História Whatever Happens - Capítulo 74


Escrita por:

Postado
Categorias Michael Jackson
Tags Amor, Matureera, Michaeljackson, Romance, Tpm
Visualizações 30
Palavras 1.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 74 - Resgate - Parte I


-Senhor Jackson, a equipe de reportagem da NBC já está esperando para entrar ao vivo.

-Ok, estou indo.

-Temos 5 minutos senhor! Meu assessor me fala ao olhar para o relógio e controlar o tempo dito pelo sequestrador. Respiro fundo e entro no local onde os repórteres se instalaram. A NBC irá transmitir e não permitimos perguntas, apenas meu pronunciamento.

 

Entro e me sento na cadeira posicionada em frente à câmera. Não deu tempo de fazer nenhum texto, vai ter que ser de improviso. A moça conta os últimos 5 segundos nos dedos enquanto me olha e só consigo pensar que dentro de poucos instantes a América e o mundo inteiro vão começar a acompanhar o dia mais terrível da vida da minha família.

 

-No ar! A moça fala baixinho para mim e respiro fundo mais uma vez.

 

-Estou aqui para dizer que ontem à tardinha minha noiva Roberta foi sequestrada. Ela encontra-se em poder do sequestrador e estamos em negociação para que ocorra o pagamento do resgate. Estou aqui a pedido do sequestrador e também a pedido dele o momento do resgate será televisionado e transmitido ao vivo, a meia noite, horário local. Essa é uma de suas exigências. Peço a solidariedade de todos vocês para que respeitem esse momento tão complicado e nos deem privacidade. Agradeço a atenção de todos, obrigado.

 

Eles desligam a transmissão e saio estarrecido, agora será uma enxurrada de jornalistas querendo fazer perguntas, tabloides inventando mil mentiras a respeito da situação e vou ter que manter as crianças longe de mais isso. Pedi que Janet não deixasse nenhum meio de comunicação perto deles, ela disse que todas as TVs da casa foram desabilitadas para não correr o risco deles me ouvirem falando.

Chego até a sala da casa onde todos ainda estão reunidos, por mais que eu diga para irem descansar eles não vão. Quando percebem minha chegada, Karen desliga rapidamente a televisão e olhando para o rosto de todos posso notar que assistiram minha fala. Antônio se levanta e aperta a mão em meu ombro.

 

-Você a ama mesmo, rapaz. Se expor para o mundo para salvá-la, nós jamais poderemos agradecer.

-Vocês não precisam agradecer nada, Toni. Eu a amo tanto quanto vocês e eu não fiz nada que vocês não fariam ou que ela não faria por mim.

 

2 horas para o resgate

 

Desde que abri o que está acontecendo não tivemos mais sossego. Meu assessor precisou contratar mais pessoas para lhe ajudar com o número de contatos que estamos recebendo de todas as partes. Há helicópteros de variadas emissoras sobrevoando Neverland atrás de alguma imagem nossa, não podemos colocar o pé na rua. Os tabloides estão sendo cruéis, várias capas especulam que isso é um sequestro forjado por Roberta para conseguir dinheiro de mim, outros dizem que eu criei isso tudo só para chamar a mídia, e por aí vai.

A única coisa boa que aconteceu foi ter a presença dos meus fãs. Desde que a transmissão foi ao ar, um aglomerado enorme deles se formou aqui em frente aos portões e estão com fotos minha e de Roberta, cartazes com orações escritos de força e posso sentir toda essa energia daqui. Na internet Karen me mostrou que ao redor de todo o mundo há manifestação dos fãs em apoio a mim e a Roberta. Nem consigo acreditar em todo esse amor que eles podem me dar em momentos tão difíceis assim, e é genuíno, eles fazem realmente porque gostam de nós e isso não tem preço.

 

 

A caminho da cozinha para pegar uma água, meu celular toca. É uma mensagem com o endereço. Levo até James e ele começa a me passar as instruções.

 

-Michael, nossa van já está pronta para sair da sede da central de inteligência, não vamos usar a que temos aqui para que as emissoras não nos sigam até o local, já que só uma foi autorizada de filmar lá e já entramos em contato com ela para dar as instruções de segurança. Nós iremos sair daqui com mais 2 carros iguais ao mesmo tempo para podermos despistar os helicópteros das outras emissoras. No local combinado com minha equipe, você e eu encontraremos a van e iremos até o endereço dito pelo sequestrador. Dentro da van temos todo o aparato e armamento para estarmos preparados para qualquer coisa, mas só usaremos em extrema necessidade. Vamos colocar um colete à prova de balas em você, por baixo da roupa e William vai dar algumas instruções de como se portar no momento. Ok?

-Sim, vou fazer o que me mandarem. Respondo tentando assimilar todas as informações que ele me deu enquanto tiro meu blazer para colocarem o colete e colocam também um ponto eletrônico em meu ouvido para comunicação.

 

Já com tudo pronto volto à sala para me despedir de todos.

 

-Bom, a partir daqui é comigo. Eu prometo que trarei ela sã e salva em poucas horas. Rezem para que tudo dê certo! Peço e Flávia me abraça forte, em seguida vem Karen e fala em meu ouvido.

 

-Eu vou com você e nem adianta me dizer que não. Ficarei no carro com a polícia.

-Não, Karen, não posso permitir isso. Não tem motivo para mais uma pessoa correr risco.

-Michael, não vou deixar você sozinho nessa hora, eu vou ir. Já falei com James e ele autorizou.

-Mas Karen...

-Michael, já está decidido! Eu vou!

 

Ela não me dá escolhas e confesso que ter alguém amigo ao meu lado vai ser bom. Na hora da troca sei que estarei sozinho, mas até lá ela me acalmará.

O local é bastante longe daqui então já precisamos ir. Vamos até a garagem e eu, Karen James e mais 2 policiais entramos em um dos carros. Nos outros dois vão outros policiais e saímos em comboio. Como previsto os helicópteros das emissoras nos seguem e foi preciso muita habilidade do motorista para que conseguíssemos despistá-los. Depois de uns 40 min andando, paramos e avistamos uma van preta sem identificação nenhuma. Entramos e me assusto com o tamanho do armamento distribuído e fixados nas laterais do veículo. Na parte de trás do motorista há uma mesa de comunicação e além de Karen, James e eu, há mais 4 policiais fardados. Não tem um único músculo do meu corpo que esteja relaxado nesse momento e Karen não larga minha mão.

 

-Você não devia ter vindo, não sei como pude deixar.

-Michael, se concentre agora no que você precisa fazer quando chegar lá. Ela responde sem deixar suas emoções intervirem.

-Isso, Michael. Vamos recapitular. Assim que chegarmos perto, um agente irá se aproximar para fazer o reconhecimento do local, mas não vamos conseguir chegar exatamente no ponto marcado por ele para não ter risco dele nos ver. Então quando se aproximar a hora você sairá sozinho segurando a bolsa e caminhará com calma até o ponto especificado por ele, que é entre o galpão número 3 e 4 desse depósito.

Assim que ele aparecer com Roberta, provavelmente será em algum veículo, nós nos aproximaremos um pouco mais e ficaremos observando tudo. Qualquer movimentação estranha dele, nós entraremos em ação e você irá se abaixar na posição de proteção que ensinamos. Se não for preciso e tudo ocorrer bem, você entrega a bolsa, pega Roberta e volta nessa direção andando calmamente sem olhar para trás. Quando vocês estiverem em uma distância segura, nós iremos atrás dele. Certo?

 

Ele repassa todas as partes novamente para que não ocorram erros e balanço a cabeça positivamente concordando com tudo.

Um dos policiais sai e depois de um tempo volta dizendo que a área está liberada e que não viu ninguém em local algum, o sequestrador ainda não chegou. Faltam 15 min para meia noite.

 

-Bom, Michael. Chegou a hora, mantenha a calma, vai dar tudo certo. Lembre-se que não estará sozinho, nós estaremos logo aqui atrás.

 

Enche os pulmões de ar, agarro as alças da bolsa de viagem cheia de notas e a porta da van é aberta. Desço e começo a andar até o local combinado.

 

 

Continua...

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...