História We Are Furious - Jikook - 2Jae - Chanbaek - Capítulo 88


Escrita por:

Postado
Categorias ASTRO, B.A.P, Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X, Seventeen, SHINee, VIXX
Personagens Baekhyun, BamBam, Boo Seungkwan, Chanyeol, Chen, D.O, Daehyun, Eunwoo, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Hongbin, Hyuk, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jeon Wonwoo, Jinyoung, Joo Heon, Jung Hoseok (J-Hope), Junghan "Jeonghan", Kai, Ken, Ki Hyun, Kim Mingyu, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Lu Han, Mark, Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Minho Choi, Moonbin, N, Park Jimin (Jimin), Sehun, Seungcheol "S.Coups", Show Nu, Soonyoung "Hoshi", Suho, Taemin Lee, Tao, Wen Junhui "JUN", Won Ho, Xiumin, Xu Ming Hao "THE8", Youngjae, Youngjae, Yugyeom, Zelo
Tags 2jae, Carros, Chanbaek, Corridas, Furiosos, Jikook, Kpop, Taoris, Velozes, Vhope
Visualizações 228
Palavras 2.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Lemon, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


PEGUEM SEUS COLETES E NÃO ME MATEM AO FINAL DESTE CAP

Capítulo 88 - Cobra


Pov Jungkook

O silêncio naquela sala me deixava apreensivo, eu não sabia o que esperar, não sabia o que fazer agora. Eu estava ali com ele, e eu não sabia o que eles iriam querer que eu fizesse. Estou com medo.

A única coisa que tem do meu lado, é uma arma. E eu que queria nunca mais tocar em uma.

Já que foi uma arma que eu acreditei ter matado meu irmão.

-“Kook? O Jungsu mandou isso pra nós.” Kai aparece na sala e em entrega uma chave, eu reconheci a marca no chaveiro, era um SUV. O que esse demônio vai mandar a gente fazer?

Sem entender, a única coisa que posso fazer é pegar a chave, mas de cabeça abaixada. –“Você viu o Jaebum?”

-“Pelo que ouvi dos outros homens do meu pai, ele gosta de ficar confinado no quarto e sozinho. Só sai quando mandam e quando sai, ele fica irritado e sai espancando todo mundo.”

Aquilo me fez engolir o seco, eu não estava com medo dele, eu estava preocupado. Jaebum nunca foi do tipo agressivo, ele sempre foi o cara que conversa, que toma a iniciativa calma. Eu não entendo porque ele estaria agressivo.

-“Sabe a onde ele fica?” Olhei pra ele, nesse instante Kai me olhou assustado.

-“Kook ficou louco? Ele não se lembra de você, ele pode te espancar igual fez comigo!”

Nesse instante, meus olhos arregalaram, e eu olhei para o Kai assustado. –“O-O que? Kai como assim? N-Não foram os homens do Jungsu que te deixaram daquele jeito?!” Quando ele chegou todo machucado noite passada, eu pensei que tivessem sido os capangas do Jungsu que tinham deixado ele assim...

Não o meu irmão.

Kai permaneceu de cabeça abaixada, mas eu queria que ele me contasse.

-“Kai, me conta. Eu quero saber.” Fiquei um pouco mais sério, eu não iria aceitar isso. Não desse jeito. Ele pode não se lembrar de nada, mas ele nunca faria isso. Jaebum é inofensivo, nunca fez mau a ninguém assim. –“Kai.”

-“Não Kook, ele está perigoso agora!” Aquilo estava me deixando irado, meu irmão machucando as pessoas assim? NÃO MESMO. –“Volta aqui!” Ele segura meus ombros quando eu tento sair da sala.

-“Kai. Me. Solta.” Digo rosnando, mas ele ainda me segurava.

-“Não vai...” A voz dele... Ele estava com medo? Quando me virei pra ele, comprovei quando vi lágrimas nos olhos dele.

-“Nini...” Me viro pra ele, quando toquei seu rosto, ele cai em choro. Chamei ele pra sentar na cama, depois de um tempo, ele me contou o que aconteceu.

-“Ele... Ele me dá medo agora...” A voz dele saía falha. –“A voz dele estava sem emoções, a cada soco que ele me dava, em sentia minha pede rasgar, ele não falava nada, mas o olhar dele... Sem brilho... Ele não teve piedade Kook...!”

Eu estava paralisado. Eu não sei o que o Jungsu fez com ele, mas isso não ia ficar assim. Saí da sala mesmo com Kai implorando pra mim ficar, Jaebum era meu irmão, ele não ia me machucar.

Passei pelos capangas dele e descobri a onde é a sala dele, ou melhor, quarto. Pelo visto até os capangas do Jungsu tinham medo dele. Já que toda vez que olhavam pra mim, era com olhares assustados, ou quando eu falava no Jaebum eles respondiam com ódio e xingões.

Queria ver se falavam isso na frente dele.

Quando fiquei na frente da porta, eu entrei. O lugar era escuro, entrava apenas um pouco de luz pela janela, que era coberta por cortinas também pretas. Em cima da cama, luvas com punhos de ferro, armas e cartuchos de bala, botas militares pretas e roupas pretas.

Coloquei meus olhos na figura em pé no meio do quarto, Jaebum estava em pé apenas de calças pretas e botas. Estava sem camisa e de costas pra mim, e nesse ângulo, eu vi algo que me deixou aterrorizado.

Cicatrizes.

Suas costas estavam cheias de cicatrizes, atras dos ombros, marcas de cortes no quadril, e uma de queimaduras na lateral do corpo. Estava horrível...

Quando ele se virou pra mim, não vi apenas seu olhar sem expressão, como outra cicatriz no ao lado do ombro. Uma de bala. Foi ai que a lembrança daquela madrugada veio em minha mente. O tiro que Park Jaebum deu.

Então foi ali que acertou.

-“O que faz aqui?” Bem como Jongin disse, sua voz estava grossa e fria. Sem emoções e me olhava com aquele rosto frio.

Fiquei a porta atras de nós, eu ia ter uma conversa com ele, eu precisava fazer ele ao menos lembrar um pouco!

-“Vou te dar 5 segundos pra sair daqui.”

-“OU o quê?” Me virei pra ele, eu sabia que usar meu tom gentil com ele agora seria inútil, então eu engrossei a voz.

-“Olha como fala comigo, pirralho.”

Deu uma risada irônica e olhei pra ele. –“Pirralho? Saiba que temos a mesma idade.”

Ele levanta a sobrancelha. –“Como sabe?”

-“06 de Janeiro de 1998. Eu sei quando você nasceu Jaebum, e sobe por quê?” (A fic começou em 2018 e eles estão em 2020 agora).

-“Porque leu minha ficha?” Ele nem parecia interessado na resposta.

-“Não. Porque nasci junto com você. Somos gêmeos!”

Ele solta um riso. –“Eu? Seu irmão? Conta outra. Você não passa de um garoto que o Jungsu quer. Nada demais.”

Ele estava falando sério? –“Você esqueceu mesmo de tudo...” Não estava acreditando nisso.

-“Cala a boca, eu não esqueci nada, e mesmo que tivesse, por quê eu precisaria lembrar? Agora sai daqui antes que eu te ponha pra fora á força.” Ele vira a cara pra mim e coloca uma regata que estava em cima da cama.

Eu não estava aceitando isso. Quando ele virou de costas pra mim, eu fui e agarrei o braço dele, quando o toquei, ele se vira e de forma agressiva faz eu soltar seu braço. O olhar dele... Aquele não era o Jaebum. Não o que eu conheço.

-“Eu mandei sair.”

Respirei fundo, eu precisava me acalmar. Não posso provoca-lo, ou ele nunca mais vai querer me ouvir. –“Jaebum... Ao menos me escuta.”

Eu senti. Senti pelo olhar. Ele estava se controlando para não me bater ali agora. Suas veias saltando nos músculos do braço e sua pele gelada me diziam isso. Ele... Ele estava me assustando.

-“E o que eu preciso ouvir de você? Sai daqui.” Ele se afastava cada vez mais. Agora foi para a cama arrumar as armas. O que aconteceu com meu irmão...?

-“Por quê fez aquilo com o Kai?” Soltei a pergunta no meio do quarto, quando ele estava de costas pra mim. Nem mesmo soltar a arma ele soltou.

-“Porque me mandaram.”

‘Porque me mandaram...’ Aquilo doeu de uma força incontestável em mim.

-“Você não é disso. Não machuca as pessoas assim, ainda mais um amigo!”

Ele vira apenas a cabeça pra me olhar. –“Eu não tenho amigos, aquele garoto era apenas um lixo.”

Okay, isso foi demais.

-“Não fale assim!” Soltei alto, foi quando ele se virou pra mim por completo. –“Você nunca foi assim, não machuca as pessoas por nada. Você sempre foi quem nos apoiou, quem nos ajudava, era nosso incentivo e nosso porto quando nos sentíamos mau.” Fiz uma pausa.

Ele me olhava.

-“Quando levaram o Jimin, foi você o meu apoio. Em todos os problemas era você quem assumia a liderança, nossos amigos sempre te elogiavam por isso, mesmo sendo como eu, você sempre sabia o que fazer.” Como eu falava, ele olhava para mim, nos olhos. –“Bum, por favor, tente se lembrar. Não quero perder você outra vez.”

...

O silêncio dele me assustava.

-“Outra vez?”  

A voz ele mudou um pouco, parecia... Confuso.

Quando olhei, ele tinha largado a arma em cima da cama e estava me olhando com um jeito mais suave, isso Kook, continua!

-“Quando eu pensei que você tinha morrido, tudo para nós desabou. Jackson ficou mau por muito tempo, Yoongi nunca mais saiu com a gente, Chanyeol se sentiu solitário, nunca mais sorriu como antes. E eu... Sempre estava pensando em você, você é meu irmão.”

-“Jackson...” Ouvi ele sussurrar, foi quando uma luz de esperança se ascendeu em mim.

-“Lembra, do Youngjae?”

Digo e ele me olha. –“Youngjae?”

-“Choi Youngjae, vocês estavam noivos.” Sorri e ele meolha surpreso. Então eu joguei a arma secreta, uma foto do Youngjae com os filhos dele, Jaehyun e Jaehwan, e dentro dela, o anel dele.

Peguei a mão dele e deixei a foto dentro dela, e a fechei. Levantei a cabeça pra ele e vi ele sorrindo. –“Vocês eram um casal lindo, ele sente sua falta, hyung.”

Ele ficava em silêncio, mas eu via o brilho nos olhos dele voltar, sempre que eu falava o nome do Youngjae. Aquilo me fez sorrir. Ele pegou o saquinho com a foto e os anéis e guardou no bolso da calça, agora eu sabia de uma coisa, ele ia lembrar. E eu ia ajudar nisso.

-“Faz o que aqui garoto?”

Uma voz masculina fala atras de mim. Quando me virei, vi um garoto da minha altura, cabelos negros e com um rosto meio afeminado. Lábios grandes se vestia com uma regata preta e uma calça de couro apertada, fora os brincos nas orelhas e o penteado raspado nas laterias e com os cabelos caindo no olho esquerdo.

Quem era esse cara?

-“Quem é você?” Perguntei enquanto ele adentrava no quarto, foi ai que aconteceu algo, que eu preferia não ter visto.

O garoto enrola os braços no pescoço do Jaebum, e beija ele.

Arregalei os olhos, meu peito estava acelerado demais para dizer ou fazer alguma coisa naquele momento.  Eu estava em choque. Jaebum não fez nada, simplesmente deixou o garoto beijar ele...! Mas que porra é essa?!

-“M-Mas... O que?!” Digo quando eles se separam, o tal do garoto ainda estava abraçado nele.

-“Já viu demais, agora pode sair.” Ele diz olhando pra mim, eu não estava bem com isso... EU NÃO ESTAVA BEM!

-“Quem é você seu maldito!?”

-“Youngjae.”

O quê...?

-“Sou Youngjae, prazer, Jungkook.”

Mas... O que estava acontecendo aqui?!

-“Hyung, mas... Quem é esse cara?!” Eu olhava pra ele, mas ele não me respondia.

-“Oras, acabou de dizer que sou o noivo dele, não está óbvio?” Não não não...

Esse Youngjae sorri e fica esfregando as mãos pelo peitoral do Jaebum, com a cabeça deitada em seu ombro. Isso não estava acontecendo...

-“Agora acho que pode deixar nós dois a sós, não acha?”

-“Não! Eu não vou sair daqui!” Eu estava puto, não acredito que esse cara se chamava Youngjae, era só pra confundir a cabeça do Jaebum!

Esse... Esse... DESGRAÇADO, vem até mim e agarra meu braço. –“Jaebum e eu temos coisas pra fazer... ‘sozinhos’ agora. Pode ir embora.” Ele me empurra para fora do quarto a força. Eles não iam fazer isso... NÃO!

-“Hyung! Não pode transar com ele! Esse não é o Youngjae que você ama!”

-“Ele não vai ouvir você.” Esse Youngjae dizia pra mim, o jeito que ele me olhava... Era uma cobra. –“Lamento Kook, vai ter se esforçar mais, seu belo irmão por enquanto é meu. Até mais.”

Ele fecha a porta, e eu só pude rosnar. Aquela cobra tinha trancado a porta, não acredito nisso... Usar outro Youngjae pra enrolar a cabeça dele, só porque ele não se lembra de nada! Urgh! Na raiva eu soquei a parede, senti o sangue escorrer pela ferida.

-“Kook!” Kai vem até mim e segura meus ombros. –“Falou com ele?” Assenti. –“O que ele disse?”

Rosnei pra mim mesmo, quando falei isso: -“Quando eu consegui fazer ele ter uma luz, aquele... Aquele... COBRA, apareceu!” Eu estava com raiva, muita raiva.

-“Que cobra, quem?”

-“Outro Youngjae, Nini! Outro Youngjae!” Gritei com raiva, quando Kai viu minha expressão, e e viu minha voz, ele já entendeu o perigo agora.

-“Ah não...”

-“Agora, vou ter que me livrar da cobra...” Levantei a cabeça, tentei olhar pra frente, mas o sorriso daquele desgraçado não saía da minha cabeça. –“MERDA!”


Notas Finais


**Vamos lembrar que o Bum não lembra do rosto de ninguém ainda.**

FUDEEEEEEEEU DE VEZ!


YOUNGJAE DO B.A.P APARECENDO PELA PRIMERA VEZ HAHAHAHAH

SE QUISEREM ME AMEAÇAR SINTAM-SE A VONTADE HAHAHAHAH


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...