História We're all in one - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Hunhan, Incesto, Kaisoo, Taoris, Xiuchen, Yaoi
Visualizações 298
Palavras 2.005
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


We're all in one não vai morrer!

Ela vai evoluir, com licença!

Capítulo 16 - Bem-vindos a sala 8!


Fanfic / Fanfiction We're all in one - Capítulo 16 - Bem-vindos a sala 8!

+ Baekhyun +

 

No momento em que eu coloco meus pés na empresa, eu sei que algo está diferente. Pode ser pelos funcionários que se amontoam a cada cinco passos para trocar informações, ou pelo tanto de gente apressada que vai de um lado para o outro com pilhas, e mais pilhas de documentos. Quando eu e o Chanyeol cruzamos a porta da grande máquina de metal, fomos recebidos por muitos acionistas e pessoas que não deviam estar ali. Não enquanto o meu pai não tivesse chegado.

— Baekhyun! — ouço a voz do meu irmão, Sehun, ele está de terno e todo arrumado.

O amor realmente é capaz de virar do acesso às pessoas.

— Hyung? O que estas fazendo aqui? O que está acontecendo? — mordo meu lábio pelo nervosismo e sinto uma mão pesada e grande em meu ombro.

— Sinceramente, tenho uma grande noção do que se passa aqui. E essa noção diz que seu pai voltou — Chanyeol diz.

— Está certo. O Appa voltou mesmo. Com uma mulher, e ele disse que espera a todos na sala 8.

Fomos até a sala 8. Inferno, literalmente uma palavra interpretada de muitos sentidos, mas parece que hoje, eu encontrei um novo sentindo. Com certeza esse sentido é a sala 8 de reuniões. Mãe, pai, tia, irmãos, advogados mais próximos...

— Baekkie-ah! — recebo um abraço apertado do Jin hyung que eu prontamente trato de responder. Não queria parecer uma criança indefesa. Droga! Sou exatamente isso no momento. — Fique calmo querido, está tudo certo ok?

Todos em seus lugares, menos o meu coração que eu acho que quer ir dar uma voltinha.

 

— Primeiramente, essa é a minha irmã, Park Byun SunHee — minha tia levanta e faz uma reverência logo sentando novamente. — Na presença de todos vocês, eu gostaria de anunciar minha aposentadoria. Também gostaria de avisar quem ficará no comando das três empresas.

Meu pai direciona sua total atenção a minha tia.

— SunHee ficará com a presidência desta empresa — a mulher que um dia eu admirei concorda com um sorriso formal. — Junto dele ficará o Luhan, como braço direito.

Meu irmão concorda. Por que ele concorda?

— Oh Sehun — olho de relance pro mais velho. — Você irá assumir minha empresa na China. — Luhan Coréia, Sehun China? E eles parecem conformados? O que merda está acontecendo nessa família? — Junto de você irá o Chanyeol, meu fiel escudeiro.

Chanyeol... Vai... Pra... China? Sinto um soco em meu estômago e logo a ardência conhecida por mim como um ataque claro de choro. Olho desesperado pro Chanyeol. Ele não falou nada, apenas se conformou como os outros. Eles já sabiam... Todos eles. Por isso nenhum ousou olhar em meus braços.

— Por último Baekhyun, eu e minha esposa vamos pra Singapura cuidar de tudo lá.

Uma mão segura forte a minha, Kim SeokJin sendo o anjo que é. Todos apenas continuam. Quando minha vida virou um jogo pra todos? Eles não podem ficar jogando-me pra onde quiserem.

— Baekkie — Jin hyung chama a minha atenção. — Faça o que o seu coração quer. Sua vida, apenas sua, não deixe que alguém decida por você. Mude o seu mundo, vou estar com você — NamJoon hyung se aproxima mais de mim. Fito ele.

— Deixe-se ser jovem pelo menos uma vez na vida, e faça besteira sem pensar nas conseqüências, permita-se, mas a cima de tudo se for pra viver, viva correndo atrás do que você realmente quer. Caso o contrário não vai valer a pena — ele acaricia meu ombro. Olho os dois. — Sim, vamos estar aqui.

Respiro fundo. No final, o mais legal é que mesmo quando erramos temos alguém lá pra segurar as nossas mãos. Isso faz qualquer conseqüência valer a pena.

Porque os erros são as conseqüências daquilo que mais desejamos, e os acertos são as tentativas de tudo o que queríamos que fosse errado, mas o errado sempre vai ser o contra de nossas vontades.

— Baekhyun você deve assinar aqui! — meu pai chama a minha atenção.

Balanço a cabeça negativamente pegando o trenzinho da coragem.

— Não.

— Como é? — recebo todos os olhares surpresos.

— Eu disse: NÃO! — levanto-me e bato com força as duas mãos na mesa. — Não vou pra Singapura, não vou te ajudar com merda nenhuma nas empresas. Sou um escritor e não um empresário sem sal. Você não vai comandar minha vida.

— Baekhyun, haja como gente e assine isso logo — minha mãe grita comigo.

— Cala a boca sua vaca loca! — grito com ela. — Você não é minha mãe, é só uma desgraçada que quer destruir com tudo o que eu tenho de bom. Qual a porra do problema dessa família?

Vou até o meu pai e arranco aqueles papéis de suas mãos os jogando janela a baixo.

— O que você acha que está fazendo Baekhyun? — meu pai grita comigo furioso enquanto segura em meu pulso com força. Gemi de dor. — Seu merda! Eu devia adivinhar que você seria apenas decepções.

Meu corpo treme. Sua mão levanta pra deixar algum hematoma em minha face, porém o mesmo foi parado por uma voz grossa que atingiu com força nossos ouvidos.

— Não ouse bater no meu pequeno! — Chanyeol estava furioso. Nunca o vi dessa forma.

— Seu pequeno? — Yora, minha querida mãe, repete sua frase com nojo aparente na voz. — Deveria adivinhar que você era gay. Tem por quem puxar!

— Cala a boca Yora! Baekhyun não é gay.

— Realmente não sou — sorri ladino. — Eu apenas beijo garotos.

Dessa vez Chanyeol não pode impedir, recebo um tapa forte em meu rosto.

— VOCÊ ESTÁ MALUCO!? — tia SunHee puxa-me com força das mãos do meu agressor.

Percebi que apenas os da família, e Jackson, Mark, NamJoon e Jin ficaram na sala. Eles são os mais próximos da nossa "família", ninguém se importa se eles sabem de todos os podres. No final nem dei atenção pra isso, apenas comecei a chorar. Chanyeol dá a volta na mesa. Corro até ele que me junta em seus braços grandes. Finalmente seguro.

— PAREM COM ISSO! É ERRADO E NOJENTO!! — Appa grita.

A risada irônica da minha tia corta o meu abraço com o Chanyeol que se põe em minha frente. Mark hyung puxa-me pro lado deles.

— Isso vai esquentar — Jackson hyung diz.

Jin limpa minhas lágrimas e deixa um beijo em minha testa abraçando-me de lado.

— Vai passar calma, estou orgulhoso de você... — escondo meu rosto em seu pescoço.

— Eu também hyung.

— Como você pode fazer com nossos filhos o que fizeram com você um dia? Qual é o seu problema? — SunHee distribui tapas em seu peitoral.

— Não ouse falar disso.

— Para de show BaekJong, o seu melhor amigo, aquele que um dia você amou, morreu por toda essa merda de preconceito. Ainda bem que ele morreu e não viveu ao lado se um homem nojento como você! — fico sem entender nada.

"Meu pai se sentia como Plutão..." lembro do que o Chanyeol disse-me quando estávamos na China.

— Já chega SunHee! — ele tenta parar a mesma.

Minha tia se afasta dele e olha pra mim.

— Sabe por que eu tive que adorar você Chanyeol? Sabe por que eu não pude gerar um filho? — ela deixa lágrimas de pura dor escapar entre seus olhos. — Éramos amigos, melhores amigos, mas eu fui destinada a casar com ele. Papai era um preconceituoso maluco, fez isso porque sempre estranhou o relacionamento do meu irmão com seu pai.

— Não fala do Minhyuk.

— Porque não? — meu pai senta na cadeira sem forças alguma. — Fala maninho...?

— Eles não podem saber...

— Eles vão saber.

Ninguém está preparado para o que vem por aí.

— Na época do colégio eu e o BaekJong compartilhávamos do mesmo melhor amigo: Lee Minhyuk — SunHee da início a sua história. — Um garoto meigo, divertido e o melhor amigo que qualquer um poderia querer. Éramos extremamente Unidos e inseparáveis. Só que daí... — ela suspira.

 

 

— Meu irmão acabou apaixonando-se por ele. Juntos eles descobriram o amor, tão lindos e unidos... O problema foi que o nosso pai e o pai de Minhyuk já tinham planos pra nós: Eu casaria com o Hyukkie. Tudo isso era certo até o dia em que o nosso pai os pegou aos beijos. O Papai ele... Ele, os espancou e jurou que acabaria com aquela "nojeira". Fomos obrigados a nos casar, foram duas horríveis, porém os dias em que vieram superaram. Decidi acobertar os dois mesmo depois de casada, a questão é que o papai descobriu novamente.

— E isso causou a morte do meu menino — fico surpreso com o que o meu pai diz.

— Tínhamos adotado a pouco tempo o Chanyeol, Hyukkie o amava tanto!

— O vovô ele...?

— Eu o matei, em legítima defesa pois ele queria que eu tivesse o mesmo fim que meu amado teve — meu pai completa.

O local do tapa ardia, e eu podia ver a raiva esvaindo de cada poro da minha progenitora. Olhei pro Chanyeol que apenas apertava a ponta da mesa com força.

— Você não vai fazer a mesma besteira que eu Baekhyun.

— Acontece é que eu já fiz — digo. — Minha escolha é o Chanyeol, e você não pode sair mudando a vida de todos só porque a sua vida foi uma merda.

— Ele está certo pai — Luhan diz. — Sabe... Chegou à hora dessa família parar de ser tão perturbada — Luh solta um risinho.

— Sr.Byun, eu sei que vocês têm milhares de coisas para resolver, sei que o Baekkie está muito machucado também, então se o senhor realmente tomou sua decisão, respeite a dele.

— E quem vai cuidar dessa peste? — Yora pergunta.

— Eu serei responsável por ele, eu juro... Vocês todos sabem muito bem da minha competência, ele vai ficar muito bem comigo, pelo menos até a sua maioridade, ele já, já faz dezenove, e já é bem crescidinho — Jin hyung diz decidindo.

— Mas e o Chanyeol...? — pergunto baixinho. Channie pega em minha mão e vem até mim sorrindo.

— Filho, você já está bem grandinho. Tem 24 anos nas costas, já pode muito bem decidir o que quer não é? — SunHee diz.

— Decidam e comuniquem-me — meu pai diz levantando. Nunca vi o mesmo tão abatido. — Baekhyun, se escolher morar com o Kim, saiba que não herdará nada meu. E se escolher o Chanyeol, me esqueça.

A porta da sala é fechada com força.

Escondo meu rosto no pescoço do Chanyeol e sou envolvido em um abraço quente.

— Já tenho minha escolha — digo decidido.

— Eu também pequeno, eu também.
 

 

 

 

 

[...]

{Uma semana depois}

 

 

 

Mordo meu lábio ao ver todas aquelas malas espalhadas ao meu redor. Já fez alguns dias em que eu estou morando com o Jin hyung, Luhan e Sehun? Eles estão bem e assim como eu vão ficar, porém como eles já são de maior terão a própria casa. Meus pais não sabem sobre os dois ainda, e vão continuar sem saber, e por mim não tem problema. Até porque eles já se foram. Vivo uma vida simples agora. Pela primeira vez eu tenho uma vida. Sou extremamente grato a tudo o que o NamJoon e o Jin fizeram por mim.

— É a última chamada — Channie diz baixinho. — Preciso ir pequeno.

— Channie eu... — apenas começo a chorar tão de repente quanto amei.

— Ei Baekkie, eu prometo que vou voltar ok? São só três anos.

— Três anos sem o meu idiota — abraço ele apertado.

— Promete que vai seguir em frente? Promete que vai cuidar bem de si mesmo e vai correr atrás dos seus sonhos?

— I promise...

— Ótimo! — ele se afasta só pra olhar em meus olhos. — Agora eu posso ir em paz — recebo um selinho carinhoso. — Vou voltar, e isso é sim uma promessa.

— Até daqui a três anos!

— Até daqui a três anos!

Nossos lábios têm o prazer de se conectarem mais uma vez antes de deixá-los partir.

CHANYEOL BABACA! — chamo o mesmo. — EU AMO VOCÊ!

EU TAMBÉM TE AMO ESTELAR!

Simples e difícil. Aceitamos nossas decisões, eu vou ficar e terminar meu colégio, até porque eu ainda sou muito novo para um relacionamento, mas como combinado o terei de volta daqui a três anos.

Essa é a vida, escolhas podem nos amadurecer mais do que nos corrigir.

Eu escolhi o Chanyeol.

Espero que o tempo escolha nós também.


Notas Finais


É com prazer que eu anúncio: A SEGUNDA TEMPORADA DE WE'RE ALL IN ONE!!!!!

Exatamente. Ela vai continuar, e dessa vez com tudo.

Muito obrigado pelos favoritos, amo todos vocês que não me deixaram desistir desse bebê e ainda deram-me novos planos.

Um beijão, e até a próxima temporada! ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...