História What if i told you jennie kim - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink
Personagens Jennie
Tags Girlgroup, Imagine Blackpink, Imagine Jennie, Jennie, Kpop
Visualizações 165
Palavras 2.576
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu só queria colocar uma imagem
não tem nada a ver com o cap

boa leitura (((((:

Capítulo 18 - Capítulo 18


Fanfic / Fanfiction What if i told you jennie kim - Capítulo 18 - Capítulo 18

Eu possivelmente irei continuar pagando essa viagem até Los Angeles durante muito tempo. Depois de 7 meses eu estava lá, nos Estados Unidos, aguardando Yuri, que havia se mudado para lá a pouco tempo.

— S/N? — Era ele, o mesmo me abraçou, fazia um tempo que não nos víamos.

— Eu preciso que me leve para um lugar —, eu disse olhando para o mesmo. — Veio de carro? — Ele assentiu.

— Mas aonde quer ir? — Perguntou pegando minha mala.

— É em um apartamento, no carro eu te mostro o lugar.

Eu estava ansiosa para vê-la, eu não queria perder meu tempo com excursões durante o estado, muito menos ir para o pier de Santa Mônica, eu precisava falar com Jennie.

E lá eu estava, na frente do apartamento que Jennie se acomodava, eu nem se quer sabia como ela estava, sua aparência, sua cor preferida... Não nos falamos muito por conta do meu trabalho, eu tive que ralar muito para pegar essas proclamadas férias.

— Jennie! — Ouço um grito vindo de dentro do apartamento.

Ela estava realmente lá dentro, eu precisava falar com ela. Então eu toquei a campainha e fui atendida por uma ocidental.

— Oi? — Uma mulher de cabelos loiros e olhos azuis me pergunta, ela aparentava estar perturbada.

— Você é amiga que mora com a Jennie? — Perguntei e ela logo ergue sua sobrancelha. — Se ela não estiver, fala que eu tô na cidade.

— desculpa, mas qual seu nome?

— S/N, talvez ela lembre de mim se você falar para ela. Eu preciso falar com ela.

— S/N? — A de cabelos loiros fala. — Pode entrar —, deu um espaço para eu entrar, eu fiz o mesmo.

Como todos os apartamentos que Jennie morava, esse não tinha que ser diferente, era enorme, havia um espelho logo na entrada.

— Meu nome é Lily Miel —, sorriu. — Quer água ou algo do tipo?

— Eu quero uma água, obrigada —, sorri fraco. — A Jennie está?

— Sim, ela tá no banheiro... Tomando banho. — Me entregou o copo a água.

— Ela falou mal de mim, por acaso?

— Sim, algumas vezes no começo. — Sorriu fraco.

Havia se formado um clima de silêncio, porém a mesma logo me acompanhou até a sala e ligou a televisão, no objetivo de me entreter.

— Lily, você pegou o meu shampoo? — Assim que eu ouvi a voz da Jennie eu me levantei, ela apareceu na sala e logo percebeu minha presença, ficou paralisada.

— Foi só um dia, eu disse para você que meu shampoo tinha acabado e você me deixou usar o seu — Lily se explica.

— Oi Jennie —, sorri fraco. — Eu senti sua falta —, fui abraça-la, que logo se desviou.

— O que tá fazendo aqui? — Perguntou e eu logo engoli seco.

— Eu vim te ver, queria falar com você sobre nós. — Logo em seguida eu escutei o barulho de um choro de bebê.

Jennie correu e eu apenas a segui, sendo guiada até um quarto de bebê aonde se encontrava o mesmo.

— Jennie...?

— Eu tenho uma filha, S/N —, Jennie falou enquanto balançava o bebê, fazendo-o parar de chorar.

Engoli seco, eu não sabia o que falar, que expressão fazer e muito menos o que fazer, se eu abraça-la demonstraria pena, mas ela é uma mãe, não seria bom.

— O que aconteceu? — Perguntei olhando para a mesma. — Como você ficou grávida e como já teve o bebê?

— Foi em uma noite, eu estava bêbada, só me lembro de acordar em um apartamento e eu estava do lado de um homem que aparentava ter por volta dos 30 anos.

— Ele sabe?

— Não, nunca mais nos vimos. S/N, eu tive que sair da Coréia para vir para cá, tudo isso por causa do bebê. Abortar não era uma opção.

— Jennie, por que não me disse? — Eu apenas vi algumas lágrimas percorrem seu lindo rosto, enquanto eu estava parada, ainda sem saber o que fazer.

— Porque foi uma escolha minha, e eu não queria preocupar ninguém.

— Eu te amo —, falei olhando para baixo. — Eu te amo, Jennie Kim. — Falei em um tom mais alto, olhando para a mesma.

— Durante muito tempo eu sonhava em ouvir você dizendo isso, me dizendo que me amava e acordar todos os dias ao seu lado, mas eu mudei.

— Ninguém muda tão rápido, Jennie. Eu tentei me esquecer de você, agora olhe aonde eu estou nesse exato momento. Eu to em Los Angeles, nos Estados Unidos, do outro lado do mundo. Eu vim pra cá porque eu to apaixonada por você e eu não quero te perder para mais ninguém.

— Certo, mas antes vamos criar um cenário hipotético: Eu poderia cair nessas suas palavras e te beijar agora, provavelmente iríamos ficar, mas e depois? Você iria voltar para seus relacionamentos?

— Não, eu errei diversas vezes, eu escolhi as pessoas erradas e deduzi coisas de pessoas. Eu pensei que você não era de namorar sério, você é a Jennie Kim, você é a mulher mais sexy e com as personalidades mais fortes que eu conheço. Eu me sinto idiota de só ter percebido isso agora, que eu sou apaixonada por você.

— Você só gosta de desafios, S/N, não se engane.

— Não Jennie —, me aproximei de Jennie e logo segurei seus braços. — É muito difícil de você entender que eu te amo?

— Sinceramente? — Ela falou olhando para meus olhos. — Sim.

— Ok, mais uma vez, eu te amo. Se me der mais uma chance, eu prometo falar todos os dias isso, e dizer o quão maravilhosa você é.

— E minha filha?

— Eu acho que ela é o bebê mais lindo da Terra, e eu amaria cuidar dela ao seu lado. Enquanto você estiver apresentando em um programa, eu e ela estaremos sentadas no sofá da nossa casa e ela vai falar que tem muito orgulho de você.

— Eu também te amo —, se aproximou de mim e logo me beijou, ela se segurava em meu rosto enquanto eu, aos poucos ia soltando seus braços, que antes eu segurava.

Eu ia tirando sua camiseta, porém a mesma logo se afasta de mim.

— Nossa, me desculpe —, falei me destanciando da mesma.

— Eu queria ir mais devagar, quem sabe antes um encontro romântico. — Sorri e logo concordei. — Além do mais estamos no quarto da minha filha, isso seria muito errado.

— Claro. Ainda bem que paramos —, cocei minha nuca. — Eu acabei de chegar lá de Seul, digamos que foi uma longa viagem e eu ainda nem tomei banho.

— Como veio para cá? — Falou olhando para mim.

— Yuri me trouxe, ele agora mora por aqui, se eu não me engano está fazendo um intercâmbio. — Ela concordou. — Eu posso te ver amanhã? Eu tenho que tomar um banho e descansar, como quer ir devagar eu acho meio irrealista nós dormirmos na mesma cama.

— Sim, eu te vejo amanhã —, me deu um beijo na bochecha. — Eu te acompanho até a porta —, me puxou.

Assim eu saí de seu apartamento. Yuri estava a minha espera no carro, por sorte ele era paciente e totalmente calmo, talvez até calmo de mais.

— E aí? — Perguntou o mesmo. — Como foi lá?

— Vamos ir aos poucos, mas na teoria estamos namorando —, sorri. — Ela é demais para mim, não é?

— Eu não acho, vocês são pessoas com as personalidades bem diferentes, mas vocês se amam e isso que realmente importa. — sorri com sua resposta, isto dizia que tecnicamente somos boas umas para as outras, afinal um relacionamento deve ser balanciado e um pouco dependente do outro.

Eu consegui dormir, eu estava com a consciência limpa por ter falado tudo o que eu realmente queria. Jennie fazia muito bem para mim, seu sorriso, seus toques, seus pensamentos únicos.

Já era de manhã, eram 5:50. Meu horário estava distorcido por conta do fuso horário, eu havia dormido ontem a tarde e acordei agora, praticamente.

Eu estava com meu cigarro acesso nas minhas mãos, eu sentia que eu deveria de fato parar de fumar, mas eu sou viciada. Tente pedir para um punheteiro parar de se masturbar, ainda mais com um celular em suas mãos. Agora na minha situação seria o cigarro, e o celular era o dinheiro, afinal sem dinheiro sem cigarro.

— Já tá acordada? — Perguntou Yuri, ele estava com seu cabelo bagunçado e com pijama. Ele se senta ao meu lado e eu logo dou meu cigarro para o mesmo, que usa.

— Eu não consigo dormir mais, dormi mais de dez horas. — Ele riu.

— Vocês vão sair hoje?

— Acho que sim, provavelmente. Eu nem te contei, né?

— Não sei.

— A Jennie tem uma filha. — Ele olha espantado para mim me fazendo rir.

— Dedo engravida? — Neguei rindo. — Então a filha não é sua, é de um cara?

— Sim, eu deveria ter perguntado para ela qual era o nome da filha dela. O que necessariamente você faz aqui?

— Na realidade nem eu sei direito o que eu to fazendo aqui. Eu estudo inglês e trabalho em um fastfood, digamos que eu consiga manter tudo em perfeito controle.

Ficamos conversando sobre coisas banais, e quando menos percebemos já meio dia. Eu estava sentada no sofá, e Yuri já havia saido para trabalhar.

Eu: bom dia

Jennie: Já está de tarde

Eu: vc nem vai acreditar se eu disser que horas eu acordei hj

Eu: quase 6:00

Jennie: Você só acordou esse horário por causa do fuso horário

Eu: vc gosta de me desmerecer, né? eu te amo

Jennie: Eu tmb <3

Jennie: Já escolheu o lugar do nosso encontro?

Eu: eu pensava em sairmos para passear, sem nenhum comprometimento

Jennie: Tipo seu relacionamento com a Rosé? Sem comprometimento?

Eu: ela te contou?

Jennie: Somos amigas, sua idiota, achava mesmo q ela iria me esconder isso?

Eu: no final de tudo estamos juntas agora

Jennie: Quem disse que eu sou sua? ^^

Eu: por agora nada, mas quando eu colocar um anel no seu dedo ninguém precisará falar nada, pq já vai estar na cara

Jennie: Uau, gosta msm de mim

Eu: gostar é uma palavra relativamente fraca comparada ao meu sentimento por vc

Jennie: Certo, então está perdidamente apaixonada por mim?

Sorri fraco.

Eu: um pouco exagerado

Jennie: Cala boca

Eu: eu te amo, te encontro aí daqui a pouco

Jennie: Eu não estou no apartamento, eu to em uma sessão de fotos

Eu: eu ainda não me acostumei tendo uma namorada famosa

Jennie: Quem disse que namoramos?

Eu: eu digo da Rosé e eu

Eu: brincadeira

Jennie: ha ha ha ha

Eu: quando vai sair daí?

Jennie: Naum sei

Eu: ok, eu vou sair pela cidade sozinha

Jennie: Nem por cima do meu cadáver

Jennie: Essa cidade é lotada de gente bonita, não vai sair andando sozinha não

Eu: opa, parece que alguém está com medinho de me perder

Jennie: Cala boca S/N, não força a barra.

Eu: eu te amo

Jennie: Pela décima vez, eu tmb te amo

Eu: não deveria estar tirando milhares de fotos em vez de estar aqui falando cmg?

Jennie: Estão fazendo o meu cabelo

Eu: não precisa, ele é lindo

Eu: você é linda

Jennie: E vc é muito melosa

Eu: eu só sou apaixonada por vc, se ponha no meu lugar, Jennie Kim

Jennie: Okay Kim S/N

Jennie: <3 <3

Jennie: Eu tenho q ir, o dever me chama

Eu: vai logo, o mundo tem que ver sua beleza o mais rápido possível

Sorri ao ver minha conversa com a mesma, uma coisa ela estava certa, eu era realmente muito melosa.

[...]

Comíamos em um restaurante chique na qual Jennie havia inventado de ir, cada prato seria equivalente a um salário mínimo.

— Tem certeza que você quer comer aqui? — Perguntei para a mesma.

— Eu já disse que eu que vou pagar —, disse sorrindo. — Não precisa se preocupar com o preço.

— Jen, eu só não quero ficar gastando seu dinheiro —, ela sorriu e colocou uma mecha do meu cabelo para trás de minha orelha.

— Você veio até os Estados Unidos só para me ver, essa janta é o mínimo que eu posso fazer por você. Você vai voltar quando para a Coréia?

— Na realidade... amanhã —, ri e a mesma ficou espantada. — Eu não sabia se realmente nós iríamos dar certo, eu pensei que você estaria casada ou com um namorado muito gato e você nem iria dar bola para mim.

— Nunca nem passou pela sua cabeça que eu teria uma filha?

— Não... Falando nisso, qual o nome dela?

— Choi Jinri. — Sorriu. — Mas quando for se referir a ela, a chame de Sulli, aparentemente ela gosta deste nome.

— Claro, não irei esquecer.

Durante a janta fomos conversando e contando o que uma havia perdido da outra. Jennie me levou até a casa de Yuri.

— Seu voo é que horas? — Perguntou enquanto estávamos no carro.

— De manhã... Péssimo, tenho que acordar cedo.

— Não era você que tinha acordado as seis horas da manhã? — brincou. — Se quiser eu te levo para o aeroporto.

— Não precisa, você teve um dia cheio hoje e eu não quero estragar seu sono.

— Por que se importa tanto comigo? As vezes você precisa ser mais egoísta.

— Na realidade é que a minha namorada vai comigo para o aeroporto, eu não quero que vocês se encontrem —, brinquei com a mesma, que aparentou não levar na brincadeira.

— Ata... Boa viagem. — Destrancou as portas.

— É brincadeira —, sorri para a mesma. — Se lembra de quando conversamos pela primeira vez durante um bom tempo pelo celular? Eu tinha ficado sem dormir na madrugada inteira porque eu fiquei pensando em você, eu te amo.

— Eu também —, ela sorriu fraco. — Eu vou voltar para a Coréia o mais rápido possível, eu primeiro preciso fazer o passaporte da Sulli e me despedir dos meus amigos.

— Tudo bem, eu te espero.

— Quando voltarmos para a Coréia tudo vai mudar? — Perguntou, ela aparentava estar preocupada.

— Por que você está dizendo isso?

— A Rosé, as meninas, como vamos contar isso para elas? E quanto a minha empresa? Meus fãs?

— Acha mesmo que eu vou te deixar apenas por causa da sua empresa? Eu nem me importo se seus fãs me abolirem porque eu namoro com você.

— Meus fãs não sabem que eu sou bixessual. Não tem ideia como vai ser para mim, denominada como a garota perfeita namorando com uma mulher. Eu não tenho nenhum problema com isso, mas os pensamentos dos outros não vão ser os mesmos.

— Sua empresa é uma porra, Jennie. Ela te fez ficar com um homem apenas por dinheiro. — Olhei para a mesma. — Nada vai me fazer me separar de você, quer dizer, só se você quiser.

— Eu te amo, S/N —, beijou minha bochecha.

— Provavelmente só nos veremos na Coreia, então isso é basicamente um tchau.

Jennie me abraçou. Durante os primeiros segundos eu fiquei confusa, porém eu logo correspondi seu abraço.

— Eu te amo —, me deu outro beijo na bochecha. — Te vejo lá do outro lado do mundo.

— Até —, sai de seu carro e caminhei sorrindo boba até o apartamento de Yuri.

É oficial? Estamos namorando ou não? Ninguém pediu para namorar ninguém, mas eu já nos considero namoradas.


Notas Finais


gostaram?
<3 <3 <3

eu to atualizando com frequência até, aí para as pessoas q não acreditam no meu potencial
mas eu acho q a próxima atualização venha a demorar, eu to em semana de provas ((((:

mas eu posso não estudar e provavelmente ir bem mal na prova e escrever capitulos para vcs (=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...