História When I see you... - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), Thor
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bucky, Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Frigga, Heimdall, James Rupert "Rhodey" Rhodes, Jane Foster, Lady Sif, Loki, Nick Fury, Odin, Personagens Originais, Phillip Coulson, Pietro Maximoff (Mercúrio), Steve Rogers, Thor, Visão, Wade Willson (Deadpool)
Tags Loki, Marvel, Original, Thor
Visualizações 105
Palavras 2.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá olá! Bom dia, boa tarde ou boa noite! Como vocês estão? Espero que bem ^^ novo capítulo quentinho e gostosinho para vocês! Espero que gostem!

Capítulo 2 - 02. Irritante


Fanfic / Fanfiction When I see you... - Capítulo 2 - 02. Irritante

Eu fiquei por três horas no meu escritório pesquisando e formulando perguntas. Depois de ter anotado várias delas no meu bloco, eu desço novamente até o terceiro andar subterrâneo para encontrar o Deus Asgardiano.

Eu faço a identificação de identidade, e a porta se abre, revelando o Loki deitado em sua cama lendo um livro.

- Você de novo? Pensei que tinha ido embora.

- Eu tinha, mas eu fui planejar perguntas. E agora eu estou pronta.

- Eu duvido que vai conseguir respostas.

Ele continuava olhando para o seu livro enquanto conversávamos.

- Ok, isso é o que veremos. Vou começar com uma fácil.

- Hm...

- Sua cor preferida.

- Sério? - Ele então abaixa o livro e me encara.

- Sim, eu disse que seria fácil. - Eu começo então a andar pelo pequeno espaço que eu tinha.

- Isso não é um tanto óbvio?

- Hmm... eu não sei, não te conheço. Então?

- Verde. - Ele falou, meio que desinteressado com a nossa conversa.

- Okay. - Eu então anoto em meu caderno. - Hobbies?

- Ler livros. É uma das únicas coisas que tem para fazer aqui, além de andar e dormir.

- Certo. De acordo com as mitologias nórdicas é dito que você teve alguns filhos, excluindo semideus é claro, muito poderosos, sendo estes Hel, A deusa da morta e que fica em Helheim, o reino dos mortos desonrados. Você também teve dois filhos Narvi e Vali. Vali se transformou em lobo após ele ter matado Narvi. Você também teve um filho com uma giganta, ele se chama Serpente do Mundo, o qual o seu corpo é tão grande que envolve a Terra. E com um caso também com uma giganta você teve um filho Lobo, chamado de Fenrir. Isso é verdade?

- Eu relação com ninguém é nunca tive filhos, então, não, não é verdade.

- Ok... - Eu anoto no caderno.

Eu fui então fazendo várias perguntas e as horas foram passando, e eu não percebi que não tinha almoçado, quer dizer, eu não tinha comido nada ainda o dia inteiro, e o som que minha barriga fez, queria dizer que eu deveria comer, AGORA.

- Você almoçou que horas?

Loki tira os olhos de seu livro e olha para mim.

- Na verdade eu não almocei, para falar a verdade, eu ainda não comi hoje.

- Você está fazendo dieta por acaso?

- Não, com certeza não, eu não faço essa loucuras. Eu estou feliz com meu peso. Eu não comi ainda por que eu esqueci.

- Como alguém esquece de comer?

- Ahm, eu?

- Você... - Parecia que ele ia dizer alguma coisa, mas não falou nada no final.

- Bem, eu vou sair por algum tempo para comer, eu volto logo.

Quando eu estava saindo eu pude ouvir Loki dizer.

- Se quiser não precisa voltar!

Ai ai, eu acho que estava havendo uma competição de quem se odeia mais. Mas eu não dei bola, se eu quisesse, eu também não iria querer ver mais ele, mas era meu trabalho e eu tinha que faze-lo.

Eu não podia negar, eu tinha um pouco de raiva dele depois do ataque a Nova York, ele manipulou vários da minha equipe, e felizmente eu também não tinha sido pois naquele dia eu estava em uma viagem para França. E quando eu voltei, eu soube que muitos da minha equipe tinham sido mortos, e eu não fiquei triste por que perdi muitos dos melhores da minha equipe, mas eles também eram meu amigos.

Então eu me pergunto, será que Loki pode mudar?

Eu acho isso um tanto impossível, mas eu acho que mesmo depois de tudo o que ele fez, ele podia mudar. Eu acreditava nisso. Mas nem por isso, eu o perdôo pelo o que ele fez em Nova York.

Eu fui até um restaurante que tinha perto do prédio da Shield e fui comer, já eram 13:39 da tarde, e minha barriga estava louca por comida.

Eu almocei, paguei e logo fui novamente em direção ao meu trabalho, mas quando estava voltando eu vi um papel grudado em uma parede. Nele dizia:

Feira de livros! Venha participar dessa feira cultural e encontre os mais diversos tipos de livros, autores e idades. Venha e aproveite!

A feira iria acontecer daqui a três semanas, eu peguei meu celular e anotei para não esquecer. Isso seria ótimo! Um feira do livro! Eu não podia esperar!

Então retomando o caminho, eu retornei ao prédio da Shield.

Eu cheguei no elevador e fui ao terceiro andar subterrâneo, e fui a cela de Loki novamente, e eu tinha esquecido e deixado as minhas coisas lá.

- Sentiu minha falta? - Eu perguntei a ele que agora estava caminhado pela cela.

- Ahm. Não. Por que não ficou mais tempo fora, midgardiana?

- Eu tenho um nome, pare de me chamar de Midgardiana,  Asgardiano. - Eu disse, falando da mesma maneira do que ele. 

- Você esqueceu suas coisas aqui.

- Eu sei. E adivinha, iremos para novas perguntas.

- Você é muito chata e insistente.

- Eu prefiro curiosa e estudiosa, mas se prefere isso. - Eu peguei meu caderno e comecei a fazer as perguntas novamente ao prisioneiro. E ele com certeza não gostou que eu continuasse a fazer perguntas.

E então foi assim durante horas, até eu finalmente não ter mais ideia do que perguntar ou falar. Eu então pego as minha coisas e saio da cela, mas antes de sair, eu digo a Loki.

- Bem, eu acho que nós vemos amanhã novamente.

- Estou muito ansioso para isso. - Ele diz sarcasticamente.

Eu reviro os olhos, vou ao elevador e aperto para o 40 andar. Eu vou ao meu escritório e pego algumas coisas, como o caderno de notas, meu notebook, e alguns livros. Só coube alguns livros na minha bolsa com o caderno de notas e meu notebook. Então sou obrigada a levar alguns livros na mão. Eu coloco a minha mochila nas costas e vou novamente ao elevador.

Quando eu chego ao térreo eu quase esbarro em alguém.

- Me desculpe. - Eu digo por impulso e quando eu vejo com quem eu quase esbarrei era nada mais e nada menos que o agente Jackson.

- Marina, eu não te vi, me desculpe, e Wow! Quantos livros você quer uma ajuda? - Enquanto ele dizia, sem que eu pudesse responder ele pega alguns livros que eu estava carregando.

- O-obrigada. - Eu digo sem jeito.

- Para onde você está indo?

- Eu vou para casa.

- Quer eu te dê carona?

- Não, não precisa, sério.

- Tem certeza? Parece que você está meio sobrecarregada, e você mora longe daqui. Tem certeza?

- Bem, se não for muito incômodo. 

- Que isso, nunca é incomodo ajudar uma amiga. Venha, eu vou te levar até meu carro.

Então ele me mostra o caminho até seu carro, e eu coloco as minhas coisas no banco de trás e depois eu sento no banco do passageiro.

- Obrigada. - Eu digo assim que ele entra no carro.

- Não precisa agradecer Mari, eu estou sempre disposto a ajudar, qualquer coisa que você precisar, é só me chamar.

- Ok. - Então eu viro minha cabeça para o lado e apoio ela na minha mão, e olho a paisagem, é também começo a corar ao lembrar que ele me chamou de Mari. Ele era tão fofo.

A gente ficou em um silêncio constrangedor  por alguns minutos, quando ele começou a puxar assunto.

- Então... como foi com Loki?

- Uhm, eu acho que ele é muito teimoso, e as vezes irritante, mas eu vivi por muitos anos com meu irmão mais novo, então não é nada que eu não possa lidar.

Então ele sorriu e riu um pouco.

- Você achava seu irmão chato?

- E muito irritante, nós dois brigávamos por qualquer coisa, principalmente por coisas que ele fazia para me irritar e depois dizia que não era ele.

E depois disso nós começamos a jogar conversa fora e a rir. Nathan era legal, e sempre sabia o que fazer para descontrair. Mas então chegamos em minha casa. O que era uma pena, pois estava tão legal a nossa conversa.

- Aqui está, chegamos. Eu vou te ajudar com os livros. - Ele diz enquanto vai em direção dos bancos de trás para pegar os livros. Eu estava do lado de fora aguardando enquanto ele pegava os livros. - Aqui está senhorita, os seus adorados livros. - Ele disse enquanto me entregava. E depois fazendo uma reverência de brincadeira.

- Obrigado gentil cavalheiro - Eu digo na mesma vibe que ele é faço uma pequena reverência, fingindo estar com um vestido.

- Tenha uma boa noite, e eu acho que a gente de se vê amanhã. - Ele diz caminhando para o carro.

- Boa noite, e até amanhã. - Eu digo e ele me dá um sorriso, e embarca no carro e logo parte.

Eu então o observo ir, e fico sorrindo que nem uma tola, então eu noto que tenho que entrar em casa. Eu coloco os livros no chão da calçada e procuro a minhas chaves. Eu abro o portão, pego meu livros e depois o fecho, e foi só fazer isso para que um cachorro todo animado viesse correndo em minha direção e pulasse em mim, fazendo com que é me desiquilibrasse e caísse no chão. Ele era um Golden Retriever chamado Apollo. Por que será hein? Talvez por causa da mitologia greco-romana? A resposta era, sim. Era por causa disso.

- Oie garoto! Eu também senti sua falta! - Eu disse entre risos pois Apollo não parava de me lamber. O que era muito nojento. - Por favor para! Eu preciso ir para dentro de casa! - Eu digo e empurro Apollo para que ele saísse de cima de mim. Feito isso ele entendeu o que deveria ser feito e saiu de mim.

- Isso, agora senta e rola - Eu digo  isso e ele obedece aos meus comandos. - Isso! Bom garoto - Então eu faço carinho em forma de recompensa.

Eu pego novamente os meu livros e vou em direção da porta da minha casa e então a abro, e antes que eu pudesse entrar ou impedir, Apollo foi mais rápido e entrou para dentro de casa.

- Haha, lar doce lar. Apollo, não, não senta no sofá. - Eu vou correndo em direção do sofá para impedir que Apollo suba. - Vá para o seu cobertor. - Eu digo e aponto para o coberto que ficava ao lado do sofá, o qual Apollo foi em direção, obedientemente.

Eu subo as escadas e vou em direção do meu quarto, onde coloco as minha coisas, pego uma toalha que estava em meu guarda-roupa e vou para o banheiro tomar banho.

Eu tomei um banho quente e relaxante, hoje com certeza foi um longo e cansativo dia.

Depois de banho tomado, eu coloco uma roupa confortável e desço as escadas para ir em direção a cozinha, mas paro no meio das escadas quando percebo que tem um grande ser dourado de quatro patas folgado em cima do meu sofá!

- Apollo! Saia já do sofá. - Eu vou em direção dele e o afugento do sofá. - É melhor você ficar no seu cobertor se quiser ficar dentro de casa está noite. Eu vou colocar você lá fora! - Eu digo em tom de autoridade, e com medo, Apollo vai em direção ao seu cobertor. - É bom ficar aí.

Depois disso, eu vou em direção da cozinha e vejo o que tenho para comer.

Eu decidi pesquisar no meu celular alguma receita de comida, e então encontro algumas coisas para fazer.

- Parece que hoje o jantar será Gourmet. - Eu rio comigo mesma.

Sim, era solitário estar sozinha em casa, sem alguém para conversar, ou então que me respondesse, por isso eu ficava mais tempo no trabalho, pois não tinha nada de importante para fazer em casa, então as únicas coisas que eu fazia para me divertir era cozinhar, desenhar, assistir séries e ler livros, o que não era ruim, mas quando se faz isso sempre, isso se torna chato.

Eu queria ter alguém com quem sair, se divertir, conversar, passar a noite. Eu tinha algumas amigas, mas elas preferiam fazer festa e sair por aí, e eu não era muito disso.

Eu já falei isso para Catherine, a minha melhor amiga, ela também trabalhava na Shield, e ela me disse que talvez o que eu estivesse procurando, fosse um namorado.

Então desde lá, minhas amigas sempre ficam arranjando encontros para mim, os quais falham miseravelmente. Mas pelo menos era uma coisa para fazer.

Eu preparei as panelas e ingredientes, quando o meu celular toca.

- Alô? 


Notas Finais


Olá olá novamente! Gostaram do cap? Eu espero que sim.
Desculpe se houver erros ortográficos ou palavras sem sentido, como já disse, eu escrevo pelo celular e as vezes isso acontece. Mas espero que gostem do mesmo modo XD
Até o próximo capítulo pessoal.
Bye Bye queridinhos 😚😚😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...