História Welcome to family - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Sexta-Feira 13
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Jason Voorhees, Suspense, Violencia
Visualizações 42
Palavras 2.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Sobrenatural, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - A volta de Helena


Fanfic / Fanfiction Welcome to family - Capítulo 16 - A volta de Helena

Eu fiquei preocupada com o Jason. Ele estava um pouco agitado. Eu me perguntei... Será que fiz mal em tocar nele?

" Jason, o que houve? Se eu te fiz se sentir mal... Me perdoe. "

Murmurei com medo.

Ele ficou sem graça, olhou para o chão e ficou pensando em como me dizer como ele estava se sentindo. Mas não conseguia achar um meio... Ele estava nervoso demais.

" Bom... Eu vou dormir. Qualquer coisa, é só me acordar. "

Falei com um sorriso.

Jason acenou com a cabeça em afirmação. Ele saiu da cabana e voltei a dormir. Eu estava tendo outro sonho. Estava tudo tão estranho. Eu estava voltando pra casa. Mas não era a minha casa...

Entrei na casa e me deparei com uma imagem horrível. Um casal estavam mortos no chão. Tinha um facão do lado do homem. Parecia que alguém tinha arrancado o seu rosto fora. A mulher estava com marcas estranhas no braço. Parecia que o assassino queria abrir o braço dela, mas por alguma razão... A pessoa deixou pra lá.

Eu tentei não vomitar, estava muito horrível ver aquela imagem. Continuei caminhando pela casa. Eu estava pensando no porque eu estava numa casa estranha. Com um casal morto. Até que me lembrei da Amy. O que ela tinha comentado antes, sobre os seus pais.

Eu tentei aproveitar o meu sonho, para investigar o caso de Amy. Eu fui até a cozinha e notei que as janelas estavam fechadas. Porém, um lado do vídeo, estava quebrado.

" Isso me lembrou um pouco do Jason. Ele tem essa mania de ficar quebrando as coisas. "

Murmurei, um pouco pensativa.

Continuei caminhando, até que parei no banheiro. Eu me olhei no espelho e arrumei o meu cabelo. Tentei pensar num suspeito, mas eu estava muito confusa.

De repente o lugar ficou escuro, eu não estava enxergando mais nada. Eu fiquei com muito medo. Não sabia por onde ir. Até que eu vejo uma luz na parede. Vejo uma silhueta de uma pessoa segurando uma espada de esgrima.

Olhei um pouco para o lado e vi silhueta de um homem. Parecia ser pai da Amy. A pessoa que estava com esgrima, atacou o homem. Enfiou a espada de esgrima no rosto do homem. Eu fiquei assustada. Parecia que eu estava vendo um filme de terror.

Por sorte, eu tinha acordado. Estava de dia. Saí da cabana, o dia estava ensolarado. Estava fazendo até calor.

" Ah. Aí está você. Pensei que você já tinha ido embora. "

Comentou Violette, ao notar a minha presença.

" Pois é. Eu acabei de acordar. "

Falei ao esfregar os meus olhos.

Violette se aproximou de mim e disse com uma voz fria.

" Eu tenho que procurar pelo Michael Myers e nós não podemos nos encontrar por enquanto. "

Eu fiquei confusa ao ouvir aquilo. Eu não queria ficar sozinha novamente. Eu tinha a companhia do Jason, mas não era a mesma coisa. Ele não falava comigo. Apenas respondia, sim ou não com a cabeça.

" Por que não? Qual é o problema da gente se encontrar? "

Perguntei um pouco triste.

" Primeiro... Michael e o Jason... Parece que eles possuem uma rivalidade muito forte um pelo outro. Isso nos causaria mais problemas. Segundo que você e o Jason estão sendo acusados pela morte dos pais da Amy. Se eu ficar perto de você, Hannibal e Amy vão acabar comigo. "

Explicou Violette, cruzando os braços.

" Tudo bem... Eu entendo. Apenas tome cuidado. Os assassinos não vão te deixar em paz. Ainda mais que eles estão sabendo que você está acompanhada com o Michael. "

Alertei com medo.

A menina deu a costas pra mim e disse.

" Tudo bem. Eu sei me virar. Não foi a toa que tive aula de esgrima. "

De repente eu tinha sentido um arrepio na minha nuca. Fiquei observando a Violette se afastando de mim, caminhando pela floresta a procura do Michael. Aquela sensação de arrepio... Quando ela disse sobre aula de esgrima. Me lembrou do meu sonho. Da silhueta de uma pessoa segurando uma espada de esgrima.

Jason se aproximou de mim, eu senti que ele estava bem atrás de mim. Olhei pra ele e disse com sorriso.

" Vamos lá, Jason! Vamos achar um lugar pra gente morar, tudo bem? "

Ele acenou a cabeça em afirmação e caminhamos pela floresta.

Enquanto a gente estava tentando sair da floresta... A Cristina estava num hotel com um garoto. O rapaz estava com a Tiffany. Eles estavam conversando sobre o assassinato dos pais da Amy.

" Obrigada por ter me ajudado a escapar daquela bagunça. Mas não precisava. Eu queria dar um chute na cara da Amy, mas o doutor estava na frente. Eu não quero machucar ele. Afinal de contas, o Sr. Hannibal te chamou também para a festinha, Jimmy? "

Perguntou Cristina, ao se sentar numa cadeira.

" Sim. A Tiffany concordou em ir para a casa do Sr. Hannibal. Ela disse que queria ver o Chucky. Já que o Doutor disse que todos os assassinos iam estar lá. "

Respondeu o garoto, com uma voz calmo.

" Entendi. E como você achou a boneca? "

Questionou a garota, olhando torto para Tiffany.

" Ela estava perdida na rua. Estava chovendo muito. Eu não queria deixar ela molhada na rua. Então, levei ela pra minha casa. Ela é muito fofa. "

Respondeu Jimmy, sorrindo para a Tiffany.

" Hey! Não dê em cima da minha garota! "

Gritou Chucky,com ciúmes.

" Chucky. Temos que conversar e quero que você seja sincero. "

Disse Tiffany, ao sentar-se na cama, bem ao lado da Cristina.

Chucky sentou-se bem de frente com a Tiffany e perguntou preocupado.

" O que foi, minha querida? Fiz alguma coisa que te deixou irritada? Se eu fiz algo... Me desculpa! Você sabe como eu sou! Preciso descarregar a minha raiva e... "

De repente Tiffany interrompeu o Chucky ao colocar o seu dedo na boca do boneco e perguntou.

" Chucky. Deixa eu falar... Escuta. Eu sei que você gosta de matar as pessoas. Eu também gosto. É a nossa maior diversão. Mas... Ai... Eu tenho que te perguntar primeiro. Foi você que que matou os pais daquela garota? "

Todos que estavam no quarto, arregalaram os olhos com surpresa. Chucky balançou a cabeça em negação e respondeu.

" Claro que não! Eu vou lá saber quem são eles? A culpa não é minha se aquela garota não tomou cuidado com a sua família ridícula! "

Tiffany não estava satisfeita ao ouvir a resposta do seu namorado. Ela ainda estava desconfiada e preocupada com o Chucky. Ela sabia o quão doido e esquentado ele era.

" Falando na Amy e nos pais dela... Quem foi que matou eles? "

Perguntou Cristina, pensando nos assassinos que ela tinha visto na mansão do Hannibal.

" Eu não sei. Mas temos que investigar esse caso. Mas sabe o que não tô entendendo? Você tava acusando o Jason, certo? Por que? "

Perguntou Jimmy, confuso.

" Porque ele sempre usa facão como arma. E aquela menina que tava com ele na festinha, sempre protege ele. Vai que ela tá acobertando o Jason? "

Respondeu Cristina, olhando sério para o Jimmy.

O garoto estava desconfiado dela. A Cristina estava agindo um pouco estranho. Enquanto os quatro discutiam sobre o assassinato dos pais da Amy...

Hannibal estava na sua mansão, tudo estava calmo, tranquilo. Suas empregadas tinham arrumado a bagunça que os assassinos tinham causado em sua mansão.

Hannibal estava no seu quarto, lendo seu livro, enquanto comia caviar. Até que ele tinha escutado alguém tocando o piano. Ele deixou o seu livro na cama e saiu do seu quarto.

Ele foi até a sala e viu que a Amy estava tocando piano. Ela estava chorando. Se lembrando dos seus pais. O homem respirou fundo e foi até ela.

" Minha querida... Não acha que está na hora de seguir em frente? "

Perguntou Hannibal, ao colocar sua mão no ombro da garota.

Ela tomou susto. Parou de tocar piano e enxugou suas lágrimas.

" Sr.Hannibal! Eu... Sinto muito. Eu não consigo parar de pensar nos meus pais. Eu quero me vingar desse assassino que fez isso com eles. Mas eu sou uma inútil. "

Disse Amy, ao abaixar a sua cabeça.

" Você não é inútil. Você luta tão bem pra se manter a salva. E você ainda me protege. Você é uma boa lutadora. Sabia disso? "

Perguntou Hannibal, dando um sorriso para a menina.

" O...Obrigada senhor. Eu só queria me vingar do assassino. Só isso. Se eu conseguir me vingar dessa pessoa. Talvez eu consiga relaxar um pouco. Trazer paz no meu coração e na minha mente, sabe. "

Explicou Amy, ao colocar sua mão em seu peito.

" Entendo... Você já pensou em sair em uma aventura, sozinha? Ir a procura do culpado? Você pode fazer isso. "

Disse Hannibal, ao fazer cafuné na cabeça da menina.

" Sério? O senhor vai me deixar fazer isso? "

Perguntou Amy, surpresa ao ouvir aquilo.

" Mais é claro. Não estou aguentando ver você sofrendo desse jeito. Passou tantos anos e você ainda sente dor por causa dos seus pais. Então, recomendo você ir atrás do culpado. Mate essa pessoa e traga a cabeça pra mim. "

Respondeu o Doutor, olhando para Amy.

" Tudo bem! Vou fazer a minha mala e já vou ir atrás do culpado! "

Disse Amy, toda feliz.

Ela abraçou o Hannibal e o agradeceu por ter deixado ela ir a procura do culpado. Enquanto a Amy estava fazendo a mala... Eu finalmente tinha conseguido sair da floresta. O problema é que eu estava no meio da rua e as pessoas queriam me atropelar, já que eu estava no meio do caminho deles.

Mas o Jason não deixava aquilo acontecer. Ele quebrava o carro das pessoas e os matavam. Enquanto a gente caminhava nas ruas, a procura de uma boa casa, eu ficava conversando com o Jason.

" Então, Jason... Você gosta de tomar sorvete? "

Perguntei com sorriso na cara.

Ele virou a cabeça em dúvida. Deu pra saber o que ele estava pensando.

" Por que diabos ela está me perguntando isso? "

Eu abaixei a cabeça, pois fiquei com vergonha. De repente vejo um gambá passando na minha frente e lógico... Tomei susto. Abracei o Jason com força e ele ficou me olhando como se eu fosse uma tonta.

" Desculpa! É que eu estava pensando em puxar algum assunto com você. Mas tá difícil. "

Comentei com vergonha.

Tinha uma mecha de cabelo bem no meu rosto. Jason colocou a mecha do meu cabelo atrás da orelha e ficou me olhando.

" Obrigada... Você cuida muito bem de mim. "

Falei ao tocar no braço dele.

De novo... Ele recuou. Eu tinha que parar com aquele costume de ficar encostando nele. Jason nunca tinha sentido aquilo. Aquele carinho, vamos dizer.

De repente eu me assustei. A voz da mãe do Jason ecoou na minha mente. Ela estava nervosa.

" Garota! Tome cuidado por onde anda! Tem gente que está prestes a te pegar! Não deixe eles te vencerem! E Jason, meu filhinho... Proteja a Emily. Defenda ela. Não deixe ninguém encostar nela! Principalmente aquelas garota mimada. "

Disse a mãe do Jason, irritada.

Eu estava preocupada. Quem queria me ferir? Eu tinha que me preparar pra lutar e me defender.

" Jason, você consegue encontrar alguma arma pra mim? Uma espada ou faca? Alguma coisa! Quero te ajudar a lutar contra os assassinos. Não quero que você seja a minha arma. Quero que você seja meu amigo. "

Expliquei ao estender a minha mão para o assassino.

Eu não sabia o porquê... Mas senti que ele ficou um pouco desanimado ao me ouvir dizer que eu queria que ele fosse o meu amigo e não uma arma.

Ele pegou na minha mão. Jason ia recuar, mas mudou de ideia. Ele sabia que não podia ficar longe de mim. Ficamos caminhando pela estrada, até que vimos uma casa muito bonita. Porém, estava vazia.

Eu pensei que a porta ia estar trancada. Mas não. Estava destrancada e invadimos. Na sala, tinha um homem largado no sofá. Mas ele estava sem a parte debaixo do corpo. Parecia que alguém tinha partido ele ao meio, com motoserra.

De repente escutei grito vindo de trás de mim. Olhei pra trás, vi um homem usando máscara toda costurada. Ele estava com motoserra nas mãos.

" O que foi, priminha? Tá com medo? Pensei que você não sentia medo, já que está com o seu assassino. "

Quando ouvi a voz de uma menina... Sabia que era da Helena. Ela saiu de trás do homem grande e ficou me encarando com raiva.

" Helena?! O que pensa que tá fazendo? Por que tá com esse homem? "

Perguntei assustada.

" Não é óbvio? Leatherface odeia o Jason. E eu odeio você... Eu sabia que o Jason ainda estava com você. Então, por que não chamar um assassino pra dar um jeito em vocês dois? "

Respondeu Helena, dando risada de mim.

Ela realmente queria me ver morta. Ela realmente me odiava. Aquilo estava me dando nojo dela. Não dava pra acreditar que ela era da minha família.

" Helena, escuta... Eu já tive que aguentar as loucuras da Amy e do Hannibal. Então, me dê um tempo! "

Falei um pouco irritada.

Minha prima me olhou um pouco confusa e comentou.

" Hannibal? Esse nome não me é estranho. Ele também é um assassino por acaso? "

Respirei fundo e disse a verdade.

" Sim. Ele e a Amy estão procurando o culpado que matou os pais dela. Da Amy no caso. Eles acham que foi o Jason que fez aquilo tudo. Mas eu acho que não foi ele. "

De repente eu tinha me lembrado do meu sonho. O rosto do homem morto, não estava lá.

" Espera... Leatherface usa máscara, usando rosto das pessoas...? "

Perguntei um pouco desconfiada dele.

" Não tá na cara? É a diversão dele. Criar suas máscaras. Como a sociedade usa máscaras pra poder acabar com a vida das pessoas. Ele também participa dessa brincadeira do povo. "

Respondeu Helena, toda sorridente.

Quando Leatherface deu alguns passos, Jason entrou na minha frente.

" Sério, Jason? Vai proteger essa coisinha asquerosa? Tudo bem... Você que sabe. Leatherface, arranque as faces desses dois. Assim você poderá ter mais máscaras para a sua coleção. "

Disse minha prima, olhando fixamente pra mim.

Eu sabia que aquela briga ia ser feia. Leatherface queria me pegar primeiro. Mas o Jason não deixava. O Leatherface estava ficando irritado. Enquanto eu estava tentando pensar em como escapar dos dois...

A Amy estava fora da mansão, caminhando pela estrada. Ela estava determinada a achar o culpado. Até que ela viu uma garotinha sentada no banco, chorando.

" O que foi, mocinha? Tá perdida? "

Perguntou Amy, ao sentar-se ao lado da criança.

" Ah... Se eu te contar. Você não vai acreditar. Os policiais não acreditaram em mim! "

Respondeu a menina, chorando e gritando bem alto.

" Não fica assim. Eu posso te ajudar. Me diz o que aconteceu. Eu vou acreditar em você. "

Amy falou com calma.

A menina enxugou as lágrimas e explicou.

" Um homem... Com máscara feia... Matou meu pai. Ele tá sem as pernas! Eu fugi! Porque o homem queria me machucar também! "

A expressão de Amy mudou naquele momento. Ela ficou com raiva, pois se lembrou do que aconteceu com ela. Quando Amy voltou pra sua casa e viu os seus pais mortos no chão. Ela se levantou do banco e disse.

" Me leve até a sua casa. Eu vou dar um jeito nesse homem! "

A menina pegou na mão da Amy e correram até a casa da garotinha. A Amy estava querendo dar o fim no culpado. Ela achava que ia achar o assassino. Será que a Amy vai finalmente conseguir matar o assassino?


Notas Finais


Ainda quero saber quem vai acertar quem matou os pais da Amy hehe. E diga-me a sua teoria!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...