1. Spirit Fanfics >
  2. What de Need >
  3. Epílogo

História What de Need - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Último capítulo, obrigado pelo apoio de todos ❤❤🤧 Sábado agora começarei a publicação das outras fics.
Também aceito sugestões e pedidos de outros casais ou animes para está trazendo mais fics para vocês.

Capítulo 24 - Epílogo


Ele estendeu a mão para o torneiro da porta, mas parou quando sentiu o metal frio.  Fazia vários dias desde que ele esteve aqui, e ele não fez muito na última visita.  Tudo o que ele podia fazer era olhar e perceber que ela estava realmente viva.  Que ela estava bem em algum sentido.  Agora era hora de enfrentar os demônios que o assombravam há tanto tempo e os novos que ergueram sua cabeça feia.

Uma vez que ele percebeu que Sakura havia sido tirada da casa em uma ambulância, assim como seu filho, ele tropeçou na cozinha para alcançar o consolo silencioso de um quarto.  A dormência já o inundara, mas estava lentamente se dissipando em uma agonia que ele não podia suportar.  A umidade se torna uma sensação em seu rosto quando ele deixa tudo sair do ano passado.  Ele tirou uma vida há um ano, as brigas e discussões com sua esposa, não estando lá por seu filho, e agora testemunhando um homem estrangulando Sakura, enquanto seus olhos imploravam para que ele a salvasse e mais uma vez sentindo o choque de uma arma.  como disparou um tiro verdadeiro.

Dezesseis meses antes, após uma enxurrada de relatos de crianças órfãs desaparecidas de vários orfanatos pela cidade terem chegado ao departamento, Sasuke começou a questionar por que tantas crianças haviam desaparecido e que as crianças geralmente tinham boas críticas feitas pelo  orfanatos.  Então, quando um dos corpos das crianças apareceu, tornou-se um caso prioritário.

Foram necessários seis meses de rastreamento, investigação e infiltração para finalmente encontrar o local onde as crianças estavam sendo mantidas.  Durante a invasão do local, que ele havia decidido liderar.  Por fim, o que eles encontraram foi pior do que pensavam.  O cientista estava louco e quando Sasuke confrontou o cientista, chamado Orochimaru, se protegeu de uma criança.  Sasuke tentou convencê-lo a deixar a criança ir, mas com Orochimaru ameaçando matar a criança, Sasuke levou o tiro.

Ele havia praticado tiro antes e trabalhava nas ruas por um tempo, mas nunca teve que disparar sua arma contra outro ser humano.  A matança não foi limpa e a criança traumatizada pelo eco de tiros.  Algo dentro de Sasuke se desligou depois daquele momento.  Causou a grande brecha que ele teve com sua família.  Ele começou a trabalhar longas horas, começou a beber depois do trabalho e se impediu de realmente sentir o que havia acontecido.  De alguma forma, era mais fácil brigar com Sakura do que realmente aceitar a morte de outra pessoa.

Se ele soubesse que havia um assistente por aí que iria se vingar, talvez ele tivesse feito as coisas de maneira diferente, mas ele poderia realmente ter?  Havia alguma outra opção que ele pudesse ter escolhido com o cientista?

Uma mão o sacudiu de seu estupor de pensamento e, quando olhou para cima, olhou nos olhos de seu irmão.  Itachi o ajudou, levou-o a um médico também para um check-up.  Quando eles retornaram ao prédio do departamento, o interrogatório começou.

Agora ele estava de volta aqui para encarar a mulher que amava e esperando que ela entendesse o suficiente para lhe dar outra chance.

A porta se abriu lentamente.  Os cabelos rosados ​​do travesseiro se mexeram e o rosto do proprietário foi virado para a porta.

"Sasuke" a voz sussurrou.  O rosto dele suavizou um pouco.  Ele sentia falta do jeito que ela o recebia.  Como ele poderia fazê-la perdoá-lo por tudo o que ele havia feito passar por eles?

"Sakura" ele disse suavemente de volta enquanto se dirigia para a cama dela.  Puxando uma cadeira, ele se sentou e pegou a mão dela, meio que esperando que ela a afastasse.  Em vez disso, ela acolheu sua mão e apertou-a com força.

"Arigatou" veio dela enquanto ela apertava mais a mão dele.  "Você me salvou Sasuke."  O aperto dele apertou a mão dela também.  Ambos estavam apertados com tanta força que os nós dos dedos estavam ficando brancos.

"Há tanta coisa que eu quero dizer Sakura."  Ele começou, "mas não sei por onde começar nem mesmo por onde começar".  Sua mandíbula apertou uma ou duas vezes, indicando seu próprio tumulto interno e estresse por querer explicar.  "Eu coloquei você nessa posição e isso me assombra. Mais do que todas as minhas outras assombrações."

"Você pode me dizer qualquer coisa, Sasuke."  Foi dito calma e fortemente.

"Você está se sentindo bem" veio a pergunta desviada.

"Estou bem. Os médicos dizem que eu devo ser libertada nos próximos dias.

"Isso é bom."

"Agora Sasuke, fale comigo."

"Você vai me odiar."

"Deixe-me decidir isso."

Como ele pôde começar.  Era tão estranho pensar em realmente conversar com ela sobre o que havia causado sua brecha.

"Eu matei um homem."  Não há melhor maneira de começar do que com a verdade.  "cerca de um ano atrás, houve um caso. Crianças desaparecidas. Havia um cientista fazendo experiências nelas. Nós invadimos seu laboratório e acabei matando-o."

"Sasuke"

"Eu não sabia o que fazer ou como lidar. Eu não conseguia olhar para você ou Seto sem ver o que tinha feito."  Ele abaixou a cabeça, deixando sua franja de corvo cair na frente do rosto.  "Eu não queria que o que tinha acontecido o maculasse. Em vez disso, isso a machucou ainda mais do que eu jamais poderia ter esperado. Eu quase destruí tudo Sakura. E se você não me perdoar, eu entenderia completamente."  Segurando a mão dela com mais força, ele tentou transmitir sua tristeza através do toque.

"Sasuke, olhe para mim."  Sua voz falou, inabalável.  "Olhe para mim."  Ele levantou a cabeça e olhou nos olhos de esmeralda da mulher que ele sempre amou.  "Eu te amo Sasuke. Eu sempre amei."  Ela deu um pequeno sorriso amoroso.  "Eu gostaria que você tivesse me contado antes, para que pudéssemos trabalhar com o que aconteceu."

"Como você pode ser tão perdoador?"  era uma pergunta queimando em sua mente.  Como ela poderia dizer tão facilmente que ainda o amava, depois de tudo.

"Porque eu te amo Sasuke. Porque eu escolhi ficar com você mesmo depois de tudo. Quando você estava na cozinha em cima de nós, eu sabia que você ainda me amava, mesmo depois de todas as nossas brigas e discussões, você ainda me procurou quando  Eu precisei de você."  ele não podia acreditar.  Depois de tudo, ela ainda podia perdoá-lo tão facilmente que parecia.  "Além disso, temos um futuro pela frente."  Sobrancelhas franzidas em confusão.  O que ela quis dizer com isso?

Segurando a mão dele, ela a colocou gentilmente sobre seu abdômen.  Olhando para ela confuso antes de perceber que estava grávida.  Quanto tempo ela sabia?  A inundação avassaladora de emoções que o consumiu pensando que ele poderia ter perdido Sakura, Seto e seu filho ainda não nascido.  Inclinando a cabeça, ele deixou a testa descansar contra as mãos combinadas sobre o abdômen dela, onde a vida estava crescendo.

"Eu te amo."  Ele falou com ela e, virando a cabeça, olhou nos olhos dela e lhe deu um sorriso torto.  Ela era uma mulher incrível.  Eles ainda teriam um caminho a percorrer, mas pelo menos isso era um começo.

Uma batida bateu na porta e uma enfermeira entrou segurando a mão de Seto.

"Ele queria ver sua mãe, mas estou feliz que ele tenha os dois pais!"  Seto soltou a mão das enfermeiras e passou o corpinho para os pais.  Sasuke soltou as mãos de Sakura e colocou Seto na cama.  O menino imediatamente abraçou os pais e murmurou o quanto sentia falta deles.

Sasuke colocou o queixo na cabeça do filho e colocou os braços, um ao redor de Seto e outro ao redor de Sakura.  Isto é o que eles precisavam.  Ser uma família.  Isto é o que eles precisavam.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...