História What if it's love? (jimin's fic) - Capítulo 11


Escrita por: e xxakari

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Chen, D.O, Jackson, JB, Jeon Jungkook (Jungkook), Jinyoung, Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lu Han, Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 35
Palavras 2.946
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


aka: não tem muito o que falar.. a unnie tem estudado muito então o próximo capítulo só vai sair em dezembro, boa leitura a todos os leitores de what if it's love!

Capítulo 11 - Paintball!


Os Parks arrumavam as malas no carro, o senhor Ji Han olhava para sua esposa incrédulo.

- Jin Sung-ah! Tem necessidade de tantas malas? Vamos passar poucos dias e você está levando a casa no carro.

- Ji Han, não enche. Por que é você que vai ficar atras de mim "JinSung cadê o pente? JinSung você viu minhas cuecas?"

- É papai, sinto muito mas ela tem razão. — Jimin disse entres risos dentro do carro. Ji Eun ria encostada no carro, lembrava de sua família e o coração apertava.

- Ji Eun? — Jin Sung chamou a moça que parecia estar viajando com os olhos vagos.

- An? Desculpe. — r iu sem graça entregando a mala.

- Noona? Ta tudo bem?

- Está sim Jimin, foi só algumas lembranças que eu tive. - o semblante do garoto entristeceu por ver como Eun ainda estava abalada, apesar de estar conseguindo "seguir em frente."

- Bom, está tudo no porta-malas, vamos embora antes que a mãe de vocês lembre de algo.

- Ji Han, as habilitações e o documento do carro estão aí?

- Vou olhar. — o homem entrou no carro vasculhando tudo e quando volto para falar com a sua mulher, ela estendeu a mão com os documentos entre o dedo indicador e o maior, olhava pra Ji Han com cara de deboche enquanto Jimin e Ji Eun seguravam o riso.

- "Vamos embora antes que sua mãe lembre de alguma coisa ham! Ji Han, eu não sei como você seria se eu não estivesse por perto."

- Ele estaria morto hahahaha.

- Jimin! - o mais velho chamou o nome dele numa entonação de quen diz "fique quieto."

- Tudo bem -ele riu

- Eles são sempre assim? - Ji Eun perguntou entrando no carro.

- São sim, na maioria das vezes são, principalmente quando estão longe do trabalho.

- Por que?

- O trabalho deles, quer dizer os dois são estressantes. —ele falou se corrigindo enquanto os pais discutiam na frente sobre Ji Han ser irresponsável enquanto Jimin e Ji Eun riam.


[...]


Eles já haviam saído de Seul há um bom tempo, enquanto Ji Sung dormia, Ji Han estava em seu computador adiantando algumas coisas da empresa, eles tinham carregamentos de cerâmica pra entregar, a cerâmica era o "negócio de família de gerações". Claro que era, a família deles sempre foi famosa pelas ceramicas, antes eram utensilios, hoje eles tem uma rede de lojas de construção contendo artigos em cerâmica e porcelana.

Enquanto o chefe de família fazia a lista de cidades e até de exportações, os agora dois filhos do casal viam fotos nos celulares, Ji Han olhava de vez em quando para o casal de filhos que riam olhando a tela do celular e que eram repreendidos por um "shhh" de Ji Han e sorrindo eles se continham.

Após um tempo, o lugar se tornou inquietosamente silencioso demais, os dois tagarelas haviam dormido e assim cessado o ar de travessura no avião, o senhor Park se levantou e pegando o cobertor, cubriu os mocinhos cansados e voltou para a sua cadeira, sentando na mesma e olhando para sua família e principalmente para o filho biológico, lembrou-se dos amigos que acabaram morrendo e deixando Ji Eun sozinha no mundo, e pensar na pobre garota doía no coração de Ji Han que dizia a si mesmo, não posso deixar meu filho sozinho no mundo, não posso deixar minha família sem mim e nem posso perde-los."

- Querido? - Ji Sung franziu o cenho e se sentou direito na cadeira passando a mão no rosto do marido.

- Eu não posso perder vocês. - falou com a voz mais baixa. — E nem deixar vocês sozinhos..

- Ei... Shhh! Não vai. — ela puxou a cabeça dele de forma delicada apoiando-a no seu peito e ele deixando-se relaxar no colo da esposa, beijou seu antebraço. — Eu sei que está abalado a morte de Min ho e da Hye, eu também estou e desde o atentado lá em casa... Eu estou temendo pela nossa família e estou com medo.

- Eu vou dar um tempo da máfia e pedir ao lobo negro proteção, vou pagar ele por proteção até que Jimin esteja preparado e pronto pra assumir tudo, até que ele esteja treinado o suficiente pra se proteger e proteger Ji Eun... Preciso que eles dêem conta de cuidar um do outro e cuidar de você e só assim... Só assim eu posso ficar descansado e posso arriscar minha vida por vocês.

- Nós... Nós vamos, eu não vou te deixar sozinho nem na hora da morte. — Ele se desvencilhou e abraçou a esposa.

JiHan e jiSung eram amigos desde novos, foi quando sem querer e de corações partidos em uma noite se entregaram a mais louca noite de amor, sim , amor, porque não era só sexo naquele quarto no dia em que conceberam Jimin no ventre da moça. Havia cuidado, havia carinho, companheirismo e amor entre os dois... Mas não imaginavam que acabariam por cometer "um erro" e Ji Sung engravidou.

Expulsa de casa, Ji Sung procurou Ji Han em Seul e lhe contou sobre a gravidez e para a surpresa dela, Ji Han reagiu tão bem e tão feliz por isso... Porque somente assim ele não precisaria se casar com a filha da poderosa família Kim, afinal ele teria que assumir aquela criança.

Ji Sung foi muito rejeitada e não só ela como a criança no seu ventre. A mãe de Ji Han que queria uma nora de mais posse e com "classe" humilhou Ji Sung por estar grávida aos quinze anos e passava na sua cara todo o casamento que ela teria simplesmente porque eles eram ricos e ela havia dado o golpe da barriga, fazendo com que todas as noites ela cogitasse sumir do mundo.... Mas foi num noite fria e inebriada pela escuridão que a garota ganhou força. No meio de uma grande confusão na casa e ao ver Ji Han com uma arma na cabeça enquanto seus pais estavam rendidos e sem ela saber o porquê... A garota entrou em contato com o "lobo negro" e salvou a vida da família e do homem que ela não sabia que amava.

Ji Sung só foi amada e aceita pela familia, quando souberam que a criança que vinha carregando seria um garoto. Um lindo garoto forte e saudável, e só então ela soube dos segredos da familia e foi tatuada.... Mas não pelo simbolo da familia, mas pelo símbolo daqueles que eram chamados de lobos, pela divida que tinha com o lobo negro.

- Eu vou sempre estar ao seu lado, sempre sempre sempre... - Ji Han abraçou mais forte a esposa, tendo o coração agitado pelo nervosismo e medo.


[...]


- Jimin... — Ji Eun empurrava o garoto. — Jimin você ta... Me sufocando.

- Jimin! — O Park puxou o filho tirando de cima de Ji Eun. —  Você esta bem querida?

- Esse Jimin, Jimin acorda!

- O que? — o garoto abriu o olho rápido ao ouvir a mãe o chamando de forma grosseira. — O que foi?

- Sua gordura quase me matou sem ar.

- Yaaaah! Eu não sou gordo, noona!

- Ai ai ai vocês dois, chega ou eu vou já jogar vocês desse avião. — indagou a senhora Park.

- Não teria coragem de jogar o seu bebê fora do avião, teria?

- Sim eu teria. — Ji Sung semicerrou os olhos. — Se arrumem na cadeira os dois, já vamos pousar.

- Okay. — Responderam em meio a risos. O avião pousou na propriedade dos Park na inglaterra, uma fazenda bem afasta das grandes cidades iluminadas, perfeita para se passar um tempo de quietude, reflexão e descanso, mas! Este não eta o propósito dos Park's neste momento, na verdade durante os trinta dias de férias de Jimin e Ji Eun, Ji Sung e Ji Han juntamente com alguns "professores" passariam esse tempo treinando com os dois mais novos e lhes ensinando como se defenderem, se protegerem, cuidarem um do outro, conhecem armas e balas, saberem sobre venenos e etc.

Depois de pegarem as malas, os quatro eram acompanhados dos empregados ingleses e asiáticos que lhes ajudavam com as malas.

- Quanto tempo não os vejo senhores.

- Estávamos ocupados demais senhora Becker, como a senhora vai? - Ji Sung abraçou a velhinha que era a cozinheira da casa, mas saiu apressada ao encontro dos patrões.

- Eu vou bem, a saúde não é mais a mesma, mas graças a vocês estou fazendo o tratamento.

- Oi vovó Louise! — Jimin abraçou apertado a senhora. — Vó, eu ganhei uma irmã.

- Oh, é mesmo? — ela disse surpresa. — Quantos meses a senhora está?

- Que? Eu? Não! Não estou grávida. — Ji Sung riu sem jeito. — Lembra dos Lee?

- Simm... Soube que eles, eu sinto muito.

- Papai e mamãe ganharam a guarda dela, agora ela é minha noona.

- Oh sim, olá querida. — Sorriu doce. — Seja bem vinda a família.

- Muito obrigada. — Ji Eun disse meio sem jeito.

- Bom, Jimin já sabe o que aguarda na cozinha, mas a senhorita é a primeira vez que vem aqui. - falavam chegando na grande casa.

- Não me diga que tem biscoito nos potes! — Jiimin parou na frente da senhora segurando as suas mãos.

- Quando foi que eu deixei de fazer? — eles riram. — Mas como hoje temos alguém especial, Ji Eun você pode escolher o que quiser pra comer hoje.

- Posso? — ela arregalou os olhos no espanto. — Bom... Eu tenho vontade de provar manjar turco.

- Não é do filme crônicas de Nárnia?

- é sim. — ela riu. — É tão bonito naquela bandeja, eu sempre tive vontade de comer.

- Eu faço sim, com todo carinho.

- Eu sou o patrão e não ganho nada. — o senhor Park que passava por eles, se inclinou falando perto do ouvido de Louise.

- Seu bolo aos quatro leites está na mesa.

- Eu te amo Louise! — beijou a bochecha dela.

- E o que eu ganho?

- Palha italiana.

- Parece que roubamos um anjo do Senhor. — ela riu. As portas da casa foram abertas e a familia recebida pelos empregados que se curvaram e em seguida levaram as malas aos quartos.

- Crianças, lanchem e descansem porque depois do almoço temos muito trabalho a se fazer.

- Trabalho?

- Ji Han e eu decidimos treinar vocês aqui na fazenda, é longe de tudo e ninguem suspeitaria de uma família que está de férias e é normal tiro ao alvo no país, ninguém vai suspeitar.

- Queremos o bem de vocês e não sabemos quando um atentado daquele pode acontecer de novo e por isso temos que preparar vocês. — eles falavam sério e Jimin e Ji Eun assentiram lhes dando um sorriso conformado.

- Tudo bem, agora podemos ir pra cozinha?

- Podem sim — Ji Sung riu e subiu com o marido em seguida, deixando os dois jovens na parte de baixo da casa.

- Então Louise, onde está os biscoitos? — ela gargalhou caminhando para a cozinha sendo seguida pelos dois.

- Aqui está! Querem leite ou achocolatado?

- Eu realmente estou na dúvida agora. — Ji Eun disse com um sorriso se sentando na cadeira.

- Pode ser os dois?

- Pode sim. — ela disse sorrindo.

Os dois lancharam enquanto conversavam sobre seus pais, sobre a escola. Ji eun tinha muitas dúvidas de como era a escola em Seul, como eram os seus amigos e as pessoas da escola.

- Tem um grupo de garotas da escola que são um saco. — revirou os olhos.

- Por que?

-P orque elas se metem demais nas minhas coisas.

- Como assim?

- Jimin gosta de bater em alguns colegas, quando você vai mudar em? — louise pôs as mãos na cintura.

- É mais forte que eu.

- Que horror Jimin.

- Ele ja reclamou sobre a Soo Hee?

- Quem é Soo Hee?

- Uma garota da escola que tem senso de justiça contra mim, ela protege as amigas e agora um nerd babaca e foi ela que me deixou com o rosto roxo da ultima vez.

- Ela é bem forte então.

- Mas eu ficarei mais forte que ela.

- Jimin, bater em uma garota não é legal! 

- Ela me provoca, e ela não é uma garota, é um javali com corpo de menina.

- Hahahahaha, você deve respeitar as garotas.

- Esse daí depois que conheceu o sexo, nunca mais quis outra vida.

- E a Soo Hee fica querendo defender as meninas que eu ja peguei.

- Parece que tenho uma cafageste como irmão mais novo, seu delinquentizinho. — ela riu enquanto levou o copo de achocolatado a boca.

- Noona me jura que não vai andar com aquele quarteto.

- Quem está nesse quarteto?

- Soo Hee justiceira, Hawon a inocente ingenua, SooJi.. — ele riu maliciosamente. — A irmã bastarda gostosa do Yoongi, e agora o nerd babaca do Namjoon.

- Ta claro, vou ficar do lado do meu irmaozinho encrenqueiro.

- Yaaah!

- Eu sou sua noona, não grite comigo. — ela falou comendo o biscoito.

Os dois conversaram por horas ainda, Jimin tentando por Eun ao seu lado e ela condenando a pratica de bullying do irmão caçula. Depois de muito tempo de discussão na cozinha, resolveram dormir um pouco antes do almoço, como eles haviam chegado as oito horas e ido deitar lá pelas nove e meia, até o meio dia eles teriam tirado uma boa soneca.

Assim que deu meio dia, o grande relógio da sala começou a tocar estrondosamente, acordando aos visitantes da casa que desceram com seus rostos cansados enquanto Ji Sung e Ji Han chegavam da rua com algumas compras.

- Dormiram bem?

- Queria dormir mais, queria passar o dia dormindo.

- Prometo que domingo vocês podem ter o dia todo de preguiça. — JiSung disse ao beijar a testa do filho.

- E você Ji Eun, descansou bem?

- Sim senhora Park... Quer dizer..

- Tudo bem querida, entendemos que pra você ainda é tudo muito novo, leve o tempo que precisar pra se acostumar e se isso não acontecer, senhor e senhora Park serão bem vindos. — Ji Sung sorriu docemente.

- Obrigada. — Eun disse sem jeito um tanto corada.

- Todos na mesa, então vamos almoçar.  — Ji Han anunciou ao caminhar para a cozinhar e lavar suas mãos. Assim que todos sentaram na mesa, Louise mandou que servissem o almoço aos quatro participantes da mesa.


[...]


Depois do almoço cheio de conversas sobre a casa e a ida até a cidade mais próxima, Ji Han mandou que Jimin e Ji Eun trocassem de roupa e pusessem uma calça e blusa de manga comprida para principalmente proteger aos dois de machucados.

- Jimin?Ji Eun? Estou aguardando!

Desceram rápido as escadas ao encontro dos pais.

- Estamos aqui.

- Que bom, vamos para fora.

- O que vamos aprender pai?

- Começaremos com tiro ao alvo, vamos usar uma pistola de ar comprimido, são mais leves e de melhor manejo e só depois vocês usarão as armas com balas normais. — Ji Han explicou enquanto caminhava para a parte de trás da casa com seus filhos. Caminhou até a mesa em que havia colocado as balas e as armas, e entregou uma para cada.

- Vocês abrem assim. — ele mostrou como destravar e por a bala- em seguida puxa aqui em cima e ela ta pronta para o tiro. Vocês têm que acertar nos pontos em vermelho que estão no poster.

No papel grande havia o desenho por alto de um homem, e pontos vermelhos nos lugares fatais ao ser humano. Jimin e Eun se posicinaram e miraram no boneco, as pistolas eram de 5 1, cinco tiros e um extra. Os dois passaram a tarde treinando suas posições ao esconderem-se em locais de difícil movimento e ao final da tarde dividiram-se em duas duplas de dois.

- Pai pra que isso? — Jimin disse ao terminar de por a roupa no corpo e ajudar Eun Ji.

- Vamos jogar paintball.

- Mas está escuro senhor Park, como vamos brincar?

- É treinamento querida, não vamos de fato... Na verdade é um brincar treinando. — JiSung disse rindo ao terminar de adaptar lanternas e outros adereços nas armas.

- Vamos nos dividir em duas mulheres e dois homens, um atirador e um amador.

- Poderia ser eu e a mamãe e o senhor com Ji Eun.

- É mais confortável assim querido. — Ji Sung disse beijando a testa de Jimin. — Seis em ponto, vamos começar?

- Vamos! — falaram em um grito com um sorriso no rosto. Cada um pegou sua arma, munição, sinalizador, gps,bússola, binóculos próprio para visão noturna e lanterna e então se dividiram.


×Time feminino×


- Vamos fazer um sinal Ji Eun. — ela parou pra prestar atenção, vamos nos dividir, se você ver a luz de lanterna e piscar duas vezes,você responde com duas piscadas e eu saberei que é você. Se entrar em apuros use o sinalizador okay?

- Sim senhora! — disse animada e então se separaram.


×Time Masculino×


- Jimin, vamos nos manter perto um do outro, você vijia a esquerda e a parte de trás e eu a direite e a nossa frente tudo bem?

- Tudo bem,vamos vencer essas duas.

Os dois times saíram em busca um do outro, adentrando a grande mata ao redor da fazenda, mantendo-se alerta a todo barulho. Ji Eun subiu em uma arvore e tentouse camuflar ao máximo depois de ter ouvido um barulho.

Ji Sung andava um tanto agachada por entre a folhagem baixa e se deitou no chão como soldado em uma moita e aguardou que passasse pela frente o que fez um barulho de galho quebrar.


Jimin e Ji Han, caminhavam em alerta, olhando para todos os lados ao seu redor, os dois se posicionaram para um unico ponto ao ouvirem um barulho entre as árvores.

Os quatro preparavam-se com as suas armas, em um tiro preciptado trouxe um time vencedor e mostrou a localização do perdedor.

- Parece que não se saíram bem no quesito da primeira regra.

_-Discrição, alerta, cuidado_


Notas Finais


aka: como eu disse, a @emy_holly tem andando muito ocupada com os estudos, vamos mandar muita forças a ela, você consegue unnie!

obrigada pelos comentários que vocês tem deixado e eu quero agradecer pela paciência.

até o próximo capítulo e bye bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...