História We Are Not Immortal - Capítulo 69


Escrita por:

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Felipe Z. "Felps", João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti, Malena "Malena0202" Nunes, Marco Tulio "AuthenticGames", Maria Luiza Ramos (MoonKase), Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, Rafael "CellBit" Lange, TazerCraft
Personagens Alan Ferreira, Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê Bueno, Felps, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "LubaTV", Lucas Olioti, Malena0202, Marco Tulio "AuthenticGames", Mike, MoonKase, Pac, Pedro Afonso Rezende Posso, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Baixathentic, Cellps, Jvtista, L3ddy, Lya, Malepok, Mitw
Visualizações 129
Palavras 1.281
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heey pessoal, tudo bom?
Aqui está tudo bem.
Só queria falar que meu filho tá muito gato nessa capa.
Boa Leitura❤

Capítulo 69 - Let's Find A Way


Fanfic / Fanfiction We Are Not Immortal - Capítulo 69 - Let's Find A Way

P.O.V Pac


{ 21 / 02 }


Leon acabou de mandar mais um drone até nossa casa.

Nessas duas semanas que passaram começamos a monitorar a casa, e felizmente eles tem uma rotina. 

Todos os dias, exatamente às 09:00 da manhã Marshall sai de casa e só volta às 14:00 da tarde.

Como esperado, hoje ele fez a mesma coisa e Leo e Maya foram descobrir para onde ele vai.

Enquanto Marshall está fora seus capangas aproveitam, os que não ficam de guarda no portão vão para a piscina ou ficam na casa fazendo sabe-se lá o que.

A noite apenas dois caras ficam de guarda, ambos no portão da frente, será bem fácil invadir.

Estamos indo bem, em poucos dias vamos atacar e recuperar nossa casa, mas agora precisamos nos fortalecer. 

Fomos atrás de mais armas e ensinamos Nilce e Leon a atirar, eles aprenderam super rápido. 

- O que eles estão fazendo agora? - Cellbit perguntou, estou segurando o notbook.

- Tem um cara tomando sol de sunguinha. - dei risada.

- Que horror.

- Ele está usando a sua sunga de patinho? - perguntei dando zoom na tela.

- Sabia que tinha esquecido algo - ele falou batendo a mão na testa. - Agora vou ter que tacar fogo nela.

- Eles usam as coisas que deixamos? - pergunta Luba. 

- Sim, tem um cara usando o barbeador do T3ddy.

- Lá fora? -  Malena perguntou tombando a cabeça para o lado.

- É, ele está raspando a cabeça de outro cara.

- Azar o dele, eu parei de usar esse barbeador porque diziam que ele explodia se fôsse usado mais de duas vezes. - disse T3ddy. 

- E quantas vezes você usou? - pergunta Baixa.

- Duas.

- Parece que é verídico - falei rindo alto. - O barbeador acabou de explodir.

Todos correram para ver e cairam na risada, menos Authentic. 

- Meu jardim está pegando fogo. - lamentou se sentando no sofá. 

Authentic era o responsável pelo jardim, sempre cuidou muito bem do gramado, e agora tem um buraco no meio dele.

- Tudo bem Tetê, já apagaram o fogo. - falei.

- Agora já foi, destruiram meu jardim. - Authentic falou desanimado.

Voltei a olhar a tela e notei uma movimentação estranha fora da casa.

Um carro desconhecido parou em frente ao portão. 

- Olhem isso. - chamei-os.

(uma hora antes)

P.O.V Leo



Eu e Maya pulamos os muros da casa e cautelosamente entramos.

Olhei ao redor e me surpreendi, a casa parece ainda maior por dentro, mesmo que metade dela tenha ido a baixo.

Andamos até onde o lugar desabou e pude ver dentro da cratera os restos do que um dia foi uma luxuosa mansão. 

Uma música estranha começa a tocar e me viro para descobrir de onde ela vem. 

- Isso é música clássica? - pergunto.

- Acho que sim, gente rica gosta dessas coisas, parece estar vindo lá de cima. - Maya falou apontando para a enorme escadaria.

Subimos as escadas com cuidado, temendo que ela ceda a qualquer momento. 

Já no andar de cima parei para olhar mais a casa, daqui posso ver o hall de entrada com várias portas ao redor, no corredor ao lado uma outra escada que leva ao próximo andar, e aqui, diversas portas se estendem pelo longo corredor. 

A cada passo que damos a música fica mais alta e conseguimos ter idéia de onde ela vem.

Paramos em frente a uma porta de madeira escura com um F azul pregado.

- É aqui. - falei sacando minha arma e Maya fez o mesmo.

Cuidadosamente abri a porta me deparando com um quarto de criança cheio de brinquedos espalhados, um gramofone antigo está bem no meio do lugar, a música está vindo dele, o quarto está vazio, nem sinal de Marshall  

Entramos no cômodo e olhamos em todos os lugares possíveis, vazio.

- Onde ele está? - Maya perguntou. 

- Me procurando? - uma voz surgiu atrás de nós, parece que foi ele quem nos encontrou.

Nos viramos lentamente dando de cara com Marshall apontando uma arma para nós. 

- Deviam aprender a ser mais silenciosos, essa casa tem muito eco, agora, larguem as armas.

Maya olhou para mim e assenti, colocamos nossas armas no chão e nos afastamos.

- Bons meninos, venham comigo, vou apresentar-lhes a casa, vamos aproveitar enquanto meus homens não chegam.

Merda, vão realmente nos sequestrar?

Marshall nos deu passagem e saimos do quarto ainda na mira dele que nos levou até o fim do corredor e me fez abrir a porta.

Entrei no grande cômodo, é uma biblioteca. 

- Essa era a biblioteca do meu avô, magnífica, não? 

- Sim, eu acho. - respondi.

- Foi uma pergunta retórica, seu tolo.

Revirei os olhos e dei uma olhada no lugar, para mim parece uma biblioteca normal. 

- O que vai fazer conosco? - Maya perguntou impaciente. 

- Fique calma minha linda, prometo que nada de ruim irá acontecer com você - Marshall a olhou de cima a baixo, senti a raiva tomar conta de mim e me segurei para não avançar nele, afinal, ele está apontando uma arma para nós - Já ele. - me olhou com desdém intensificando ainda mais minha raiva.

- Se você soubesse o que aconteceu com o último cara que falou assim comigo já não estaria mais nesta cidade. - Maya falou e ele a olhou surpreso. 

- Quer me mostrar?

- Você é nojento.  - falei retribuindo o olhar que ele me lançou a pouco. 

- Entendi, estou lidando com um casal, mas depois resolvemos isso, por agora apreciem a beleza deste lugar, aquele quadro - ele apontou para um enorme quadro na parede ao nosso lado - Esse é meu bisavô, Hank Marshall, ele já foi o homem mais rico desta cidade, assim como eu fui um dia. - suspirou entristecido. 

Ouvimos tudo em silêncio vendo Marshall perambular pelo local ainda nos mirando.

- Meu dinheiro era tudo o que eu tinha, minhas festas, as mulheres, as bebidas, foi tudo o dinheiro que me proporcionou. Minha família nunca me amou, eu era apenas um herdeiro solitário, nem amigos eu tive. O dinheiro era meu único aliado, ainda é, eu tenho dinheiro e as pessoas gostam disso, mesmo que não possam usar para nada. Minha vida sempre girou em torno do dinheiro, ele era minha família, meu amigo.

- Onde ele quer chegar com isso? - Maya perguntou e dei de ombros.

- Essa casa era mais importante para mim do que a maioria das pessoas que já passaram pela minha vida, e agora está arruinada, os gloriosos dias que vivi aqui simplesmente se foram e só me restaram pacatas lembranças do que um dia foi esse lugar.

Ele está se abrindo para nós? Não acredito que estamos sendo obrigados a ouvir esse maluco.

- Mas deixemos este assunto de lado, vamos ao que interessa, vocês tem duas opções, se entregam de bom grado e futuramente serão recompensados, ou eu os levarei a força e tornarei a vida de ambos um verdadeiro inferno,... oh, olá rapazes.

Ele olhou para a porta e nos viramos encontrando seus capangas apontando armas para nós. 

Maya me olhou e entendi o recado.

Levantamos as mãos em sinal de rendição, os homens amarraram nossas mãos e nos levaram para um grande carro preto que não tínhamos visto antes.

Me empurraram para dentro e sentei no banco de trás do carro, ao lado de Maya, me aproximei dela que me olhou firme e selei rapidamente nossos lábios. 

- Nós vamos dar um jeito. - sussurei. 

P.O.V Mike


- Que carro é esse? - perguntei me aproximando mais de Pac.

Um dos capangas de Marshall abriu o portão e o carro entrou, parando no meio do jardim.

Marshall foi o primeiro a descer acompanhado de outros dois capangas que tiraram a força duas pessoas do banco de trás. 

- Merda. - falei puxando os cabelos para trás. 

- O que vamos fazer? - perguntou Alan.




Notas Finais


É ISTO PESSOAS, NÃO SINTAM ÓDIO DE MIM EU AMO VOCÊS.
TRETAAAAAAAAAAA.
Comentem o que estão achando da fic, a opinião de vocês é super bem-vinda.
Pessoal recomendo darem uma olhada na fanfic We Are Not Exception da @DarkAngell_, ela se passa no mesmo mundo da We Are Not Immortal, é a visão de uma personagem que logo aparecerá aqui na fic, recomendo muito.
https://www.spiritfanfiction.com/historia/we-are-not-exception-13883998
Até quinta-feira genteney.
Obrigada por Ler❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...