História When i leave - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Thor
Personagens Darcy Lewis, Fandral, Jane Foster, Loki, Personagens Originais, Thor
Tags Asgard, Drama, Lemon, Loki, Midgard, Thor, Thorki, Threeshot, Yaoi
Visualizações 198
Palavras 1.050
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura yeeey

Capítulo 2 - I'm go back to old and good ultraviolence


Thor me beijou com mais intensidade, eu estava quase chegando ao meu limite. Mas parecia ser só o começo para Thor.

— Aguente mais um pouco. Você está indo bem.— Sussurrou ofegante em meu ouvido.

Eu o senti ir mais fundo e forte, o senti atingir minha próstata.

— Th-Thor E-Eu — Eu não conseguia formular palavras.

— Está tudo bem. Você está bem. Só um pouco mais... — A medida que tudo ia ficando mais lento Loki acordava. A medida que ele não sentia mais os gestos ele acordava.

 

...

 

Acordei ofegante, levantei da minha cama de casal na suíte e então parti ao banheiro, minha visão estava turva e minha cabeça latejava, culpa minha. Escovei os dentes e com a mesma roupa suja que dormi lembrei do sonho.

— MALDITO! — Joguei a mesinha longe — DESGRAÇADO! — Joguei o criado mudo, joguei garrafas, copos, pratos, roupas. Estava uma maldita bagunça

 

"Você está bem" Essas palavras vieram a mente de Loki.

 

— MALDITO LOIRO DE MERDA! — Abri bruscamente a porta do guarda-roupa no chão. Lá tinha uma garrafa de Whisky rachada. Abri a mesma e engoli todo o líquido de uma vez.

— LOKI, 'CÊ  TÁ BEM CARA? — Vi Haze aparecer desesperada.

 

.  .  .

 

— Eu já disse que estou bem porra! — Gritou Loki

— Você deveria esquecer ele Tom, você não é o tipo de pessoa que virá uma garrafa de Whisky em um minuto. — Disse Haze.

— CALA A BOCA. ESQUECER QUEM? EU NÃO AMO NINGUÉM PORRA! E TU SE CALA TAMBÉM JOSHUA! — O Moreno estava quase voando no pescoço do loiro. Odiava quando o mesmo contava seus assuntos sem seu consentimento.

— Então por que seu quarto tá uma bagunça? — Perguntou Frandall.

— Eu não sei, eu não sei, eu não sei. — Repetia Loki.

 

O Moreno fechou os olhos para tentar raciocinar mas acabou se lembrando do sonho, Dos toques, das palavras.

 

— MALDITO SEJA! — Quebrou o copo que segurava em sua mão.

— Olha Tom, eu aceito de boas você ser filho de Odin. Mas você não me contar o que está acontecendo e me deixar preocupada eu não aceito! — Disse Haze. A ruiva poderia ser qualquer coisa mas não era nada agradável irritada.

— Toda vez que eu fecho meus olhos é como um paraíso perdido. Ninguém se compara a ele. Ninguém será como ele. Excerto ele em meus sonhos. E eu sei que ele não está mais me esperando. E eu não quero acordar da próxima vez que eu dormir. Eu o sinto me abraçar e me dizer que está tudo bem. Mas eu sei que não está. E eu queria estar morto. Seu rosto é como um livro, onde eu sempre relembro a parte da qual eu mais me apeguei. E não há remédio para os sentimentos.— Ele brincava com os cacos de vidro.

— Ah Thomas. — Haze me abraçou.

 

. . .

 

Eles dizem que eu sou novo demais para apenas pensar em você.

Por que na verdade é só de você que eu preciso

Você diz que eu sou como o vento.

Por que eu estou lá quando você está sozinho.

Eles dizem que eu sou um idiota.

Mas na verdade eu sou o queridinho do Brooklyn.

Eles dizem que eu vou esquecer. Da nossa última risada.

Mas isso jamais sairá da minha mente.

 

"Você está bem."

 

— Meu nome é Thomas,  Me chame de Tom. — Me apresentei.

— Alec, prazer em conhece-lo Tom~ — Sorriu malicioso.

— Prazer Haze. — Haze se intrometeu.

— Tom meu querido você viu o Joshua? — Perguntou.

— Não gata, ele deve estar perto das mesas não? — E então ela saiu.

 

E eu vi duas silhuetas conhecidas. Uma de Thor e outra de... puta merda.

 

— Seu número é? — Perguntou.

— Não. Não. Não. — murmurei.

— O que?

— Eu preciso ir! Se ver aquela garota diga a ela que eu fui a Jotunheim ela vai entender. — E então eu sai da boate.

 

Droga, Droga, Droga!

 

Por que logo hoje? Eu estava indo tão bem.

 

— Loki? — Perguntou. Eu me virei e dei de cara com Thor e Jane.

— Muito obrigada Foster. Como quer foder com tudo agora? Vai me tirar meus amigos? Vai me vender como escravo? — Perguntei irônico.

— Seu irmão precisa falar com você. — Disse.

— Ele não é meu irmão, Ele não precisa de mim, ele não tem nada a dizer. — Eu sairia dali se ele não tivesse puxado meu pulso.

— Você vai voltar para casa! — Disse apertando meu pulso.

— Sua clássica ultraviolencia. Ou deveria dizer "Nossa? — Me soltei. — Me soltei chifrudo maldito. Eu não tenho assuntos a tratar contigo. — Iria embora se ele não me prendesse na parede.

— Isso irrita majestade. — Disse. —  Eu sei que você não está com raiva. Eu sei diferenciar isso. — Sorri cínico.

 

"Acho que vou te chamar de Convallaria majalis"

"Por que?"

"Por que em uma pequena quantidade não faz mal, mas a medida que aumenta, complicações vão se tornando mais frequentes"

 

Ele me chutou. E isso me pareceu um beijo.

Me fez lembrar da infância quando nos brincávamos e lutavamos.

Ele me socou. E isso me pareceu um toque.

Me fez lembrar de quando brincamos de esconde-esconde.

Ele me esmurrou. E isso foi como os velhos tempos. Quando nós nos divertimos com a ultraviolencia.

 

Meu rosto estava inchado, e eu cuspia sangue. Como nos velhos tempos. Brincávamos de ultraviolencia. Por que nós sabíamos. Que assim seria melhor.

Me dê mais de sua ultraviolencia. Nós vamos morrer jovens de qualquer forma. Deixe a sua noiva gritar. Isso não está como os velhos tempos?

 

Ele chutou minha barriga. E foi como um abraço.

Eu consigo ouvir sirenes.

E tudo uma grande ultraviolencia

Onde um sádico e um masoquista brincam de sentir prazer.

Amar você é muito dificil. Vamos, descarregue sua raiva em mim. Não é assim que funciona nossa ultraviolencia?

Você não vai sair da minha cabeça.

Então me ajude a tentar esquecer meu paraíso perdido. Eu não quero que você me diga mentiras como "você está bem". Eu consigo ouvir sirenes. Você já vai embora? Não se esqueça dessa ultraviolencia.

Por que Haze chora? Ela sabia dessa ultraviolencia. Eu não contei a ele contei? E sempre uma ultraviolencia. Por que o Frandall ligou para a ambulância? Por que a Jane grita estericamente?

Vocês deveriam me deixar morrer com essa ultra violência.

Por que ama-lo foi a coisa mais errada que eu poderia ter feito.

É tão difícil ama-lo.

E eu sei. Que ama-lo nunca foi o suficiente.


Notas Finais


Eu só não estou chorando por que eu não tenho mais líquido no corpo. Não pera.

Eh isto. Até o próximo e último capítulo bejus de paçoca


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...