1. Spirit Fanfics >
  2. What are we going to do now? >
  3. Um convite (in)esperado

História What are we going to do now? - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


-> oii gente, esse é o primeiro capítulo e espero que vocês gostem, boa leitura💖

Capítulo 2 - Um convite (in)esperado


Fanfic / Fanfiction What are we going to do now? - Capítulo 2 - Um convite (in)esperado

Terminamos o penúltimo dia de gravação, fui até um cantinho com as meninas do elenco onde nos abraçamos e até saíram algumas lágrimas e olha que ainda nem é o último dia, parte de nós estávamos felizes por estarmos terminando mais uma temporada, outra parte chorosa pois assim como eu mesmo não sabíamos que no outro dia seria o último dia naquele lugar e nessa série. Troco de roupa e vou saindo do camarim até esbarrar com Jorge.


 —  penúltimo dia vendo sua ilustre presença aqui  — ele fala e correspondo com um sorriso


 — sim sim, eu já tô até sentindo saudade  — sinto meu coração acelerar droga Danna se controla, nós já tínhamos ficado uma vez mas nada além de um beijo, negavamos sempre que perguntavam se a gente estava junto.


 — quer jantar comigo?  — meus pensamentos acabam sendo interrompidos pelo convite dele.


 — vamos sim, tô morrendo de fome e não vou negar  — ajeito minha bolsa e seguro a mão dele nós sempre andávamos assim de mãos dadas


No caminho até o restaurante fui dizendo o quanto estava animada para meus próximos projetos e a tour. Chegamos ao restaurante fazemos o pedido e brindamos com nossas taças de vinho.


 — vou sentir saudade de você  —  ele diz quebrando o silêncio


 — ui, só de mim?  — sorrio olhando para ele


 — não! quer dizer você vai ser a pessoa que eu vou sentir mais saudade, a gente vive sempre juntos nesse tempo  — ele dá um gole no vinho


 — entendi


O garçom traz o de pratos durante o jantar Jorge e me fez rir várias vezes, era incrível como eu me sentia bem perto dele, ficava mais alegre e circula eu ia sentir falta de veludo todos os dias durante o tempo de gravação, era nossa segunda temporada juntos e dessa vez parece que vou sentir mais saudade de ter ele por perto.


 — não podemos deixar de nos ver  — digo limpando minha boca com o guardanapo


 — não, eu não vou conseguir viver sem minha irmãzinha  — diz em tom de ironia


Irmãzinha? ah como eu queria te falar tudo que sinto


Antes de irmos embora Jorge me chamou para dar uma volta na cidade, vou ao banheiro e retoco minha maquiagem, eu já estava um pouco mais alegre por conta do álcool do vinho, eu não bebia fazia um tempo então meu corpo já havia se desacostumado, volto até a mesa e Jorge estava mexendo no celular ao que parece já tinha pagado a conta.


— votei  — digo me apoiando na cadeira


 — então vamos  — ele para se mexer no celular me olhando e dando um sorriso


Saímos do restaurante e olhamos para o céu, estava uma noite linda e estrelada,  ventava um pouco frio então eu segurava com minhas duas mãos a mão dele, paramos em frente a uma estátua de um cara pensando, acho que era uma praça eu não reconhecia aquele lugar.


Fomos rindo até achar um mercado Jorge entrou e me deixou esperando na frente quando vejo ele saí de lá com uma garrafa de champanhe na mão, dou risada.


 — posso saber pra que isso — pergunto


 — vamos comemorar  — ele fala levantando com uma mão a champanhe e a outra segurou minha mão e fomos correndo até uma parte da praça onde havia um gramado, a iluminação não era boa, como já era tarde havia pouca circulação de pessoas na rua, só haviam carros passando e alguns restaurantes abertos, nenhum paparazzi ia nos achar aqui, ele senta no chão tirando sua jaqueta para que eu pudesse sentar em cima.


 — você é louco  — digo me sentando e olhando para ele


 — só se for por você  — ele retruca


Ai meu Deus, o meu coração estava batendo mais forte e rápido que escola de samba.


 — Jorge eu não quero ser só mais uma aventura sua e-eu  — minhas palavras são interrompidas quando ele coloca seu dedo em cima de meus lábios


 — você não precisa falar mais nada, vamos beber e nos divertir, eu não vou te devolver tão cedo pra sua casa  — sorriu enquanto ele abre a champanhe virando um gole em sua boca e me dando a garrafa, faço o mesmo, a bebida não estava mais tão gelada e estava muito mais amarga


 — isso tá horrível cara  — rimos


Mesmo a bebida estando quente ele virava a garrafa.


 — amanhã a gente tem que gravar para com isso — tomo a garrafa da mão dele


 — tá bom, isso tava péssimo mesmo, eu só estava bebendo isso pra te deixar bravinha  — ele diz se deitando no chão


 — engraçadinho  — reviro os olhos


 — Danna, deita aqui olha, isso  — me deito ao lado dele olhando para o céu e estava lindo, na parte onde estávamos deitados dava de ver o céu lindo e estrelado, olho para ele que estava fixado olhando o céu, ficamos alguns minutos naquela posição até que percebo que já passava da 1 da manhã e precisava ir pra casa.


 — eu peço um uber pra você  — ele diz pegando seu celular do bolso


 — muito obrigada  — me levanto do chão tirando algumas folhas que ficaram no meu cabelo e na jaqueta dele, devolvo para o mesmo que retruca


 — pode ficar com ela, tá frio e você não pode ficar doente  — ele levanta me olhando


 — tudo bem vou ficar com ela — coloco a jaqueta tentando fugir dos olhares e ao contrário disso ele segura minha mão, eu o abraço apertado


 — eu te amo Jorge, você é a melhor pessoa que eu conheci em toda minha vida  — eu costumava ser durona mas talvez pelo pouco de álcool no meu corpo e não aguentando mais ter esse sentimento guardado acabo falando


— eu também te amo muito Danna— ele fala passando a mão em meu cabelo, nos descolamos no abraço e nos olhamos e antes que pudéssemos falar ou fazer algo chegou notificação de que meu uber estava me esperando no canto da rua


— eu preciso ir agora  — aponto para a rua e vou andando


— até amanhã  — ele grita e me viro sorrindo e acenando

Entro no uber que estava ouvindo a rádio notícias da madrugada, presto um pouco de atenção até que encosto minha cabeça na janela do carro que estava fechada e tiro um cochilo, só percebo que cheguei em meu prédio quando o motorista do uber me acorda, pago e subo até meu apartamento.

Deixo minha bolsa em cima da mesa, vou até o quarto e me jogo na cama olhando pro teto, de pensar que alguns minutos atrás eu tava deitada e olhando o céu com Jorge.

Removo minha maquiagem com demaquilante, tomo um banho quente e me deito, pego meu celular e já era 2:30 da manhã, a hora passou voando.

Eu nunca fui boa em mostrar meus sentimentos, as amizades são sempre mais fáceis um "amiga eu te amo" é bem mais fácil, mas parece que no amor ainda me sinto insegura, ainda não sei desde quando eu passei a olhar ele com esses olhos que sejam além da amizade, talvez ele também me veja assim eu tô surtando porque eu não sei, daqui há uns dias vou voltar pra casa e ficar sem ele e tenho que aproveitar todo minuto que ainda tenho aqui, agora preciso dormir que depois tenho que ir gravar o último episódio.


Notas Finais


-> o primeiro capítulo foi mais pra deixar vocês a par de tudo, então prometo grandes coisas nos próximos, se cuidem e beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...