1. Spirit Fanfics >
  2. When the Levee Breaks >
  3. I'll always come for you

História When the Levee Breaks - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Nossa história está chegando ao final. Super feliz com os comentários lindos de vocês. A música citada no capítulo é
"I'll always come for you" da Banda Nickelback. Escrever ainda é uma novidade para mim e dois capítulos já foi uma superação hahahaha espero que gostem do final.

Capítulo 2 - I'll always come for you


Fanfic / Fanfiction When the Levee Breaks - Capítulo 2 - I'll always come for you

- E se vencermos? Nós ferramos os anjos, os demônios e a droga do apocalipse. Se eles querem fazer uma guerra que encontrem seu próprio planeta. Este é nosso e eu digo para darem o fora. Nós pegamos todos, matamos o Miguel se for preciso, mas fazemos isso por nossa conta.

Sam ouvia seu irmão falar com Bobby com tanta determinação e segurança e seu coração acelerava com isso. Passaram por tantas coisas nos últimos dias. Sentia uma dor irradiar por seu peito ao lembrar da forma que o tratou. Da briga que tiveram. Agora tem consciência de como foi manipulado, como o seu vicio em sangue o deixou cego para as armações de Ruby. Era tudo uma grande armação ao final, o objetivo sempre foi libertar Lúcifer. Iniciar o apocalipse. Anjos e demônios no fim das contas não valiam muita coisa.

E o que ele fez? Preferiu acreditar que era o único capaz de deter Lilith, acreditar que seu irmão não seria capaz. Preferiu seguir Ruby e magoar a pessoa que mais ama no mundo. Estava com tanta raiva fervilhando dentro de si que não se deu conta que por pouco não matou Dean naquela luta. E como doe lembrar do olhar quebrado dele, de como o feriu de todas as formas. O ama com toda sua força, sua família, seu herói, como conseguiu destruir a relação entre eles?

- Mas eu tenho garra e quero mais que eles se danem. E eu vou descobrir um jeito. – Dean ainda falava, estavam no hospital cuidando de Bobby. O velho caçador lutou bravamente contra a possessão de Meg. Agora todos os demônios estavam atras deles. E anjos também. Não faziam a minima ideia de como sairam vivos daquele convento e foram parar naquele avião. E mesmo com o mundo literalmente acabando, Sam só conseguia pensar em como seu irmão estava distante. Mesmo tentando conversar, pedir perdão. O mais velho sempre se esquivava, fugia dos seus olhos. E essa ausência de carinho, do olhar protetor estava o matando. Não conseguia se aproximar, sua própria culpa o paralisando com o medo da rejeição. De ouvir Dean dizer que não o perdoava, que não o queria mais.

Primeiro acreditou que o irmão o odiava, o considerava uma aberração. Ouvir aquela mensagem em seu celular foi como perder toda sua fé, sua esperança. Mas Dean não o abandonou, foi até aquele convento o salvar. Ou morrer com ele. Sentiu tanto alivio e remorso ao vê-lo ali. Realmente achou que iriam morrer. Mas com ele ao seu lado não seria tão ruim assim.

- Andei pensando podemos procurar a Colt. – Sam falou ao sairem do hospital. Estava começando a acreditar que tinham uma chance. Que poderiam retomar a relação que sempre tiveram. Ouvir Dean discursar todo valentão e petulante como sempre foi aqueceu seu coração.   

- Porque? Que diferença ia fazer?

- Podemos usar em Lúcifer. Aquilo que você disse lá.. – Sam o olhou confuso, era como se fosse outro Dean ali ao seu lado totalmente diferente do Dean que falava empolgado no hospital. O olhar vazio, distante, novamente presente.

- Disse muita bobagem pelo bem do Bobby. – O loiro respondeu, era nítido seu desconforto. Como ele se segurava para não dizer algo. As vezes conseguia captar raiva e magoa em seu olhar, uma desconfiança. Não conseguia ler seu irmão como sempre conseguiu. Dean era uma incógnita para muitos, mas para si sempre foi um livro aberto. Conhecia cada gesto, expressão e olhar. Era o único que conseguia transpor as barreiras que muitas vezes Dean erguia. Agora não conseguia se aproximar. Entender o que seu irmão sentia.  

- Você tem alguma coisa pra me dizer? – O moreno perguntou. Tinha tanto medo da resposta. Mas a duvida era muito pior. Não podia continuar assim, precisava saber toda dor que causou nele e tentar recuperar seu amor. Sabe como Dean considerou sua relação com Rubby uma traição. Não se envolveu dessa maneira com ela, mas sabe que seu irmão não pensa assim. Foram muitas mentiras e em alguns momentos se deixou tocar por ela quando seu único pensamento era consumir seu sangue. Nunca permitiu que fosse adiante, mas tem consciência que ela usou isso para afastar Dean ainda mais de si. Percebia no olhar desconfiado dele que havia algo não dito. Era tudo tão claro agora.

- Eu tentei Sammy. Mas não posso continuar fingindo que está tudo bem. Porque não está, nunca estará. Você preferiu um demônio ao seu próprio irmão. – Enfim as palavras presas foram ditas. Sam já esperava por elas, mas ouvir sempre é pior. Ver a dor nos lindos olhos verdes do seu irmão. Seu amor tão vulnerável e machucado.

- Eu daria qualquer coisa pra voltar atras. – Sam queria abraçá-lo, voltar no tempo, qualquer coisa pra acabar com sua dor, a dor que ele mesmo causou e que também doia em si mesmo.  

- Eu sei que daria. Você era o cara em quem eu mais confiava e você me deixou na mão de um jeito que nem da pra... eu acho que não posso confiar em você.  – Para Sam pior que constatar que foi sua culpa Lúcifer estar livre, foi ouvir essas palavras. Como conseguiria viver sem ele, sem o amor e confiança do seu irmão mais velho? Seu único amor.

Just one more moment, thats all thats needed

Só mais um momento, é tudo que eu preciso

Like wounded soldiers in need of healing

Como soldados feridos precisando de curativo

Time to be honest, this time I'm bleeding

Hora de ser honesto, dessa vez estou sangrando.

Please don't dwell on it, cause I didn't mean it

Por favor não insista nisso, porque foi sem querer

Entraram no carro em silêncio. As ideias fervilhando na mente do caçula. Não aceitaria essa situação, vai mostrar ao seu irmão que ainda é o mesmo Sam. Vai curar todas as suas feridas com seu amor. Provar que é digno da confiança do seu irmão.

Sam deixou seu irmão entrar primeiro no quarto de hotel. A viagem toda em um completo silêncio que o deixava mais desesperado ainda. Sam estagnou ao lado da cama vendo Dean arrumar sua mochila e separar sua roupa, com certeza iria tomar um banho. O loiro não o olhou nenhuma vez evitando uma aproximação.

- Dean...

- Sam estou cansado, vou tomar um banho...

- Não, Dean! Nós vamos terminar nossa conversa. – Falou com toda determinação que tinha, Sam não iria perdê-lo.

I cant believe I said I'd lay our love on the ground

Eu não posso acreditar que eu disse que deixaria nosso amor no chão

But it doesn't matter cause I've made it up forgive me now

Mas não importa porque eu me arrependi, me perdoe agora

Everyday I spend away my souls inside out

Todo dia eu percebo minha alma do avesso

Gotta be someway that I can make it up to you now, somehow

Deve haver algum jeito que eu possa te compensar, agora, de algum jeito

- Sam acho que nada que você diga vai mudar o que aconteceu, serão apenas palavras vazias.  - Dean suspirou cansado, era doloroso admitir que não confiava no moreno. Admitir que não acreditava que as coisas poderiam voltar a ser como eram. Ainda o ama mais que tudo, mas a sensação de traição, de ter sido trocado ainda era muito perceptível e doía muito, doía ver ele triste, doía ver ele tentar, e doía mais a droga da raiva que sentia por não se achar capaz de perdoar, quando tudo que queria era só um motivo para esquecer tudo agora mesmo e se jogar nos braços desse idiota! Porque tinha que acreditar naquela vadia? Porque foi com ela?! - Dean sentia o rancor e o ciume gritar em seu peito o sufocando!

- Não são palavras vazias, Dean. Eu sei que te disse coisas horríveis, que te magoei. Mas você precisa saber que meu amor ainda está aqui, Dean. Eu estava louco, viciado em sangue, não conseguia enxergar nada. Eu me deixei levar pelo vicio e não é fácil admitir isso...eu te amo, te amo mais que qualquer coisa nesse mundo, mas que a mim mesmo...por favor... – Dean o olhou pela primeira vez. Um olhar surpreso diante das primeiras palavras sinceras que ouvia de Sam, ou talvez só agora conseguia ouvir o que ele falava.

By now you know that I'd come for you

A essa hora você já deve saber que eu viria por você

No one but you, yes I'd come for you

Por mais ninguém, sim eu viria por você

But only if you told me to

Mas só se você me dissesse pra vir

And I'd fight for you

E eu lutaria por você

I'd lie, it's true

Eu mentiria, é verdade

Give my life for you

Daria minha vida por você

You know I'd always come for you

Você sabe que eu sempre viria por .

- Sam eu...

- Eu nunca te trai, Dean. Eu te amo e sempre te amei e isso não vai mudar. Eu posso lutar por você. Te provar que sou merecedor do seu amor, da sua confiança. Eu sei que menti, que deixei esse vicio maldito falar mais alto. Mas eu vou te mostrar que pode confiar em mim novamente. Eu preciso de você, Dean. – Sam venceu a distancia entre eles e segurou Dean com força. O desespero de pensar em perdê-lo comandando suas ações, precisava mostrar seu amor!

- Me solta! – Dean tentou se soltar e sentiu o moreno o empurrar contra a parede e o prensar com seu corpo. – O que você quer Sam? – Perguntou ofegante sentindo seu coração bater na garganta.

- Eu quero você, quero seu amor, seu desejo, quero tudo que sempre foi meu. – Falou muito próximo ao rosto do mais velho e Dean podia sentir o hálito quente em seu rosto, o olhar intenso e aquele desejo forte que sempre emanava do moreno e o deixava sem forças.

- Você não tem o direito de fazer isso comigo Sam...

- Tenho, eu tenho o direito de mostrar que eu te amo, de lutar pela pessoa mais importante que eu tenho na vida... você é tudo pra mim Dean.

Dean tentou empurrar o outro e sentiu Sam o prender com mais força, e o loiro sentiu suas forças o abandonar.

- Se depois disso você realmente me quiser fora da sua vida, eu juro que te deixo em paz Dean. – O loiro sentiu seus lábios serem esmagados em um beijo urgente e possessivo, que no início tentou ser indiferente, mas logo se viu correspondendo com desespero e uma urgência louca de tirar do seu Sam, qualquer vestígio daquele demônio, qualquer lembrança que ela pudesse ter deixado.

Queria arrancar tudo começando por aquelas roupas todas que cobriam aquele corpo grande e quente que conhece tão bem. Dean removia as roupas do moreno com desespero. Sam o segurava firme e atritava seus corpos, e Dean sentia seu corpo responder rápido aos toques do caçula. Sam começou a retirar a roupa do loiro com pressa, adorava ver sua face corada, as sardas destacadas no rosto bonito. Sua boca estava deliciosa e pecaminosa, toda vermelhinha dos beijos trocados, Sam arfou de tesão, o desejo dominando suas ações!

- Você é meu, Dean. Só meu!  Eu não vivo sem você.

Dean perdeu o fôlego por um momento. Seu coração  ameaçando sair pela boca diante das palavras de Sam. Como sentiu falta de ouvir isso.

- Só seu, Sam! E você é meu!

Dean gemeu com as carícias do moreno. Sam beijava seus ombros, peitoral e ia descendo por seu abdômen. A língua quente espalhando fogo pelo seu corpo, o pênis duro esfregando lentamente no seu por baixo da roupa. Aos poucos o moreno retirou sua calça e cueca admirando o corpo do loiro. Dean ainda corava diante do olhar predador do seu irmão, não conseguia evitar, talvez fosse a forma depravada que o moreno o olha, o devorando com os olhos. Sam segurou firme o pau do irmão, massageando  devagar. Sentia ele pulsar nas suas mãos cheio de tesão e isso era uma delícia! O maior passou suavemente a língua ali e se deleitou com  Dean gemendo baixinho,  ainda tentando controlar seu desejo, mas Sam estava disposto a tirá-lo totalmente do eixo, daquele jeitinho que ama! O moreno abocanhou tudo de uma vez fazendo seu loiro gostoso gemer mais alto e arquear as costas contra a parede, assim que gosta, Dean entregue e delirando de prazer...

- Te amo tanto Dean! Vem vamos fazer isso em um lugar mais confortável – O moreno se levantou e puxou Dean pela mão, o abraçando e voltando a tomar seus lábios em um beijo forte, indo com ele para a cama e o empurrou para o colchão, se deitando por cima.

- Você é gostoso pra caralho, Sam! – Dean falou rouco de tesão, quando Sam soltou seus lábios e o fitou nos olhos, e recebeu um sorriso indecente que era um dos seus preferidos.

- E você é muito sexy gemendo com esse pau dentro da minha boca. – Sam falou com a voz provocante, descendo uma trilha de beijos por seu abdômen, até o pau turgido e robusto que brilhava de tesão, o moreno o segurou firme e  intercalava beijos molhados na cabecinha rosada e chupadas mais fortes, arrancando gemidos deliciosos do irmão. Dean era grosso e adorava engolir seu irmão inteiro. Sabia exatamente como ele gostava e do que ele gostava. Enquanto mamava seu pau gostoso,  Sam alisou a entrada do loiro, parando um minuto para introduzir dois dedos naquela boca pecaminosa do loiro. Dean imediatamente sugou seus dedos com vontade, o olhando e gemendo no processo. Sam poderia gozar só de olhar aquela cena. Os lábios carnudos e vermelhos do seu irmão chupando e contornando a língua nos seus dedos.

- Você é um safado, Dean.

- Eu sei que você gosta, Sammy.

Sam retirou os dedos antes que perdesse o pouco juízo que tinha e introduziu  devagar na entrada apertada do loiro. Adorava essa sensação, nunca se cansaria   de sentir aquele buraquinho sugando seus dedos.

- Que delícia, Dean.

- Sammm - Dean gemeu em resposta abrindo a boca em busca de ar.

- Quente, cara! Quente e apertado.

Sam introduziu mais um dedo sentindo o cuzinho do loiro se contrair em resposta. Dean gemia e rebolava nos seus dedos e isso era uma visão erótica e excitante demais.

- Dean, não aguento mais. Preciso de você.

- Vem Sam. Vem me comer, vem.

Sam guiou o pênis para o interior do irmão. Sentiu tanta saudade do loiro. De compartilhar esses momentos de prazer, era sempre tão perfeito. Intenso e repleto de entrega. Se sentia completo com ele.

- Sam... - Respiravam juntos, Sam esperava seu irmão se acostumar com a invasão. Aos poucos sentiu ele se mexer, ditando o ritmo.

E começaram aquela dança tão conhecida por eles. Sam entrava e saia devagar, sentia seu pau sendo engolido pelo cuzinho guloso do irmão. Queria saborear cada segundo. O suor entre seus corpos, as mãos de Dean puxando seus cabelos buscando sua boca em mais um beijo desesperado.

- Eu te amo, Dean Winchester. Meu Dean!

- Seu! - Dean sentia o pau grosso do irmão acertar seu ponto doce a cada estocada, adorava as mãos firmes do moreno em seu quadril ajudando nos movimentos. Sabia que amanhã estaria cheio de marcas e a ideia o excitada  ainda mais. Dean inverteu as posições e montou o moreno. A penetração mais profunda arrancando um gemido mais alto de ambos. Dean cavalgava intensamente. Estava alucinado de tesão. Ver a expressão de fascínio e adoração no rosto do irmão era como se sentir amado outra vez. Sabia que era dono desse olhar, que apenas os dois compartilhavam. Era paixão, era amor, era eterno. Perdeu a noção de quanto tempo permaneceram ali, se amando e matando a saudade que sentiam um do outro.

- Cavalga Dean...assim...

- Gostoso Sam...mais rápido...

Sam socava o pau no cuzinho do loiro arrancando gritinhos dele. Sabia que iria gozar, mas queria que ele gozasse primeiro.

- Goza, amor... - Sam segurou firme o pau do irmão que apontava pra cima, deslizou a mão por todo cumprimento e masturbou com vontade. Dean gritou e gozou desabando em seu colo. Sam estocou mais algumas vezes e gozou abundantemente dentro do irmão.

No matter what gets in my way

Não importa o que entre no meu caminho

As long as there's still life in me

Contanto que tenha ainda vida em mim

No matter what, remember you know

Não importa o que aconteça, lembre -se

I'll always come for you

eu sempre virei por você

Sam olhava apaixonado seu loirinho corado e tentando disfarçar sua timidez. Era sempre assim depois que faziam amor. Dean era um furacão na cama, o enlouquecia completamente, mas ficava todo envergonhado com suas demonstrações de carinho. E Sam amava isso no seu irmão.

- Para com isso Sam... – Dean pedia totalmente desconcertado, mas não conseguia disfarçar o sorriso. E Sam sorriu em resposta pontuando beijos nas sardas que tanto adorava puxando Dean que se aconchegou em seus braços. 

- Não importa o que aconteça Dean, eu sempre estarei aqui por você. Eu te amo!

- Eu também te amo, Sammy! E nós vamos vencer juntos. – Dean o respondeu com toda verdade, amor, coragem e determinação brilhando em seus olhos. Não importava o futuro, Sam tinha Dean. Dean sempre teria Sam. Eles ficariam bem no final.

FIM

 


Notas Finais


Chegamos ao final. Me digam o que acharam.
Beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...