1. Spirit Fanfics >
  2. Weird. >
  3. Dia doloroso.

História Weird. - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Olá beberes trago mais um capítulo cheio de sofrência hahahahaha, mas logo tudo vai se acalma. Espero que gostem e deixem seus comentários eu amo rsrsrsrsrs beijos e divirta-se 😘

Capítulo 31 - Dia doloroso.


Fanfic / Fanfiction Weird. - Capítulo 31 - Dia doloroso.

Acordei com muita dor de cabeça e tonta. Mas um relance da noite passada me veio à mente, abri meus olhos rapidamente e enxerguei meu quarto que aparentava esta tudo normal. Assustada sentei na cama e logo vi manchas de sangue que fazia um trilho indo em direção a porta, levantei-me com presa e com a tontura me desiquilibrei e me apoie na cômoda que ficava ao lado da minha cama, fechei os olhos um pouco, pois tudo em minha volta rodava, quando abri meus olhos me sentir melhor e andei lentamente pelo corredor seguindo os trilhos de sangue. Minhas mãos tremiam descontroladamente e me coração pulsava tão rápido que parecia que ia sair pela boca a qualquer momento. Meus passos lentos me guiavam pelo caminho sombrio de sangue que se arrastava pelo corredor indo em direção a escada. Ao chegar ao topo da escada, avistei a coisa mais terrível que tinha visto na minha vida, minha mãe estava pendurada pela uma corda em seu pescoço e a corda seguia pelo enorme lustre, seu corpo em um balanço, parecia um boneco. Seus olhos estavam arregalados e seu rosto em cor roxa. Eu cair em desespero não conseguia respirar e minha tontura veio com força fazendo-me cair das escadas, rolei cada degrau e quando cheguei ao último minha consciência se foi de vez, trazendo-me apenas a escuridão e o esquecimento.

Minha consciência despertava lentamente, abri os olhos de vagar e uma luz branca ofuscava minha visão, tentei colocar a mão em frente dos meus olhos, mas elas estavam cheias de fios ou sei lá o que era. Comecei a lembrar da minha mãe e o desespero voltou com força.

_Minha mãe, cadê minha mãe?---- Gritava descontroladamente. Algumas pessoas me seguravam e pediam que eu ficasse calma, mas eu não conseguia compreender nada, apenas queria ver minha mãe.

_Preciso ver minha mãe----Eu gritava tentando arranca aqueles fios que estavam presos ao meu corpo.

_Temos que seda-la--- Um homem alto de jaleco falava.

_Não---eu gritava mais forte, e logo eles me aplicar uma injeção, e novamente perdi minha consciência e indo para o esquecimento.

Duas semanas depois

Ainda permanecia no hospital tive ferimentos graves e os médicos ficaram surpresos por ter sobrevivido. Deitada na cama fitava a TV que passava um programa de culinária, não prestava atenção em nada apenas fingia assistir.

Os policiais vieram aqui quando tive uma melhora, queriam saber o que havia acontecendo, mas eu realmente não sabia, apenas tinha acordado em minha casa e encontrado minha mãe morta. Eles falaram que foi suicido, mas como explicar aquele sangue que fazia um caminho levando-a para seu corpo, eles simplesmente falaram que não havia sangue, mas eu vi tenho certeza. Não comentei nada sobre Madara, ia ser uma acusação sem anexo, eles iam pensar que eu estava delirando o algo do tipo, então era melhor ficar quieta sobre isso, por enquanto.

A enfermeira entrou no meu quarto com uma bandeja de comida, ela sorria enquanto ajeitava minha cama, colocando na altura certa.

_Mocinha hora de comer--- Ela falava alegremente.

_Não estou com fome---Apenas peguei o controle da TV e comecei a mudar de canal, sem ao menos prestar atenção nela.

_Vou deixar a bandeja aqui, para quando sentir fome---- Disse saindo imediatamente do quarto. Agradeci mentalmente por ela ter saído, não queria mais ouvir um sermão de como eu preciso me alimenta e blá blá, era realmente chato. Ouvir batidas na porta, mas não falei nada, então a porta se abriu lentamente e avistei uma cabeleira loira.

_Sakura--- Ele me chamava baixinho.

_Oi.--- Naruto estava meio constrangido, não sabia decifra sua expressão, mas estava estranha.

_Posso entra?--- Não queria falar com ninguém, estava vivendo novamente o luto de uma pessoa querida. Só queria fica sozinha.

_Você já entrou.

_Quero saber se está melhor?--- Ele se aproximou e sentou-se em uma poltrona de couro que ficava ao lado da cama.

_Estou, mas não queria esta---Disse em tom frio, me sentia culpada pela morte da minha mãe, se não tivesse ido atrás de Madara nada disso tinha acontecido.

_Não fala isso, ei sinto muito por tudo---Ele falava com a cabeça baixa. Era a primeira vez que via Naruto depois do acontecido. Não tinha permissão para visitas, pois estava na UTI. Soube que até o Sasuke tinha vindo me ver.

_Obrigada--- Não conseguia olhar em seus olhos, eu tinha vergonha de ter feito aquilo e matado a minha mãe. Apenas fitava a janela de vidro.

_Queria ter vindo antes, mas eles não deixavam te visitar, falaram que você estava muito mal e precisava ficar sedada--- Sua voz saia triste.

_Verdade, mas estou bem, obrigada pela preocupação.

_Ei me desculpa--- seus olhos se encheram de lágrimas. Toquei seu rosto com minha mão e o puxei para que me encarasse.

_Você não teve culpa nenhuma, a culpa foi daquele monstro--- Minhas lágrimas desciam pelo meu rosto, era triste lembra que minha mãe se foi depois de tudo que passamos, estávamos começando a se entender, e ai de repente ela morre.

_O Sasuke se culpa, eu mal o vejo, ele disse que era pra ter acreditado em você--- Ele falava tristemente.

_Não importa agora, ele também não tem culpa, apenas quero vingar a morte da minha mãe e do meu pai.

_Entendo---- Ele encarava as próprias mãos.

_E quando você volta para o colégio?--- Ele mudou de assunto e eu fiquei feliz por isso.

_Não sei, como sou de menor e não tenho parentes, nem sei o que vai acontecer comigo.

_Vou falar com meu pai, vou te ajudar.

_Obrigada mais uma vez Naruto-----O silêncio pairou, então eu o olhei e ele ainda encarava as próprias mãos.

_Ei Naruto, posso te perdi uma coisa?--- Seus olhos agora encontravam os meus.

_Claro--- Ele forçou um sorriso.

_O enterro da minha mãe será amanhã, você poderia ir comigo?---Seus olhos se encheram de lágrimas, mas elas não caíram, ele tentou se controlar, para não chorar novamente.

_Claro, mas você tem permissão para ir?

_O médico disse que eu poderia ir, eles adiaram o enterro para que eu pudesse comparecer.

_Então amanhã eu venho te busca---- Naruto passou à tarde comigo, ele falava sobre a escola de como estava sendo tudo chato sem mim, sabia que não era bem assim, pois eu sempre fui invisível.

Lá pelas seis e meia ele foi embora, seu olhar triste e suas palavras arrastadas em “ até amanhã Sakura”. Sabia que estava sendo doloroso para ele, mas eu sabia que ele fez de tudo para me ajudar, e estava feliz por ele ter me visitado.

A noite chegou, e eu só conseguir dormi graças aos remédios, pois minha mente insistia em fazer planos malignos, ou apenas se afundava nas tristes lembranças. Pela manhã a enfermeira entrou no meu quarto olhou minha pressão, verificou todos os remédios que deveria tomar e depois me trouxe uma bandeja de comida, apenas comi uma maça, estava sem fome, mas para eles deixarem eu ir para o enterro da minha mãe forcei-me a comer.

_Senhorita, vou ajuda-la a se vestir--- Disse à enfermeira que trazia um vestido preto. Balancei a cabeça em sinal de sim, com cuidado sentei-me na cama, calcei as sandálias e levantei-me com cuidado, pois qualquer tontura eu não poderia ir. A enfermeira me olhava atentamente, fiquei em pé e ela andou até mim.

_ Está se sentindo bem?---- Ela perguntava educadamente enquanto colocava o vestido sobre a cama.

_Como poderia? É o enterro da minha mãe que estou prestes a ir---- Disse sarcástica.

_Você me entendeu mocinha, refiro a sua saúde física.

_Nunca estive tão bem--- Falei sarcástica. Ela sorriu de leve, então me ajudou a tira aquela roupa horrível de hospital, em seguida ajudou-me a vestir o vestido. Era um vestido lindo, ele era susto até a cintura e depois vinha com as pregas perfeitamente gomadas que ia ate o joelho. Me sentia uma princesa da morte, com aquela cor tão obscura, mas que adorava. Depois ela calçou-me sapatilhas pretas e ajeitou meu cabelo, apenas o escovou deixando-o solto.

_Poderia fazer algum penteado, mas infelizmente não sei--- Disse ela parecendo meia triste.

_Tudo bem, eu gosto dele solto----Ouvir batidas na porta e nós duas olhamos.

_Pode entra--- Falei. Avistei Naruto que estava elegante em terno preto.

_Está pronta?---- Seus olhos fixaram nos meus, e pode ver a angústia que os olhos de Naruto carregavam.

_Sim--- Respondi caminhando em sua direção.

_Cuide dela--- Falou a enfermeira.

_Pode deixar--- Respondeu Naruto. Apoie-me em seu braço e saímos em silêncio......

Estávamos indo para o cemitério. Sentada no bando de trás do carro e Naruto ao meu lado. Olhava atentamente as gotas de chuva que caia e escorregava pelo vidro da janela do carro. Naruto me olhava com uma expressão preocupada, e segurou minha mão, tentando transmite algum conforto, já que palavras eram difíceis de dizer nesse momento.

Chegando no cemitério, Naruto desceu do carro e abriu a porta para mim, e ajudou-me a descer. Na entrada havia várias pessoas conhecidas, amigos da família, colegas do colégio e o cara que matou minha mãe estava lá. Meu coração disparou, tudo começou a girar.

_Sakura você está bem?---- Me apoiei em Naruto e ele parecia bastante preocupado.

_Como ele tem coragem?--- Minhas palavras veio junto com as lágrimas.

_Tente não presta atenção nele--- Naruto tentava me acalmar. Respirei fundo, teria que ser forte e suporta presença daquele assassino.

_Sakura querida--- Era a diretora, seu semblante estava triste.

_Sinto muito--- Ele me abraçou de leve, acho que tinha medo de me machucar. Não tinha como me machucar mais do que estava.

_Obrigada--- Odiava esse momento de afeto das pessoas. Eu sei que elas se importavam, mas eu não queria falar e nem abraçar ninguém.

_Vamos Saky----- Naruto notou meu desconforto e me tirou dali de perto das pessoas. Entrei no cemitério e o caixão da minha estava prestes a descer a sepultura. Todos estava arrodeados o padre fala qualquer baboseira que nem fiz questão de presta atenção. Não chorei e nem falei nada, apenas fitava o caixão descendo a cova.

Logo terminou e as pessoas iam embora. Eu fiquei ali parada olhando para o túmulo e Naruto ao meu lado.

_Naruto posso ficar sozinha um pouco.

_Claro, vou te espera no carro.

Ele saiu me deixando ali encarando aquele túmulo. Não conseguia chorar e aquilo estava me sufocando. Aquela dor parecia rasgar meu peito.

_Você deu sorte garotinha, mas na próxima você não escapa......


Notas Finais


Gente a Saky tá ferrada né? Tadinha, e ia o que acharam ? 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...