História ;webnamoro; websexo; - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Doyoung, Taeyong
Tags Dotae, Tentei
Visualizações 347
Palavras 1.477
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


alguém me pediu uma fic com namoro virtual há uns quatro meses atrás??? bjs pro anon
a primeira parte é um presente atrasado pro aniversário da lais e a segunda é de uma aposta que eu perdi também pra lais, beijo lais, te amo e vou postar as duas de uma vez porque eu quero

ESPERO QUE GOSTEM

Capítulo 1 - ;webeu e webvocê


W E B N A M O R O.

 

Now playing:
Boys – Charlie XCX

 

Oito horas da manhã.

 

           (1) Mensagem.

 

TY TRACK
Bom webdia, meu webnamorado.

 

Oito horas da manhã. Doyoung bufa após ler a mensagem e joga o celular por cima da cabeceira. Taeyong sabe ser chato quando quer, afinal, quem manda mensagem às oito da manhã? Pessoas dormem às oito da manhã. Talvez onde ele more o horário seja diferente e Taeyong ainda não tenha entendido/se acostumado com isso. Ou talvez, só talvez, Taeyong não respeite seus horários e simplesmente não se importe. Doyoung acha que é uma boa hora para voltar a implicar com ele, ameaçando querer terminar o webrelacionamento por causa de suas webatitudes chatas e carentes.

Já fazem nove webmeses que estão juntos. Começou assim, como qualquer outro, pelos jogos online de RPG. Depois vieram as cartas enfeitadas com caneta de glitter e memes impressos. Então vieram as trocas de número e as chamadas por Skype. Por ultimo, as nudes e as ligações em horários inoportunos, que irritam qualquer um menos Taeyong, nada irrita Taeyong.. Nove webmeses juntos e Doyoung já acha Taeyong um chato. Então, gosta de incomodá-lo quando fica entediado, só para impedir o webrelacionamento de cair na webrotina.

Doyoung sabe que essas brincadeiras deixam o webcoração de seu webnamorado partido, mas não consegue evitar, é divertido demais e ele é capaz de passar um dia inteiro rindo disso. Quando é por mensagem, imagina Taeyong fazendo biquinho e roendo as unhas, nervoso, com medo de tê-lo irritado. Os bicos que ele faz são a terceira coisa favorita do Doyoung no mundo todo, mas ele nunca assumiria isso em voz alta.

Quando finge uma discussão pela webcam, tem que se controlar para não rir. Taeyong se remexe na cama e se aproxima mais, colando a cara na tela como se tentasse toca-lo de alguma forma. Seus olhos brilhando de tão perto que fica de chorar.

“Dotokki, olha pra mim! Dotokki, não faz assim comigo!”

Ele pula na cama e bate os pés e geme que nem criança carente enquanto Doyoung não consegue mais ficar sério. “Você é tão bebê chorão, Taeyong.” Nessas horas, Taeyong estala a língua e cruza os braços, fingindo que o bravo da vez é ele. Não dura muito tempo. Taeyong não consegue se irritar com Doyoung, nem com ninguém. Criatura mais webadorável que ele no mundo todo não há.

“Eu só tenho medo de te webperder.”

Doyoung ri, ainda deitado na cama, enquanto relembra de tudo isso. Faz frio e ele encolhe sob a coberta, as lembranças dos momentos mais bobos com Taeyong o esquentam. Como pode alguém ser tão bobo? Pior, como a bobeira dele pode o fazer tão bem, mesmo estando a quilômetros de distância?

Doyoung gosta de implicar porque acha fofa a cara triste que ele faz, sente vontade de webmorder. Os olhinhos arregalados e o queixo tremendo são a segunda coisa favorita de Doyoung no mundo todo. E ele nunca assumiria isso também, porque vai que o ego de Taeyong chega lá nas nuvens? Não, seus websentimentos vão continuar escondidos dentro de si e o seu webnamorado terá que arrancá-los a força.

E quando Taeyong consegue amolecer, bem pouquinho, seu webcoração, Doyoung pensa que, talvez, o sorriso de felicidade que o outro dá quando é correspondido seja a sua coisa favorita no mundo todo, todinho. Então ele se encolhe sob a coberta, já completamente desperto. Volta a pegar o celular para responder,

 

DOTOKKI
Você sabe que eu webamo você?

 

E fecha os olhos, imaginando poder ouvir o webgrito de felicidade que Taeyong com certeza dá, não importa o quão weblonge estejam. 

 

 

W E B S E X O.

 

Now Playing:

Rocket – Beyoncé.

 

Duas horas da manhã.

              

           Taeyong is calling...

 

“Tá bom, Dotokki, é sua vez de tirar a blusa agora.”

“Uhum.”

Taeyong bufa. Quem é que come macarrão instantâneo às duas da manhã? Ah, é verdade, o horário para Doyoung é diferente. Ele sabe que isso tudo é uma vingança por ter acordado o namorado várias vezes em horários inoportunos, e sabe que não tem o direito de reclamar se não quiser irritá-lo. Então só continua bufando. Doyoung, que usava os palitinhos para comer, segurou o macarrão na boca e perguntou, com os olhos, o que incomodava o outro.

Taeyong se ergueu desconfortavelmente na cama para mostrar. “Eu estou duro.”

“Hum”, ele respondeu, simplesmente, voltando a comer. Essa resposta significa que Taeyong deveria se virar sozinho. Então bufa novamente.

“Doyoung, bebê, você pode ao menos tirar a blusa?”

Ele faz que sim com a cabeça e tira, obedientemente. Aí continua comendo. Taeyong se esforça mais um pouco, não querendo desistir. Morde o beiço e se aproxima mais, sussurrando, “Você fica tão sexy comendo esse macarrão.”

E Doyoung se engasga com a sensação de que a comida sairá pelo nariz. Ele ri e ri tão alto que não consegue mais ficar sentado e cai para trás, segurando o prato para cima. Taeyong fica tímido, inicialmente, mas não consegue evitar rir também, porque sabe que suas técnicas sedutoras não são das melhores. “Isso é tudo culpa sua, já faz semanas que você não facilita pra mim.”

Doyoung limpa a lágrima escorrendo pela bochecha e tenta regular a respiração, o rosto vermelho depois de engasgar e rir descontroladamente. Taeyong sente vontade de dar um beijinho em cada uma daquelas bochechinhas ridículas, mas não diz em voz alta. Ainda finge estar bravo, mesmo depois de rir junto.

“Coitadinho de você, meu mozinho.”

Dito por qualquer outra pessoa, aquele apelido até soaria muito fofo. Mas Doyoung só fala em –inho quando quer tirar com a sua cara. “Talvez eu tenha um presente especial para te entregar no seu aniversário. Você quer ver o que é?” Taeyong fica meio bobo com a notícia e diz que quer, com certeza. Quem não iria querer? Doyoung, ainda com o prato na mão, curva o corpo para frente, fora da área de visão da webcam, tentando pegar alguma coisa debaixo da cama. “É um presente simples, mas acho que você vai adorar”.

Taeyong engole em seco quando Doyoung se ajeita e sorri com um dildo enorme e roxo na mão. Seus olhos demoram a se acostumar com o que veem. Uma gota de suor escorre por sua testa e ele tenta rir, mas se enrola e fica nervoso. Doyoung acha hilário quando ele age dessa forma meio pervertido, porque assim fica claro que ele ainda é virgem. Doyoung não é virgem e sabe direitinho como tentar Taeyong.

E Taeyong gagueja um pouco, tentando falar sem perder a pose. Continua dando seu sorriso safado, com o canto da boca, mesmo estando quase completamente fora de si. Tenta se controlar, não quer passar mais vergonha. “Dotokki, o que você vai fazer com isso aí, hein?”

Doyoung dá de ombros, fazendo bico, como se não fosse nada demais. Ele é expert em levar o outro a loucura com muito, muito pouco. “Sei lá, Taeyong. O que você quer que eu faça?” Ele ri, apertando um botão, fazendo o brinquedo vibrar forte e barulhentamente. Taeyong sente que seu short irá rasgar e quase chora de nervoso.

“O-O que eu quero?” Ri levemente, passando a mão rapidamente pelo pescoço. Tem tanta coisa que ele quer, não dá nem para contar. Preferencialmente, ele quer atravessar a tela do computador e invadir o quarto de Doyoung, mas isso não dá para fazer. Então talvez ele só queira assistir, por enquanto. “Eu acho que quero...”

“Ah”, Doyoung interrompe, “se você não tem certeza podemos esperar mais um pouco. Até seu aniversário você decide, eu não pretendia entregar agora mesmo.” Diz por fim, desligando o vibrador e o jogando para trás da cama. Ele cruza as pernas novamente e, novamente, volta a comer seu macarrão instantâneo com palitinhos.

Taeyong fica imóvel por alguns segundos sem saber como reagir. Ele ri, grita, esperneia e xinga Doyoung de todas as formas possíveis, socando o próprio travesseiro. E Doyoung só balança a cabeça positivamente, concordando, cheio de macarrão na boca. Tem um sorrisinho no canto do seu lábio que ninguém consegue ver.

“Tudo bem, Doyoung, vamos fazer isso ou não? Se não, diga logo. Tenho faculdade amanhã e preciso acordar cedo. Nós vamos fazer?”

“Fazer o que?”

“Você sabe!”

Doyoung balançou a cabeça como se não soubesse.

Taeyong sussurrou, com as bochechas vermelhas. “Websexo.”

“Sim, sim”, Doyoung respondeu entre mastigadas, “vamos fazer sim.”

“Ótimo!” o outro gritou tirando os shorts, sua ereção pulando dentro da cueca. “Tá bom, Dotokki, é sua vez de tirar a calça agora.”

“Uhum.”

Taeyong bufa. Fica minutos o encarando, esperando qualquer reação. Não recebe nenhuma e o único barulho no seu quarto é o som de Doyoung comendo macarrão instantâneo. E ele não pode reclamar, sabe que não está em seu direito. Então bufa novamente e se levanta.

 

“Me dá três minutos, amor, vou fazer macarrão pra mim também.” 


Notas Finais


juro que qaundo eu escrevi não tava imaginando as duas situações no mesmo universo mas ficou bonitinho junto neh sei lá galera eu n sei fazer fluffy kkkkkkkkkk de nervoso
beijos até a próxima te amo lais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...