História We're The Same - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Cantora, Demi Lovato, Dinah Jane, Filhos, Lauren Jauregui, Lebians, Lesbicas, Normani Kordei, Norminah, Selena Gomez, Semi, Sex, Sexo, Sexo Camren, Trolly
Visualizações 56
Palavras 3.380
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey!! Olha eu de novo
Prometo que essa eu termino
Gente, me ajuda por favor
Ajuda essa criança iniciante aqui ó!! É sou eu
Favoritem e Comentem
Não peço mais nada
Só comentem pra mim não ficar desmotivada e acabar não completando a história e eu tbm sou muito gente boa, pq se vcs comentarem eu juro de dedo mindinho que posto outro antes do fim de semana

Boa leitura

Espero que gostem

Não gozem pq ainda nm tem sexo, mas..... Neeeeee

Capítulo 1 - Fodeu!!


A minha aventura começou no momento em que eu achei que era adulta, que sabia o suficiente para fazer escolhas pra minha própria vida sem precisar de ninguém se meter, dando opiniões que nem fazia questão de seguir. Isso aconteceu há 6 anos atrás, eu era uma simples pobre garota rica vivendo em um apartamento luxuoso na costa da Flórida, próximo à Miami.

Morei no mesmo lugar desde o dia em que nasci até o dia que fugi, aos 17 anos. Meus pais eram as melhores pessoas do mundo, meus irmãos adoráveis, existia intriga entre nós, claro, éramos irmãos, impossível não existir, mas eu os amava acima de tudo. Mas eu não podia permanecer lá, meu erro iria fazê-los pagar por algo que não tinham cometido.

Meus olhos coçaram, não aguentava mais fingir que estava dormindo. O barulho da tv era praticamente inexistente, mas ainda sim podia ouvi-la passando um desenho animado que me faz relembrar os velhos tempos. Bob Esponja sempre me fazia lembrar do meu passado e as pessoas que nele estavam trancafiadas. Respirei fundo tentando me esquecer desse meu passado, esticando as pernas e empurrando o edredom para os pés.

_ Mamãe. - resmungou risonho, puxando o edredom de volta, cobrindo-nos novamente.

Girei meu corpo na cama, deitando de lado, de modo que ficasse de frente com o meu pequeno príncipe. Meu amor e a minha razão de levantar todos os dias e querer fazer alguma coisa. Theo sorri largo, mostrando-me seus dentinhos alinhados, que não foram puxados de mim, e suas graciosas covinhas.

_ Bueno día mí amor. - desejei sorrindo de volta, flexionando os braços na cama para sentar-me, recostando na cabeceira e puxando meu filho para ficar entre minhas pernas. Theodore Leslie, ou simplesmente Theo que era como eu o chamava, era o garoto mais lindo do mundo, modéstia à parte, óbvio.

_ Mom. - ele choramingou se encolhendo nos meus braços, escondendo o rosto na curva do meu pescoço.

Sorri, subindo minha mão por sua costa até chegar em seu cabelo, acariciando com certo cuidado os fios negros dos quais eu tinha tanto orgulho. Sua respiração no meu pescoço servia para me acalmar, me deixando sonolenta uma outra vez. Ajeitei ele na cama, deitando ao seu lado e adormecendo pouco depois.
 

/*\


Meu sangue gelou ao ouvir a diretora da instituição de caridade me informar sobre o leilão  beneficente que iam fazer em minha homenagem. Apertei o celular contra minha orelha, questionando-a sobre a localização da festa, eu provavelmente teria ouvido errado, mas fiquei chocada ao ouvi-la dizer que a festa aconteceria no Estrabao Plaza Hotel e que contaria com a presença da família Cabello.

Fodeu, pensei procurando respirar fundo e me sentar de forma confortável na minha cadeira, encarando os documentos que tinha deixado aberto a fim de lê-los antes que desse a minha hora e tivesse que sair correndo para buscar meu filho na escola, deixá-lo no salão e finalmente começar a me aprontar pra grande festa que eu iria nessa noite.

A mulher me passou mais algumas informações sobre a festa, deixando-me curiosa sobre o meu papel tão importante de acordo com ela, apesar de não revelar qual seria esse grande papel. Bufei frustrada, apertando o botão para finalizar a chamada. Nerea não me contara nada, embora eu tenha praticamente implorado, ela apenas desligara o telefone na minha cara.

Sacudi a cabeça, não tinha tempo pra ficar imaginando coisas, tinha listas e mais listas de emails para ler e dar uma checada em todas as Bolsas, e ninguém poderia fazer o trabalho por mim, levando em conta que eu trabalho sentada na sala de estar do meu próprio apartamento em Barcelona.

Meu olhar levantou, indo além das grandes janelas de vidro que cobriam toda a parede, me concedendo uma das mais belas visões que se pode ter de Barcelona. O sol ainda ia alto no horizonte O céu quase cegava-me de tão claro. Desviei os olhos, abaixando a cabeça e sorrindo, sentindo agradecida por ter esse privilégio de poder olhar pro céu e prestar atenção nele, enxergar a beleza nas coisas mais simples.

Voltei meu olhar atento pro notebook que permanecia sobre meu colo, afastei o iphone, deixando-o cair sobre o sofá para que tivesse liberdade de responder os e-mails que considerasse importantes.

As horas passaram voando, logo eu já estava de pé, segurando a minha bolsa no antebraço direito e o molho de chaves na mão esquerda, tentando lembrar o que eu estava esquecendo. Olhei ao redor tentando me lembrar, esforçando meu cérebro, por fim, desisti, bufando alto e saindo de casa sem o mínimo de paciência. Puxei a porta, sabendo que o meu moderno sistema de segurança travaria automaticamente e sol tornaria a abrir a porta com minha digital ou a senha correta.

Atravessei a cidade para encontrar-me com meu pequeno me esperando no portão da escola junto à alguns outros alunos que se despediram do meu niño assim que viram meu carro aproximando.

_ E aí mommy? - Theo mal abriu a porta do carro e já foi perguntando, exibindo mais um daqueles sorrisos largos que eu tanto amava.

Sorri pra ele, olhando pro retrovisor antes de colocar o carro em movimento novamente. Barcelona com certeza era uma das melhores cidades do mundo para viver, mas às vezes o trânsito me tirava a paciência, principalmente nos horários de picos, quando tinha o maior número de tráfego e parecia que eu estava de tartaruga.

_ Como foi na aula? - perguntei, olhando de soslaio pra ele, sem deixar de dar atenção ao trânsito.

_ Foi legal. - respondeu, objetivo. - E a senhora?

_ O que tem eu? - perguntei admirada com a velocidade em que ele decidiu trocar o assunto. Sabia que ele estava me encarando com um ar de deboche devido à minha pergunta, mas mantive meu silêncio e minha atenção no trânsito.

_ Como passou o dia? - ele perguntou tocando o meu braço com seus dedos curtos. - A senhora tá meio tensa, sabe?

Forcei uma risada, tentando disfarçar o meu nervosismo para hoje a noite. Não tinha nenhum motivo para deixar Theo saber sobre meu envolvimento com a família Cabello, até porque foi bem antes dele sequer ter sido concebido.

_ Eu estou bem. - falei por fim.

_ Tem falado com o papai? - ele trocou de assunto, apesar de eu saber que não tinha conseguido êxito na minha mentira.

_ Com Zayn??

_ E por acaso eu tenho outo? - ele retrucou sem esperar eu terminar de responder sua outra pergunta.

Menino mal educado, foi a primeira coisa que me veio em pensamento depois da resposta que Theo deu pra minha pergunta sem complemento.

_ Depois fica uma semana sem celular e videogame e não sabe porque. - comentei da forma mais irônica que consegui, fazendo questão de olhar pra carinha aterrorizada dele. - Sou sua mãe, menino, mais respeito comigo.

_ Tá, tá mãe. - ele apressou em dizer, tentando fazer soar como uma brincadeira infantil. - Plometo que eu nunca mais faiz isso, não deixa eu sem meu xbox, por favor.

Batuquei os dedos no volante, deixando meu corpo relaxar na poltrona confortável enquanto parava brevemente em um sinal vermelho. Virei meu olhar, dando atenção apenas ao meu filhote, esse que me olhava com os olhos arregalados e o rosto contorcido numa careta aterrorizada.

Não aguentei segurar o riso. Aquela carinha dele era o meu fim, claro que se eu realmente fosse castigá-lo, não me deixaria levar por uma carinha de cão que caiu da mudança, mas eu só estava brincando, então tinha o direito de rir da cara decepcionada dele pra mim.

_ Para de rir de mim. - reclamou fazendo beicinho e cruzando os braços na altura do peito.

O sinal abriu e logo os carros entraram em movimento, acompanhei o fluxo, me movendo na mesma velocidade, mesmo sabendo que chegaria atrasada ao salão e consequentemente na festa. Respirei fundo, mantendo a minha calma. Ao meu lado Theo tagarelava sobre a escola e sobre como tinha sido seu dia, desistindo de tentar tirar alguma informação de mim.

Mal sabia eu que aquele era apenas o começo da minha outra grande nova aventura.

 

/*\

 

Camila estava sentada de frente pras grandes janelas do quarto ouvindo seus pais dizerem sobre quão boa era a pessoa que doou todo aquele dinheiro por uma causa que nem conhecia. Claro que Sinuhe e Alejandro nunca passariam a perna em ninguém, pegando o dinheiro e usando pra outra finalidade, até porque não precisavam. A família Cabello era uma das famílias mais ricas de Miami e talvez até dos Estados Unidos. O orgulho da latina pela família que tinha era notável, não só pelo dinheiro, mas pela capacidade dos pais em saírem da pobreza e ainda sim, manter o coração na humildade. Eram poucas as pessoas que conseguiam sem ser corrompidas pelo dinheiro e fama e Camila era muito agradecida pelos pais e por tudo que tinham.

 

_ Filha, viu a Helena? - Sinu perguntou levantando a voz com a intenção que Camila a ouvisse, mal sabia a mulher que Camila estava atenta à sua conversa com o marido.

 

_ Ainda não. - Camila sorriu de lado. - Mas ela deve estar linda como sempre.

 

_ Tô mesmo. - a voz infantil da garota viajou pelo cômodo, aumentando ainda mais o sorriso da mãe.

 

Camila empurrou o pé no chão, pegando impulso pra cadeira rodopiar a parar de frente pra eles. Sua pequena, não tão pequena assim, estava vestida como a verdadeira princesa que ela era. Seu vestido verde água tinha um lindo desenho de pavão que começava no busto e se espalhava pela saia rodada, marcando apenas o contorno da cintura da pequena com uma faixa que também seguia os mesmo desenhos que pareciam pintado à mão. Seu cabelo castanho claro estava solto e seu único ornamento era a pequena coroa presa em uma tiara. A maquiagem era praticamente inexistente.

 

_ Muito modesta você. - Camila falou em tom provocativo, abrindo os braços para receber sua pequena.

 

_Mas eu apendeu com a senhora. - Helena retrucou na mesma hora, se ajeitando no colo de Camila, soprou um beijinho e um risinho típico de criança sapeca.

 

_ Minhas crianças. - Alejandro murmurou abraçando a esposa de lado, recostando sua cabeça na de Sinu, observando o jeito carinhoso de sua filha com sua neta, e sentiu falta da outra mulher de sua vida. - Espero que Sofia não demore muito.

 

_ Relaxa, papa. - Camila fitou o homem sobre a cabeça da pequena recostada em seu peito brincando com o tecido no trânsito decote de,vestido da latina. - Ela disse que vai nos encontrar lá, quieta o facho. Além do mais ela deve estar com a Taylor.

 

Alejandro sorriu apesar de comprimir os lábios, apertando ainda mais sua esposa contra seu corpo. Seus bebês estavam crescidos, no próximo outono Sofia ingressaria em Stanford, ficaria longe de casa assim como Camila, que apesar de morar na mesma cidade eram raras as vezes que aparecia na casa dos pais.

 

_ Nem acredito. - Sinu murmurou chorosa. - Eu não tenho mais bebê.

 

Camila soltou uma pequena risada.

 

_ Ainda tem a Helena.

 

_ Helena também já está grande. - Sinu se apressou em dizer ao ver o tamanho do bico na cara da menor, piscando um olho e recebendo uma piscada por parte da pequena garotinha. - Já está na hora da senhora aqui ser avó de novo, não acha Camila?

 

Camila negou o mais rápido possível, balançando a cabeça incontáveis vezes com o rosto contorcido num misto de surpresa e horror.

 

_ Ainda não achei a mulher certa, mama.

 

_ Eu sei, mí hija. - Sinu sorriu tranquilizando sua primogênita. - Estou brincando com a sua cara, bobinha. Mas ainda acho que você já encontrou na sua mulher, só que não soube valorizar.

 

Camila abaixou a cabeça, fitando o chão, prendendo o lábio inferior entre os dentes e apertando seus braços ao redor de sua pequena. Sabendo do assunto que sua mama falava preferiu não dar palpite, tinha feito merda mesmo e tudo que queria era uma chance para refazer, pedir perdão e retomar sua vida.

 

_ Mama…

 

_ Eu sei. - Sinu abanou as mãos, saindo do abraço do marido e indo até a filha, puxando-a para seus braços, deixando um beijo casto sobre seus fios castanhos perfeitamente arrumados. - Te amo, hija.

 

_ Também te amo, mama. - forçou um sorriso, temendo que chorasse e estragasse a maquiagem. - Vamos? Os Jauregui já devem estar irritados com o nosso atraso.

 

_ Clara não colocou nem o vestido ainda, quer apostar? - Sinu desfez o abraço, olhando-se no espelho de corpo todo que preenchia a parede atrás da cama, dando uma olhada em seu look.

 

Camila levantou os olhos, fitando o teto e evitando que lágrimas caíssem e borrasse a maquiagem que demorou tanto tempo para ficar pronta.

 

_ Se ela for tão enrolada quanto a filha, provavelmente não está pronta mesmo. - a latina concordou ainda olhando pro teto do quarto.

 

Sua mente estava com um enorme ponto de interrogação. Desde que Lauren tinha partido de Miami deixando um bilhete sobre a cama, o qual não mencionava Camila, só pedia que a deixassem em paz, eles não tocavam no assunto, mas magicamente o assunto ressurgiu, trazendo todos os sentimentos que Camila jurou não ter à tona.

 

_ Mama? - Helena apoiou as mãos nas coxas da latina, ganhando toda a sua atenção. - É quem a mulhê da sua vida?

 

Camila assustou-se com a pergunta que escapuliu pela filha, culpando a mãe por ter uma boca tão grande, mas ao invés de falar algo, só olhou nos olhos de Sinuhe censurando a mais velha.

 

_ Ninguém, mí amor.

 

_ Mas a vovó falou que… - Helena explicou desesperada apontando pra avó. - Eu pode te ajudar a achar a mulher. Ela é bonita?

 

Camila sorriu bobamente, derretida pela bondade de sua pequena, Helena podia até não ter o sangue dos Cabello, mas com certeza era uma no coração. Ela era tão boa, tão gentil, Camila esforçou para agarrar ainda mais a pequena, imaginando que no lugar de uma filha, ela tinha um anjo que guardava e zelava por seu coração.

 

_ Hein, mama? - Helena cutucou a barriga da latina com o dedo indicador, sorrindo de forma sapeca. - Ela é bonita?

 

_ É linda. - Camila confidenciou, falando bem próximo da orelha da menor, que riu desesperadamente sentindo o hálito quente da mãe contra sua orelha. - Ela tem grandes olhos verdes e parece com um anjo.

 

_ Ela é mais bonita que eu? - Helena questionou fazendo bico e cruzando os braços abaixo do peito. - Poquê se ela fô mais bonita do que eu, não vai ajudar nada porque a senhora vai amar mais ela do que eu.

 

Camila balançou a cabeça rindo, desfazendo o abraço, deixando a menina livre em seu colo. Segurou o queixo da pequena entre as palmas da sua mão, aproximando seu rosto do dela, até que seus narizes se encostaram e elas viram apenas um olho ao invés de dois.

_ Eu nunca vou amar ninguém da mesma forma. - a latina prometeu, tocando a ponta do nariz da menor com o seu. - Eu sou sua, toda sua.

 

_ Te amo. - a pequena pôs as mãos nas bochechas da mãe, segurando o rosto contra o seu, sentindo a pele da mãe contra seus dedos gordinhos.

 

_ Te amo mais. - Camila mostrou língua pra ela, ganhando uma gargalhada gostosa em troca.

 

Ficaram se encarando, imersas demais nas próprias bolhas para lembrarem que não estavam sozinhas e que estavam atrasadas pro evento que deveriam comparecer, mesmo que tecnicamente já estivessem dentro do evento, uma vez que esse acontecia no salão do hotel.

 

_ Vamos. - Sinu colocou a mão no ombro da latina, tirando a mulher da bolha. - Já estamos 10 minutos atrasadas.

 

Como um foguete, Helena saltou do colo da mãe, ficando de pé ao seu lado, enquanto ajeitava o vestido esperando sua mama levantar para que dessem as mãos. Sempre tiveram a tradição de entrar em eventos de mãos dadas desde que Helena começou a andar.

 

_ Fiquei sabendo que o último leilão dessa noite vai ser um jantar com a mulher que doou o dinheiro pra instituição fazer o leilão. - Alejandro informou pra filha e pra esposa que acabavam de entrar no elevador.

 

_ Espero que não sisme de comprar esse jantar, viu Seu Alejandro. - Sinu cerrou os olhos, olhando desconfiada pro marido, que apenas sacudiu a cabeça e riu.

 

_ Seria você quem faria os lances, amor. -Alejandro informou, abraçando a cintura da esposa e deixando um beijo casto nos lábios da mesma.

 

Sons parecidos com o de vômito preencheram o ambiente em questão de segundos após o selinho. Camila e Helena olhavam os mais velhos fazendo caretas de nojo. Sinu revirou os olhos enquanto Alejandro caiu na risada. Muito palhaças, a filha e a neta. Mas no fim, estavam todos rindo quando deram de cara com os Jauregui e a Sofia no térreo.

 

_ Finalmente. - Mike suspirou aliviado. - Já estava quase mandando a Sofia ir atrás pra ver quem tinha morrido.

 

_ Deixa de drama. - Sinu passou por ele e deixou um tapa no pé da orelha. - Você é mais dramático que a Kaki e que a Taylor juntas.

 

Mike fez bico, passando a mão no local acertado por Sinuhe, enquanto a mesma se agarrava com Clara, não no sentido literal, claro.

 

Helena abandonou a mãe para ir andar junto com as tias e acabou que a latina ficou sozinha, seguindo atrás deles como uma sombra. O caminho era bem curto não compensava correr pra alcançar a irmã e a ex cunhada, logo todos estariam sentados ao redor de uma mesa bebendo mesmo.

 

A festa e o leilão acontecia dentro do salão de festas do hotel, porém se estendia até a parte externa que era onde tinha uma pequena pista de dança e um barzinho, onde os adolescentes e os jovens ficavam a maior parte do tempo, foi pra onde Taylor e Sofia foram assim que adentraram a festa. Helena foi atrás, mas não ficou por muito tempo, levando em conta que não tinha nenhuma criança e que os adolescentes não estavam muito em si, e ela sabia reconhecer isso.

 

_ Mama. - a menina resmungou, tentando subir no colo da mãe.

 

Camila riu da menina, mas estendeu o braço e a colocou sentada sobre seu colo, só tomando cuidado com os pés de Helena para não sujar seu vestido logo no início da festa. Porque se ela subisse pro quarto não voltaria mais.

 

_ Essa cidade é maravilhosa. - Clara comentou olhando ao redor, vendo as pessoas transitarem pra lá e pra cá, alguns garçons trajados à rigor.

 

_ As pessoas mais ainda. - Sinu falou olhando fixamente pra um rapaz realmente bonito. A mulher segurava uma taça de champanhe na altura dos lábios, mas estava muito ocupada observando o rapaz que ela jurava conhecer de algum lugar.

 

Alejandro seguiu o olhar da mulher, fazendo uma cara não muito boa quando descobriu o que tanto tirava a atenção da esposa.

 

_ Sinuhe!

 

_ Oi? - Sinu perguntou fazendo pose anjo, mas o sorrisinho safado permanecia em seus lábios, e seus olhos no moleque.

 

_ Para de encarar. - Alejandro reclamou com a esposa, emburrado.

 

Sinu deixou a taça repousar sobre a mesa e inclinou-se na direção do marido.

 

_Eu prefiro você.

 

_ Claro, eu sou seu marido. - Alejandro rebateu, sentindo o ego voltar a ser preenchido.

 

Clara que estava do outro lado revirou os olhos, virando o rosto para tentar descobrir quem era o tal rapaz que Sinu estava encarando e que tinha despertado o ciúme de Alejandro.

 

_ Zayn?!

 

_ Zayn? - Camila mordeu o lábio inferior, sentindo o estômago contrair, seguiu o olhar de Clara, dando de cara com o homem que por tantos anos foi o melhor amigo e o irmão de Lauren.

 

_ Meu Deus! É o Z. - Clara gritou estupefata, empurrando a cadeira pra trás sem o mínimo de classe, colocou-se de pé, praticamente correndo até o rapaz. - Zayn!

 

_ Tia Clara?!

6

Fodeu!


Notas Finais


Gente não esquece de comentar e favoritar a fic por favor!

Não esquece q se bater a meta q é 6 coment eu posto outro logo, logo, claro que não vou demorar mtoo msm se nao bater, mas por favor

Sejam bons comigo

Plisss

Boa semana amores meus



Ahhh e eu posto no Wattpad tbm tá


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...