1. Spirit Fanfics >
  2. Welcome To The Shit Of My Fucking Life >
  3. Capítulo 26 - Mark’s Bday

História Welcome To The Shit Of My Fucking Life - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


OI MEUS AMORES!
Mais um pra vocês <3
Ah, a capa do capítulo são as fotos comentadas no capítulo, então olhem bem!

Capítulo 26 - Capítulo 26 - Mark’s Bday


Fanfic / Fanfiction Welcome To The Shit Of My Fucking Life - Capítulo 26 - Capítulo 26 - Mark’s Bday

O dia hoje havia sido tão insano e corrido quanto o anterior. Enquanto Joe, Liam, Mark e Isaac aproveitavam o dia na praia, eu cumpria a agenda enlouquecida da Scarlet. Passei o dia inteiro enfiada dentro do quarto realizando chamadas de vídeo com ela, negociando cachês e condições para as minhas futuras apresentações, em alguns bares pequenos da Califórnia. O intuito era alcançar um pequeno público para o lançamento do EP que ocorreria no sábado, fazendo uma festa de divulgação no dia. Não estava muito certa sobre a festa de divulgação, principalmente se eu não tinha nenhum público ainda, achava que seria um custo desnecessário. 

A outra parte do dia foi gravando covers para encher minhas redes sociais, já que as mesmas estavam um pouco mais agitadas depois das fofocas sobre eu e Myles. Inclusive o número de comentários nas minhas publicações perguntando sobre nós dois só aumentava a cada dia e minha vontade era de apagar um por um … mas segundo Myles, era melhor não responder nada e deixar que as coisas se respondessem com o tempo. A gravação dos vídeos acabou terminando mais tarde do que eu esperava, o que me impediu de ir com Myles até o jantar beneficente. Esperava que isso não me trouxesse uma discussão com ele, mas fiquei feliz até certo ponto por não ter ido. Aparecermos juntos em um evento público só ia dar mais lenha aos sites fofoqueiros. 

— Oi Ruiva! — Johnny disse sorrindo, assim que entrei na cozinha. Agora ele e Matt dividiam a casa, já que cada hora um dos dois estava aqui graças às minhas respectivas irmãs. 

— Oi Jojo! — sorri e lhe abracei.

— Então quer dizer que você não é mais solteira? — ele perguntou, ainda me abraçando.

— Sarah já abriu a boca? — me afastei levemente para perguntar. Ele riu divertido com seus pensamentos.

— Não — negou.

— Jessica? — tentei adivinhar. Ele negou com a cabeça e eu uni as sobrancelhas confusa — Matt? 

— Ah, Fogueira! Se eu te disser você não vai acreditar — ele disse ainda sorrindo e eu fiquei ainda mais curiosa.

— Fala, homem! — pedi e ele me analisou.

— Foi o Brian. Eu nunca o vi tão transtornado por alguém reatar um namoro — ele disse rindo e fiz uma careta sem entender nada.

— Pera … O mesmo Brian que a gente conhece? — perguntei e ele assentiu — Quando ele disse isso? 

— Ontem. Ele chegou lá em casa agitado, fumou um maço de cigarro inteiro, acabou com o meu estoque de cervejas e disse que não era possível alguém voltar um namoro depois de dois anos — gargalhei incrédula ao ouvir a explicação dele, que cada vez mais perdia o sentido — Não precisava ser um gênio para saber que era você e o Myles.

— Mas como vocês confirmaram isso? — perguntei ainda rindo.

— Ah, no final da noite vazou a foto com o Myles e eu só tive certeza. O Brian, coitado, que ficou em choque. Ficou cinco minutos encarando a televisão, amassou uma lata de cerveja e depois disse que a internet só servia para estragar o sonho das pessoas, e por isso ele não queria mais saber de nada. 

— Johnny, cada vez que você conta algo, essa história só fica melhor! — disse entre risos.

— Sabe Ash, Eu acho que ele está apaixonado por você e não reconhece — Johnny disse e eu fiz o sinal da cruz. 

— Tá amarrado! — exclamei e dessa vez foi a vez do Johnny rir. 

— Se você não estivesse com o Myles eu diria que é recíproco.

— Jojo .. a única coisa que é recíproca entre mim e o Brian é o ódio — disse, tentando ignorar o desconforto que senti com o assunto. Eu poderia mentir pra todos, mas para mim mesma eu sabia que Brian mexia bastante comigo, mais do que eu gostaria. 

— Sei — Johnny disse desconfiado e me encarou, me abraçando em seguida — De qualquer forma, eu torço para que tudo dê certo entre você e o velho babão do Myles!

— Vai se foder, Johnny! Para de falar assim dele, ele não é um velho babão — respondi rindo, me afastando dele com um leve empurrão. Ele me jogou um beijo e se retirou da cozinha, provavelmente indo para o quarto da Sarah.

Suspirei pensando na conversa … Brian havia mesmo ficado nervoso? Aquilo me deixava desconfortável e eu não sabia entender o porquê. Na verdade, eu não queria descobrir o porquê. Myles é o meu presente e é com ele que eu devo pensar, eu nunca tive nada com o Gates, então não fazia sentido nenhum pensar nisso. Eu definitivamente não entendia minha cabeça.

Meu celular vibrou me tirando dos meus pensamentos insanos e como ironia do destino, eu havia recebido duas mensagens. Adivinha de quem? Brian e Myles. 

Abri primeiro a de Brian, curiosa já que não conversávamos por mensagens, e me arrependi assim que o fiz. 

A mensagem veio encaminhada de uma foto de uma calcinha fio dental preta, com o texto “achei no meu quarto. É seu?” 

Sério, Brian me dava nojo às vezes. Como eu me envolvi com um ser asqueroso assim? Com ânsia de vômito respondi “Não”. Pensei em colocar mais coisas, mas não queria prolongar uma conversa com ele. Cara nojento. 

Suspirei de raiva e abri a mensagem de Myles, rindo imediatamente com a foto enviada, de um guardanapo com um número de telefone, uma frase “me liga gatinho” e a assinatura do Tremonti no final. 

“Diga que você tem namorada”, respondi e logo recebi sua resposta.

“Ele disse que se eu realmente tivesse uma, ela estaria aqui comigo” enviou ele. Revirei os olhos ainda rindo  e enviei “Alguém tem que trabalhar nessa casa”. Enviei também o lugar da chave reserva, para o caso dele querer passar aqui depois do jantar, e disse que ia voltar ao trabalho. Guardei o celular e tomei um copo de água, indo novamente as gravações, que seriam enviadas à edição para fazer um trabalho que prestasse nos vídeos vergonhosos que eu fiz. Estava usando um violão do Myles, mas nem me importei em relacionarem o modelo a ele, já que não era um modelo personalizado nem nada do tipo. 

Ao todo foram 10 covers, das minhas bandas preferidas no momento? incluindo uma do Slash, uma do Avenged e uma do Alter Bridge, o que sei que deixaria Scarlet satisfeita. Estava exausta e tudo o que eu mais queria era minha cama, por isso não demorei muito para cumprir meu forte desejo de ir dormir. 


Acordei com a maldita sensação de que havia dormido demais, mas logo consegui entrar no ritmo do trabalho do dia. Hoje era o aniversário do Tremonti, por isso postei no meu Instagram uma foto de nós dois num bar, com a legenda “Feliz aniversário, Mark! Precisamos comemorar em grande estilo como em todos os anos. Te amo!”. Na foto, também era sua festa de aniversário e eu estava claramente alcoolizada ao seu lado, com os olhos arregalados. Mark, Todd e Saul eram um dos poucos em que havia mantido contato após ter terminado com Myles e sempre tentava encontrá-los quando possível. Isso incluía comemorações de aniversário fora das datas, com certeza! 

Alguns minutos depois minha foto já havia sido respondida por ele, com a frase “Mal posso esperar para celebrarmos hoje com todos! Obrigado Ruiva, te amo!”. Obviamente a resposta repercutiu entre os vários fãs do Mark e do Myles, comentando sobre minha clara relação antiga com a banda e choveram reposts da foto. Ri com a situação, impressionada em como eles eram rápidos. 

Voltei ao trabalho, decidida a finalizar todas as tarefas do dia logo, para poder me preparar com calma para o aniversário do Mark, já que esse ano eu poderia ir na comemoração oficial, que evitei nos dois anos anteriores para não encarar Myles. Estava morrendo de saudades do Tremonti, mal podia esperar para vê-lo! 

Mark era um dos meus melhores amigos e havia me ajudado muito quando resolvi cortar laços com todos. Minha gratidão a ele era infinita e eu estava muito feliz por estar comemorando esse dia com ele. 

Para minha sorte Scarlet hoje não ficou na minha cola, por isso tive um dia um pouco mais relaxado, o que me permitiu parar a tempo para me arrumar com calma. No horário combinado com Myles, eu já estava pronta, com meu macaquinho curto de preto e uma maquiagem leve, destacando meus olhos com bastante rímel e um batom caramelo para arrematar o look. 

— Uau! Podemos pular a festa para eu tirar logo seu vestido? — Myles comentou me abraçando e puxando para um beijo. Ri da sua reação e lhe dei um beijo casto, antes que ele pudesse se animar de fato. 

— Não, não podemos. Até porque isso é um macaquinho, não um vestido! — respondi acariciando sua bochecha. Ele revirou os olhos e eu ri como resposta — Aprendeu direitinho! 

— Tive uma boa professora — ele murmurou e entrelaçou os dedos nos meus. Caminhamos lado a lado até seu carro — Seu macaquinho é péssimo! 

— Oi? Por que? — perguntei rindo da sua cara de sofrimento.

— Esse tecido leve, marca todas as suas curvas, me faz acreditar que você não está usando nada por baixo dele — ele gemeu apertando as mãos no volante e eu gargalhei, encaixando o cinto de segurança. 

— Isso é porque não estou usando nada — brinquei e ele me olhou incrédulo.

— E você me diz isso agora? Caralho, vou chegar de pau duro na festa! — ele reclamou e eu gargalhei. 

— Eu to brincando, amor! Eu estou muito bem vestida por baixo da roupa! — confessei entre risadas.

— Não diga! Eu não posso imaginar o que você está usando, se não irei perder a direção querendo te beijar!

— Ok, beijoqueiro! Olhos na estrada — disse, ainda entre risadas. 

— Eu vou te levar para algum banheiro, quando chegarmos lá — disse determinado.

— Não … você será um bom menino que deixará sua namorada aproveitar a festa do amigo dela. DEPOIS nós vamos pra casa e você será recompensado — respondi, frisando o “depois”. 

— Você é má, Ashley! — ele resmungou e eu ri ainda mais com sua frustração. 

— Sou. Por isso você irá me tratar como uma menina malvada mais tarde — sussurrei, arrancando um gemido agoniado dele, que obviamente me fez rir.

— Você não presta! Isso é tortura! — ele respondeu, já entrando no estacionamento do condomínio. 

— Eu sei — concordei, ainda rindo. Deixamos o carro no estacionamento de visitantes e seguimos para a entrada da casa dele . 

Na entrada havia um segurança, conferindo o nome dos convidados e evitando penetras. Havia um bar montado perto da piscina, onde tinha uma ala de jogos, com pinball, sinuca, dardos e outros jogos que não consegui identificar. Dois fotógrafos registravam a festa, algumas pessoas conversavam entre si e uma música alta saía de dentro da casa, onde imagino que seria a pista de danças. 

Entramos pela cozinha, em busca de Mark, mas fomos interrompidos num corredor da casa.

— Aaaaashley! — braços gigantes me abraçaram e antes que eu pudesse notar, estava sendo erguida.

— Caralho, Todd! Que susto, porra! — gritei rindo nos braços do gigante.

— Eu sabia que vocês iam voltar! Eu to muito feliz, quando vem meu sobrinho? — ele perguntou animado, me colocando no chão.

— Ele não vem, Todd — Myles disse rindo, abraçando o amigo.

— Mas poderia vir — insistiu o baixista.

— Você poderia cuidar da sua vida também, hein — dei um peteleco no ouvido dele, que riu — Todo mundo sabe que eu não quero ser mãe! 

— Eu ainda tenho esperança de ser um tio — Todd deu de ombros e eu revirei os olhos. 

— Vai ser tio de um cachorro, no máximo! Agora cala a porra da boca e me traga uma bebida — respondi e ele gargalhou. 

— Ah, Ashley … sempre tão doce e educada — Myles disse irônico, acariciando minha cabeça.

— Vá se foder — murmurei e ele riu, beijando minha bochecha. 

— Podemos ir foder no banheiro — ele sussurrou no meu ouvido, mordendo o lóbulo da minha orelha, arrepiando meu corpo. 

— Não podemos não — quase gemi, mas Todd chamou minha atenção. 

— Façam uma pose casal, quero uma foto com vocês! — ele disse, puxando o celular para uma selfie. Com Myles atrás de mim, joguei os braços nos ombros dele e fiz uma cara de tarada para a câmera enquanto Todd fazia uma careta e Myles rua do meu ato. A foto logo foi tirada. 

— Qual legenda? — perguntou ele.

— Você vai postar?! Ah não, vamos tirar uma que eu esteja normal!  — reclamei

— E perder sua cara de tarada na foto? De forma alguma — ele respondeu rindo, digitando no celular — Pronto! Foto postada! 

— Colocou o que? — perguntou Myles.

— “Não Ashley, você não irá roubar meu Myles! Se não conseguiu há dois anos atrás, não vai conseguir agora! Hashtag Todd e Myles foreve” — disse o gigante e eu e Myles gargalhamos.

— Eu vou te matar, você praticamente confirmou que a gente tá junto! — disse estapeando o baixista, que somente ria de mim. 

— Alguém precisava fazer isso, né! — respondeu ele e eu só tive vontade de socá-lo mais. 

— Vem cá, meu pinscher — Myles disse me beijando e nós rimos da forma como ele me chamou. 

— Ah não, vocês não vão transar na minha casa não! — Tremonti disse me puxando para um abraço, ao qual respondi com um gritinho agudo. 

— Parabeeeeeeeeens! Feliz aniversário Mark! — gritei pulando com ele — Que saudades! 

— Você fica sumindo, sua animal! — ele me soltou sorrindo. 

— Ah, cala a boca! Vem cá, precisamos registrar esse momento! — disse puxando ele e Myles para uma foto. 

— Então quer dizer que vocês voltaram — Mark disse, após fazer a nossa selfie. 

— Sim, voltamos — confirmou Myles.

— Nossa, ainda bem! Não aguentava mais sua dor de cotovelo — Tremonti respondeu.

— Vai se foder! — Myles respondeu rindo e eu gargalhei da confissão do Tremonti.

— Tá rindo do que, Pica Pau? Você foi tão ruim quanto ele! — retrucou ele e eu lhe estiquei ambos os dedos do meio. 

— Você já pensou em ir tomar no cu? — brinquei.

— Não, a ideia não me interessa muito — respondeu e bagunçou meu cabelo. 

— Ei! — reclamei, tentando arrumar os fios ruivos desordenados — Me defende, Myles! 

— Ué! Não é você que diz que não precisa de um protetor? — meu namorado respondeu cruzando os braços e antes que eu pudesse respondê-lo, Todd chegou com minha bebida. 

— Pronto, Ferrugem! Whiskey — me entregou o copo.

— Tudo o que eu precisava — disse em um gemido, virando o conteúdo de uma vez.

— Já vimos que vou ter trabalho hoje — Myles coçou a cabeça e os outros riram. 

— Boa sorte! — Saul chegou, dando um tapinha nas costas dele — Já enchendo a cara, Foguetinho?

— Nem comecei direito! — respondi, lhe abraçando com carinho. Saul era quase como um irmão mais velho para mim. 

— Misericórdia! — ele respondeu rindo, ainda me abraçando.

— Vamos, sorriam! — Mark disse posicionando seu celular para nos fotografar. Fiz uma careta, enquanto Saul ria. 

— Tremonti, me envia essa foto! Você sabe que irei postar isso, não sabe? 

— Você é doido? Todos os seus fãs vão comentar! — perguntei.

— Fiquei anos com a boca fechada sobre você, agora que você está na mídia, você acha que vou continuar escondendo? Quero mais é que comentem mesmo — ele respondeu e antes que eu pudesse reclamar, ele me interrompeu — Nem adianta reclamar que quem ficou beijando em público foram vocês dois! Problema de vocês! 

— Caralho Saul, você já foi melhor. Tá mal educado que nem o Myles! — respondi rindo. 

— To nem aí. Conviver com você me deixou mal educado — ele respondeu e eu só pude rir. 

— Nós fizemos um curso intensivo de como ser mal educado como você, Ashley! — Myles implicou rindo e eu lhe mandei o dedo do meio. 

— Se Eu fosse você, Eu ficaria quieto! — resmunguei semicerrando os olhos.

— Verdade, você tem interesses em jogo — Todd disse rindo e o grupo lhe acompanhou. 

— Ok casal, preciso ir falar com mais outros convidados! — Mark disse se retirando.

— Guarda uma dança pra mim! — gritei para ele que já estava longe, respondendo com uma careta e negando com a cabeça. A questão é que Mark não dançava. Me virei para o grupo ao meu redor — Eu vou pegar uma bebida, alguém quer? 

— Me trás uma água, por favor — Myles pediu. Lhe dei um selinho e fui buscar nossas bebidas, enquanto Todd e Saul faziam um coro de “aaaawn que fofos”. Ainda rindo com a palhaçada deles e distraída, atropelei Jimmy no caminho. 

— Desculpa, Rev! Vou pegar outra pra você — pedi ao ver que deixei sua cerveja cair no chão. 

— Relaxa, Ruiva! Eu vou lá com você — ele sorriu. 

— Não sabia que você conhecia o Tremonti — comentei, enquanto caminhávamos até o bar.

— Todo mundo se conhece no meio da música, Ruiva! Logo logo você também vai estar nesse meio — ele sorriu e bagunçou meu cabelo — Conhecemos ele, o Scott e o Brian há uns anos atrás. Não sei como não nos esbarramos antes! 

— Eu era boa em me manter no anonimato — respondi com uma piscadela. 

— Era mesmo, porque agora seu nome não sai do Twitter — ele respondeu rindo e eu revirei os olhos.

— Eu ainda não acredito que dei mole com o Myles — desabafei.

— Meus parabéns, por sinal! Brian me falou que vocês voltaram … o Myles é um cara incrível! — ele me deu um abraço de lado.

— Ele é mesmo — sorri envergonhada.

— Mas por que você disse que deu mole com ele? — ele perguntou e eu parei por um segundo para pensar em como responder.

— É muito … cedo! Pode não dar certo como da última vez e vai ser muito difícil enfrentar algo assim em público. Fora que os fãs dele devem me odiar — fiz uma careta. 

— Você pensa demais. Relaxa e vive, Ruiva! Não temos certeza de nada na vida, por isso que devemos viver cada dia como se fosse o último! 

— Quando foi que você ficou tão sábio, James? — perguntei e ele soltou uma gargalhada. 

— Eu sou sábio. Sempre fui, você que sempre foi lerda — ele respondeu e eu lhe dei um tapa rindo.

— Lerdo é o seu cu! — resmunguei e ele gargalhou.

— Você parece um esquilo com raiva! Pequeno e fofo! — ele disse entre risos e eu gruni irritada.

— Vai se foder, Sullivan! — exclamei, enquanto ele ria cada vez mais. Pedi meu whiskey e a água no bar, deixando Jimmy rindo sozinho em seguida. Segui até Myles que conversava com alguns homens desconhecidos, sendo apresentada rapidamente a cada um deles. Eles dialogavam sobre turnês e eu claramente não me encaixava no assunto, então discretamente me retirei, procurando alguma face conhecida na festa. Não vi ninguém ao meu alcance, por isso segui novamente ao bar e pedi mais uma dose de whiskey. 

— Você vai ficar bêbada assim — ouvi a voz irônica tão estranhamente conhecida, falando nas minhas costas. Me virei de má vontade, irritada pelo arrepio que surgiu em reação a voz — Você sabe que whiskey sempre te estimula a fazer merda!

— Pode deixar que não vou acordar novamente na sua cama dessa vez, Haner — respondi de má vontade e ele somente deu um sorrisinho. 

— Ah, obrigado! Me poupa problemas com seu namorado — ele disse debochado e tive vontade de vomitar com sua arrogância! — Falando nisso, parabéns pelo namoro! 

— Não consigo sentir sinceridade na sua voz — analisei com cara de nojo.

— E de fato não teve — ele deu de ombros e sorri. 

— Qual o seu problema? — disse incrédula. 

— Você — ele respondeu e colocou uma mecha de cabelo minha atrás da orelha, saindo em seguida. Estapeei o cabelo, como se o gesto fosse limpar a área que Brian tocou. Sério, ele é maluco! 

Peguei minha bebida e virei, pegando outra em seguida. Avistei Todd conversando com Frank e Brent e fui até eles. Precisava espairecer! 


Notas Finais


Gostaram? Ficou ruim? Foi muita maldade parar nessa parte do capítulo ? Hahaha
Me digam o que acharam, eu amo ler vocês!

Roupa da Ashley: https://urstyle.fashion/styles/2561636


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...