História When snow falls - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias X1
Personagens Cho Seungyoun, Han Seungwoo
Tags 2seung, Cho Seungyoun, Han Seungwoo, Ryeonseung, Seungwoo, Seungyoun
Visualizações 51
Palavras 2.451
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Fluffy, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


essa one shot é dedicada para lani.

Porque ela ficaria acordada até 1:31 da manhã para fazer uma surpresa ♡
ryeonseung te ama e eu também

Capítulo 1 - Sweet surprise


Fanfic / Fanfiction When snow falls - Capítulo 1 - Sweet surprise

 Seungwoo já estava cansado de sempre tentar falar com Seungyoun e este nunca aparentar tanta animação, nem mesmo quando o Han propôs uma viagem de volta ao Brasil, país onde seu namorado crescera. Seungyoun estava sempre aos suspiros pela sala do dormitório que dividiam , parecia sempre estar em outro mundo, algo totalmente estranho vindo de cho seungyoun.

Quando se conheceram, seungwoo apelidou seungyoun de Sol, graças ao seu belo sorriso e sua maneira sempre alegre de viver a vida. E óbvio, pelo calor que este deixava em seu coração com todos os beijinhos e abraços aleatórios. Se o Sol era indispensável para a vida humana, Seungwoo era a maior prova disso.

Mas recentemente, o Sol havia se apagado e nem mesmo o brilho da lua era visível.

— Amor, semana que vem é nosso aniversário — seungwoo diz entrando na cozinha onde seu namorado estava no fogão. O mais velho abraça o cho por trás e deixa um beijo em sua nuca. Ele sente os pelos ali se arrepiarem e sorri consigo mesmo. Essas pequenas reações de seu Sol nunca mudavam.

— Que ótimo woo. — Suspirou. "Ótimo?" Ele havia esquecido? —Mas amanhã eu preciso ficar até mais tarde no trabalho então não dá pra sairmos. — seungyoun parecia realmente chateado com isso. Mas afinal ele parecia realmente chateado com tudo ultimamente.


[...]

— yohan você tem certeza disso? — seungwoo perguntou se sentando ao lado do melhor amigo no longo sofá da casa dele. Yohan morava em um lugar incrivelmente confortável e ate chique se for pensar que todos moravam em dormitórios e eram meros universitários. Ora, até banheira ele tinha. Seungwoo costumava ir visitar yohan sempre que precisava de um conselho, afinal o kim era alguém incrivelmente experiente para sua idade. E no momento ele precisava de um conselheiro amoroso.

Talvez yohan, que nunca manteu um relacionamento por mais de 2 meses, não fosse a melhor opção, mas era a única que tinha no momento.

— absoluta certeza.— o mais novo se inclinou para ficar mais próximo do amigo. Ele cochichava mesmo não tendo ninguém no pequeno apartamento além dos dois— Se ele anda tão cabisbaixo, sem querer falar com você, fica tão tarde no trabalho e ainda nega sair no próprio aniversário de vocês é sinal que quer terminar! 

— E o que eu posso fazer? 

— bom eu, com minha vasta porém curta experiência com relacionamentos — começou yohan — posso dizer que o melhor a fazer é esquentar as relações se você me entende — ele ergueu uma sombrancelha e seungwoo sentiu seu estômago revirar. Não era mesmo uma boa idéia vir até yohan, talvez hangyul fosse melhor. Ele era incrivelmente inteligente e jamais iria propor algo assim...

— eu não vou propor a ele para transarmos com você! — gritou se levantando do sofá

— o que? Ficou maluco? Óbvio que não! — Yohan se levantou também, se segurando para não bater no amigo por um pensamento tão estúpido — Pelo amor de Buda, seungwoo, o que acha que eu sou? Estou falando no sentido de fazer algo para ele! Uma surpresa!

— Surpresa?

— É! Se ele vai sair mais tarde do trabalho, prepare algo romântico para quando ele chegar e depois lance a braba meu amigo — yohan pôs a mão no ombro do amigo e seungwoo sentiu uma lâmpada se acender em cima de sua cabeça

— Você me deu uma idéia — Seungwoo estava se sentindo orgulhoso pelo rascunho de idéia que estava começando a se formar em sua mente. Ele precisaria agir rápido e ágilmente como um ninja. — yohan obrigado por tudo, fico te devendo essa! — e saiu correndo até a saída.

Antes que seungwoo pudesse atravessar a porta, só ouviu yohan gritar: "me arrumar um encontro com o wooseok parece uma boa forma de compensar" e o Han riu enquanto revirava os olhos. Certamente iria arrumar isso para o amigo.

[...]

Seungyoun colocou seus fones e deitou a cabeça na janela do metrô. Ele se sentia um completo lixo por abandonar seungwoo justo hoje.

O aleatório colou "call you mine" do Jeff Bernat e seungyoun precisou se segurar para não derrubar uma lágrima. Fora essa música que seungwoo usou para pedir ele em namoro a exatamente um ano atrás. Tinha sido um pedido perfeito.

A casa de seungyoun estava decorada com diversos corações de papel presos em varais, fotos dele e de seungwoo juntos e muitos pisca-piscas. Todos os seus melhores amigos estavam ali e ele foi um dos momentos mais felizes da vida do cho. 

Porém ele sabia que nenhuma alegria poderia ser eterna.

Ele ja havia perdido muito e sabia que era questão de tempo para perder seu doce woo também. Ele estava se preparando psicologicamente para isso. O afastar doía tanto. Tanto. Mas era necessário na visão dele.

Provavelmente Seungwoo já estaria dormindo a essas horas, ele havia deixado o aniversário passar como qualquer outro dia e a culpa era toda de seungyoun.

Quando ele chegasse iria fazer questão de arrumar toda a casa e fazer a comida do dia seguinte para não dar mais trabalho e decepção para ele.

Mas ele se sentia péssimo. Será que iria ser assim que ele ficaria quando Seungwoo finalmente achasse alguém mais bonito ou interessante e o abandonasse? Ou pior, seungyoun não estava sendo o responsável por adiantar esse fim?

Era um paradoxo. Se ele fosse amoroso como queria ser, seungwoo enjoaria de si. E se fosse indiferente, seungwoo acharia alguém que não fosse.

Mas ele amava tanto seu Hannie. 

Não haveria um meio-termo para que pudesse ficar sempre com ele? Sempre...

A resposta óbvia era não.

Envolto em pensamentos, seungyoun mal percebeu que já estava dentro de casa, até que quando acendeu as luzes, viu seungwoo dormindo no sofá de um jeito que com certeza iria trazer dores na coluna dele no outro dia. Mas seungyoun sentiu dó e acorda-lo. Poxa ele parecia tão angelical assim.

Pois é, seungyoun era um completo boioloinha por seu namorado.

— woonie — ele se ajoelhou na frente de seungwoo e colocou a mão em suas coxas — vem, vamos pra a cama. — a carinha de sono de seungwoo logo que ele acordou fez o coração de seungyoun bater mais rápido. Um ano e ainda não parava de se sentir como um adolescente.

— Não, espera aí — o mais velho se levantou puxando a mão de seungyoun, mas este ficou apenas parado e não o seguiu — você precisa vir comigo!

— Woo, eu disse pra não me esperar, se você for me esperar acordado todas as noites você nunca vai ter um sono decente — o cho encarou o chão. Estava se segurando para não ficar com raiva 

— Se eu não te esperar eu não falo com você nunca.

Seungyoun levantou o olhar e viu que o outro seung não o encarava também 

— Você sai antes que eu acorde e volta depois que eu vou dormir. E quando está aqui não fala comigo. Mas vem, você. precisa. ver. isso. — o tom afiado que seungwoo nunca usava fez o mais novo se assustar um pouco e o seguir de fato, mas não sem antes soltar a mão que estava entrelaçada com a do outro.

O que poderia ser tão importante que em plena 1:31 da manhã de uma segunda-feira não pudesse esperar para o outro dia?

Quando as portas que levavam para o quintal foram abertas, os olhos de seungyoun brilharam. Literalmente.

O quintal estava repleto de estrelinhas brilhantes presas nas árvores, parece que o céu estava um pouco mais próximo deles. Parecendo uma constelação própria feita por seungwoo inspirada no brilho do próprio olhar. Diversas constelações cheias de significado[foto do capitulo] Pétalas de rosas no chão parecendo um primavera infinita. "A natureza não chegava perto nós, o poder de trazer flores para sempre estava em nossas mãos" era isso que elas pareciam dizer 

E a neve que caia... Ah a neve que caiu exatamente na pontinha do nariz de seungwoo quando ele abriu aquele imenso sorriso que só ele tinha...

Neve era o destaque maior, estava frio mas isso não afetava nenhum deles. A chama do amor queimava mais forte.

— você gostou? já que não pudemos sair eu pensei em fazer algo aqui em casa mesmo — o mais velho brincava com a barra da camiseta, nervoso pela reação.

— woo... — o cho estava sem palavras — como? — foi tudo que saiu. O que mais ele poderia dizer? Mas seungwoo não pareceu satisfeito com a reação, pois apenas suspirou profundamente

— o yohan me deu a idéia da surpresa. Faltei a aula e fiquei a tarde toda arrumando mas aparentemente você não gostou. — mais um suspiro. 

— o que? Não! — seungyoun correu até o namorado e colocou os braços ao redor de seu pescoço e lhe deu o beijo mais apaixonado que podia. E o mais quente levando em conta tanto frio. — eu amei. ficou lindo e isso melhorou todo meu dia, semana, mês! — ele uniu as testas e entrelaçou suas mãos.

Era verdade. Estava tão preocupado em desapegar de seungwoo que quase esqueceu como é bom estar com ele. Beijar ele. Abraçar ele. E ser mimado por ele, como quase sempre acontecia se o han estivesse de bom humor.

— eu te amo. — o cho sussurrou e naquele momento ele sorriu verdadeiramente. Ele se sentia tão bem com seungwoo. Como se o abraço dele tivesse sido feito por medida para encaixar com o corpo de seungyoun e faze-lo ficar em casa.

Naquela hora, seungwoo se encolheu, afastou seungyoun de si e apenas começou a chorar, se sentando no banco que estava ali perto.

— Ei, ei ei. O que foi? Eu disse algo errado? — o cho sentiu o desespero em suas veias e correu para se sentar em frente a seungwoo. 

— é só que... E-eu pensei que nunca mais ia ouvir isso — falou baixinho, como um segredo. Se encolhendo mais e tentando secar as lágrimas que desciam lentamente e fora do controle de seungwoo — eu pensei q-que você tinha enjoado de mim e que ia terminar comigo e eu fiz isso c-como uma última tentativa de te trazer de volta pra mim — a confissão quebrou o coração dos dois. Seungwoo se sentia um tolo, idiota por estar naquela situação humilhante. E seungyoun estava se sentindo um monstro por estragar o melhor relacionamento de sua vida

— desculpe te fazer pensar isso — disse o cho após um longo período de silêncio. Ele limpou as lágrimas que caiam e abraçou seu hannie contra si — é uma justificativa idiota, mas eu pensei que não era bom o bastante pra você e que logo voce iria me deixar. Então fui te afastando porque pensei que isso iria fazer doer menos. Como eu estava errado — nessa altura, seungyoun também chorava e apenas tentou beijar todo o rosto molhado do seu amor. Doía tanto vê-lo chorar, ainda mais por sua causa.

— você é um idiota, cho seungyoun!— seungwoo exclamou se soltando do abraço e dando um tapón no ombro do outro— Eu deveria te bater agora só por pensar nisso.

— deveria — ele suspirou encarando os próprios pés — todos os meus relacionamentos acabaram porque os meus namorados achavam alguém mil vezes melhores que eu em pouco tempo. Demorei quase 20 anos da minha vida pra fazer amigos de verdade, como você e os outros nove idiotas que chamamos de amigos — ele riu fraco, mesmo sem ter graça na situação — eu sou todo fudido mentalmente. E você veio trazendo tanta alegria e paz que eu pensei que fosse impossível eu ser tão feliz. Não parecia justo. Acho que ninguém percebe minhas inseguranças porque todos pensam que estou sempre feliz. Mas os mais felizes são os mais fudidos, você sabe.

Seungwoo entrelaçou os dedos com os do namorado e beijou as mãos dadas 

— Você é minha luz, younnie. Com você distante eu fico no escuro — sussurrou para o namorado deitando a cabeça em seu ombro. — eu nunca quero terminar com você. Quero me casar com você e comprar uma casinha na montanha pra fazer todo mundo se parecer com formigas 

Seungyoun riu alto da fala inesperada do namorado e também sentiu uma grande alegria ao ouvir isso. Uma vida inteira ao lado de seu woonnie... Ele desejava tanto isso. Desejava ser feliz com aquele que tanto amava. Desejava voltar a ser o cara feliz e de bem com a vida que era antes e sabia que seungwoo poderia fazer isso ser verdade.

Seungwoo era seu chão. Seu mundo. Seu complemento perfeito. Como fora tolo tentando o afastar sendo que eles juntos obviamente tem a melhor das químicas. 

— o que mais? 

— quero ter filhos com você. Mas não muitos pra o Dohyun não ter ciúmes — eles riram de novo — e também vamos ter uma casa no Sul da França pra irmos todas as férias e sermos as gays mais chiques do mundo! — mais e mais risadas até que eles ficaram sem ar 

Seungyoun só percebeu o quão forte apertava na mão de seungwoo quando ele a soltou.

— Droga, seungwoo. Eu te amo tanto...

— eu também te amo. Muito mesmo. E seungyoun — ele segurou nas bochechas de seu namorado e beijou sua testa — Mesmo se a neve cair fria, não esqueça que eu vou estar sempre aqui com um chá quente e um cobertor pra você. Não me afasta de novo. 

Seungyoun fez que sim com a cabeça e só então se deu conta que não havia deixado seungwoo mostrar a surpresa que preparara. 

— Me mostra o que você tinha planejado fazer aqui. Estou curioso

[...]


e foi ao som de Bruno Mars, cantado por seungwoo, obviamente. Que eles terminaram a noite. Seungyoun se sentia leve por não ter mais que se afastar, afinal, era com seungwoo o seu lugar. Eles nunca iriam se separar e ele agora tinha certeza.

E seungwoo agora se sentia completo por ter de volta o seu Sol. Mas esse apelido agora não fazia mais sentido. Era o seungyoun de um ano atrás.

Agora seungyoun era como uma estrela. Gigante, brilhante, inspirador, e lindo. Que talvez não aparecesse sempre, mas quando aparecia era para encantar a todos. E se seungyoun era uma estrela, certamente bateria de frente com o Sol.

No ano seguinte em que a neve caiu, não foi preciso plano mirabolante para salvar o relacionamento. Não.

Na primeira queda do primeiro floco de neve, os dois "Seungs" falaram sim na frente de todos e prometeram nunca mais se separar. Unidos feito uma constelação e sempre diferente, como flocos de neve.



Notas Finais


Bem melosa e clichê, I know, porém eu sei que lanivia vai adorar,,,

desculpa por qualquer erro de português e obrigado por ler até aqui.
Fav se gostou e comente oq achou.
Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...