História When you love someone - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias UNB
Personagens Jun, Personagens Originais
Tags Angst, Junmyeong, Pktk, Será Fluffy?, Shortfic, The Unit, U-kiss, Unb
Visualizações 39
Palavras 916
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esta fanfic é um flop mas stan talent stan flop
Mais um capítulo, bem soft e uwu, pra não variar mesmo xD
Boa leitura~

Capítulo 3 - First Kiss


Os nossos encontros tornaram-se algo frequente. De duas vezes por mês, passaram para duas vezes por semana. Passou-se o verão, passou-se o outono, e chegou o inverno, que coloriu as ruas da cidade de branco da neve — e foi aí que o nosso primeiro beijo aconteceu.

Eu estava ansioso para aquela noite. Pela primeira vez, eu levaria-te num oficialmente jantar romântico, no melhor restaurante que o meu salário de recém formado podia pagar. Vesti o meu melhor terno – que nem era meu, mas sim emprestado de um amigo – e arrumei os meus cabelos como gostavas: ou seja, desarrumados. Dizias que fazia jus à minha personalidade, e eu abracei isso como um elogio.

Conduzi até tua casa, de onde saíste com uma camisa polo e os cabelos completamente arrumadinhos. Ao te aproximares, paraste em minha frente, olhando-me de cima a baixo, antes de ficares em bicos dos pés para deixar um selinho na minha bochecha, entrando por vontade própria dentro do carro. A tua personalidade ia de tímida e introvertida, a forte e decidida – e aos poucos, eu ia me apaixonando por ti.

“Eu consegui assinar um contrato com uma produtora. Eles gostaram das minhas letras e da minha voz.” — Se visses como o teu sorriso espontâneo é lindo e os teus olhos são mais brilhantes que aquele céu estrelado quando falas das tuas paixões e dos teus sonhos realizados, nunca duvidarias quando eu digo que és simplesmente o garoto mais bonito que eu já vi na vida.

“Parabéns!” — Eu segurei a tua mão sobre a mesa, fazendo um carinho nela, e tu olhaste-as, antes de entrelaçar os nossos dedos e sorrires para mim. — “Estou muito feliz e orgulhoso de ti.”

“Obrigada. És quem mais me apoia nisto, Jun-hyung. Obrigado.

O jantar foi bom, estar contigo era bom. Quase me bates-te quando descobriste quanto paguei pela reserva e o jantar, dizendo que não achavas justo que gastasse tanto dinheiro contigo; mas eu expliquei-te que só queria fazer aquela noite inesquecível.

Quando saímos, decidimos ir dar um passeio a pé até ao parque onde nos vimos pela primeira vez. A noite estava congelante, queixavas-te disso, por isso tudo o que eu fiz fora puxar-te delicadamente pelas mãos para um abraço. Esfregaste a pontinha do nariz frio no meu pescoço, fazendo-me arrepiar e rir no teu ouvido, segurando na tua cintura e começando uma dança lenta sem música. A certa altura, a tua voz pode iluminar e aquecer toda a praça com o seu doce timbre, enquanto me olhavas nos olhos e cantavas uma canção sobre amor à primeira vista. Um céu cheio de estrelas e eu ali, a olhar para ti – pois foste, és e sempre serás a mais bonita delas a meu ver.

“Temos de ir para casa. Os meus pais irão ficar preocupados.” — Eu apenas assenti, segurando a tua mão e entrelaçando os nossos dedos. Caminhamos até ao carro, onde a viagem se fez silenciosa e terminou rapidamente, contigo sobre o degrau da entrada da tua casa, e eu à frente, no nível do chão, fazendo-nos ficar com uma altura mais semelhante. — “Obrigado por esta noite. Foi a coisa mais clichê mas mais romântica que já fizeram por mim…” — E estavas vermelho; do frio, da vergonha, dos dois. Nada importava, pois olhavas para mim como se eu fosse o homem da tua vida tanto quanto tu eras o homem da minha. — “Ei, Jun-hyung…”

“Sim?” — perguntei, dando um passo em frente de forma a ficar mais perto de ti; a nossa semelhança de altura deixando os nosso rostos perto.

“Eu sei que a gente conhece-se há poucos meses, mas…” - E nada mais foste capaz de dizer. As tuas mãos pequenas e finas apenas seguraram o meu rosto, fazendo carinho ali antes de descerem para o meu pescoço, e fechaste os olhos. A coragem do Mundo todo passou pelo meu peito quando tomei a iniciativa de segurar a tua cintura com uma mão e a lateral do teu rosto com a outro, aproximando-me até que os nossos narizes se encostassem.

“Posso?” — Perguntei, sabia que era o teu primeiro beijo; havias referido isso anteriormente. Era também o nosso primeiro beijo, o mais especial, ali, naquela noite de inverno à porta da tua casa. Toquei os teus lábios com os meus, sentindo a maciez deles. O meu peito ficou quente, e o meu estômago, ficou uma confusão de borboletas confusas. Eu gostava de ti, isso era uma certeza; uma certeza muito certa. Mas eu não sabia até quando esse sentimento era recíproco.

Quando nos afastamos, depois de um selinho demorado, as tuas bochechas estavam ainda mais coradas, e olhavas o chão, com um sorriso tímido a querer brotar. Levaste lentamente a ponta dos dedos aos lábios, ao que levantaste o rosto para me olhar: “Eu gosto muito de ti, hyung.”.

“Eu também gosto muito de ti, Myeongie.”

Um sorriso, um abraço, um acenar, e deste meia volta entrando em casa. Talvez eu tenha ficado mais alguns minutos apenas a olhar a porta fechada à minha frente, antes das nuvens que agora cobriam o céu ameaçassem nevar na minha cabeça.

Depois daquele beijo, outros vieram. Beijos tímidos de despedida depois de um encontro, beijos mais melosos quando estávamos sozinhos no calor da minha casa, assistindo um filme, e até beijos mais quentes que te deixavam sem ar e envergonhado, mas sempre tentando puxar-me para um novo beijo.

Quando dei por mim, apercebi-me que beijar Son Dongmyeong já era a minha atividade favorita, e que o queria fazer até ao fim dos meus dias.


Notas Finais


Eu podia estar matando, vendendo drogas, mas estou aqui pedindo comentários :')))))
Espero que tenham gostado ^^
Até ao próximo!
Kissus~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...