1. Spirit Fanfics >
  2. What de Need >
  3. 12. CAPÍTULO

História What de Need - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Dois capítulos por dia essa semana.
Sábado a próxima fic será postada aqui.

Capítulo 12 - 12. CAPÍTULO


"Você não tem ninguém para culpar além de si mesmo, irmão mais novo."  As palavras de Itachi tiraram Sasuke de sua fúria por um minuto.  Seu irmão foi a pessoa que deixou escapar seu segredo e sua fúria agora estava direcionada a Itachi.

"Você disse que ficaria quieto."  Sasuke grunhiu.  "Quieto como ninguém saberia, especialmente Sakura."

"Eu não disse uma palavra. Ela descobriu a si mesma."  Itachi defendeu.

"Com sua ajuda!"  Sasuke rosnou.  "É claro que você a levou a acreditar nisso e, com seu silêncio, você confirmou.

"Era seu direito saber, Sasuke. Ela tinha o direito de saber o que seu marido fez com ela."

"Você esperava isso então? Um processo de divórcio está chegando?"

"Foi sua escolha fazer isso. Foi inteiramente uma decisão dela."  Sasuke rosnou um pouco com isso.  Sua fúria estava aumentando e, agora, além de Itachi e Sakura, havia apenas mais uma pessoa em quem ele conseguia se soltar.  Perseguindo até a frente do escritório ignorando Itachi, que tinha um olhar curioso nos olhos do que Sasuke ia fazer.  Abrindo a porta, Sasuke andou apenas alguns metros antes de ficar na mesa da outra parte de sua indiscrição.

A cabeça ruiva estava ereta na cadeira, os olhos se arregalando atrás dos óculos de aro preto.  Ela estava esperando há semanas por outro possível encontro com esse homem.  A primeira e única vez até agora tinha sido emocionante.  Dormindo com o chefe do departamento.  Espero que ele estivesse prestes a iniciar a segunda rodada.  Cruzando as pernas, deixando a saia já curta subir escandalosamente demais para o trabalho, mas não para ela.

"Sas-" Ela começou a ronronar, mas foi cortada sua voz dominante.

"Fora", Sasuke retrucou.  "Você está demitido."  O tom dele não foi discutido e, depois de sinalizar dois policiais no chão, a ruiva foi retirada da sala e do prédio.  Se ele nunca mais a visse, seria muito cedo.  Seus olhos olharam para a porta aberta do escritório e viram Itachi com uma sobrancelha levantada.  Ele desviou o olhar e olhou para a mesa agora vazia antes de retornar ao seu escritório, pegando a jaqueta e as chaves e saindo do prédio.

Sakura recebeu uma cópia dos papéis do divórcio mais tarde naquela tarde após sua visita naquela manhã.  Olhando por cima dos papéis, foi o que ela pediu.  Somente a casa e a custódia de Seto.  Como fez seu coração doer ao ver isso no papel.  Custódia de seu próprio filho.  Ela não deveria ter que ter custódia.  Seto era seu filho e qualquer filho deveria estar com sua mãe.  Lágrimas deslizaram por suas bochechas ao perceber que seu casamento estava prestes a terminar.  Ela sentiria falta de Sasuke.  Seu coração sempre estaria com Sasuke e sempre o desejaria, mas seu coração não podia suportar a dor de estar casado com ele.  Para alguém que quebraria seus votos de casamento.  Alguém que viu ela e seu filho como um fardo.  Essa foi a melhor maneira.  Era a única maneira de ela realmente sobreviver.  Ouvindo o ruído dos pneus no meio-fio do lado de fora, ela rezou para que não fosse um Sasuke zangado.  Felizmente, Seto estava com seus pais novamente, para que ele não tivesse que ver ou ouvir a briga de seus pais.

"Sakura!"  A voz de Sasuke reverberou pela casa e depois de se recompor, ela conseguiu sair da cozinha e entrar na sala de estar.  Sasuke estava furioso, mas ela não se importava.  Eles haviam lutado antes e isso não seria diferente.

"Como se atreve a me servir documentos de divórcio!"  A voz de Sasuke rosnou para ela.  "Eu nunca assinarei esses papéis."

"Sasuke não faz isso. Por favor, vamos terminar isso."  Sakura não estava acima de implorar.  Ela queria que isso terminasse e terminasse.  "Não temos nada a salvar em nosso relacionamento e ambos merecemos qualquer felicidade que possamos obter".

"Não."  Sasuke balançou a cabeça.  "Não haverá divórcio. Nem agora nem nunca."  Ele assobiou a última palavra.

"Então conserte Sasuke!"  Sakura gritou.  "Conserte! Porque mais uma vez estou cansado de tudo."  Sakura gritou com o marido.  Ela estava chateada e emocionada e ele exigindo nenhum divórcio estava empurrando-a para o limite.  "Pela primeira vez, faça algo por mim! Pare de sempre pensar em si mesma. Estou morrendo neste casamento Sasuke! Não posso viver sem não ter um marido ainda ligado a um. Demos o nosso melhor tiro Sasuke, mas não está funcionando  Então, por favor, assine os papéis. "  Sentindo-se tonta, colocou a mão na testa e sentou-se no sofá, com os olhos cheios de lágrimas.  Sasuke observou sua esposa se sentar no sofá parecendo derrotada.  Ele não sabia o que deveria fazer.  Não tinha certeza se ele deveria fazer alguma coisa.  Ele não podia sentir nada por essa mulher naquele momento e não tinha certeza do porquê.  Mas ele sabia uma coisa.

"Não Sakura. Sem divórcio."  E com isso ele saiu da sala e saiu de casa, deixando a mulher de cabelos cor-de-rosa cair em lágrimas, sentindo-se ainda mais derrotada do que se sentia há muito tempo.

Sasuke dirigiu pela cidade por uma hora antes de voltar para o Departamento.  Nada tiraria sua mente de seus problemas conjugais e depois trabalharia nos casos seriados.  Quase voltando ao escritório, o prédio estava escuro, já que todos, exceto os oficiais de plantão, estavam lá.  Ele gostava do escuro, isso o ajudava a se concentrar e o fazia esquecer o resto do mundo ao seu redor.  Felizmente para ele, ele tinha duas telas de computador em sua mesa e foi capaz de puxar os arquivos eletronicamente e estudá-los lado a lado.  Observar todos os detalhes, mesmo os mais simples, o ajudaria a reunir o que estava acontecendo e talvez ajudasse a determinar onde seria o próximo local possível se o sujeito fizesse outro roubo.

Derramando as informações até o início da manhã, ele não conseguiu estabelecer nenhuma conexão real entre eles.  Os bairros não estavam exatamente mais próximos, mas não muito distantes, a única coisa em comum era que era um condomínio fechado.  Ele garantiria que amanhã todas as comunidades fechadas estivessem em alerta, por precaução, e pensando seriamente sobre isso, assim como a casa de Sakura, pois estava aninhada em um condomínio fechado.  O registro de data e hora de ambos os crimes ocorreu apenas à tarde e, honestamente, se não havia uma pessoa em casa, o assassinato pode nem ter acontecido.  Os itens retirados eram o mesmo dinheiro de um cofre.

Batendo a cabeça, ele desligou o computador e recostou-se na cadeira.  Seria bom estar de volta em sua cama, mas a cama que ele queria estava em uma casa que estava fora dos limites para ele, especialmente depois desta tarde.  O que havia de errado com ele?  Havia algo de errado com ele?  Sakura parecia impossível de agradar ultimamente e nada que ele fizesse melhorou.  Eles não poderiam voltar a uma época em que ele deveria voltar para casa, não importa a hora, e ir para a cama com ela era uma coisa boa.  Aparentemente, um marido das nove às cinco era o que ela queria agora.  Ele zombou com o pensamento.  Ele trabalhou longas horas.  Não poderia ser ajudado.

E Seto.  O filho dele.  Seus olhos se fecharam e ele fez uma careta.  Seu próprio pai não estava em casa às cinco todo dia.  O Departamento trabalhava em período integral e trabalhava 24 horas por dia.  Às vezes, seu pai passava dias trabalhando em casos e garantindo que a cidade estivesse segura.  Sua mãe não havia reclamado.  Ela criou ele e seu irmão e não reclamou que seu pai nunca estava em casa.  Claro que houve momentos em que ele viu uma tensão nos olhos de sua mãe, mas nunca pediu o divórcio.  Foi apenas burro.  Desde que ele sabia que nenhum Uchiha havia se divorciado.  Uma vez que você se separou do clã, você esteve no clã por toda a vida.  É claro que para o clã, até algumas gerações atrás os casados ​​de Uchiha dentro da família, apesar de terem certeza de que havia pelo menos duas relações separadas.  O clã era extenso para isso naquela época, mas depois de gerações disso provou ser mortal com um gene recessivo decidindo erguer sua cabeça feia e provando ser fatal em muitos de seus clãs.  Agora, apenas certas cordas de Uchihas estavam vivas, felizmente seus pais eram um deles.

Sakura nunca entenderia o orgulho de um clã assim.  Sua família não era de um clã.  Eles certamente eram figuras públicas, mas nunca haviam conhecido a pressão dos laços familiares.  Divórcio era uma palavra que nunca seria pronunciada em uma família Uchiha e ele estava preparado para destruir essa faísca antes que seus pais descobrissem.  Eles certamente desaprovariam os eventos que estavam ocorrendo nos últimos meses.  A explosão do domingo passado causou danos suficientes e ele teria que conter tudo daqui em diante.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...