1. Spirit Fanfics >
  2. Welcome To The Shit Of My Fucking Life >
  3. Capítulo 40 - I Can't Believe

História Welcome To The Shit Of My Fucking Life - Capítulo 40


Escrita por:


Notas do Autor


Matei vocês no capítulo anterior sim ou claro? hahahaha
Mais um, meus amores

Capítulo 40 - Capítulo 40 - I Can't Believe


Fanfic / Fanfiction Welcome To The Shit Of My Fucking Life - Capítulo 40 - Capítulo 40 - I Can't Believe

Quatro meses depois … 

 

— Tá aí? — Joey perguntou, acenando as mãos na frente do meu rosto. Estávamos no Chile, no camarim, nos arrumando para o próximo show.

— Desculpa, eu estava em outro mundo — respondi com uma risada, completamente aérea aos meninos à minha volta. Esse era o penúltimo show da tour sul americana e eu estava completamente exausta! Foram três meses no continente europeu e mais um mês nas América e eu aproveitei ao máximo, o que era evidenciado pelos quatro quilos que ganhei nesses meses e pelo cansaço extremo que me fazia dormir em todos os lugares que eu encostava. Passamos pela Inglaterra, Itália, Portugal, Grécia, Irlanda, Suécia, Espanha, França e Alemanha, Dinamarca, Holanda, Uruguai e Brasil. Hoje estávamos Chile e amanhã finalizaremos na Argentina, partindo direto para casa em seguida.

— A gente notou. Está tudo bem? Você está com uma cara meio estranha — ele continuou com uma careta.

— Eu só estou cansada. Bateu um cansaço muito bizarro agora — confessei colocando os pés sobre o colo do Isaac.

— Essa é a frase que a gente mais escutou nesse último mês — Isaac respondeu rindo, pegando meu pé descalço para a massagem maravilhosa que ele fazia.

— Você está num jet lag constante — Liam disse entre risos e eu revirei os olhos.

— Talvez. Não sei como vocês não sentem nada — murmurei me aconchegando no sofá, pronta para uma soneca.

— Ih pronto, já vai dormir de novo! — Mark exclamou e eu lhe dei o dedo do meio como resposta. Antes que eu pudesse fechar meus olhos, Scarlett entrou no camarim.

— Sem soneca, Chapeuzinho Vermelho. Vocês entram em dez minutos — ela afirmou e eu dei um gemido frustrado, arrancando risadas de quem estava na sala.

— Sabe Scar, eu já gostei mais de você — murmurei e ela riu.

— Eu sei que você me ama — ela disse entre risos e eu revirei os olhos. Me levantei do sofá e fui retocar a maquiagem e o penteado. Coloquei alguns fios fugitivos no lugar e retoquei meu batom. Joey estava certo, minha cara estava péssima! Talvez a dor nas costas e a fraqueza que eu estava sentindo estivessem piorando. Eu precisava muito de um dia para dormir sem ter hora para acordar, já que o meu estava todo alterado. Eu estava sempre indo conhecer as cidades e interagindo com os fãs nos pontos turísticos, ignorando meu corpo exigindo por descanso. Minha fama na Europa era algo que eu não imaginava a proporção e isso foi demonstrado pelas casas de show lotadas e ingressos esgotados por minha causa, logo eu queria aproveitar aquele momento ao máximo! 

— Tem certeza que está tudo bem? — Isaac perguntou baixo, só para que eu ouvisse.

— Está sim. É só cansaço mesmo — lhe tranquilizei com um sorriso.

— Qualquer coisa você fala comigo, até na hora do show — ele disse e eu assenti. Ele me deu um beijo no topo da cabeça e se afastou, seguindo para o backstage para pegar sua guitarra. Analisei minha escolha para o show: Um vestido curto e apertado, com uma blusa segunda pele preta por baixo, com uma bota de cano curto com salto preta e uma meia calça.

— Que merda de roupa! — grunhi irritada vendo que a roupa estava apertada e marcando minha barriguinha saliente — Engordei quatro quilos e já perdi minha barriga chapada!

— Isso é coisa da sua cabeça, Ruiva — Joey respondeu — Você continua gostosa! 

— Você é um cavaleiro, Joey — disse irônica e os meninos riram.

— Você está ótima Ash, é coisa da sua cabeça — Liam respondeu e eu fiz uma careta olhando para o espelho.

— Eu estou inchada. Ninguém mandou eu comer igual uma porca faminta esfomeada na Itália e no Brasil — resmunguei e eles riram.

— Na turnê inteira, querida. Até eu engordei … turnê é sinônimo de comer demais e engordar — Scarlet concordou e eu ri.

— Estamos todos mais gordos, Ash! — Mark disse acariciando e estufando sua própria barriga, ainda chapada de músculos.

— Vamos — revirei os olhos rindo e segui para o backstage colocando o ponto de retorno e colocando minha guitarra, já que vamos iniciar com Woman, a música que carrega o nome da turnê. Estava um pouco tonta, por isso tomei logo um gole de água. Precisava me hidratar naquela noite, já que não estava me sentindo tão bem. 

Me posicionei no centro do palco, com as luzes ainda apagadas e enquanto a música introdutória tocava respirei fundo, controlando o ligeiro enjôo que comecei a sentir. Ah não, agora não era hora de passar mal!

O show começou e eu toquei e cantei atenta ao enjôo que me perturbava. Evitei jogar os cabelos e tomei mais cuidado ao correr e pular pelo palco, já que o mesmo piorava com esses movimentos. Eu sabia que não deveria ter comido aquelas malditas almôndegas recheadas com porco! Sentia a náusea piorando conforme o show avançava, mas tentei ao máximo não transparecer para os ouvintes. 

— Vocês conhecem o Joey, Santiago? Vem cá, Joey — perguntei assim que finalizei Whiskey Fever. Estava suada, mesmo com o frio que fazia no local. Joey veio andando até mim sem entender nada. 

— O que é isso? Você está pálida — ele perguntou no meu ouvido.

— Eu estou quase vomitando. Preciso que você faça qualquer coisa enquanto eu vomito lá trás — respondi no ouvido dele e prendendo o vômito sorri para a platéia — Meus amores, além de gato o Joey é um excelente guitarrista! Mostra para eles o que você sabe fazer, Joey! — dei dois tapinhas na bunda dele enquanto o público aprovava minha sugestão e corri para o backstage. 

— O que houve?! — Rob, um dos roadies perguntou preocupado assim que cheguei.

— Eu vou vomitar — exclamei aflita, buscando um local para despejar tudo aquilo que queria sair de mim. Imediatamente alguém me deu um saco qualquer. Segurei aquilo como se fosse minha vida e vomitei com vigor. Fiquei feliz por estar de cabelo preso naquela noite! 

— Que porra é essa Ashley?! — Scarlet exclamou nervosa assim que viu vomitando, segurando meus cabelos.

— Eu tô bem, foram as almôndegas do almoço — respondi assim que vi que havia vomitado tudo. Peguei uma garrafa de água e bebi, querendo tirar aquele gosto horrível da boca.

— E você não avisou a ninguém que estava passando mal? — ela reclamou e eu dei de ombros.

— Achei que ia aguentar segurar o show. Já passou e o Joey está arrasando — dei um sorriso e ela sacudiu a cabeça insatisfeita.

— Como você está se sentindo? — ela perguntou me analisando com o olhar.

— Fraca porque vomitei, mas passou o enjôo. Vou voltar, faltam só duas músicas! — dei um sorriso e me virei para voltar ao palco, aliviada por aquele mal estar ter passado. Joey viu meu retorno e finalizou o solo, arrancando elogios dos ouvintes. Sussurrei um obrigada no ouvido dele — Senhoras e senhores, Joey White!

— Vomitou? — ele perguntou após agradecer as palmas.Assenti respondendo sua pergunta e murmurei um “estou bem”. Dialoguei rapidamente com a plateia e logo tocamos One Heart Missing, com as luzes baixando dando a entender que o show havia terminado. Coloquei minha guitarra novamente e após alguns um minuto ouvindo a platéia gritando meu nome, pedindo a última música, retornei com todo o vigor tocando It’s a man’s, man’s, man’s world. Agradeci aos fãs e joguei palhetas para o público, pegando os presentes jogados no palco. Eu adorava os presentes que os fãs jogavam no palco para mim! 

— Como você está? O Joey disse que você vomitou no meio do show! — Isaac me abordou preocupado.

— Estou melhor, acho que o almoço não me fez bem. Eu só preciso comer alguma coisa agora pra ficar cem por cento — lhe tranquilizei, pegando um ursinho no chão.

— Nada de álcool para você hoje, mocinha! — ele disse e eu ri.

— Nem sonhando eu quero beber hoje! Só quero dormir no avião depois que falar com os fãs! — fiz uma careta — Eu estou exausta!

— É bom você descansar mesmo! — ele concordou. Caminhamos juntos até o camarim, onde Scarlet já me aguardava.

— Está bem para o meet and greet? — ela perguntou me entregando um copo de água e um sanduíche de frango. 

— Estou sim — respondi e dei uma mordida no sanduíche, faminta — Só preciso comer isso antes! 

— Beba a água também — ela indicou o copo e eu assenti, tomando a água em pequenos goles. Ela e os meninos me analisavam como se eu fosse quebrar — Calma gente, está tudo bem! 

— Sei lá, vai que você vomita de novo — Liam disse dando de ombros e eu revirei os olhos.

— Foi a almôndega, gente — disse entre risos. 

— Okay, vamos então — Scarlet disse nome guiando para a sala — Mas se você se sentir mal de novo, diga!

— Com certeza — concordei, sabendo que não adiantaria discutir com ela — Serão quantos fãs hoje? 

— Sete — ela respondeu e eu assenti. Entrei no camarim e aguardei os fãs entrarem, um por um. Como sempre tentei ser o mais gentil e atenciosa o possível, dando autógrafos e posando para as fotos com abraços apertados e beijos na bochecha. Retribuir o carinho que eles tinham por mim era o mínimo que eu podia fazer, por isso eu sempre tentava tornar aquela experiência única e memorável para eles.

Já passavam das duas da manhã quando saímos do estádio para o aeroporto, onde pegamos um voo para Buenos Aires, com duração de duas horas. Babei minha almofada durante todo a viagem e quando a aterrissagem finalizou eu tinha certeza que estava descabelada e com olheiras. Meu visual não era nada atrativo: estava com um coque bagunçado, um casaco pesado por causa do frio, legging e tênis. Eu era uma anã mal vestida no aeroporto. Coloquei o Ray Ban roubado do Gates para esconder o olho inchado. Meu celular começou a tocar e logo vi o nome da Jess piscando.

Hey, famosa! — ela disse animada e eu ri — Fiquei sabendo que você passou mal no show ontem, está tudo bem agora?

— Você sabe que não são nem cinco horas da manhã aqui? — resmunguei sonolenta e ela riu.

Eu sei! E aqui são três da manhã, então nem reclame. Eu calculei que você deveria ter acabado de aterrissar. Acertei? — ela perguntou.

— Acertou. Estou exausta — fiz um bico, seguindo a produção no aeroporto. 

Você não respondeu minha pergunta — ela repetiu e eu revirei os olhos.

— Eu estou bem, foi algo que eu comi. Já passou — lhe tranquilizei — Como você soube?

— Isaac. Ele ficou preocupado — ela disse e eu suspirei.

— Ele é dramático, isso sim. Pra te ligar às duas da manhã por causa de um vômito — revirei os olhos e ela riu.

Ele disse que você tem estado estranha, ficou preocupado de você estar com alguma coisa e não querer procurar ajuda — ela explicou.

— Eu estou cansada, Jess. Bem cansada — suspirei — Mas fique tranquila, hoje eu vou dormir o dia inteiro, tenho um show mais tarde e depois eu finalmente volto pra casa para descansar!

Isso! Descanse hoje e se sentir algo, fale. Não seja orgulhosa — ela disse.

— Relaxa, mãe — respondi e após uma risada ela desligou. Segui para o van que nos aguardava, feliz por ter Scarlet adiantando minha vida e ter agilizado as nossas bagagens e itens com antecedência. 

— Você está péssima — Scarlet disse assim que eu me sentei na van. 

— Eu preciso dormir — resmunguei. 

— Já vi que hoje você não vai querer ir a lugar nenhum — ela afirmou e eu neguei com a cabeça.

— Hoje o tour vai ser no quarto: do banheiro pra cama — afirmei lhe fazendo rir — Sério Scar, eu preciso muito dormir. 

— Está enjoada? 

— Não, estou cansada mesmo. E eu pensei que depois de quatro meses viajando eu ia me acostumar — ri do meu pensamento iludido.

— Turnê é cansativo mesmo. Mas acho que a pior parte é a saudade de todo mundo — ela suspirou — Fico morrendo de saudades do Ethan quando eu ou ele está em turnê.

— Como vocês conseguem ter tempo um para o outro? — perguntei impressionada, lembrando que o marido dela é o empresário do Alter Bridge.

— A gente dá um jeito quando estamos em turnê. Às vezes ele acompanha a banda a distância para ficar comigo, ou eu faço isso. Por exemplo, quando você estava na estrada com o Avenged eu fiquei com ele, já que te acompanharia nessa. Às vezes a gente viaja juntos, outras nos encontramos no meio da turnê … pra tudo há um jeito! — ela explicou.

— Vocês estão há quanto tempo juntos? — perguntei. Não conhecia muito sobre a vida pessoal da Scarlet, mas nesses últimos meses nossa relação se aprofundou bastante. 

— Dez anos — ela afirmou com um sorriso apaixonado e não consegui conter o meu sorriso também.

— Você parece ser muito apaixonada por ele — disse sorrindo.

— Dez anos com ele, preciso ser — ela brincou — Ethan faz tudo por mim, não tem como não ser louca por ele!

— Vocês dois são uns fofos — afirmei e ela riu com as bochechas coradas.

— Okay, chega de papo calcinha. Chegamos ao hotel e você precisa dormir — ela encerrou o assunto e eu assenti, ansiosa por poder dormir no meu quarto. Peguei o cartão e subi para o quarto, tirando a roupa e me jogando de calcinha e sutiã na enorme cama que me chamava. Peguei no sono sem muito esforço. Dormi durante toda a tarde e para minha alegria não tive pesadelos. Acordei com o alarme que havia programado para começar a me arrumar para o show, desnorteada, parando o aparelho que tocava descontrolavelmente no quarto. Suspirei ao notar que o cansaço continuava lá, me dando a sensação que eu havia dormido. Ainda lenta, me levantei da cama e segui para o banheiro, tomando um banho longo e relaxante. Amanhã eu finalmente iria para casa e isso me lembrava que depois de quatro meses eu veria o Brian.

Durante esse tempo evitei o máximo possível ver notícias sobre ele e fugi de toda e qualquer pergunta que envolvesse o nome dele. Queria acreditar que nossa última conversa havia sido uma ilusão da minha mente e que quando eu voltasse ele ainda estaria com a Michelle ou qualquer outra biscate da Califórnia. Ainda não sabia como lidar com ele, justamente por não ter pensado nele. Havia suprimido meus sentimentos de tal maneira que eu nem sabia mais o que eu sentia e não queria descobrir novamente. E se ele realmente estivesse com outra?! E se ele não tivesse me esperado como prometeu? Eu não ia me iludir, não agora que eu havia finalmente superado o Myles! 

Minha relação com o Myles havia melhorado muito, apesar da tensão que ainda pairava sobre nós. Havíamos nos esbarrado em Paris com o Alter Bridge e todos jantamos juntos em uma noite, na qual esquivei fortemente das indiretas do guitarrista. Tomei o cuidado de não ir sozinha com ele, para não criar expectativas nele e para não dar falsas informações para os paparazzis, o que incluía impedir uma interpretação equivocada do Brian. Suspirei perdida nos pensamentos … amanhã eu penso nisso tudo!

Coloquei a calça de couro com boca de sino com um cropped xadrez em preto e branco. Coloquei a jaqueta de couro por cima, me cobrindo do frio que fazia durante a noite na cidade. Mantive os cabelos lisos e soltos e fiz uma maquiagem caprichada no glitter. Coloquei um scarpin preto e no horário marcado com a Scarlet eu desci para o saguão do hotel.

— Olha a Bela Adormecida! — Isaac disse assim que cheguei ao saguão. 

— Eu estava cansada — fiz um bico 

— Você perdeu nosso passeio pela cidade! — Mark disse sorrindo.

— O Joey vomitou de tanto comer — Liam disse rindo.

— Só de lembrar do meu vômito ontem eu fico feliz por não ter ido com vocês — ri da minha própria desgraça.

— O que você fez, dormiu a tarde toda? — Mark perguntei e eu sorri abertamente.

— Mas é claro! Você achou mesmo que eu ia fazer algo hoje? — perguntei depois de uma gargalhada.

— Caralho Ashley, você já foi melhor — Joey alegou e todos nós rimos.

— Me dê uma semana de férias e eu me recupero. Quando voltarmos à Califórnia vocês não vão mais me aguentar! — disse pulando nas costas do guitarrista que riu. Entramos na van e seguimos animadamente para o local do show, que faríamos num formato diferente: receberíamos os fãs primeiro e nos apresentaríamos depois, já que nosso voo seria algumas horas depois. Assim teríamos um pequeno espaço de tempo para descansar entre o show e o embarque. 

Logo na entrada do teatro havia alguns fãs, esperando ansiosamente para me ver. Parei rapidamente, atendendo ao pequeno grupo. Dei alguns autógrafos e tirei algumas fotos, seguindo em seguida para o interior do prédio, onde atendi mais fãs. Segui o esquema da noite anterior e novamente cumpri com o horário solicitado pela Scar. Às dez em ponto ela entrou no camarim informando que subiríamos ao palco. Respeitamos as ordens da loira e seguimos suas recomendações. 

O último show da turnê mexe muito com a gente, é o encerramento de um ciclo único e o resultado final do nosso trabalho, o que me enchia ainda mais de gás para fazer uma apresentação inesquecível ao público. Nesse espírito subi ao palco e diferente da noite anterior que fui cautelosa nos movimentos, nessa noite eu havia balançado tanto os cabelos que eles poderiam se descolar da minha cabeça. É óbvio que o público havia aprovado minha performance, então quanto mais próximo chegávamos do final, mas eu me animava também. Aquelas pessoas estavam lá para me ver, eram quinze mil pessoas lá por mim. O mínimo que eu poderia fazer era oferecer uma apresentação inesquecível para eles! Na última música ofegante e sorridente, com os braços levantados para o ar, os olhos no público.

— Obrigada Buenos Aires! Vocês são FODAS! — gritei ofegante. As luzes todas estavam sobre mim e a música continuava tocando.  No meio da adrenalina do palco e da energia das notas altas da música eu cantei a última frase de It’s a man’s, man’s, man’s world, jogando os cabelos para o ar enquanto Joey e Isaac solavam na guitarra, finalizando o show.  Num desses movimentos minha vista começou a embaçar e antes que eu me desse conta o meu corpo pesou. A escuridão me invadiu e a última coisa que senti foi o chão. Eu simplesmente apaguei no palco. 

Não sei quanto tempo fiquei apagada, quando acordei estava no sofá do camarim. 

— Ela acordou! — ouvi o grito de alívio do Liam. 

— Oi, eu sou a Bella, eu sou socorrista e estou aqui para te ajudar. Pode apertar minha mão? — ouvi a voz de uma mulher ao meu lado. Virei meu rosto e encontrei uma paramédica, que segurou minha mão em um aperto. Respondi ao seu pedido, meio desnorteada ainda, vendo um acesso venoso no meu braço. Eu estava no soro? — Você poderia me responder o seu nome e me dizer onde você está? 

— Ashley Mitchell e eu estou em Buenos Aires — murmurei — Eu posso me sentar? 

— Sim, deixe-me te ajudar — ela disse me apoiando para me sentar no sofá. Respirei aliviada por nada ter girado— Está tonta? 

— Não, só um pouco aérea — murmurei. Os rapazes me encaravam preocupados, assim como a Scarlett que roía as unhas curtas. 

— Enjoada, com dor de cabeça …? 

— Também não. Estou com sede, na verdade — respondi e ela assentiu. 

— Você sentiu alguma coisa antes de desmaiar? — ela continuou me perguntando, investigando a causa. 

— Não senti nada. Estava cantando normalmente, não fiquei enjoada ou tonta. Eu só caí do nada — ri nervosa.

— Bem, no exame físico eu não consegui identificar uma causa para o seu desmaio, então aparentemente você não tem nada anormal no seu corpo — ela começou a explicar e eu comemorei, enquanto meus expectadores respiravam aliviados — Você não bateu a cabeça, mas fique atenta a náuseas, dor de cabeça ou vertigens nas próximas 48 horas. Se hidrate bem e faça repouso. Quando foi sua última refeição? 

— Acho que café da manhã. Comi uns salgadinhos também quando cheguei aqui, mas nada demais — respondi envergonhada por ter esquecido de comer.

— Pois é, isso justifica o desmaio. Você pode ter tido uma queda de pressão por ter deixado um intervalo muito grande entre as refeições — corei com sua fala — O soro vai te hidratar, mas você precisa se alimentar bem, com coisas leves.

— Então ela está bem para voltar para os Estados Unidos essa noite? — Scarlett perguntou preocupada e a médica assentiu. 

— A princípio sim. pode ter tido uma queda de pressão por não ter se alimentado muito bem somado ao cansaço e ao fato de você ter vomitado ontem. De qualquer forma eu te aconselho a buscar um médico para fazer um checkup quando você voltar para a Califórnia, só por desencargo de consciência. Mas por hora você pode viajar sim — ela me deu um sorriso tranquilizador — Repouse! Nada de trabalho, isso é um indicativo de que você precisa descansar!

— Vou descansar, pode ter certeza! — sorri e ela assentiu, se retirando da sala. Suspirei enquanto todos me encaravam ainda — Gente, eu estou bem! 

— Você com certeza irá num médico quando voltarmos a Califórnia. Num dia você vomita, no outro você desmaia … Você tá estranha, Ash — Joey coçou a cabeça preocupado.

— Gente, eu esqueci de comer. Ela mesma disse isso. E vocês sabem que eu esqueço de comer quando estou nervosa — admito envergonhada. Eu precisava estar mais atenta a minha alimentação.

— O Myles já tinha me dito que você fazia isso, mas não levei a sério — Scarlet comentou — Não acreditei que você faria isso, visto que você come tanto! 

— Eu sou um ser abstrato, Scar — murmurei e ela riu.

— Vamos entupir comida em você agora então — Isaac disse e eu ri.

— E me fazer engordar mais?! Tá amarrado! — gritei e eles gargalharam.

— Se ela gritou, ela já está bem — Mark comentou animado e eu revirei os olhos. 

— Scar, podemos publicar uma nota informando o estado de saúde dela? — Lily, minha assessora de comunicação perguntou. Com um gemido, me lembrei que eu havia desmaiado no final do show. 

— Claro, com certeza! Não diga que ela não comeu, só informa que ela se desidratou e teve uma queda de pressão por isso, mas já está bem — Ela direcionou e Lily assentiu, fazendo as anotações de como publicaria. 

— Eu posto! Alguém me dá meu celular? — murmurei e Scarlet me entregou o item — Tira uma foto minha, para verem que eu estou mesmo bem!

— Boa! — Scarlet aprovou, segurando o aparelho enquanto eu fazia uma pose jogada no sofá, com o acesso para o soro na mão. Fiz o sinal do rock com as duas mãos e coloquei a língua para fora. Ela tirou a foto e me devolveu o aparelho — Pronto!

— Obrigada, Scar! — agradeci, já pegando o celular para postar meu pronunciamento. Selecionei uma das fotos tiradas e publiquei no Instagram, Facebook e Twitter com o textinho: Músico bom é o músico que espera a última música para desmaiar haha Agora estou bem, alimentada e hidratada, pronta para voltar para a Califórnia. Obrigada Buenos Aires por esse show inesquecível e me perdoem pelo tombo ❤️ — Pronto! Vamos para onde agora, hotel ou aeroporto? 

— Aeroporto. Nosso vôo sai logo logo — Scarlett informou e eu assenti, me levantando com cuidado. Fiquei atenta para ver se ficaria tô tá ou algo do tipo, mas não senti nada. Peguei umas uvas que estavam sobre a mesa e comecei a comer, enquanto caminhava em silêncio para a van com a Scarlet. 

— Como está se sentindo? — ela perguntou assim que nós sentamos.

— Bem — dei de ombros — Não estou sentindo nada estranho.

— Que bom. Estou preocupada, Ash. Foram dois sintomas estranhos em dois dias seguidos … Você vem sentindo alguma coisa diferente do comum? 

— Só o cansaço, Scar. Eu realmente acho que é cansaço, com essa rotina louca. Eu não descansei muito depois da turnê com o Avenged, meu corpo está mostrando os sinais que não aguentou — expliquei, enquanto ela ouvia atentamente — Eu não estou sentindo nada diferente, só sono e dor na lombar.

— Isso todos estamos — ela riu.

— Viu? Eu que sou frouxa e passo mal — brinquei.

— Isso não exclui a necessidade de ir a um médico depois — ela voltou a ficar séria e eu assenti.

— Pode deixar! — prometi, tentando tranquilizá-la. Ela assentiu e voltou para o celular, o que eu fui logo fazer. Sabia que não demoraria muito tempo para a Jess ou a Sarah mandarem mensagens desesperadas para mim. Enviei uma mensagem para cada uma, explicando a situação e informando que logo pegaria o voo para os Estados Unidos, por isso ficaria fora de ar. Bem, pelo menos eu estava tão cansada que não precisaria tomar nenhum calmante para dormir. 

 

Estávamos no Johnny’s bar como era de costume. Nos encontrávamos lá para compor, beber e falar merda, o que vinha acontecendo com bastante frequência durante nossas férias. Fui buscar um drink e enquanto aguardava analisei de longe o grupo animado, vendo Sarah e Johnny brincando de quem virava a caneca de cerveja primeiro.  Era interessante ver o quanto eles avançaram juntos e eu fico feliz por ver a felicidade do baixista, principalmente depois de tantos relacionamentos ruins. 

— Hey, Gates. Sozinho esta noite? — uma morena qualquer perguntou, parando ao meu lado com um sorriso malicioso. Dei um sorriso.

— Estou acompanhado — respondi dando de ombros, indicando a mesa. A morena deu de ombros. 

— Se mudar de ideia … minha mesa é aquela ali — ela respondeu, apontando para a mesa dela antes de sair rebolando. Peguei minha cerveja e voltei para a mesa animada, me sentando no meu lugar, ao lado do Jimmy.

— Acho que eu nunca vi você negando tanta mulher na minha vida — ele comentou assim que me sentei.

— Ou será que você estava afim de outra pessoa? — ele perguntou com um sorriso sugestivo — Uma guitarrista ruiva, talvez?

— Só não estava afim — dei de ombros, sem querer falar sobre a Ash.

— Man, você passou os últimos três meses sem pegar praticamente ninguém, dá pra contar nos dedos as mulheres que você pegou. Eu te conheço, sei que tem alguma coisa aí — ele insistiu e eu suspirei.

— Eu disse a Ash que esperaria ela voltar e que não desistiria dela. Satisfeito? 

— Isso todo mundo já sabia, eu quero saber por que você não está pegando ninguém! — disse ele.

— Ela disse que precisava colocar a cabeça em ordem antes de se envolver com outra pessoa, por isso dei o espaço dela para que ela pensasse em tudo o que aconteceu. Não estamos nos falando, não quero influenciar a decisão dela — comecei a explicar — Mas sei que qualquer coisa que eu fizer aqui, que seja mal compreendido pela mídia pode chegar a ela de uma forma distorcida.

— O que acabaria com suas chances com ela — ele completou e eu assenti.

— Exatamente — concordei e dei um gole em minha bebida.

— Está ansioso para vê-la depois de quatro meses? — ele deu um sorriso aberto, animado com o assunto.

— Ansioso para ver quem? — Jess perguntou alto, se metendo na conversa.

— Sua irmã. Quem mais seria? — Jimmy respondeu e eu revirei os olhos.

— Ah sim — ela sorriu — Você sabe que ela chega amanhã não é?

— Já? Ela não está em turnê ainda? — perguntei surpreso.

— Essa noite foi o último show dela, inclusive ela já deve até estar no voo agora — a ruiva respondeu, olhando o seu relógio de punho — De qualquer forma, ela fará uma pausa de dois meses antes de continuar a turnê aqui no país, no México e no Canadá.

— Nossa, eu jurava que ela ia emendar a turnê — respondi ansioso para vê-la, já que esse momento estava tão perto.

— Nossa, ainda bem que não! Ela precisa descansar, se não ela vai travar de cansaço! — Matt afirmou.

— Ela já está travando. Vocês sabiam que ela desmaiou no show hoje? Quase que ela cai do palco! — Sarah afirmou e todos lhe olharam assustados.

— Como assim? — Jessica perguntou num grito agudo.

— Calma, ela está bem. Pelo o que ela me mandou, ela não comeu bem durante o dia e a pressão dela caiu — a morena explicou e pude ver a Jessica soltando a respiração. 

— E como você sabe disso? — pergunte preocupado.

— Ela me avisou, com medo de que eu me desesperasse com alguma notícia sobre isso — ela riu e balançou o celular.

— Eu estou começando a ficar preocupada com ela, sabia? Ela anda dormindo onde encosta, ontem ela vomitou, hoje ela desmaiou … Não sei não, acho que a Ash está doente. Com essa mania de esquecer de comer quando está nervosa, ela deve ter desenvolvido uma anemia — Jess anunciou pensativa.

— Quando ela chegar, a gente leva aquela ruiva teimosa no médico para fazer um check up, relaxa — Matt tentou tranquilizar a namorada, lhe dando um beijo no topo da cabeça.

— Falando na chegada dela … e aí, vai buscar ela no aeroporto amanhã? — Zacky perguntou com um sorriso malicioso.

— Que?! — questionei num grito.

— Tô perguntando se você vai buscar ela no aeroporto, surpreender ela, sabe? — ele continuou animado e eu ri da anotação do gordinho.

— Zacky, nós não temos nada juntos. Relaxa aí — ri nervoso — Eu não posso aparecer do nada do aeroporto como se ela fosse minha namorada ou algo do tipo. Eu nem sei o que ela quer, não faço a mínima ideia se ela não voltou namorando dessa turnê ou então perdeu o interesse.

— Até parece, Gates! Com o fogo no rabo que vocês dois têm, dou uma semana para vocês não estarem se pegando de novo — Johnny exclamou e o grupo riu. 

— Tomara — dei de ombros, ainda rindo com a frase do baixista.

— Mas então, quando você pretende vê-la? — continuou Zacky e eu revirei os olhos.

— Quando ela quiser me ver, Vengeance — murmurei entediado.

— Assim também não, Brian! Vai parecer que você não tem interesse! — Sarah interveio, com um bico nos lábios. 

— Gente, a garota ainda nem chegou e vocês já estão imaginando um mundo encantado. Eu não vou forçar a barra, eu não sou assim — resmunguei e as duas garotas riram — Quando eu tiver oportunidade e ver que for propício, eu vou conversar com ela. 

— Ah, como é satisfatório ver o Gates apaixonado! — Jimmy cantarolou e eu lhe dei o dedo do meio como resposta. 

— Que tal você ir pegar uma cerveja para mim, Sullivan? — pedi.

— E eu lá tenho cara de empregada sua, Haner? Levanta essa bunda e vai lá pegar — ele respondeu entre risos, me jogando um guardanapo.

— Vá se foder! — murmurei e fui pegar mais uma cerveja, pensando que logo eu iria ver a Ruiva novamente. Estava ansioso e ao mesmo tempo temeroso por esse reencontro … não sabia o que esperar, não sabia o que ela havia decidido. Eu só precisava esperar mais algumas horas para descobrir! 

 

Finalmente eu e Scarlett aterrisámos em Houston depois de 10 horas de viagem durante a noite. Minha coluna doía horrores, mas não poderia estar mais feliz por finalmente estar voltando para casa! Desci do avião sentindo o calor do Texas no Rosto e fiquei feliz por estar sentindo calor depois de um mês sentindo frio na América do Sul, já que lá era inverno para eles. Vi alguns paparazzis fotografando minha entrada no saguão e acenei gentilmente, sentindo falta da privacidade que tinha nos outros países. Acabei ganhando muita visibilidade no país, o que era ótimo para minha carreira, mas trazia mais invasão da minha privacidade, o que era um pouco desconfortável ainda para mim. 

— Nunca pensei que fosse sentir falta do calor do Texas — Scarlet murmurou e eu ri, nos sentando no saguão de espera. O próximo voo para Los Angeles seria daqui a uma hora.

— Eu também não — respondi — Estava me acostumando com o clima dos países da América do Sul. Uma pena que não me acostumei com a mudança de fuso horário e não aproveitei tanto as cidades.

— Até hoje eu não me acostumei, Ash — Scarlet deu de ombros e eu sorri.

— Eu também acho que nunca vou me acostumar! Eu estou com fome, mas são oito da manhã aqui. Lá na Argentina seria uma da tarde eu já estaria comendo — fiz uma careta e ela ri — Eu não tenho horário para mais nada! 

— Estar na estrada é maravilhoso, mas tem esses problemas— ela respondeu. 

— É verdade … mas eu só consigo pensar na minha fome nesse momento — murmurei e ela gargalhou. Me levantei, pronta a ir buscar algo para comer — Vou comer alguma coisa. Quer ir junto? 

— Vou, eu sei que você não vai me deixar em paz enquanto eu não levantar mesmo — ela resmungou e eu ri animada, caminhando até o café do aeroporto, já pensando no que eu iria comer. 

— Vocês tem uma visão muito ruim de mim — fiz um bico falso.

— Até parece, Ashley! — ela respondeu entre risos. Lhe acompanhei animada. 

— Eu amo trabalhar, mas estou feliz porque terei férias! — dei pulinhos animados enquanto andava. 

— Nem me fale. Já nem lembro mais a cara do meu marido — ela concordou.

— Você pelo menos tem marido — respondi e ela revirou os olhos — Eu tenho duas malucas me esperando em casa.

— E dois guitarristas famosos e gatos disputando você.

— Lá vem você com essa história de novo … — murmurei e ela riu.

— Você ainda não me disse o que decidiu sobre o Gates — ela respondeu.

— O Gates não deve nem lembrar da minha cara, Scarlett — gesticulei indiferente — Do jeito que ele é, ele já até arrumou um rabo de saia para me esquecer.

— Credo, Ashley! — ela exclamou.

— Que é? Ele é assim — dei de ombros — Passamos quatro meses sem nos falar, você acha mesmo que ele ainda sente algo por mim?

— Eu acho! Primeiro porque ele está respeitando um pedido seu, segundo porque não vi nenhuma notícia falando que ele se envolveu com alguém. E olha que isso é comum — ela afirmou e eu revirei os olhos.

— Eu realmente não quero saber quem o Gates pegou ou não — respondi.

— Ele não pegou ninguém, Ruiva. Seu amado está te esperando — ela anunciou animada. Ignorei sua frase e foquei na cafeteria na nossa frente.

— Você vai querer beber o que? Acho que vou pedir um Frappuccino — murmurei, fugindo do assunto anterior. Ela riu.

— Acho que só vou pedir um suco mesmo — ela disse entre risos, entendendo que eu não falaria mais sobre o assunto. 

— Qual suco? — perguntei.

— Não sei. Só estou conseguindo pensar nesse cheiro maravilhoso … Acho que vou pedir um pretzel — murmurou, enquanto nos aproximávamos do balcão de pedidos. Imediatamente senti o cheiro que ela falou, mas não senti o mesmo prazer que ela. 

— Puta que pariu, preciso ir ao banheiro — exclamei com urgência, segurando o vômito que veio ao sentir o cheiro de queijo cheddar. 

— O que houve? — ela perguntou sem entender nada, mas nem lhe respondi. Vi a placa de banheiro do estabelecimento e tentando esconder o vômito, na esperança de não chamar muita atenção. 

Entrei na primeira cabine do banheiro,  que para minha sorte estava vazio. Vomitei tudo o que havia comido, escandalosamente.

— Ashley, você está vomitando? — ouvi a voz da Scarlett do lado de fora da minha cabine. 

— Sim — respondi ofegante.

— O que houve? Você estava bem! — ela exclamou.

— Foi aquele cheiro maldito! — choraminguei e vomitei novamente, só de lembrar o cheiro do demônio. Aguardei o terceiro vômito que não veio, respirando ofegante e me apoiando nas paredes da pequena cabine.

— Ashely?

— Já vou — respondi e suspirei me levantando. Minhas pernas estavam fracas, assim como meus braços, pela força que fiz para vomitar. Dei descarga e saí da cabine, com Scarlett me encarando de braços cruzados — O que foi? 

— Ashley, você tem tomado anticoncepcional? — ela perguntou firme e eu lhe olhei confusa.

— Não. Parei quando terminei com o Myles, não estou me relacionando com ninguém então não preciso tomar aquela bomba de remédios — respondi.

— E quando você precisa você usa algum método contraceptivo? — ela insistiu e eu lhe olhei desconfiada.

— Não precisei até o determinado momento porque eu só durmo e trabalho — respondi a contragosto, ela ainda me encarando firme.  Fui até a pia lavar a boca. — Mas, se eu tiver algum envolvimento com alguém eu vou optar pela camisinha, é claro. Por que?

— Quando foi sua última menstruação? — ela perguntou e eu cuspi toda a água que estava na minha boca.

— Que porra é essa, Scarlett? — grunhi, nervosa pelo rumo que a conversa estava seguindo. Ela suspirou e afrouxou os braços.

—  Eu acho que você está grávida, Ashley. Eu acho muito que você está grávida — ela afirmou e minhas pernas bambearam. Ela estava de sacanagem, não é? — Esse sono excessivo, os enjôos, seu desmaio de ontem, essa sensibilidade com cheiros agora … Eu quero muito estar errada, mas isso parece gravidez.

— Você está viajando, Scar. É óbvio que eu não estou grávida — ri nervosa, negando com a cabeça.

— Quando foi sua última menstruação? — ela repetiu a pergunta e eu revirei os olhos.

— Ela está desregulada porque eu parei o remédio — murmurei.

— Tá, mas quando foi a última vez que você menstruou? — ela insistiu e eu bufei irritada, cruzando os braços me negando a responder. Um silêncio se instalou no banheiro enquanto nós duas nos encaramos, ela me esperando falar e eu me negando a dizer algo. Quando vi que meu silêncio seria em vão respondi sua pergunta a contragosto. 

— Ela não veio desde que eu parei o remédio — admiti e ela passou a mão pelos cabelos nervosa.

—E quando foi isso? — perguntou.

— Há cerca de seis meses — murmurei culpada e ela soltou todo o ar que prendia. 

— E você ainda acha que não está grávida?! — ela suprimiu um grito irritado — Que porra,
Ashley! Eu vou comprar um teste, você me espera aqui dentro! — ela exclamou nervosa, saindo do banheiro às pressas antes que eu pudesse responder alguma coisa. Dei um grito irritada com a situação. Eu não estava grávida, aquilo era uma reação natural do meu corpo pela ausência do remédio. A bula dizia isso, que parar a medicação afetava o ciclo menstrual por conta da desestabilização dos hormônios, demora um tempo para tudo voltar ao normal … eu não podia estar grávida. Eu nem queria estar grávida!

— Puta que pariu — choraminguei, apoiando a cabeça na parede, prendendo o choro. O pior é que fazia sentido, fazia muito sentido! Isso explicaria o cansaço, o sono excessivo, meu humor volátil, a dor nas costas, o ganho de peso … tudo! Mas não podia ser real, eu não queria ter um filho. Não, isso não podia acontecer! Gritei com raiva e taquei um rolo de papel higiênico na parede, resistindo ao desejo de quebrar o espelho.  

— Calma, Ashley … isso não passa de uma suspeita da Scarlett. Você vai fazer essa porra de teste, vai dar negativo e vai ficar tudo bem. Não tem nenhum feto na sua barriga não — murmurei para o meu reflexo, repetindo de forma doentia aquela frase para me tranquilizar. Ouvi passos do lado de fora e corrigi minha postura, para o caso de ser uma pessoa desconhecida. A última coisa que eu precisava naquele momento era alguém fazendo fofoca sobre o porquê de eu estar no banheiro escondida.

— Tudo bem? — uma mulher com o uniforme da cafeteria entrou no banheiro — Vi que você entrou aqui meio nervosa e ainda não saiu, fiquei preocupada.

— Sim, está tudo bem. É que eu tenho medo de avião, vim para cá e acalmar — menti descaradamente e ela sorriu sensível à minha frase. Aquilo explicaria meu olhar apavorado — Eu sei que estou velha pra isso, mas é mais forte que eu!

— Fica tranquila, esse medo é mais comum do que você pensa — ela sorriu empática — Se precisar de alguma coisa, pode me chamar lá no balcão. 

— Certo, Ariel — respondi lendo o nome no crachá dela. Ela sorriu e saiu, me deixando sozinha novamente. Deixei de lado a minha farsa calma e apertei nervosa o mármore da pia até Scarllet voltar ao banheiro depois de alguns minutos.

— Tome, faça isso por favor — ela disse afobada, tirando a caixinha do teste da bolsa dela. Peguei o item trêmula e entrei na cabine nervosa.

— Você sabe como se faz isso? — perguntei abrindo o kit.

— Faz anos que eu fiz isso, Ashley. Não faço a mínima ideia, só sei que esse mostra as semanas e foi caro pra caralho — ela exclamou e eu li as instruções rapidamente. Suspirei e urinei no local indicado, apoiando sobre a caixa do próprio teste. Li rapidamente as instruções, vendo que o teste ficaria pronto em até 3 minutos. 

— São que horas? — murmurei tensa.

— Nove e oito da manhã. Por que?

— O teste fica pronto às nove e onze — respondi, cada vez mais nervosa. 

— São nove e nove agora — ela exclamou e eu vi o visor piscar alguns inscritos. Prendi a respiração e peguei o teste na mão, sentindo meu mundo cair dentro de mim. O resultado tinha vindo. Positivo. Eu estava grávida. Grávida há mais de 5 semanas. 

 


Notas Finais


Agora vocês me matam por parar nessa parte hahahaha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...