1. Spirit Fanfics >
  2. We made it >
  3. Breakdown

História We made it - Capítulo 21


Escrita por:


Capítulo 21 - Breakdown


Fanfic / Fanfiction We made it - Capítulo 21 - Breakdown

Louis estava encantado com todos os detalhes preparados por Harry, para aquela noite.

Primeiro saborearam um delicioso jantar, regrado a vinho e baseado. Conversas aleatórias de como havia sido o dia de cada um. Sorrisos. Pequenos toques e carinho. Beijos roubados em meio as conversas.

Algum tempo depois, devidamente alimentados, Harry sugeriu uma banho para refrescar a ambos.

Havia uma banheira que caberia os dois, mas Louis preferiu a ducha. E foi um banho longo e delicioso.

Após cada um lavar o corpo alheio, se perderam em beijos e carícias. Tinham fome um do outro. E parecia não haver proximidade suficiente.

Só afastavam os lábios quando não havia mais jeito de continuar se beijando sem respirar. Os corpos estavam em chamas.

As mãos grandes de Harry acariciava todo o corpo curvilíneo de Louis, causando sensações que o fazia gemer manhoso contra aqueles lábios vermelhos.

E tudo foi ficando mais intenso quando Louis sentia sua bunda ser apertada com força. Sentia as bandas macias sendo afastadas, apenas para os dedos longos de Harry brincar em sua entrada.

O cacheado parecia não ter pressa alguma, ameaçava avançar, mas sempre recuava, apenas provocando.

Louis se agarrou ao corpo quente quando o primeiro dedo entrou, se movendo dentro dele e abrindo passagem.

Mais um dedo e as pernas começou a ficar bamba. Quando o terceiro dedo já se remexia dentro dele, Louis era uma bagunça feita de gemidos e murmúrios.

Harry soltou seus lábios, apenas para dedicar atenção a pele delicada do pescoço. Deixou uma trilha de beijos e talvez algumas marcas por todo o seu peito.

Dedicou especial atenção aos mamilos eriçados. Que ficaram vermelhos e inchados depois de ser lambidos, sugados e mordidos de forma torturante.

E os dedos de Harry ainda trabalhavam a entrada do pequeno, quando o cacheado já estava de joelhos no piso molhado e engolindo sua ereção.

Louis queria gritar de tanto prazer. E era a perdição de sua vida, olhar para baixo e ver seu pau duro, saindo e entrando daquela boca vermelhinha e quente como o inferno.

Harry sabia exatamente qual o ritmo e quais movimentos fazer para deixar Louis absolutamente entregue aos seus toques.

E o garoto estremeceu quando recebeu uma sugada mais vigorosa e os longos dedos foram mais fundo em sua entrada, já bastante judiada.

Agarrou-se aos cabelos se Harry, puxando com força, porque não tinha como controlar mais seu corpo. Sua próstata sendo socada a cada vez que os dedos saia e entrava nele.

E Harry ainda o tinha inteiro na boca. Passando aquela língua e o enlouquecendo.  Foi demais para aguentar e Louis se desmanchou em meio a gemidos altos.

Harry recolheu cada gota de seu prazer. Foi se levantando devagar e subindo os beijos por todo aquele corpo trêmulo, até alcançar os lábios novamente e beija-lo com paixão.

Com delicadeza e cuidado, virou Louis contra a parede. Sem parar de deixar beijos em suas costas, separou as pernas do pequeno. Segurou seu quadril de forma que aquela maravilhosa bunda ficava empinada em sua direção.

Ainda com todo cuidado, segurou sua própria ereção e a posicionou na entrada do pequeno. Louis gemeu quando Harry se impulsionou pra frente, o invadindo devagar.

Estava sensível pelo orgasmo recente, e por já estar bem aberto, não foi uma invasão incômoda.

Harry esperou que se acostumasse com o volume dentro de si, sem parar de deixar beijos em seus ombros e sua nuca. Então o próprio Louis moveu-se, dando a entender que estava pronto.

Harry estocou devagar a princípio, mas aquela abertura apertada estava lhe roubando a sanidade.

Sendo assim, segurou o quadril de Louis e meteu com força e rapidez. Ambos se perdendo em gemidos.

Ficaram nesse vai e vem frenético, até que Louis estava novamente trêmulo e a beira de novo orgasmo.

Harry não estava muito diferente, mas continuava no mesmo ritmo, para atingir o ápice junto ao seu pequeno.

E não demorou para Louis gemer o nome de Harry e quase chorar baixinho com o violento orgasmo.

Harry sentiu quando foi apertado pelos músculos internos de Louis e foi arrastado pela mesma onda de prazer.

Ambos quase desabando quando as pernas parecia falhar.

Tomaram o devido banho depois disso e foram para cama, sem se preocupar em colocar roupa alguma. Se enrolaram no edredom quentinho e ficaram abraçados, em silêncio por algum tempo.

Apesar de Louis ser menor e parecer mais delicado e frágil, era Harry quem estava confortável no peito do mesmo. Com olhos fechados enquanto sentia os pequenos dedos acariciando suas costas nuas.

Era um belo contraste. Enquanto estavam no chuveiro, o cacheado era todo dominante e ativo. E agora, parecia tão vulnerável encolhido nos braços de Louis.

__ Estive pensando... - disse quase num sussurro, enquanto acariciava o peito de Louis - no dia do nosso casamento, vamos passar a primeira noite da lua de mel, nesse mesmo quarto.

__ Nosso casamento? - Louis o olhou surpreso.

__ Sim. Vamos nos casar, não vamos?

Harry o olhou com um brilho lindo em seus olhos verdes e Louis riu disso, mesmo meio assustado quando o cacheado saltou para fora da cama.

__ E vamos dar uma festa gigante, daquelas  que entram pra história dos casamentos. - dizia empolgado igual criança, nem se importando por estar totalmente nu -  vamos convidar todos os nossos amigos. Podemos até trazer todos aqui.

Harry tomou um gole de vinho esquecido em uma taça. Parecia agitado demais de uma hora pra outra.

Pegou o que restava do baseado sobre a mesa e agora estava fumando diante da janela, como se sua cabeça estivesse fazendo planos frenéticos para um possível casamento com Louis.

__ Harreh... - Louis chamou rindo.

__ O que?

__ Alguém pode te ver aí. Caso não tenha notado, está lindamente pelado.

__ Não tem ninguém pra me ver aqui. - Harry negou, soltando a fumaça do último trago no baseado - estamos no topo do mundo, meu doce anjo.

Era uma bela cobertura mas não estava nem perto do topo do mundo. Mas Louis optou por não contrariar.

Além disso, estava sendo brindado com uma visão panorâmica, daquele belo corpo nu de seu namorado.

__ Estou vendo esse sorrisinho aí. O que foi?

__ Nada. - Louis ainda sorria - você tem uma bundinha linda.

__ Algum problema por eu estar nu? - Harry provocou - estar nu é algo bonito e natural, de qualquer forma. Não gosta do que vê?

__ Eu gosto muito. - Louis levantou uma sobrancelha de modo sugestivo. - volta pra cá para eu poder te mostrar o quanto eu gosto.

__ Eu decidi que vou te propor casamento em uma sacada como essa. - Harry parecia estar em outra vibe novamente - vou buscar você em uma limosine branca. Um Tesla! E estarei usando um terno branco. Você também...ou talvez eu apareça pelado como agora...usando apenas uma gravata...

__ Por Deus, Harreh!

__ Seremos quem somos. Não temos nada a esconder. - Harry largou o cigarro de baseado e engatinhou na cama até estar próximo dos lábios de Louis - é pegar ou largar.

Louis não negaria que estava um pouco assustado com essas coisas aleatórias de Harry. E esses planos nada convencionais para um possível casamento entre os dois.

Mas decidiu acreditar que era apenas culpa das várias taças se vinho e o baseado que fumou a noite toda. Mesmo que houvesse uma inquietação em seu coração.

Pegar ou largar?

Louis pegou!!

Agarrou Harry e o trouxe de volta pra cama e logo estavam perdidos em um apaixonado beijo e novas carícias. Se perdiam um no outro com muita facilidade. Bastava um toque e já estavam em chamas.

Muito tempo depois, estavam novamente satisfeitos e apenas abraçados, naquele silêncio confortável, cheio de pequenos carinhos.

__ Em quantos universos acha que estamos juntos agora? - Harry perguntou com a boca no mamilo de Louis.

__ Infinitos? Não sei...

__ Nenhum desses paralelos é tão feliz e perfeito como nós dois. - Harry disse com um sorriso no rosto - eu desejo que essa sensação nunca vá embora e que nosso sentimento nunca mude.

__ Eu também. - Louis disse baixinho , beijando os cabelos de Harry.

__ Sabe qual a única maneira de manter um sentimento assim para sempre? - Harry ainda estava divagando - é apenas morrendo enquanto está pleno dele.

Louis o olhou, assustado.

__ Não diga uma coisa dessas!

__ Desculpa. - Harry o olhou  - foi apenas uma brincadeira.

__ Você não é engraçado! - Louis retrucou, ainda desconfiado.

Harry o distraiu com beijos, porque não pode resistir aquele bico se formando em seus lábios. Louis se deixou distrair porque amava demais aqueles beijos, que já havia se tornado seu melhor vício.

Talvez se tivesse prestado verdadeira atenção ao comportamento de Harry, por toda aquela noite, notaria que algo não estava certo. Mas Louis já estava cansado e se deixou levar pelo sono.

O surto veio no meio da madrugada. Harry sentia um calor absurdo e não parava de se remexer na cama. Louis dormia e não notou nada disso.

O encaracolado levantou-se inquieto e abriu a janela. Ofegava em busca da brisa fria, como se estivesse com dificuldade de respirar. E nada parecia adiantar.

Andava de um lado pro outro dentro do quarto, como um animal enjaulado. Voltava até a janela em busca de ar. Estava suando frio e sentia as vistas embaçando.

Louis se remexeu na cama , buscando por ele e o chamou de volta pra cama, quando o viu parado perto da janela.

Harry voltou pra cama apenas por causa da insistência do pequeno, que se aconchegou contra si e voltou a dormir. O cacheado, no entanto, passou horas olhando pro teto e ainda inquieto, murmurando coisas sem sentido.

__ Estou com fome. - Harry saltou da cama novamente. - vou atrás de alguns hambúrguers.

__ Harry? - Louis viu apenas o vulto saindo pela porta - Harry!!!

Quando notou que Harry não voltaria e sabendo que o mesmo estava absolutamente nu, Louis saltou da cama e vestiu suas roupas apressado.

Correu pelas escadas, carregando as roupas de Harry nos braços e rezando para que não tivesse ido muito longe.

Chamou pela rua sem obter resposta alguma. Já estava desesperado. Viu luzes de uma ambulância e correu até lá.

Parou chocado ao encontrar Harry, enrolado em uma coberta térmica e sendo colocado em uma maca.

Mas a surpresa foi encontrar Cassie ali, acompanhada por um casal, que conversava com Harry.

A mulher chorava e Louis deduziu que fosse sua mãe, porque a semelhança entre os dois era assustadora.

Tentou se aproximar e descobrir o que estava acontecendo, tentando se certificar que Harry estava mesmo bem.

Mas Cassie veio em sua direção com passos decididos e uma cara de poucos amigos. Na verdade, ela parecia furiosa.

__ Como você se atreve a vir até aqui!? - a garota gritou.

__ Harry! - Louis ignorou e chamava por Harry.

__ Não acha que já fez merda o suficiente na vida dele? - Cassie continuava falando.

__ O que? - Louis a olhou finalmente.- do que está falando?

__ Por que você não entende?

__ Harry! - Louis continuava chamando por seu garoto.

__ Pare com isso, não está ajudando! - Cassie gritou - não vê o que está fazendo?

__ O que foi , porra!? - perdeu a paciência.

__ Harry está doente! - a garota gritou de volta - Harry é bipolar, seu idiota!

__ Não! Isso não é verdade! - Louis estava chocado demais para ter outra reação. - eu não acredito em você. HARRY!!!!

__ Pare com isso. - Cassie o empurrou para trás, quando tentou se aproximar da ambulância - acha que Harry está apaixonado por você? Não seja ingênuo! Você é apenas a obsessão do momento. E essas manias e fantasias sempre o levam a extremos. Deixa de tomar os medicamentos e fica fora de controle.

__ Eu não acredito em você!  - Louis continua negando.

__ Não? A última mania dele foi decorar todas as letras das músicas de David Bowie. E agora acabou te trazendo para essa mania. Estou errada? - Cassie o desafiava e Louis murchou - vê se te enxerga e fica longe do MEU namorado! Faça isso antes que fique ainda pior. Pra você e pra ele!

Cassie se virou e entrou na ambulância, junto com Harry e seus pais.

Louis ficou ali, parado no meio da rua, sentindo a garoa fria que molhava sua roupa e as lágrimas que molhavam seu rosto.

Estava tão perdido que nem ao menos se movia. Tinha a sensação de ter sido atropelado por um trem desgovernado e deixado ali para morrer.

Tudo até ali foi uma mentira?

Como colar os pedaços de seu coração despedaçado?


Notas Finais


Agora as coisas vão ficar realmente intensas para Louis.

Aguardando os comentários que me mantém inspirada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...