1. Spirit Fanfics >
  2. We made it >
  3. Remember us this way

História We made it - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo brotando do nada.
Lembram do primeiro capítulo dessa fic? Então...estamos de volta a ele.

Capítulo 24 - Remember us this way


Louis não obteve nenhuma resposta de Harry, mas precisava se forçar a sair da cama e ir pra escola, mesmo que sua concentração e cada pensamento estivesse em outro lugar.

Liam tentava animá-lo, dizendo que Harry precisava apenas de um tempo para processar tudo o que havia acontecido. Era a mesma coisa que Sam havia lhe dito.

Mas o coração de Louis, seguia apertado, com aquela sensação de Harry precisava muito dele nesse momento. Mas não fazia idéia de onde encontrar o cacheado.

__ Não tem mesmo ideia de onde ele poderia estar? - Liam questionou - não voltou para a casa dos pais ou está com algum amigo? Nada assim?

__ Não sei, Lee. A Cassie disse que Harry não voltou pra casa e por isso está todo mundo preocupado. - Louis olhava o celular, talvez esperando que ele tocasse com algum sinal de Harry - Eu não sei onde moram e não tinha nenhum contato com eles, então fico sem jeito de tentar me aproximar agora. Oficialmente, Cassie era a namorada do Harry. E a ela que eles conhecem e não eu.

__ Que merda, cara!

__ E se ele... - Louis começou a dizer e então parou, como se isso silenciasse os pensamentos em sua cabeça. - merda! E se ele estiver tão perdido que tente alguma besteira mais radical? Eu li que a bipolaridade aumenta a ansiedade e a impulsividade. Depressão também é um agravante nesse caso.

__ Não, Lou, não! - Liam o cortou rápido - não pode ficar pensando nessas coisas, justamente agora que Harry está desaparecido. Temos que ter confiança de que ele vai ficar bem e não vai fazer nada contra si mesmo, no meio desse surto.

__ Me desespera não saber onde e como ele está. - Louis disse cabisbaixo, ainda olhando o celular - eu o imagino perto de mim, me envolvendo com seus braços longos e quentes. Me olhando como se eu fosse algo precioso e delicado. Me fazendo rir de suas piadas idiotas. Me irritando porque dizia que eu fico lindo quando estou bravo...

__ Isso parece boas lembranças, mas não estão te fazendo bem algum, Lou. - Liam disse com cautela - você fica se martirizando por algo que acha que perdeu. Mas Harry ainda está por aí. Temos que acreditar que ele esteja bem.

Como um aviso do destino, o celular de Louis começou a vibrar em sua mão. Uma mensagem de Harry.

@Harry_Styles:"Tudo o que eu faço é como se fosse Chernobyl. E eu não posso proteger você dos estragos."

__ Eu não disse? - Liam comemorou - ele está te mandando mensagem. Me parece que seu garoto está bem.

__ Eu espero mesmo que esteja. - Louis começou a responder a mensagem.

@LouisTomlinson: "Está tudo bem com você? Onde você está? Está deixando todo mundo louco de preocupação."

@Harry_Styles:"Estou em um lugar seguro, enquanto lido com o surto. Algum lugar onde não possa machucar ninguém..."

__ Merda! - Louis exclamou, como se lembrasse de algo importante.

__ O que foi, Louis?

__ Chernobyl! - disse apenas, deixando o amigo confuso.

__ Louis, o que...

Louis já não ouvia mais, porque já estava correndo para fora da escola. Sabia onde Harry estava agora e precisava estar com ele, o mais rápido que suas pernas permitissem. Enquanto corria, todas as lembranças compartilhadas, o inundavam como um tsunami descontrolado.

Depois do primeiro beijo naquela piscina, Louis havia surtado um pouco, com todas as sensações desconhecidas que Harry havia despertado nele. E por estar assustado demais com esse sentimento que não podia controlar, acabou sendo rude e cruel com o cacheado, tentando afastá-lo.

Mas então, entendeu que não havia sido sua melhor ideia, porque mesmo afastados, não conseguia pensar em outra coisa, além daquele garoto lindo e daqueles beijos famintos, compartilhados na piscina. Procurou Harry, na esperança que não fosse tarde demais.  
 

A principio, notou que o garoto ainda estava magoado, por ser chamado de bicha nojenta, mas mesmo assim, Harry lhe deu uma chance para se explicar. E Louis se apegou a isso, para tentar uma reaproximação. Pediu desculpas e comparou a confusão em sua cabeça, como Chernobyl.

Harry achou graça daquilo naquele momento e agora usava essa mesma expressão, para descrever como ele próprio estava em meio ao surto. Talvez fosse uma pista para dizer a Louis onde ele estava, sem falar de fato.

A pequena discussão havia ocorrido na Academia de Artes, onde Harry estudava. Louis se apegava a possibilidade de que Harry seria encontrado exatamente lá, porque desenhar era uma espécie de terapia calmante para o cacheado. Precisava tentar e por isso corria feito louco pelas ruas, até estar diante do prédio de Artes.

Estava quase sem fôlego, as pernas meio bambas, o coração batendo descontrolado no peito, mas tinha pressa em encontrar Harry. Por isso continuava correndo pelos corredores da Academia de Arte. Aquele lugar parecia um labirinto sem fim de corredores e salas. Louis abriu várias delas, chamando por Harry e se desesperando cada vez que não o encontrava.

Até abrir a sala certa e encontrar seu amado ali, encolhido e cabisbaixo, como um animalzinho ferido e frágil. Parecendo mais pequeno do que realmente era, considerando que tinha quase o dobro do tamanho de Louis. Mas ali, naquele momento, mais parecia um garotinho indefeso, precisando de proteção.

__ Harry! - sua voz falhou, depois da longa corrida, mas também havia alivio ali.

Harry se virou devagar, entre surpreso e culpado. Seus olhos verdes pareciam vermelhos, como de alguém que esteve chorando por muito tempo. Além de olheiras profundas, que denotavam noites insones. Formavam anéis disformes e escuros naquele lindo rosto.

Harry estava perdido e machucado e isso estava quebrando Louis também. O garoto parecia um rascunho mal feito do garoto alegre e cativante, pelo qual havia se apaixonado tão perdidamente.

__ O que está fazendo aqui? - Harry levantou e veio em minha direção como uma fera enjaulada - não entende que precisa ficar o mais longe possível de mim? Mas que merda, Lou!

__ Hazz, não diga isso. - Louis estava assustado com aquela reação, mas não pronto para desistir dele ainda.

__ Apenas fique longe de mim!

Harry lhe virou as costas e disse isso quase gritando, mas o pequeno sentia o quanto sua voz estava quebrada ao pedir tal coisa. Ele estava totalmente quebrado e quebrando Louis junto.

__ Vai embora, por favor... - pediu de forma mais suave.

Louis não podia ir. Não conseguia ir.Não havia corrido tanto para chegar ali e agora desistir com o primeiro grito. Imaginou que Harry tentaria afastá-lo. Mas não seria tão fácil assim, livrar-se dele. Correu os olhos pela sala mais uma vez, vendo seu rosto em cada parede e no chão um saco de dormir e nada mais. Simplesmente não podia deixar Harry ali, se sentindo tão miserável daquele jeito.

__ Desista. - disse firme - não vou embora.

__ Por favor... - não conseguia sequer olhar o garoto.

__ Não vou embora. - disse teimoso. - não vou deixar você.

__ Isso é o que diz agora. - Harry escondeu o rosto entre suas mãos grandes.

__ Eu direi a mesma coisa amanhã. - Louis abaixou perto dele.

__ Não acredito em você! - o outro retrucou, teimoso.

__ No fundo sabe que é verdade. - segurou sua mão e o sentiu ficar trêmulo - Porra, Harry! Não sabe o quanto eu estava preocupado, achando que você...eu achei que você ia...

As palavras morreram na garganta, no mesmo momento em que os olhos verdes caíram sobre ele. Harry parecia tão quebrado, tão frágil. Louis quis chorar e o prender em seus braços, para sempre. Mas se conteve, sabendo que Harry estava fragilizado e que precisava se reaproximar com calma. Engoliu o choro preso na garganta e decidiu que seria forte, para poder recuperar seu doce Harry outra vez.

As defesas dele estava ruindo e Louis tentando me aproximar, se conectar novamente.Harry estava a deriva em um mar turbulento e Louis tentando ser sua âncora, tentando o trazer novamente para terra firme.

__ Eu sou tóxico, Lou. Apenas causo problemas. - disse baixo e parecendo frustrado - tudo o que eu toco...eu quebro, eu estrago, eu machuco.

__ Isso não é verdade. - diz apertando suas mãos ainda mais - você me tocou, Hazz. Olha pra mim, por favor. Você me tocou e eu nunca senti nada disso antes.Eu não me quebrei. Pelo contrário, nunca me senti tão inteiro na minha vida. Seu toque, seu olhar, seu sorriso...foi o que me fez sentir mais vivo do que qualquer outra coisa que eu já tenha experimentado na vida.

Harry estava tremendo outra vez e seus olhos vertendo água. Louis achava que seu menino estava uma bagunça, mas se forçando a olhar seus olhos e lutando para acreditar em suas palavras.

__ Eu amo você! - Louis fala cheio de certeza e também bastante emocionado - entende isso?

__ Diz isso agora. - Harry ainda não aceitava que o pequeno pudesse realmente amá-lo - eu já te machuquei demais e vou machucar novamente. E um dia você vai me odiar. Vai correr para longe de mim, para nunca mais voltar.Sou especialista em afastar todas as pessoas com que me importo.

__ Nunca! - Louis diz teimoso e porque é verdade. - não nesse universo, Styles! Eu estou aqui com você e nada vai me fazer ir embora. Não importa o que acontecer depois, vamos lidar com isso...juntos!

Tomlinson sentia que Harry queria acreditar, mas ainda hesitava. Então puxou sua mão, quase o forçando a ficar de pé.Mesmo relutante, se deixou levar e o olhava ainda em dúvida, parecendo um animalzinho ferido e perdido.

__ Quero propor um jogo. - diz quando o tem de pé, diante de si - vou chamá-lo de "Hazz e Lou, minuto a minuto"

__ O que é isso? - havia um pequeno sorriso querendo brotar em seus lábios e Louis sabia que estava no caminho certo.

__ Basicamente, significa que não vamos nos estressar com coisas que não temos como adivinhar ou mudar. - Louis está se achando muito inteligente e adorando o pequeno sorriso dele ficando um pouco maior - eu proponho viver o momento, minuto por minuto.

__ Parece bom. - deu de ombros - então, quais as regras? E o que faremos no próximo minuto?

__ No próximo minuto eu quero apenas beijar você.

Harry sorri e Louis sente seus braços se enrolando em sua cintura. Os olhos não se desviam e o pequeno passa os braços por seu pescoço, se esticando para alcançar seus lábios.

A princípio é um selinho mais demorado, até que Louis abre meus lábios e o deixa aprofundar o beijo. Sentia tanta saudade desses lábios e desses beijos.

O beijo foi longo até que sentiu Harry se agarrando a si com mais força e seu corpo sendo sacudido por soluços. Harry estava chorando. Se quebrando bem ali em seus braços.

Louis o acolhe e os dois vão caindo de joelhos, sem se soltar. Louis o deixei chorar, sem dizer nada. Porque não havia nada que pudesse dizer que fosse capaz de arrancar aquela angústia do peito dele. Mas Louis sabia que a tempestade ia passar e ficariam bem.

__ Vai ficar tudo bem, sunshine. Eu estou aqui.

__ Estou tão feliz por ter encontrado você... - Harry disse baixinho, com o rosto ainda escondido contra meu peito.

Louis ficou ali, até que Harry se acalmasse e pudesse se recompor. Depois o ajudou juntar suas coisas e o levou para seu apartamento. Não desgrudou dele em nenhum momento, mesmo sabendo que precisava estudar para a última prova da semana.

Naquele momento, Harry era sua prioridade!

O cacheado tomou um longo banho, que o ajudou a relaxar e ficar mais calmo. Comeu alguma coisa depois da insistência de Louis. Não dava para negar nada para aqueles grandes olhos azuis, que o fazia parecer o Gato de Botas. E para ser honesto, estava mesmo com bastante fome.

Passaram boa parte da tarde, abraçados na cama de Louis, vendo coisas aleatórias na Netflix. Não estavam mesmo prestando atenção em nada, além deles mesmos.

Louis estava sempre acarinhando Harry, deixando beijos carinhosos em seus lábios e repetindo que o amava e que não ia a lugar  nenhum. Prometendo que ficaram bem. E foi assim que adormeceram, abraçados, depois de um dia realmente exaustivo para ambos. Estavam emocionalmente cansados e o sono foi tranquilo, sabendo que estavam juntos.

Louis acordou na manhã seguinte, sentindo o corpo quente de Harry em torno do seu, com os braços em sua cintura de maneira possessiva. Sorriu com isso. Seu celular estava tocando sobre a mesa de cabeceira, com uma mensagem de Cassie.

"Alguma notícia de Harry? Sabe onde ele esta?" - questionou a garota.

"Harry está bem. Passou a noite aqui no meu apartamento. Desculpa não avisar antes."

" Isso é ótimo, Lou. Vou avisar os pais dele. Toma conta do nosso garoto, okay?"

Nosso garoto!

Parecia uma afronta, mas a verdade era que Cassie realmente se preocupava com Harry .Louis não queria ser injusto, sabendo que a garota havia lidado com tudo aquilo como mais tranquilidade do que ele faria. 

Virou-se devagar para olhar seu menino adormecido e parecendo tão mais relaxado ali. Forçou seu corpo a se mover para fora da cama, lembrando que precisava ir pra escola e enfrentar mais uma prova difícil.

Deixou um beijo suave nos lábios de Harry, cuidando para não acordá-lo. Estava quase saindo do quarto, quando ouviu o resmungo rouco do outro.

__ Vai me deixar para trás? - Harry abriu os olhos devagar.

__ Não. Pelo menos não nesse universo. - Louis voltou para perto da cama.

__ Pra onde está indo?

__ Pra escola. Tenho uma prova importante pra fazer.

__ Vai voltar pra mim? - Harry parecia tão frágil ao pedir isso.

__ Sempre vou voltar pra você. - Louis prometeu contra seus lábios.

__ Boa sorte na prova. - disse depois de ser beijado por um tempo.

__ Obrigado. - Louis deu mais alguns selinhos, antes de sair do quarto e o deixar dormir.

Harry tinha um pequeno sorriso nos lábios, quando se agarrou ao travesseiro de Louis e aspirou seu delicioso cheiro, antes de voltar a dormir novamente. Sentia-se como se estivesse em casa. Porque Louis havia se tornado sua casa, seu lugar seguro.

 


Notas Finais


Aguardando comentários...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...