou.. 

- Ow.. não pense em coisas assim, talvez ela só tenha se perdido de você - falou com uma voz doce e delicada, deixando-me mais calmo, parando de soluçar aos poucos. 

- V-você não entendeu..  - aponto para minha progenitora, a qual nem fez questão de olhar para mim - aquela era minha mãe... ela está mais feliz sem mim.... 

Olho para o chão e vejo tudo borrar novamente. 

- Está tudo bem... qual o seu nome?..- ela indagou curiosa. 

- Hoseok.... Jung Hoseok.. - sussurrei, mais baixo que devia. 

- Ok, pequeno Seok... é uma decisão rápida... talvez meu namorado não vá aceitar... - disse pensativa, e me puxou até um homem pouco alto e aparência jovial e doce.  

- Ow, amor.. aonde você foi? Estava preocupado.. - disse cabisbaixo.

- Anjinho.. eu disse que ia ao banheiro - a mulher falou risonha. E eu apenas continuava sem entender. - Mas... precisamos conversar.. 

A mulher ficou seria rapidamente, o que me deixou ainda mais confuso, apesar de eu ser bem esperto naquela idade, ainda tinha minhas dificuldades de entender algumas coisas. 

- Sobre o quê quer conversar? - o homem parecia ficar nervoso.. talvez por medo de a perder.. 

- Sobre o pequeno Hoseok.. - a moça me pegou no colo, me deixando um pouco mais na altura do jovem a minha frente - a mãe dele o abandonou.. Ele precisa de um lar.. 

- Percebo...- disse preocupado. - o menino está sujo.. aparenta estar com fome... você quer ir conosco garotinho? - perguntou sugestivo. Hesitei por alguns estantes, estava com um medo profundo de ser expulso novamente depois de poucos dias... 

(....)

- Hoseok? O que aconteceu? - Ji, Kyung WonJi se abaixou até minha altura, estava sentado no chão. - Por que você está chorando? 

- Não foi nada, Ji.. - continuei sentado no chão, abraçando meus joelhos, forçando meu melhor sorriso. 

- Não parece não ser nada - Resmungou ela, em seguida sentou-se ao meu lado. - Está pensativo demais, o que foi? Tava pensando naquilo de novo? 

Hesitei em responder. Mas assenei que sim com a cabeça. 

- O que aconteceu 'pra você voltar a pensar nisso? - indagou me abraçando de lado, tentando me passar conforto. 

- Ele.. aquele idiota... maldito.. monstro!.. - cuspo as palavras uma atrás da outra, liberando todo ódio, tristeza e raiva que senti naquele momento. 

- Chul-Wan? Kim Chul-Wan? - Perguntou perplexa e eu apenas fiz que sim. - o que aquele cretino fez 'pra você? 

- Aquele merda... estava me traindo... - abaixei a cabeça dando-me um pouco mais de raiva.. - isso faz me lembrar de coisas ruins... não só sobre minha mãe.. como também... o marido da minha mãe adotiva... aquele maldito de merda, traía ela também... 

Voltei a chorar baixo, lembro-me perfeitamente, assim que completei meus 17 anos, ela cometeu seu suicídio... graças aquele babaca infernal. 

- Tá tudo bem, Seok.. aguente firme.. só mais alguns dias.. tentarei comprar passagens para nós dois e vamos pra Busan, ok? - tentou me relaxar. Eu nunca tinha saído da minha cidade.. era novidade para mim.. Mas ela sempre tinha essa idéia, desde que a conheci. Conheci Kyung WonJi, um ano depois da morte da minha mãe adotiva.. ela agora cuida de mim como se fosse minha mãe. 

- Posso te fazer uma pergunta? - olhei para ela, enxugando minhas lágrimas. 

- Claro, por que não? - sorriu gentilmente e me abraçou. 

- Por que sempre que conversamos.. você vem com essa idéia de ir para Busan? - encostei minha cabeça em seu ombro, Kyung suspirou pesadamente. 

- Por que, é lá que meu namorado, Park Jimin, mora.. Mas juro 'pra você.. que assim que chegarmos lá, não vou te soltar um minuto sequer. - me soltou e apertou minhas bochechas - você é meu bebêzinho Seok! 

Ela riu, me fazendo formar um bico involuntário nos lábios. 

- Vamos, tenho que te levar 'pro seu apartamento.. 'tá ficando tarde.. vamos sair de debaixo dessa ponte. - Ela se levantou do chão e estendeu sua mão para mim. Segurei na mesma e me levantei, em seguida limpei a sujeira das minhas roupas. 

Começamos a andar normalmente, enquanto eu olhava tristemente o chão.

- Hoseok, vai ficar tudo bem agora, ok?.. - Ela me encara no olhos antes de me deixar entrar em casa. 

- Ok..- respondi segurando a maçaneta. 

- Prometa que não vai fazer nada de estúpido, idiota nem maluco - Ela mostra seu dedo mindinho. 

- Não vou fazer isso - soltei uma gargalhada baixa. 

- Prometa logo! - fingiu estar irritada e botou um bico nos lábios e um olhar de cachorro pidão. 

- Tudo bem... - me rendi e ela entrelaçou nossos dedos. - Tome cuidado quando voltar para casa.. sabe que é perigoso Kyung... 

- 'Tá certo - Sorriu e começou a correr. 

Eu entrei no "meu" apartamento, fui até o banheiro , tomei um banho rápido e me joguei na cama. Dormi sem nem ao menos perceber. 

(_2011_) 

Querido Hoseok, meu pequeno bebê.

Me desculpe por você ter que ler isso, não gostaria de te fazer ler isso, mas se eu te dissesse pessoalmente, você me impediria.

Eu sei que o cretino do seu pai não é digno da minha morte, mas a verdade é que eu  me sentiria incompleta sem você e ele na minha vida.. já passamos por tanta coisa juntos.. E não seria justo te ver chorar em meu último momento, meu pequeno bebê. 

Não quero que você fique triste com minha partida repentina, quero que você sorria.. sorria para o mundo Seok, o mundo merece o seu lindo sorriso. 

E.. saiba que eu te amo demais, demais mesmo.. você foi a coisa mais maravilhosa que já aconteceu em toda minha vida. 

Ilumine a vida das pessoas, com sua personalidade perfeita meu bebê. 

Com amor, Choi Micha, sua mamãe.

Eu chorei demais nesse dia.. chorei até não aguentar mais... isso me magoou demais... 

(...) 

Acordei no dia seguinte, e me dirigi até a sala de estar e me deitei no sofá, ligando a TV logo em seguida. Posso dizer que essa foi a pior decisão da minha vida....


Notas Finais


Até o próximo episódio.

[Prometo que logo as peças vão se encaixar e essa "história" inacabada do primeiro episódio, vai fazer sentido]


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...