História We will be ommas - Capítulo 11


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Alfa Grávido, Bts, Comedia, Jikook, Jikook Flex, Jikook Gravidos, Jimin Ômega, Jungkook Alfa, Mpreg, Namjin, Yoonseok
Visualizações 185
Palavras 3.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alexiel: Amo todo mundo e obrigada pelo carinho. * desmaia dormindo e babando no teclado*


Lucy: Omma ta cagada de sono novamente gente, eu quero muito agradecer vocês pelos favoritos e os comentários do capítulo passado*-* amo vocês.
E finalmente o caso ChimChim é revelado😱😂💞

Capítulo 11 - Jimin? Jimin!


Fanfic / Fanfiction We will be ommas - Capítulo 11 - Jimin? Jimin!

- Jungkook eu não vou te contar o que ouve. – Ele suspirou segurando a barra de sua camisa. – Eu preciso te mostrar.

Jimin se levantou e devagar ele ergueu sua blusa larga revelando o abdômen. Ele ainda chorava quando a expressão de Jungkook se demonstrou extremamente surpresa. O ômega tinha a barriga levemente pronunciada, redondinha e grande assim como a de Jungkook, só que o alfa não percebeu isso antes pois como Jimin estava muito magro as suas vestes largas praticamente dançavam em seu corpo e a mesma estava oculta pela almofada a qual o ômega se agarrou. Mas ainda assim ela estava lá redonda e bonita barriga.

- Jimin você....

- Eu to grávido Kookie. – Suspirou cansado – Meu pai me jogou na rua grávido de você. Por isso eu não pude te encontrar. – Ficava tenso - Eu quero o nosso filho, nossa como eu quero poder criar nossos dois filhos! Eu achei que ia perder tudo que mais amo.

- Jimin, me conta tudo isso direito. Como assim seu pai te jogou na rua! – Jungkook sentia o peito pesar, os olhos de Jimin demonstravam uma dor sem igual e a expressão cansada pelo sofrimento. Doeu dentro do alfa ter condenado tanto seu pequeno ômega.

- Aquele dia no hospital, o médico pediu um exame de gravidez e me confirmou o que eu mais tinha medo de ser verdade. Eu guardei o exame em minha mochila e perambulei a tarde inteira agoniado. Eu estava longe de você, grávido e se meu pai descobrisse isso acabaria comigo. Voltei para casa decidido a te contar o que estava acontecendo, aí foi quando você me disse que estava grávido e tudo pareceu virar de cabeça para baixo.

 

 

-Jimin o que significa esse exame?

O pai de Jimin entrava com um estrondo pela porta do quarto. Jimin o olhou com uma expressão assustada e os olhos já cheios de lágrimas. O alfa estava com a mochila do filho em mãos, claramente tendo mexido na mesma.

- Appa eu... – Jimin gaguejava depois de ter fechado o computador sem sequer se despedir do namorado.

 - Você nada Jimin! – Ele já estava com raiva e usava a voz de alfa intimidando ao filho. – Isso é verdade? Você realmente está grávido? Jimin de quem é esse filho?

- Sim, é verdade. – Ele chorava desesperado.

- De quem é essa criança Jimin? – O ômega só conseguia chorar angustiado e com medo do pai que o pegou pelo braço o forçado a se levantar e o sacodindo. – Fala logo!

- Do Jungkook. – Jimin dizia aquilo e via os olhos do seu pai brilharem de ódio.

- Eu não acredito que você se entregou a um alfa macho! Você é nojento Jimin! –Ele simplesmente pegou o filho pelos cabelos o puxando escada abaixo. – Eu tenho nojo, nojo de você!

- Para appa, por favor! – Jimin chorava desesperado. – Está machucando!

- Suho, o que você está fazendo com nosso filho – A omma de Jimin vinha da cozinha correndo após ouvir a gritaria. – Você tá machucando o Jimin.

- Esse pervertido não é meu filho! Ele deixou de ser quando engravidou de um alfa macho. – Ele abria a porta, ignorando os apelos da esposa. – Eu não tenho mais filho, ele tá morto para mim.

- Appa, por favor, me escuta. – Jimin foi jogado para fora da casa caindo no chão e sentindo o braço doer com a pancada. Involuntariamente, havia usado o mesmo para proteger a barriga que guardava seu filho. – Não faz isso comigo appa por favor! Foi um acidente.

- Tivesse pensado nisso quando se entregou como um ômega vadio! – ele dizia entredentes. – Nunca mais apareça na porta da minha casa Jimin, esqueça que teve uma família!

- Por favor, não appa, não faz isso. – Jimin ainda tentou ir em direção a porta que se bateu com força sendo trancada. Ele batia na porta desesperado. – Não me joga na rua com seu neto appa. Por favor, me deixa entrar. – Ele ia escorregando pela porta desesperado. – Não faz isso comigo... não me abandona, não agora...

 E ele chorou pedindo a tudo em que acreditava que alguém o salvasse.

 

 

- Então eu estava perdido, sem saber o que fazer, sem saber para onde ir e longe de você.  – Jimin tinha lágrimas descendo de seus olhos ao contar aquilo ao seu alfa. – Eu estava totalmente perdido.

- Jimin... – Jungkook que havia se sentado em sua cama de hospital, sentia o peito doer de culpa por tudo o que Jimin estava a lhe contar. – Sempre soube que seu pai era complicado, mas isso.

- Eu passei a noite quase toda chorando na porta de casa. – Jimin passava a mão sobre a barriga de quatro meses. Seus olhos eram muito tristes e ele suspirou antes de olhar para Jungkook – Ele chamou a polícia para me pôr para sair dali, disse que eu era um louco que perturbava o sossego da família dele. Ele sequer saiu de casa quando me levaram para longe dali. Eu dormi na cadeia naquele dia. Só me liberaram na manhã seguinte... eu senti tanto medo!

- Seu pai é um louco Jimin, um louco! – Jungkook estava em choque. – O que fez depois disso Jimin?

- Eu perambulei por muito tempo Jungkook. Eu simplesmente não sabia para onde ir – suspirou – Estava angustiado, não tinha sequer um centavo e estava com a roupa do corpo apenas, nem meus documentos eu tinha. Não conhecia ninguém e não tinha a menor forma de entrar em contato com você. Foi desesperador Kook, eu nunca senti tanto medo nas primeiras noites em que dormi ao relento.

- Jimin... – Kook estava sem palavras.

- Eu sentia tanta fome quando os dias começaram a passar. – As lágrimas desciam silenciosas de seus olhos, não tinha coragem encarar o namorado. – Eu tentei passar algumas noites em um albergue público, mas quando o fiz, alguns alfas tentaram... – Ele engoliu em seco, olhando para cima e recuperando o ar antes de continuar. – Tentaram mexer comigo e por muito pouco eu consegui escapar. Nesse dia eu decidi que ficaria apenas nas ruas.

 

 

 Jimin saia a passos largos, era tarde da noite e ele se sentia cansado, mas não queria parar, suas pernas doíam pela longa distância que havia percorrido, mas o susto que passou naquele albergue, o ataque que sofreu, o fazia querer ir para longe de lá o mais rápido possível. Parou quando chegou em um beco que dava para os fundos de um restaurante. Era um lugar seguro para passar o restante da noite.

Buscou por algo que pudesse lhe aquecer e acabou encontrando uma caixa velha de papelão que impediu que deitasse diretamente no chão. Encolheu-se inteiro, o inverno começava a dar sinais de que estava se aproximando. Ele precisava se aquecer de alguma forma. Deitou-se embolado ao chão como fazia no quase um mês que já vivia nas ruas.

- Se seu appa estivesse aqui nós não estaríamos passando por isso filhote. – Jimin conversava com o filho em sua barriga, tinha tanto medo de perde-lo ao passar por tantas privações. – Você precisa ser forte meu pequeno. Nós vamos dar um jeito de encontra-lo e ele vai nos ajudar. Se seu omma conseguisse ao menos arrumar um emprego, nós poderíamos voltar pra Seul, pediríamos ajuda ao seu appa, ou até mesmo ao tio Jin. – Se encolheu ainda mais choroso – Nós vamos sair dessa filhote, você vai nascer em um lar quentinho, feliz e brincar com o seu irmãozinho ou irmãzinha.

As lágrimas verteram com   força de Jimin naquele momento. Ele abraçou o próprio corpo imaginando seu outro filhote, aquele que Jungkook gerava. Seu alfa devia estar achando que ele o abandonou e isso doía tanto em Jimin. Queria estar com ele, queria que ele soubesse que não teriam somente um bebe, mas dois. Ver seus filhinhos crescendo juntinhos, saudáveis e felizes.  Queria tanto estar com a família que formou e o destino parecia querer separar.

- Eu estou com tanta fome filho... se não fossem aqueles alfas malditos nós não teríamos perdido o jantar no albergue, como vamos fazer agora...

Seu estomago já doía e tornava a tentativa de dormir um pouco quase que impossível. Foi quando ele ouviu o som da porta traseira do restaurante se abrir. Um dos funcionários trazia algumas sacolas e as jogava no container próximo de onde Jimin dormia. Aquilo havia sido a sua salvação aquela semana.

 

- Você precisou comer... – Jungkook tinha os olhos arregalados – Jimin, você chegou a esse ponto?

- Quando a fome se torna tão insuportável alguns de nossos nojos se tornam irrelevantes coelhinho. – O ômega suspirou se encolhendo um pouco choroso. - Eu tive tanto medo de nosso filho não aguentar essa situação Jungkook, então para que meu corpo tivesse energia para continuar gerando-o eu fiz de tudo. Ninguém ajudaria um ômega grávido, morador de rua, sujo e maltratado. Foram os piores dois meses da minha vida Kook. A negação, a falta de apoio, você se sente totalmente invisível. Isso dói tanto.

- Aí Jimin eu to me sentindo tão culpado! – Jungkook engolia em seco. – Eu te culpei o tempo inteiro, eu sentia raiva de você, e você estava sofrendo tanto. Eu tinha que ter te procurado, tinha que ter te ajudado. – Ele dizia com ódio – Eu sou um estupido sentimental, eu não acreditei no seu amor, não acreditei que nunca me abandonaria e você sofreu por isso.

- Não diz isso Jungkook. – Ele se levantava e sentava ao lado do alfa tomando suas mãos. – Você não tinha como saber, não tem culpa. Olha como você está, meu amor, lutando para conseguir gerar nosso filhote! – Ele puxava a cabeça de Kook até colar a testa na dele e fechar os olhos aspirando aquele cheirinho gostoso do seu alfa que tanto o acalmava. – O único culpado disso é o meu pai, ele me expulsou de casa, ele me tirou de você. Mas agora eu estou aqui e nós vamos cuidar dos nossos filhos. – Ele puxou a mão de Jungkook a colocando em sua barriga e sentindo seu bebê se mover sob a palma de seu appa. Jimin tocou a barriga de Jungkook também. – Nós vamos criar nossos filhos, só isso importa agora, eles são o nosso futuro, esquece o passado meu amor!

Os dois naquele momento não aguentaram mais a distância e trocaram um beijo apaixonado, cheio de saudades e amor. Ficaram ali, se beijando por algum tempo, matando toda a saudade que sentiram um do outro, tentando aliviar as dores com o prêmio que era finalmente estarem um ao lado do outro como sempre deveria ter sido. Logo eles se afastaram um pouco e Jungkook foi quem puxou novamente o assunto.

- Você não me contou como te encontraram, como você chegou aqui Jimin, foi meu appa que te encontrou?

- Não coelhinho, foi meu tio, meu tio Jin me encontrou. – Ele dizia e via a face de Jungkook se mostrar confusa quando a porta do quarto foi aberta.

- Acho que estou interrompendo um reencontro, mas preciso fazer alguns exames nesse alfa cabeça dura. – Jin ia entrando no quarto trazendo um aparelho portátil de ultrassonografia consigo.

- Oi tio Jin! – Jimin sorria para o tio.

- Você devia estar descansando Jimin, ainda não se recuperou por completo. – Jungkook olhava aquilo estranhando a conversa dos dois e só aí notou que Jimin tinha um acesso intravenoso na mão.

- Eu sei tio, mas eu não aguentei, eu precisava contar tudo ao Kookie. Sobre o nosso bebê. – Jimin sorriu docemente botando as mãos na barriga.

- Pera, para tudo – Jungkook dizia fazendo os dois o olharem. – Tio?

- Isso mesmo Jungkook – Jin dizia com calma se sentando – Conversando com o seu appa eu acabei descobrindo que o Jimin de quem você tanto falava, era o meu sobrinho com quem eu mal mantinha contato. – Suspirou - Então eu dei meu jeito de encontra-lo e salva-lo do monstro do meu irmão.

 

 

 Ao saber do sobrinho e que o mesmo estava desaparecido, Jin se tornou um ômega em fúria na busca por Jimin. Logo que chegou em casa, passou por cima do orgulho procurando alguns dos membros de sua família até conseguir o endereço de seu irmão e não tardou muito ele se enfiou junto ao marido em um avião para a atual cidade onde Jimin vivia no interior.

- Jin, se você continuar nervoso desse jeito não vai conseguir resolver nada! – Namjoon, que ia dirigindo o carro que acabaram de alugar observava o esposo tamborilando sobre a perna ao seu lado.

- Não tem como não ficar Nam! O meu irmão e muito imprevisível. Eu tenho medo do que ele possa ter feito ao Jimin. – Ele dizia sem desgrudar os olhos do caminho, ansioso por chegar logo.

- Você acha que ele faria mal ao próprio filho? – ele olhava o esposo de relance vez ou outra enquanto dirigia guiado pelo gps.

- Eu tenho certeza, ele é um louco. Lembra que ele tentou destruir a nossa festa de casamento? – Ele dizia olhando o marido que suspirou com aquilo.

- Oh se lembro! Fingir que era você e cancelar o buffet e o aluguel do salão de festas na véspera do casamento foi golpe baixo. Sorte que minha mãe conferiu tudo e descobriu pouco antes da festa. – Ele dizia e sorria de canto – Meu bolso dói até hoje pelo contrato de emergência que tivemos de fazer para não cancelar tudo.

- O idiota não sabia que com comida ou sem comida eu me casaria com você com toda a certeza naquele dia, nem que fosse ao relento na porta do salão de festas. – Jin riu. – Ele sempre foi muito infantil, se até meus pais aceitavam nosso casamento, não sei porque dessa implicância e preconceito dele.

- Tem certeza que ele é da sua família mesmo Jin? – Namjoon ria fazendo piadinha – tem certeza que não o substituíram no berçário?

- Não, não. Bem que eu queria, mas não.  – Brincou. – Meu irmão foi um ovo que apodreceu, gorou, semente estragada que vingou e deu naquele lixo humano, isso sim!

- Nossa, seu amor por ele deveria ser motivo de estudo. – O médico ria irônico pelo comentário igualmente sarcástico do marido – Ah como o amor de vocês é lindo.

- Lindo vai ser minha mão na cara dele se ele tiver feito algum mal ao meu sobrinho. – Jin dizia já abrindo a porta carro assim que o mesmo parou. – Algo me diz que ele descobriu o namoro do Jimin com o Jungkook e tá impedindo o filho de falar com o namorado. – Ia seguindo quando sentiu que o marido o segurou pelo braço.

- Jin. – Namjoon o olhou nos olhos deixando o marido extremamente próximo ao seu corpo. – Só toma cuidado, lembra que ele é um alfa e se quiser consegue te machucar.

- Oras... – Ele sorriu – e você não vai estar lá para me defender?

- Esse é o problema, se ele encostar um dedo em você é um homem morto e nosso filho vai ter um appa preso por muitos anos. – Namjoon segurava seu ômega carinhosamente pela cintura.

- Nossa, você fica tão sexy com essa faceta de alfa protetor. – Os dois sorriram e trocaram um beijo carinhoso e demorado. – Eu vou tomar cuidado sim amor. Qualquer coisa você me defende.

Os dois se separaram e caminharam até a porta da casa do pai de Jimin. Jin suspirou antes de apertar a campanha e observar a expressão surpresa de sua cunhada ao atender a porta.

- Boa noite – Jin foi educado com a cunhada. – Eu queria falar com meu sobrinho, ele está?

- Querida, quem está aí? – O pai de Jimin vinha ver quem era e seu sorriso se desfazia quando via o irmão.

- Você! – Ele torceu o nariz ao ver o irmão e seu marido. – O que quer SeokJin?

- Eu estou buscando pelo meu sobrinho – Jin foi direto. – Você pode chamar o Jimin?

- Nenhum Jimin mora aqui, eu não conheço nenhum Jimin – ele ia fechando a porta, mas Jin colocou o pé forçando a mesma.

- Como não tem nenhum Jimin aqui? – ele dizia já ficando irritado. - Onde está o seu filho? Eu não estou de brincadeira, vidas dependem de eu achar o Jimin!

  - Eu não tenho nenhum filho, não mais. – Ele cuspia com ódio aquelas informações – Aquele ômega nojento está no lugar que vadios como ele devem estar, na rua procurando alfas que o satisfaçam.

- Você é um ser nojento Suho! – Jin sentia raiva - Como você diz isso do seu filho?

- Ele não é meu filho! Assim como eu não tenho um irmão nojento como você.

A porta bateu quase que na cara de Jin e esse saltou para trás para não se machucar. Seu olhar era de raiva e ele socava a porta do irmão com ódio.

- Me diz onde está o meu sobrinho. O que você fez com o Jimin seu alfa infeliz! – ele batia na porta com força e ódio do irmão.

- Jin não adianta. – Namjoon tocou os ombros do esposo tentando acalma-lo – Ele não vai te dizer nada, nós vamos ter que tentar descobrir de outro jeito.

Jin suspirou cansado e vencido e então se deixou guiar pelo marido até o carro. Adentrou o mesmo suspirando cansado.

- Eu não entendo, eu não entendo o meu irmão.

- Eu sei, eu também tenho tentado fazer isso desde que o conheci a 25 anos atrás. – Namjoon tentava consolar o marido. – Não vamos contar com ele, ao menos sabemos que Jimin está nessa cidade, provavelmente, eu vou procurar alguns radialistas amigos meus e começar uma campanha de busca pelo Jimin. Nós vamos achá-lo.

Quando ele estava prestes a dar partida no carro, ouviram o som de alguém bater na janela do mesmo e ao olharem nessa direção, Jin viu a cunhada com uma expressão angustiada e olhando constantemente na direção da casa dela. Jin abaixou o vidro o mais rápido que pode.

- Eu não tenho tempo para falar muito, mas por tudo de mais sagrado, vocês precisam achar e ajudar o meu filho. – Ela dizia angustiada.

- Nós queremos fazer isso, mas precisamos saber o que aconteceu com ele senhora – Namjoon dizia preocupado.

- Suho descobriu que o Jimin engravidou do namorado e o botou para fora de casa. Eu não pude fazer nada para evitar, eu não pude sequer ajudar meu filho. – Ela não continha as lágrimas.

- O Jimin também está grávido?! – Jin disse em tom de surpresa.

- Como assim também está grávido? Quem mais está grávido? – Ela dizia curiosa.

- O Jungkook – foi Namjoon que respondeu. – Ele é como eu e engravidou do Jimin, por isso estamos atrás dele.

- Senhor! – ela dizia angustiada. – Por favor encontrem meu filho, ele precisa ser encontrado, meus netos não podem ficar sem os pais. – Ela chorava – Eu sou uma covarde que não pode fazer nada contra meu alfa, mas ajudem meu filho a ser feliz. Ele está jogado na rua sem absolutamente nada!


Notas Finais


Vim aqui nas notas finais só pra panfletar a outra fic da omma.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/edenis-9383315


Muito obrigada aos nenês que estão panfletando a fic, vontade de pôr vocês num pote❤.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...