História We Are Furious - Jikook - 2Jae - Chanbaek - Capítulo 91


Escrita por:

Postado
Categorias ASTRO, B.A.P, Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X, Seventeen, SHINee, VIXX
Personagens Baekhyun, BamBam, Boo Seungkwan, Chanyeol, Chen, D.O, Daehyun, Eunwoo, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Hongbin, Hyuk, Hyung Won, I'M, Jackson, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jeon Wonwoo, Jinyoung, Joo Heon, Jung Hoseok (J-Hope), Junghan "Jeonghan", Kai, Ken, Ki Hyun, Kim Mingyu, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Lu Han, Mark, Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Minho Choi, Moonbin, N, Park Jimin (Jimin), Sehun, Seungcheol "S.Coups", Show Nu, Soonyoung "Hoshi", Suho, Taemin Lee, Tao, Wen Junhui "JUN", Won Ho, Xiumin, Xu Ming Hao "THE8", Youngjae, Youngjae, Yugyeom, Zelo
Tags 2jae, Carros, Chanbaek, Corridas, Furiosos, Jikook, Kpop, Taoris, Velozes, Vhope
Visualizações 256
Palavras 2.406
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Lemon, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


MAIS UM PQ SOU UM ANJO DE PESSOA KKKK

mais uma vez, não me matem.

Capítulo 91 - I Remember


Pov Normal

California, 20:00 da noite.

A brisa suave do vento fazia as folhas das árvores balançarem, e o som do mar dava uma sensação de calma e tranquilidade.

Youngjae estava na cozinha, fazendo o jantar com a ajuda de Jin, enquanto Hakyeon brincava com Bin na sala. Os dois garotos brincavam com Hoseok em joguinhos no tablet, estavam muito fofos. Hakyeon brincando um joguinho de piano, deitado de barriga pra baixo no travesseiro e balançando as perninhas.

Bin brincava com Hoseok de um jogo de caretas, quem fizesse Hakyeon rir seria o ganhador. Eram mesmo umas figuras.

Youngjae ficou surpreso com o quão calmas as crianças pareciam, mesmo com os pais longe. Eunwoo havia saído com Tao, Yifan, Jaehyun e Jaehwan para saírem um pouco de casa e foram no mercado, os mesmos tinham aceitado sair com os meninos. Gostavam de ser babás deles.

Choi sorri e volta a cortar as cebolas enquanto Jin fazia o molho da massa, já do lado de fora, Tao estava perto de casa com as crianças em volta dele enquanto Yifan segurava a mão de Eunwoo e na outra as sacolas de compras.

-“A gente pode sair mais vezes com vocês?” Jaehyun pede ao mais alto, Tao abre um sorriso.

-“Claro, amamos cuidar de vocês, certo, Fanfan?”

-“Lógico, vocês são umas figuras.” Sorri e acaricia a mão de Eunwoo com suas mãos grandes. O pequeno solta uma risadinha, gostava de sair com Taoris, eles eram muito fofos e queridos com eles.

Jaehwan estava fofo como sempre, colado em Tao com superbonder e Jaehyun rindo do irmãozinho. Só esperavam voltar para casa e ajudar os amigos e os pais com o jantar. Tao e Yifan sorriam como dois bobões, até cogitaram a idéia de terem um filho também.

Seus pensamentos pararam quando chegarem perto de casa, subindo na calçada para entrar no quintal, mas tinha algo estranho.

Tao e Yifan param de imediato assim que veem um carro preto semelhante ao Conquest, estacionado 1 quadra àbaixo da da casa. Suspeito.

-“Yifan protege os meninos.” Tao diz e as crianças se escondem atras do gigante, enquanto Tao se aproximava lentamente esperando ver alguma coisa, mas ao invés disse ele recebe um tiro no ombro.

-“TAO!” Yifan grita e as crianças, estavam apavoradas.

-“TIO TAO!”

Youngjae ouve o tiro, e ouve também os gritos das crianças. O pânico sobe suas veias, assim como Jin, Bambam e Yugyeom que estavam ali com eles.

O tailândes pegou a arma do cinto e saiu de casa, descendo a quadra até onde tinha ouvido os gritos.

-“HOBI CUIDA DELES!” Jin diz saindo correndo, pegando a mala de primeiros-socorros de dentro do armário e indo atras de Youngjae, Hobi abraça Bin e Hakyeon para acalma-los, tadinhos já estavam chorando.

Tao tenta se levantar e consegue, mas a dor não deixava ele andar direito, enquanto isso, outro homem mascarado desce do carro e soca Yifan no rosto, fazendo ele cair no chão. E então olha para as crianças.

-“CORRAM!” Tao grita para os meninos, Eunwoo se arrasta pela grama meio úmida e avista Yugyeom vindo na direção dele, se levanta e o abraça com força, enterrando sua cabeça em sua barriga.

-“Hyung!” Jaehwan gritava desesperado, Jaehyun se abaixa e tenta pegar a mão de seu irmãozinho, mas era tarde demais.

-“ME SOLTA!” Jaehyun gritava como os homens o pegaram, e o arrastavam para dentro do carro.

Youngjae chega nesse momento, e seu coração se parte em mil pedaços. Bambam pega a arma e atira junto á Yugyeom, mas em vão. O carro blindado é fechado e sai em disparada, até desaparecer.

Aquilo era outro pesadelo.

Primeiro Jaebum e agora seus filhos? O que mais faltava? Isso não ia ficar assim.

-“Jae! A onde vai!?” Tao grita pra ele, como Jin colocava um pano em seu ferimento. Ninguém iria alertar a polícia, pois eles sabiam quem estava por trás disso.

-“Jae!” Jin grita mais uma vez, Hobi aparece ali com Hakyeon e Bin, os dois com o rosto vermelho pelas lágrimas ainda ralas.

Serrando o punho, ele olha para os meninos. –“Isso não vai ficar assim. Não mesmo.” Disse entrando na garagem, os meninos os seguem e assistem Jae tirar a lona de cima do Porsche Mirage GT. Lembranças sempre vinham quando olhavam para aquele carro.

-“Jae...” Jin começa a entender o que o garoto ia fazer. –“Tem certeza disso?”

O olhar do Choi nunca esteve tão determinado. –“Tenho. Jimin me ligou e o código era de uma pequena cidade da Rússia, eu vou pra lá.”

Não podiam fazer nada, apenas assentir e deixar o amigo ir.

-“Volta por favor.” Hobi disse, e Jae assente.

-“Tio.” Hakyeon fica na frente dele, o pobrezinho estava chorando muito. –“D-Diga ao omma Baek e ao appa Channie q-que... Que eu sinto saudades deles...!” O pequeno começa a chorar, Jae sorri e abraça o mini Byun com força.

-“Vou sim, espere por nós.” Beija a testa do pequeno, que abre um pequeno sorriso.

-“Diga ao Tae que Bin e eu esperamos por ele.” Hobi disse e o pequeno ao seu lado assente, Jae tinha mais o que fazer além de salvar seus meninos, ele tinha que dar o recado á seus amigos. E ele ia fazer isso.

Pega uma mala que guardava no porta-malas do carro desde que essa confusão ‘acabou’, uma mala cheia de pistolas e munições. Escondeu a mochila debaixo do banco do carro e pegou as chaves.

O som do motor ecoa pela garagem, Jae acelera antes de pisar fundo no acelerador e sair dali, teria que pegar o voo mais rápido possível.

(...)

Dia seguinte...

Jungkook abria os olhos lentamente, aos poucos sua visão voltava a ficar focada e aos poucos ele voltava a enxergar a luz, que fazia seus olhos doerem. Onde ele estava?

Sentou no chão curo de concreto, esse que machucou suas costas pela posição que estava sentado, resmungou de dor e fez um esforço para se sentar. Suas costas estavam doendo, seu corpo inteiro reclamava de dor.

Sua cabeça... Onde ele estava? Olhando em volta, ele percebe algo, ele estava algemado. Suas mãos estavam presas para trás. Tentou se soltar mas em vão, não estava conseguindo se soltar. Rosnava e fazia força, mas quando fazia isso, sentia suas feridas arderem e seu corpo implorar para ele ficar quieto.

-“Parece que já acordou.” Ouviu a voz daquele homem, olhou para frente e viu Jungsu, sentado em uma cadeira na sua frente, apenas assisntindo suas tentativas falhas de se soltar.

-“Que merda é essa?!” Rosna mas logo se arrepende pela brutalidade quando sente sus braços doerem.

-“Eu é que tenho que dizer isso.” O homem suspira e fica de pé na frente dele. –“Sabe Kook, quando eu te chantageei para trabalhar pra mim, eu pensei que conseguiria fazer você se submeter aos meus padrões.” Pega os cabelos do mais novo e puxa para cima. –“Mas nunca estive tão errado.”

Jungsu solta bruscamente os cabelos dele, fazendo-o cair de joelhos novamente. Respirando pesadamente, ele olha Jungsu nos olhos. –“O que quer dizer? Achou mesmo que um psicopata como você poderia me fazer mudar? Não me faça rir. Eu nunca trocaria minha família e meus amigos por essa vidinha de merda sua e de seus soldados.”

As palavras dele foram rudes, algo que o mais velho olhou com nojo depois. –“Viadinho, rebelde e ainda teimoso, você é tudo de ruim, Jungkook.”

-“Eu me orgulho disso.” Ri nasalmente com ironia. –“Não pensei que eu vou ficar aqui pra sempre, vou sair daqui.”

Aquilo fez ele sorrir. –“Crianças, sempre crianças. Quando achei seu irmão eu pensei que ele fosse ficar assim de novo, como você.”

Os olhos dele se arregalaram naquele momento. –“Como?! Como assim?!”

Jungsu se olha para a vista do lado de fora, o frio dali era tanto que as janelas ficavam brancas, dava para ver quase nada do lado de fora. Foi quando ele começou a contar.

-“Quando me disseram que Siwon faria uma troca das peças do Nightshare por apenas 3 garotos, eu não acreditei.” Acende um cigarro. –“Eu assisti tudo, vi vocês em ação como pilotos e como atiradores, vocês eram tão bons.” Faz uma pausa e olha para Jungkook.

-“Naquele momento eu desejei vocês, queria vocês trabalhando comigo, seria uma tropa tão, interessante, não acha? Nós invadindo grandes governos e implantando o caos em todos eles, sabe como isso é divertido? Assim as nações podres aprendem. É disso que elas precisam!”

Kook olhava incrédulo, esse cara... Era louco.

-“Eu sabia que vocês nunca aceitariam.” Olha novamente para o branco do lado de fora. –“Mas, quando encontrei seu irmão em meio dos destroços, eu vi uma chance, uma chance de conseguir o que eu quero.”

Ele sentia que se ouvisse mais, seu peito iria estourar, mas ele precisava ouvir. Saber a explicação disso tudo, saber a verdade.

-“Tinha que ter visto, estava quase morrendo esmagado por uma vida de aço, eu o levei para o hospital e em sigilo, cuidei dele. Quando ele acordou, ele não se lembrava de nada.” Sorriu ainda mais. –“Era perfeito!”

-“V-Você...!” Kook estava com lágrimas formadas em seus olhos.

-“Ele tinha esquecido de tudo, então foi a chance perfeita. Quando ele acordou, eu o tornei meu. Treinei ele para ser o melhor soldado! Frio, calculista, ele não se lembrava de nada, foi muito fácil remodelar a personalidade dele.” Faz uma pausa e olha para ele. –“Ele estava confuso, perdido, as vezes se sentia vazio e falava como se faltasse uma pessoa em sua vida, mas graças ao meu treinamento, eu tirei esses sentimentos dele.”

Isso foi o auge. –“VOCÊ TRANSFORMOU MEU IRMÃO NAQUELE ASSASSINO SEM CORAÇÃO E DE SANGUE FRIO??!! COMO PÔDE??!!!”

-“Simples, eu queria soldados e seu irmão era perfeito, e com ele, eu trouxe você e o Kai.” Aquele sorriso maníaco... Estava assustando.

-“Seu...! Desgraçado...!” Grita, seu coração doía. Se ele tivesse voltado lá, ele teria o achado. Nada disse estaria acontecendo! As lágrimas ardidas escorriam por suas bochechas, e encara a figura á sua frente com raiva. –“Não vai se safar dessa...! Eu juro... Eu mato você!”

-“Quem dera se você pudesse fazer isso.” Se agacha na frente de Kook. –“Agora fique aqui, logo meus soldados virão aqui te fazer companhia.” Disse e sai da sala.

Companhia.

Ele sabia que companhia era essa.

Ele ia morrer senão saísse dali, mas como? Seu corpo doía, estava preso e desarmado, fraco e não tinha nem como se mexer direito.

É... parece que acabou ali.

Soltou um suspiro e deixou seu corpo cair contra a parede.

Olhava para a janela, para o céu, como uma pequena lágrima escorria por seu rosto. -“Jimin... Eunwoo... Me perdoem.”

...

Fogo...

Fogo...

Essas imagens ainda estavam na mente dele, ele sabia o que era! Mas não lembrava de onde. Aquele rosto, Yoongi, ele conhece, mas de onde?

Andava pra lá e pra cá pelo quarto, bagunçando os cabelos tentando lembrar a onde ouviu esses nomes e viu esses rostos. Jungkook... Yoongi, Chanyeol... Youngjae. Esse era o nome que mais lhe fazia pensar.

Não era esse Youngjae que ficava com ele, e isso ele não era burro para perceber que o garoto estava fingindo. Mas ainda assim, quem era... E de onde?

Soltando um suspiro cansado, ele se senta na cama e enterra o rosto nas mãos, isso estava-lhe dando dor de cabeça.

Depois de alguns minutos, ouviu algo. Se levantou e viu algo que não estava ali.

Perto da porta, um pacote pardo.

Sem entender, ele pega o pacote e se senta na cama, abrindo-o.

Era fotos.

A primeira: Ele e Chanyeol montando o famoso Challenger 1970 verde, ambos sujos de gracha e sorrindo para a câmera.

Olhou mais uma: Ele e Jackson quando eram crianças, juntos á Yixing e Junmyeon. Os dois sujos de sorvete em uma dia quente de verão.

Aquela foto fez ele sorrir.

Olhou a terceira: Yoongi puxando as orelhas dele e de Jackson depois de beber demais em uma festa.

Aquilo o fez rir, aos poucos se lembrava dos amigos. E também, de seu gêmeo ao ver as fotos a seguir, sempre dos dois juntos. E sempre sorrindo para a câmera. Atras de uma dessas fotos, o seu Pagani Huayra, seu velho parceiro em vários rachas desde seus 16 anos.

Mas foi vendo as próximas, que ele se lembrou completamente. Jungkook com Jimin e o pequeno Eunwoo em seu colo, Chanyeol e Baekhyun com Hakyeon, Taehyung e Hoseok com Bin, Luhan e Sehun, Xiumin e Chen, Kris e Tao, seus pais, seus tios... Mark e Jackson...

...E Youngjae.

A ultima foto, Jae com os dois garotos abraçados a ele. Um maior abraçando-o de lado, e outro pequeno em seu colo. Naquela foto tinha alguma coisa, algo que fez o coração dele vibrar e uma lágrima escorrer de seu rosto e pingar no pacote.

O sorriso angelical de Youngjae, sua risada alta... Ele foi se lembrando de cada detalhe dele. Cada um. Como pôde ter sido tão idiota? Guardou as fotos no pacote e guardou na mochila, ele tinha que achar Jungkook antes que Jungsu acabasse com ele.

Quando ia sair, deu de cara com um dos soldados do Jungsu, este estava armado e não parecia disposto para conversar.

-“Temos que ir Jaebum. A próxima missão o aguarda.” Dizia sério.

Mas o olhar de Jaebum ia para o outro Youngjae, que estava junto á ele agora.

-“Cadê o Kook?”

-“Ele não vai ir.” Yoo responde. –“Agora você precisa. Vamos.” Tenta pegar a mão dele, mas Jaebum nega.

-“Eu não vou a lugar nenhum.” Ele estava de volta a si. Mas não era como se permitissem assim tão fácil.

Youngjae tira a pistola do cinto e aponta para testa de Jaebum, que engole o seco e arregala os olhos, sentindo seu peito bater rápido.

-“Vai sim, e se não for, já sabe.” Se referia á arma. Jaebum engole o seco novamente e suava frio, droga... Sendo assim ele se entrega e o soldado o agarra com força bruta para fazer ele andar pelo corredor.

-“E você? Pra onde vai?” Jaebum pede ao homem que enrolou sua cabeça durante essas longas semanas.

Youngjae se vira e coloca mais munição na arma. –“Vou dar um jeito no seu irmão.”

Nesse momento, ele tenta sair dos braços do guarda e avançar em cima dele, mas estava fraco perto do soldado, Youngjae revira os olhos e vira as costa para ele, enquanto Jaebum era forçado a entrar em um carro blindado que ia para bem longe dali.

 


Notas Finais


NÃO ME MATEM MESMO HEIN! FOI MAAAAAAAAU! jaebum se lembrou mas... Né... Sobre o Kook...

Ta ai a explicação que queriam kkkkk




ATÉ SEMANA QUE VEM!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...