História What's remains of the Finches - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Adoção, Lesbicas, Romance, Sequestro, Suícidio, Whatsremendsofedithfinch
Visualizações 3
Palavras 2.286
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), LGBT, Literatura Feminina, Policial, Romance e Novela, Terror e Horror, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Também está no wattpad

Capítulo 4 - Fogo


Veronica conseguiu uma vaga em um colégio interno na Inglaterra para os quatro filhos. Sebastian e Minerva voltaram para Belladonna e agora apenas Elizabeth e ela e os fantasmas de Kwan e de Helene viviam naquela casa.

Um ano inteiro, Veronica ficou pela primeira vez em anos sozinha por um ano inteiro. Seus filhos mandavam cartas praticamente todos os dias, Sebastian como sempre desapareceu da vida dela e Elizabeth agora um ano mais velha se encontrava mais doente do que antes

Ela ficou esses doze messes sozinha, conversando apenas por cartas, com os empregados que passaram a vir só nas segundas feiras e evitavam o máximo qualquer contato com Veronica.

Era sábado a noite, Veronica pegou uma taça de vinho na cozinha e foi para seu quarto, retirou da última gaveta de seu criado mudo um álbum de fotos, muito mais antigo que as criança podiam imaginar. Nele tinha fotos que Veronica e Helene no ensino médio e na faculdade. Mas a primeira foto que surgiu foi uma que ela roubou das coisas de Edith quando fugiu, era uma foto do aniversário de noventa anos da avó dela. Edith era uma menininha e mesmo ainda tão pequena ela podia ver que ela não tinha puxado nada da mãe

Veronica tinha fugido de San Myshuno no terceiro ano do ensino médio. Era muita pressão viver com o pai e o irmão exibido que achava que era o filho favorito só porquê Edith Finch escreveu um diário para ele. Então quando chegou na Enseada, estava completamente sozinha e sem dinheiro. Ela conseguiu se matricular no colégio da cidade para poder ter oque comer, mas ainda não tinha arrumado um trabalho.

Ela estacionou bob -um motorhome velho que ela tinha comprado de um hispter de terceira idade- em um ferro velho aonde ninguém a incomodaria. No primeiro dia de aula no meio do ano ela usou uma calça jeans rasgada e surrada uma blusa do irmão que um dia foi verde e um casaco xadrez vermelho na cintura que herdou da mãe. Não era uma boa aparência, o cabelo estava oleoso e bagunçado estava pálida e com olheiras enormes por ter dirigindo a noite toda.

Chegou atrasada no primeiro dia, e ao entrar na sala de artes bateu a porta com mais força do que gostaria e causou um grande barulho, não se desculpou só continuou andando até uma cadeira vazia no final da sala, tentando ignorar todos os olhares curiosos dos outros alunos
-como eu ia dizendo- disse o professor olhando para Veronica enquanto ela colocava os pés ensina da mesa - um... trabalho de artes em grupo, vão precisar pintar na tela, qualquer coisa que quiserem, mas devem usar todas as cores da nossa palheta de outono- ele disse andando pela sala entregando papéis para os demais alunos -o trabalho é para segunda feira que vem, e valerá cinco pontos...- ele iria explicar mais alguma coisa porém o sinal do recreio o cortou o som de sua voz

Todos os alunos rapidamente guardaram suas coisas e saíram da sala, Veronica era uma completa estranha, ela percebeu todos os olhares curiosos e até malvados a ela, e antes que pudesse ir comer decidiu para no banheiro. Ela se olhou no espelho, estava terrivel além das olheiras sua cara estava inchada de ter chorando a noite toda, seu cabelo estava sujo e embolado ela deveria ter cortando antes de viajar mas adorava ter o cabelo comprido por mais que não cuidasse.

Ela ajeitou seu coque e molhou o rosto, foi para a cantina e aceitou tudo que as cozinheiras colocavam em sua bandeja. Foi aí que percebeu o sistema de tribos da escola, tinha os atletas, os nerds, os góticos, os maconheiros e os populares. Não tinha lugar para ela e nenhuma mesa estava vazia, então ela foi para o lado de fora se sentou na grama e comeu tão rápido que chegou a engasgar
-oii- disse uma menina de olhos castanhos olhando por baixo dos degraus da arquibancada
-oi- disse Veronica com a boca cheia
-você é nova aqui né?- ela perguntou
-uhum-
-ótimo- ela disse e deu a volta na arquibancada para ficar cara a cara com Veronica
Ela estava com mais três pessoas
-eu sou Emma Marie, esses são Simas Ramon, ela apontou para um garoto sardento, Helene Nassau, uma menina loira de olhos azuis com cabelo curto ondulado. E o mais novo membro do nosso grupo Carlos Gómez, ele é cubano, é o primeiro dia de aula dele
-hola- ele disse, e todos se sentaram
- você também é intercambista?- perguntou Emma jogando os longos cabelos cacheados para trás
-mais ou menos- disse mastigando
-aonde você mora?- perguntou helene
-em um ferro velho- disse ainda comendo e todos pareceram surpresos -oque?- ela percebeu
-Te encuentras bien? necesita algo?- disse carlos
-não, olha eu estou bem, cheguei hoje só preciso de uns dias para me ajeitar-
-e seus pais?- perguntou Simas
Veronica suspirou
-bem eu meio que estou sozinha, não quero falar sobre isso-

E não falaram mais, Carlos contou como ele e sua família conseguiram fugir de Cuba e como ele estava feliz de finalmente estar livre. Os dias passaram e Veronica conseguiu um emprego de atendente na loja dos pais de Emma, ela não ganhava muito, mas deu para comprar umas roupas decentes e um pouco de comida. Era quarta-feira quando eles foram visitar Veronica para fazer o trabalho de artes
-ouvi Carlos de longe- disse ela na porta de bob
-esas chicas que no me dejan en paz, me arrastraron aquí, pero yo ni estudio artes- ele disse indignado, elas riram
-então oque vamos pintar?-perguntou Helene olhando em volta
-estamos em um ferro velho, não a nada útil aqui, vamos para um parque- disse Simas
-eu acho aqui muito inspirador- disse Veronica
-concordo- disse Helene
-até consegui concertar bob, com as peças se outras coisas-
-bob?- disse Emma
-A, é o nome do meu trailer-
-que muchacha loca- Carlos sussurrou
-ele está tão sujo- disse Simas
Bob tinha uma cor creme mas agora estava coberto de poeira
-eu sei, mas não tenho tempo de lava-lo-
-e se a gente ajudar?- disse Emma
-vocês fariam?-
-claro- disse Helene sorrindo

E a tarde que era para ser de estudos se transformou em uma tarde de limpeza, os cinco limparam bob por dentro e por fora, e quando terminaram assinaram seus nomes na porta. Eles mal perceberam que tinha anoitecido


-esse pode ser nosso trabalho- disse helene, -o bob-
-acho que o professor vai aceitar o trailer como trabalho - disse Simas bocejando
-ja sei, manhã eu trago a tela e as cores de outono-disse helene
-A pronto- disse Simas- essa dai quando sisma com alguma coisa não para nunca-
Eles riram -vamos, já está tarde-
-gracias a Dios, ya estaba muriendo de sueño-
-você não vem Emma?- perguntou Simas
-não, eu vou depois- disse Emma, helene a encarou
-ok- e os três foram

As duas dormiram juntas naquela noite, e no outro dia quando acordaram perceberam que Eva mabel vazou um vídeo de sexo de Melinda Prince ou como é mais conhecida, Linda, a garota mais popular do colégio com Josh rocky o atleta e namorado de Helene

Na escola, agora Veronica se sentava em uma mesa e isso significava que agora ela tinha uma tribo, Helene tinha faltado a escola desde o dia do vazamento, agora toda a escola já sabia do relacionamento de Linda e Josh, assim como Carlos e Simas que decidiram se assumir como casal e não se deagrudavam. Eva mabel se juntou a tribo,mesmo sabendo que Helene não iria gostar. Então no domingo todos se juntaram de novo no ferro velho, e Helene finalmente apareceu, levou a tela e as tintas. E enquanto todos conversavam ela fazia o trabalho triste e sozinha
-eles já namoravam desde o fundamental- disse Eva
-e ela traía ela desde o primeiro ano- disse Simas - acho que de alguma forma ela sabia só não queria aceitar-
-terminei- ela disse e entregou o trabalho para os outros -coloquem o nome de vocês atrás eu vou para casa- disse e saiu. O quadro estava perfeito, tinha o bob no fundo e tudo que havia no ferro velho, tudo em cores quentes

-Por qué no pintan el bob hoy?- E foi só Carlos dizer isso para que todos pagassem tintas e começassem a pintar bob, que passou de um simples trailer cor creme para um vomito de unicórnio. Estava lindo, e com o trabalho de Helene ganharam cinco pontos em artes

Na noite de segunda feira, Veronica estava sozinha no bob, com a TV que consertara ligada e uma blusona do irmão como pijama. Estava comendo pipoca de microondas e assistindo a um filme de terror quando ouviu alguém bater na porta, seu coração parou. Ela abaixou o volume da TV na esperança que fosse só coisa da sua imaginação. Mas ouviu de novo e seguido do barulho um "sou eu".

Era helene, toda molhada da chuva
-oi- disse ela -eu trouxe isso- ela mostrou duas garrafas de cerveja
-você gosta disso?-
-você não?-
-não, tem gosto de mijo-
-já provou mijo?-
-é... você ganhou, pode entrar-

Bob não era grande, tinha uma pia, um forno de duas bocas, um microondas e uma geladeira pequena, muitos armários.O banco do motorista e do passageiro, uma mesa no canto, um corredor que levava pra o quarto e uma porta que dava para o banheiro
-o que te traz aqui?- Veronica perguntou se sentando
-minha mãe descobriu sobre o vídeo- disse Helene se sentando na frente dela é abrindo as garrafas com o dente e passando uma para Veronica -ela sempre disse que se eu transasse com ele, ele não iria me trair-
-sai dessa, se ele te amasse de verdade ele não iria te trair
Helene ficou em silêncio, Veronica percebeu que disse oque não deveria

-Talvez... você esteja certa, mas se eu não fosse tão confusa meu relacionamento estaria de pé
-confusa?-
-é... eu...- ambas estavam na metade da garrafa e já estavam parcialmente bêbadas - nunca dei pra ele nesses anos todos porque, eu não sinto que gosto dele- ela disse sentada em cima do balcão da cozinha
-como?-
-sabe, é legal ter um namorado jogador de futebol americano mas eu não gostava quando ele tocava em mim
-eu não tô entendendo-
-a...-ela colocou as duas mãos na testa -me desculpe eu pensei que você iria me entender- ela se levantou colocou a garrafa já fazia em cima do balcão e se virou para a porta
-espera- Veronica se levantou a segurou pelo braço e a puxou para si esbarrando na mesa. E um clima entre as duas apareceu
-pensei que você e Emma estivessem juntas- helene sussurrou
-não estamos-
-mas ela disse que estavam namorando-
-não, só ficamos algumas vezes, nada de mais-

E por um instante só o barulho da TV predominava naquele lugar. Helene nunca tinha visto Veronica assim, com os olhos meio fechados e um sorrisinho de canto de boca, ela a puxou e agora mais juntas do que já tiveram, abraçadas. Com olhos nos olhos Helene beijou Veronica como nunca beijou Josh, como nunca beijou ninguém.

As duas sozinhas, num trailer no meio de um ferro velho, entrelaçadas, com mais fogo do que um milhão de estrelas, suando e se arranhando. Com certeza Helene nunca esqueceria o jeito como se afundava nos castanhos olhos cheios de malícia de Veronica e o jeito seguro que ela passava a mão por trás dela como se dissesse "eu seguro você". O jeito como ela tocava cada parte do seu corpo como se estivesse lendo em braille, como a arranhava e a chupava. Com certeza foi a melhor noite da vida nela, mal ela sabia que haveria muitas outras

Foi na faculdade que as coisas se complicaram, todos os vínculos do ensino médio foram rompidos, ninguém mais se comunicava com ninguém. Emma Marie tinha sumido após saber sobre Helene e Veronica e Carlos Gómez acabou de apaixonado por uma mulher, Eva mabel engravidou do seu primeiro filho e Simas era o único que mantinha contato com as meninas, que ainda mantinham a relação firme e forte. Os três saiam para shows, parques, bares e restaurantes. Mas quando a faculdade acabou ele viajou para França para finalmente conhecer o web namorado que morava por lá, "âme soeur" foi oque ele escreveu na legenda da foto de noivado deles dois anos depois. As meninas construíram a casa dos sonhos em um terreno da cidade que Veronica descobriu ter seu nome envolvido. Casaram, viajaram o mundo e construíram uma família.

E o álbum de fotos terminou. Veronica voltou a cozinha para colocar a taça na pia e depois subiu para seu quarto. Quando mais tarde um cheiro de queimado entrou pela janela, ela se levantou rapidamente quando percebeu uma luz laranja vindo de fora, era fogo. Todas as árvores envolta de sua propriedade pegaram fogo. Ela pegou o telefone e chamou os bombeiros. Minutos depois a casa dos Finch estava mais uma vez cheia de policiais, bombeiros, ambulância e repórteres. As horas seguintes foram um inferno, todos estavam curiosos para saber o que iniciou o incêndio mesmo com os bombeiros dizendo que foram as árvores combustivas.E os finch mais uma vez viraram notícia depois de acharem as cinzas de Sebastian Finch e Elizabeth Nassau no lugar do incêndio, todos acusaram Veronica como culpada. Oque os bombeiros outra vez negaram. Por fim a propriedade foi multada por conter árvores combustivas não cuidadas, os negócios dos Finch viraram cinzas já que todo o estoque de xarope estava no celeiro, A única renda que a família tinha se foi e agora as crianças já arrumavam as malas de volta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...