História We Are Staff! - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.542
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Survival, Universo Alternativo
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Personagem(ns) focado(s): Brendan Oliver.

Aparência do personagem: Tachibana Taki do anime Your Name/Kimi No Na Wa.

Capítulo 1 - C0T1: Lua. Mistério. Perigo.


Fanfic / Fanfiction We Are Staff! - Capítulo 1 - C0T1: Lua. Mistério. Perigo.

 Maravilha! É quarta-feira... Além do dia onde eu tenho o maior azar possível em uma pessoa só, é meu primeiro dia de aula. Tá ok, vamos mudar de assunto.

Antes de contar minha história, você precisa saber quem eu sou, certo? (Não.) O meu nome, é Brendan Oliver .

Eu tinha acabado de acordar, levantaria rapidamente no medo de ser mais de 11:30 da manhã...

[Porque aí, eu não teria tempo algum em casa (já que até me arrumar, comer e todo o resto, já teria dado meu tempo)]

... Abri a porta do meu quarto normalmente, ao mesmo tempo limparia meus olhos, que se recusavam a abrir de uma vez, depois de abrir a porta, na minha esquerda tinha a porta do banheiro (e o banheiro, claro), na minha frente o quarto da minha mãe, ambos estavam com as portas abertas. Olhei para sala, que ficava um pouquinho só a minha direita, não tinha ninguém, estranhei, minha mãe sempre está lá quando acordo...

[Sempre nesses momentos começo a torcer para que não tenha ninguém em casa, aí posso cantar, gritar, dançar e várias coisas com "ar" no final (Se eu assitir a morte da Gwen Stacy em O Espetacular Homem-Aranha 2 ou o último episódio de Ultraman Tiga, chorAR entra na lista)]

... Andei até a cozinha, que ficava na direita da sala, como moro, infelizmente, em um apartamento, tudo é 1 segundo para ir de um lugar a outro, cheguei na cozinha e... Nada. Banheiro, quarto dela, lugar nenhum! Parece que tô preocupado? Não? Ah sim... Então saibam que eu tô é na alegria do caramba!

— Yosha...- Disse em voz baixa porém alegre, agora que estava de boa, ninguém ia me impedir de ter algo que não tive durante toda as minhas férias: Solidão.

Mas não é aquela solidão ruim, é aquela que você sente que o que importa é só ali, nada nem ninguém vai aparecer sabe? Só paz, alegria e você. Enfim, não precisa entender.

Primeiro de tudo, tomei meu café enquanto terminava de ver Tekken...

[o filme não tinha praticamente nada igual ao jogo, além dos nomes dos personagens, a luva do Jin, o Iron Fist e o básico. A crítica odeia, mas eu sempre amei, por ser um filme de infância, mesmo se quisesse não conseguiria largar aquelas lutas épicas.]

...Depois de acabar meu café (e o filme, claro)fui ver a hora e era 11:00, como estava sozinho, não tinha problema eu sair mais cedo e andar por aí, algo que eu sempre tive vontade de fazer. Porém, algo estava estranho, logo depois de acabar de ver Tekken, fui ao meu quarto e lá abri meu armário e peguei minha amada blusa vermelha que usava por cima do uniforme, ela era totalmente vermelha, sem nenhuma estampa e tinha 6 botões, um bolso no lado direito. Após colocar minha calça jeans, meu sapato Converse All Star preto e branco com detalhes vermelhos, e o uniforme branco com duas listras de cima para baixo, uma vermelha e outra azul no lado direito da blusa e o nome da escola no meio da listra azul, peguei minha mochila, chave e sai ia destrancando a porta.

Foi quando me lembrei que tinha que fechar as janelas, então corri até a janela do quarto, logo quando olhei para o céu, o céu estava negro, com nuvens vermelhas, de uma hora para outra ficou assim. Olhei assutado, não sabia o que dizer, pensar ou fazer, apenas fiquei olhando. Um tipo de circulo aparecia bem na minha reta no céu, uma Lua Cheia de cor amarela meio beje sairia desse circulo, mas o problema, é que essa Lua tinha rosto (e não dos bonitos). Tinha dois olhos redondos e totalmente pretos, com uma pequena bolinha vermelha no meio, um nariz pontudo e um sorriso que chegava próximo aos olhos. Era demoníaco.

Após a Lua aparecer, ela e eu ficamos nos encarando por exatos 20 minutos, para mim, parecia uma eternidade. A Lua piscava a cada 2 minutos, apenas sua pupila piscava, isso me assutava, parecia que ela não queria parar de me encarar mesmo quando precisava piscar, seu sorriso tocava nos olhos e voltava um pouco abaixo, isso era horrível de se ver. Provavelmente, nunca esqueceria aquilo.

Enquanto minha paralisia me deixava parado sem piscar olhando para aquilo, essa Lua soltava dois raios saindo de suas pupilas avermelhadas, saindo de cada uma, ambos os raios eram vermelhos e vinham diretamente na minha direção. Após isso um clarão em vermelho se fez e me senti desaparecendo, depois, não senti mais nada.

Quando senti que estava acordando, com muito esforço, meus olhos se abriram. Depois de uns minutos, me levantei, estava no meu quarto novamente, mas tudo diferente, minha cama era só um colchão avulso no chão, sem lençol, traveseiro, nada. Quando olhei para janela, ela não estava lá, era evidente que apenas tinham passado tijolos e cimento as pressas, como se os pedreiros estivessem faltando 5 minutos para poderem ir embora. Lembrei daquela Lua e mexi a cabeça tentando esquecer.

— Onde eu... "realmente" estou?

Pensei isso em voz alta, sai daonde seria meu quarto e "minha casa" estava toda bagunçada, os móveis: rasgados, destruidos, como se tivesse passado algo ali. Correndo sai do meu apartamento, quando me encontrei na rua, o céu estava do mesmo jeito de quando a Lua apareceu, olhei abismado então subi a rua até a esquina, levou somente 5 segundos até lá. Eu estava do lado direito da rua, a minha direita, onde era para estar o barzinho, tinha simplesmente o mesmo salão porem só com caixas quadradas de madeira de mais ou menos uns 2 metros cada, fiquei em frente as caixas, que estavam bem organizadas fazendo parecer que aquelas eram as portas, não tinha certeza do que tinha lá dentro. Logo sai dali e segui na mesma rua da direita. Estava meio receioso em sair andando por aí sem nada.

— Espera... "Sem nada"? Qual meu problema? Vou sair andando mundo a fora sem levar nadinha de nada? Só... Sair andando?

Dito isso, corri até em casa novamente, enchi minha bolsa de umas coisas e tralhas, peguei a mala média que estava bem arranhada porém útil. Voltei para a esquina com minha mochila nas costas e a mala sendo puxada. Agora estava "pronto" para descobrir o que aconteceu, eu tinha um pouco de sorte por estar em minha cidade, pelo menos eu sabia algums lugares próximos. Lembrei de meu celular, fone, carregador e outras coisas assim, então vi que tudo estava no meu bolso da calça, como antes da Lua, pluguei o fone no celular que estava com 96% e coloquei a música "Lucky Star" na versão feita por "Sky Flight Club", esses caras fizeram um ótimo trabalho.

Depois de uns 15 minutos andando, cheguei ao "Supermercado Day" que ali tinha, entrei sem pensar duas vezes. Quase tudo estava no chão, embalagens ds chocolate meio abertas e os chocolates com mordidas apressadas e coisas desse tipo, alguém ou vários alguém, já haviam passado por ali. Mercado era grande, podia ter muita coisa ali, andei por ele segurando uma cesta que peguei na entrada enquanto puxava minha mala. Tirei meus fones para ouvir algo, apenas ouvi o som vazando do meu fone dizendo: "Oh yeah! Oh yeah! Oh yeah! Oh yeah! And Good Luck!". Depois coloquei novamente e continuei andando pegando alguns Yogurte e coisas assim, peguei coisas saudaveis obviamente, não queria morrer de dor de barriga sozinho ali. Depois de pensar isso percebi que tinha que agir logo, se eu estava sozinho, como iria cortar meu cabelo? Se ficasse doente, como saberia me cuidar? Se ficasse louco, como iria saber? Parei de pensar nisso quando ouvi um barulho alto como de um carrinho de compras sendo jogado longe, tinha pausado a música antes disso, então o susto foi maior. Eu estava no final do mercado, e o barulho veio entre onde eu estava e o meio do mercado, me escondi no vidro do açougue, e fiquei olhando procurando algo e... Nada. Silêncio. Fiquei uns 5 minutos tramando algo, depois que nada aconteceu eu levantei, mas logo abaixei assustado quando ouvi alguma coisa vindo em minha direção, parecia algo metálico.

— QUEM ESTÁ AÍ?!

PA-RA-BÉNS!!! Com minha idiotice, gritei isso e logo em seguida algumas coisas parecendo tiros acertaram o vidro, pulei dali e corri pelo último corredor da direita, havia 5 corredores, os tiros vieram do segundo (olhando da esquerda para direita). Corri segurando a cesta com a boca e a mala nas duas mãos, na hora que sai do mercado, uma corda puxava meus pés e eu cairia, minha mala e as coisas voaram longe chegando a ficar na rua. Olhei para trás e vi um tipo de robô...

 [Tinha forma humana e era totalmente preto, estava usando um sobretudo de couro preto aberto por cima de uma blusa preta e uma calça, bota e luvas todas pretas. Com um capacete preto com visor igual a um óculos VR (de realidade virtual) e com uma coisa parecendo uma mochila que fazia parte do seu corpo. Era alto e forte, seu físico lembrava o Exterminador DoFuturo do Arnold Schwarzenegger.]

... Esse robô vinha até mim de cabeça baixa amarrando sua corda. Depois de acabar de puxar, ele olharia para mim e seu visor brilhava vermelho.

— Prazer...?

{Continua}



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...