História When She's Gone - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, TWICE
Personagens Chanyeol, Jackson, Jeon Jeongguk (Jungkook), Nayeon, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Tzuyu
Tags Bts, Exo, Got7, Twice
Visualizações 20
Palavras 955
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 51 - Me ajuda


Fanfic / Fanfiction When She's Gone - Capítulo 51 - Me ajuda

- Jimin, iremos levá-la para o necrotério… provavelmente daqui 2 dias ela será enterrada.

- Tudo bem… eu vou voltar pra casa. - Me levanto, com a ajuda deles.

- Se cuide.

- Antes, eu poderia tocá-la? 

Eles confirmaram, balançando a cabeça. Me aproximei dela, passei minhas mãos em seu rosto, que estava totalmente pálido e gelado. Aquilo tudo era injusto com a gente, ela não merecia ter morrido. A perdi para sempre… ficarei naquela casa, sozinho e somente com as lembranças dela. Eu passava as minhas mãos em seus cabelos, que um dia foram grandes e que ficavam na minha cara no meio da noite. Toquei seus lábios, me fazendo lembrar da última noite que tivemos juntos, em que eu tinha ela nos meus braços. Acabei deixando algumas lágrimas caírem no rosto dela, eu não pudia aguentar aquilo. Dei um beijo na testa dela e sai do quarto, totalmente abatido e triste. Eu andava pelos os corredores, enxugando as minhas lágrimas, querendo que tudo aquilo fosse um sonho e ao chegar em casa, vê-la sentada no sofá, lendo um dos seus livros e com seu pijama fofinho. 

Entrei no meu carro, fiquei um tempo olhando para o banco do meu lado e lembrei de como ela estava feliz. Comecei a bater bem forte no volante, até que meu punho ficasse roxo ou começasse a sangrar (algo que acabou acontecendo). Olhei para as minhas mãos, que estavam tremendo e sangrando. Pensei em dirigir até bater em um poste de luz, mais eu tinha que avisá-los do acontecido. Liguei o carro e fui até o apartamento da Tzuyu.

[…]


- Jimin, o que aconteceu? - Chanyeol me pergunta, ao abrir a porta e me ver com os punhos machucados.

- A Tzuyu está?

- Sim, entra! - Ele abriu o caminho e eu entrei, me assentando no sofá.

Eu olhei para a cara dele, que espera alguma explicação minha, mas eu só comecei a chorar.

- Oi, Jimin… porque veio nessa hora da noite? - Tzuyu chegou na sala. - Seus punhos, eles estão sangrando… que besteira você fez dessa vez? Cadê a Sojin nessas horas?

- Esse é o problema.

- Por que? - Chanyeol ficou confuso.

- A Sojin… ela… morreu. - Abaixei a minha cabeça, para não ter que olhar para eles.

Pude ver que a Tzuyu o abraçou e começou a chorar no ombro dele. 

- Vá para o quarto e se acalme, okay? - Chanyeol tenta acalmá-la.

- Não, Chanyeol! A minha melhor amiga morreu, ela morreu! - Ela gritou.

- Ela morreu na minha frente… eu pude vê-lá, perdendo a vida aos poucos… era como se estivessem me esfaqueado e tentando tirar um pedaço de mim… eu me dediquei por tantos meses, tentei de tudo. O que eu fiz de errado? 

- Jimin, você não fez nada de errado. - Tzuyu se sentou no meu lado e me abraçou. 

- Você deve contar para os pais dela e ao Sehun, não acha?

- Tem razão, Chanyeol. Eu irei ir até eles.

- Vou te levar lá, da forma que vocês está, é melhor não dirigir. Vamos?

- Chanyeol, eu posso muito bem dirigir, sem a ajuda de ninguém.

- Por favor, Jimin… não queremos perder você também. - Tzuyu ficou emotiva.

[…]


Quando cheguei na casa dos pais da Sojin, olhei para a porta, pensei em dar meia volta e ir embora dali. Mais seria injunto com eles, precisavam saber da verdade, mesmo que ela machucam.

- Bata na porta. - Chanyeol grita (porque estava dentro do meu carro, me esperando).

Foi o que eu fiz, bati na porta, que logo foi aberta por eles, que me olharam e ficaram preocupados:

- Oi, Jimin! - Sr Oh, me deu um aperto de mão.

- Está tudo bem com vocês? - Sra Oh, me puxou para dentro.


- A Sojin vem tendo algumas melhoras? - Sehun me perguntou.

Eles estavam com caras alegres, querendo saber logo das "novidades". De novo, não consegui me conter e comecei a deixar as minhas lágrimas caírem (até tentei disfarçar).

- Jimin, por que está chorando? - A Sra Oh se abaixou e secou as minhas lágrimas. 

- É difícil… sabe… mais é a minha obrigação. 

- Fale logo, então. - Sehun disse.

- A Sojin morreu, á poucas horas atrás…

Eles ficaram desesperados, como eu, queriam que aquilo fosse um pesadelo. 

- A minha menina… se foi! - Ela encostou sua cabeça no ombro do Sr Oh.

- Sehun, pegue um copo d'água para a sua mãe… e para mim um pouco de uísque, por favor. - Sr Oh se sentou no sofá e abaixou a cabeça, tentando se manter forte.

- Jimin, obrigado! 

- Sra Oh, eu não entendo… porque está me agredecendo?

- Por causa de você, a minha irmã conseguiu ser feliz… sempre com um sorriso no rosto e falando de você, com um olhar de admiração muito grande. - Sehun disse, entregando um copo d'água para a Sra Oh e um cheio de uísque para o Sr Oh.

[...]


Quando cheguei, senti um vazio grande no peito, a casa estava vazia. O gato estava dormindo no sofá (ela gostaria de ver aquela cena). No banheiro ainda estavam as maquiagens dela, da mesma forma que ela havia deixado. Peguei cada uma e as guardei na gaveta. Decidi tomar um banho quente, lavar a minha cara de choro e tentar dormir. 

Me joguei na cama, olhei para o teto e fiquei pensando: o que eu fiz de errado? Será que faltava algo?

Eu virei para o meu lado oposto (aonde Sojin costumava dormir), abracei o travesseiro dela e fiquei triste (mais que antes). O cheiro dela ainda se mantia naquele quarto, por causa do perfume de flores silvestres que ela costumava usar todos os dias.  Não consegui pegar no sono e o que me restava era ficar acordado, pensando em como a minha vida será difícil daqui pra frente.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...