História Where it all began - Capítulo 2


Postado
Categorias Chris Pratt, Lucy Hale, Tom Hiddleston, Tom Holland
Personagens Chris Pratt, Lucy Hale, Personagens Originais, Tom Hiddleston, Tom Holland
Visualizações 286
Palavras 3.570
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Parte 2


Fanfic / Fanfiction Where it all began - Capítulo 2 - Parte 2

Larissa ainda ficou um pouco mais jogando conversa fora com a amiga, mas o telefone toca e ela precisou atender. Era um cliente da empresa.

- Depois nos falamos! – digo baixinho para ela. Ela acena com a cabeça e saio

Resolvo sair um pouco pra passear. Férias são boas pra isso, passear e descansar. Mas no caso dela, ela pegava muita materia para estudar e tirar algumas duvidas. Às vezes pensava se tivesse escolhido Engenharia Civil, não seria mais facil.

- Mas tem cálculos! E sou uma negação com isso! Sou um zero a esquerda! – ela fala pra ela mesma enquanto passeava pela rua. Ela entra em uma livraria. Lugar que ela mais gostava no mundo. Foi procurar alguns livros antes de ir pra casa.

 

Em casa.

Estou sentada na sala passeando pela netflix procurando algo pra assistir, mas só o que vinha em minha mente era:

Tom Hiddleston

Como será que ele é sem aquilo tudo de roupa?

Beija bem?

Fode bem?

Chupa bem?

- Ai meu senhor da bicicletinha sem freio!!!!! – me jogo no sofá com a cabeça enterrada em uma almofada. – Agora vou pensar nesse homem toda hora!!!!!

Mas não tinha como não pensar. Ele era lindo demais. Tinha um corpo perfeito, mesmo com toda aquela roupa cobrindo. Olhos lindo, voz de um timbre sexy pra cacete, e ainda educado. Homem perfeito. Nunca tinha ficado tão atraída por alguém assim na vida. Nem as paixonites pelos professores na 8 serie se comparavam a isso. Nem os ficantes que tive se comparavam a ele. E olha que mal experimentei ele ainda para saber.

Meu celular toca .Recebi uma mensagem da Lydia por whatsapp.

Ly: Deve ta pensando no seu boy de barba ne? Kkkkkkkkkk J

Lary: hahahahaha muito engraçado -_-

Ly: Mas eu sei que vc ta sim... :D

Lary: ganhou, eu tava sim... Mas eu to sonhando acordada e tenho medo de cair de cara.

Ly: Eu te falei Lary, só arriscar, ninguém vai morrer, se ele não quiser, vc vai e parte pra outra.

Lary: É, vou pensar, eu já vou, meu pai ta chegando.. bjss

Ly: Vai e pensa muito no Sr. H.

Lary: vai se lascar Ly!!!

Ly: Também ti amo! <3

 

- Aiai Ly! – reviro os olhos e guardo o celular no bolso da bermuda, enquanto levanto e vou pra sala de jantar.

Rosita tinha feito uma coisa bem leve pra comer, pq meu pai precisa manter a dieta, e eu fico sempre puxando a orelha dele. Se dependesse dele comeríamos lanches de fast food todos os dias. Eu não ligaria, mas a saúde do meu pai vale mais que 1000 lanches do Mac.

- Vou ficar verde de tanta salada que como salada! – disse Paul pegando um pouco de salada com o garfo.

- Prefiro meu pai verde igual o Hulk do que infartado no chão!

- Deus Me livre Larissa!!! – ele quase berrou.

- Mas é a verdade papai! Eu me preocupo demais com você! Não aguentaria te perder! – fico com uma cara triste. Perdi minha mãe faz uns anos. Foi triste. Pra mim, e para o meu pai.

- Eu sei querida! E eu agradeço muito por ter você me dando uns puxões de orelha! Eu te amo demais, minha Lala!– ele sorri largamente. Amo demais o meu pai. Quando mamae morreu, ele ficou mal demais, achamos que ele não aguentaria. Mas ele foi forte, teve que ser, pois tinha eu e meu irmao pra cuidar.

- Tambem te amo velho! – eu brinco, arrancando uma gargalhada dele. Queria perguntar sobre Tom pra ele, mas não sabia o que falar.

- Conheceu meu novo engenheiro? – ele perguntou assim do nada. Eu fiz cara de quem não entendeu o que ele estava falando. – Tom Hiddleston.

- Ah, ta! Antes de você chegar na empresa eu vi ele por la! Mas pq ta ne perguntando dele?

- Por nada. Ele é um bom garoto. Acho que posso dizer que ele é um dos melhores engenheiros que trabalham ali. – ele diz orgulhoso.

- Papai, deixa o Chris te ouvir falar isso, que ele morre do coraçao!

- Mas é verdade! Chris é um otimo funcionario, mas as vezes é muito desatento, preciso falar mais de uma vez pra ele entender o que estou pedindo! Já Tom, ele é muito bom no que faz! Fazendo ate serviços que não pedi!

- Que bom papai! – eu sorrio. – Eu acho bom quando vc reconhece o trabalho de alguem!

- Queria tanto que vc estivesse la! – elle me olha de bico, mas para quando ve meu revirar de olhos. – Brincadeira, eu já entendi que não posso te forçar a ser o que eu quero que vc seja.

- Eu sei papai! Mas tbm sei que você queria que eu seguisse a carreira pra cuidar da Empresa. Mas o Jon ta se formando esse ano, e ele ta doidinho pra tomar o lugar seu la! Meu maninho é inteligente, vai tirar isso de letra! E tbm como tem o Sr. Hiddleston la pra ajudar. – eu falei e no final quase corei. Eita que ate pra falar o nome do homem eu fico doida das ideias. – Já que você falou que ele é bom no que faz, talvez ele ajude o Jon nas coisaa!

- Bem pensado! – ele tomou um gole de suco. – Ah filha, vc sabe que tera o jantar anual dos patrocinadores la na empresa não sabe? Queria que vc fosse...

Larissa lembrou de como eram essas reunioes da empresa do pai. Um porre. Cheia de gente chata, com papos chatos. Nunca conseguia se enturmar com ninguem la. Fora que Peter Parker estaria la. O carinha morto, do encontro morto que Lydia a fez conhecer. Ele era filho de um dos amigos do seu pai.

- sei que vc não gosta disso, mas pode fazer esse sacrificio pro seu pai?

- Como te amo demais, eu aceito! – eu digo como se aquilo fosse o maior sacrificio do mundo. Assim poderia conversar com Hiddleston em um ambiente melhor do que na empresa. – Todos iram?

- Todos iram. Tom não queria ir, falou que ficaria meio deslocado pq mal conhece ninguem ainda, mas o convenci a ir. Assim ele conhece todos os pratricinadores e nossos clientes mais fieis.

- Entao preciso arrumar um vestido, pq já sei que vai ser muito muito chique! – ela revira os olhos.

- Pegue meu cartão e escolha um vestido, mas por favor, não escolha algo muito curto, tudo bem?

- Ta bom pai! Um vestido careta, digo chique! – ela se levanta e leva os pratos para a cozinha. Rosita já veio reclamar que não precisa se incomodar, que o trabalho dela era esse. Mas sempre fui assim. Mamãe sempre me falava “sujou, lavou”

- Ah, deixa disso Rosi! Eu sempre lavo, e vc sempre fala a mesma coisa! – eu já começo a ensaboar as louças na pia.

- Ta bom querida, mas deixa as outras louças que eu lavo!

- Tudo bem.

 

Três dias depois

Lydia resolveu me ajudar na escolha do vestido. Resolvemos passar em uma loja no shopping. Era uma loja linda, com lindos vestidos de gala, e ainda uma sessão só para vestidos de noivas. Um mais lindo que o outro.

- Eu nem sei que cor eu compro! – amo tanto cores.  Eu falo olhando para os vestidos nos cabideiros. No outro jantar já fui de vermelho, de verde escuro, carmim, preto...

- Pq não escolhe um azul.. vai combinar muito com você! E vai combinar com aquela sandália que quase você não usa! Só vi você usando... umas 2 vezes? – disse Lydia escolhendo um vestido rosa bb, com rendas no busto e saia de cetim.

- Você pode ter razão!

- Mas lembre que sei pai disse antes da gente sair, nada curto ou chamativo.

- Socorro, agora tem 2 no meu pé!

 

Escolhemos nossos vestidos, pagamos e saímos da loja. Lydia ficava me importunando pra saber qual era meu vestido, pois não deixei ela ver ele. Falei que seria uma surpresa no dia do jantar.

- Tom tbm ira nesse jantar! – Lydia soltou assim do nada. Danada gostava de me provocar!

- Pq ta me dizendo isso?

- Achei que vc iria gostar de saber!

- Meu pai já contou!

- Ai que lindo! Papai já contou que o futuro genro vai na festinha! Eu já to vendo vcs dois! Vc em um lindo vestido de noiva saindo da igreja. Ele todo de terno azul! Como ele ama azul, vai ficar perfeito pra ele!

Olhei pra ela.

- Perai, vc me fez comprar um vestido azul falando “ain combina muito com você” já de caso pensado, não é mesmo?

Ela da de ombros

- Talvez. Ouvi ele falando sobre a sala dele uma vez... a cor é azul... e ele falou como era apaixonado por essa cor.

- Não sabia que minha melhor amiga tinha virado cupido!

- E futura madrinha de casamento, não esqueça! E a mulher que pegara o buque!

- Não sei se te bato, ou te abraço! – eu fico rindo.

- Abraço seria melhor!

 

Larissa chegou em casa com as compras e deixou as sacolas dentro do seu guarda roupa, tirou os sapatos e deitou na cama, deixou seu celular tocando as musicas que mais gostava. Não esperava que pegaria no sono

 

Estava escuro. Não reconhecia onde eu estava. Mas reconheceu que estava em uma cama deitada, e pior nua. Tentou se levantar, mas não conseguiu, suas mãos estavam amarradas. AMARARRADAS!!! Começou a se assustar, tentou se soltar, mas sem sucesso.

Ouviu passos de aproximando.

- Quem esta ai? – ela perguntou com a voz tremula. Nada. – Eu sei que tem alguém, da pra responder!!!! Essa merda ta machucando meu pulso!!!!

De repente sente uma mão na sua boca... apertando... não com muita força, mas o suficiente para faze-la não falar. E uma respiração no seu ouvido:

- Shhhh! -a pessoa diz, e fala baixinho. – Se você não parar de se mexer assim, vai se machucar mesmo!

“Eu conheço essa voz! Tentou puxar pela memoria, mas sem sucesso. Sentiu a mãos do desconhecido (sabia que era homem, só pela voz rouca e baixa) passando a mão pelo seu corpo. Tentou se mexer novamente. – Será que vou ter que amarrar  todinha nessa cama pra você ter que ficar quietinha????

- Mas eu já estou amarrada! – eu digo com a respiração acelerada.

Escuto uma risada vindo dele.

- Tão respondona, mas também tão gostosa! – ele continua rindo.

“Esse fdp ta se divertindo com a situação” penso com raiva. Mas a situação mesmo estranha, a estava deixando excitada. Amarrada em uma cama, o ambiente escuro e sentindo esse estranho passando as mãos pelo seu corpo, estavam a deixando doida. Ela soltou um gemido frustrado, quando a mão dele a esfregou no meio das pernas abertas. Desde quando as tinha aberto?

- Nossa! como você esta molhada! – ela ouviu um gemido longo vindo dele, e o mesmo gemido saiu dela quando ele enfiou dois dedos dentro de sua vagina.

- por favor... eu preciso saber quem você é! – ela estava com a cabeça virada de lado e de olhos fechados. Outra mão dele a estava apertando em um dos seios, e os dedos na sua vagina entravam e saiam numa tortura lenta... O polegar no seu clitóris, deslizando e circulando. - Por favor! Me deixe te ver!

Um longo silencio, e uma luz vinda do lado da cama se acende. Ela continua com os olhos fechados.

- Abra seus olhos.

Lentamente ela abre os olhos e da de cara com o seu objeto de desejo.

- Tom! – ela exclama. Ele estava tão lindo! Cabelo meio bagunçado, a mesma barba. Mas estava usando uma camisa social azul clara com as mangas dobradas ate o cotovelo. Os botões da camisa quase estourando, e pode ver o quanto ele era musculoso, e o quanto queria estar com as mãos livres para arrancar aquela peça de roupa. Calça azul marinho, e também social. Ele lhe da um sorriso de canto ainda continuando a usar seus dedos nela, mas  agora ainda mais rápido. Ela soltou um gemido alto. A mão que estava no seio sobe e aperta de leve o seu pescoço.

- Oi. – ele se inclina e lhe da um beijo....

 

- PORRA! – eu acordo com um salto. Sentindo meu corpo todo formigar. Olho para os lados. Estou no meu quarto. Os únicos sons ali são da musica que do celular que deixei em modo repetição e minha respiração que estava acelerada. Sinto uma pulsação gostosa vindo na parte baixa do meu corpo. Um sonho... um sonho que parecia tão real. Parecia que ele tinha estado ali mesmo. Me senti toda molhada. Meu sexo pulsando. Estava todinha suada. – Ahh, nossa! Como ele me deixou tão louca!

Deixei a cama em um salto e fui logo para o banheiro. Precisava tomar um banho gelado.

 

Tratei logo de mandar uma mensagem para Lydia. Falando do sonho, não escondi nada, nem o fato que acabei me tocando no banheiro por causa disso.

- Larissa do céu! LARISSSA QUE FOI ISSO???? -ela disse no outro lado da linha, quase gritando e me deixando surda. Resolveu ligar e ouvir aquilo da minha própria boca. – Ate tremi aqui com vc me contando isso! Socorro amiga!

- Socorro digo eu! Mal conheci ele a 2 dias e já tô tendo sonhos eróticos com ele! Ai deus! Mas foi tao bom! Foi tao real, foi como se ele estivesse comigo mesmo! – fechei os olhos e me lembrando. – Amiga, não sei o que faço!

- Um conselho que dou, é você cair matando! A única coisa que pode acontecer é ele não querer nada e te dar um fora!

- Belo plano seu! Caio matando, ele me da um chute, e eu fico aqui chupando o dedo! Queria ta chupando outra coisa isso sim!

- Hahahaha! Meu deus do céu! Nunca escuto você falando isso! Nem quando falava dos seus atores favoritos! Nem quando você e o Lukas estavam namorando! Você precisa dar uma trepada, olha se ele for te dar um fora que transe com ele antes! Ai vc não sai perdendo nada! Sai ate ganhando!

- Não sei, não sou do tipo que dai por ai metendo com qualquer um pq to afim. Mesmo com a vontade doida que to de ir pra empresa, entrar na sala dele arrancar a roupa e falar  enquanto deito na mesa dele: “faz o que quiser comigo”.

- EU TO MORTA CONTIGO!

- Obrigada, já me deixou surda de novo!

- Imagina você dois balançando contra os armários da sala dele.

- Não me recuperei do sonho, obrigado por isso! Agora vou pensar nele me comendo encima da mesa!

- Na mesa do papai, imagina? Sexo em um lugar publico, e tendo o risco de alguém pegar vocês dois!

- Credo Ly! Imaginei meu pai vendo uma cena dessas! – eu dei uma risada, mas com um arrepio passando pelo meu corpo.

- Mas pensa no que falei, não custa tentar! Agora vou indo, que Marcel tá querendo sair, temos um jantar na casa dos pais dele. Vamos usar o quarto dele la!

- Obrigado, mas dispenso os detalhes!

- Tudo bem, então até depois, espero que sonhe mais com o Sr. H.

- Até depois doida! – eu desligo o celular, e deito na cama suspirando.

PV TOM.

Estava no meio de uma reunião com Paul. Mas quase não prestei atenção em nada que ele me dizia, admito. Só conseguia me concentrar naquela belezinha que havia conhecido a apenas 3 dias atrás.

Ela era linda, quando a vi ali conversando com Lydia, achei que era alguma amiga dele de algum lugar, mas nunca pensei que seria amiga dela e filha de Paul. Mas mesmo assim não tirava ela da cabeça. Tinha lindos olhos castanhos, longos cabelos castanhos ondulados , lábios cheios que me deu uma vontade enorme de beijar. Corpo pequeno, mas certamente se moldaria perfeitamente no meu. Paul não tinha mentido, ela era linda.

- Tom.. Tom? Está me ouvindo? – escuto a voz de Paul me chamando. Olho pra ele. – Está tudo bem?

- Me desculpe, me distrai por um momento... – digo tirando os óculos e passando as maos pelo rosto e barba.

- Você anda trabalhando demais, você quase nem sai nem pra almoçar... – meu chefe me fala como um sermão. – Quero que você saia, vá para casa e descanse um pouco...

- Sr. Roman... não precisa... só preciso de um café e...

- Já disse pra me chamar de Paul... e isso não é um pedido, é uma ordem. Você anda trabalhando mais do que eu! Enquanto os outros se preocupam mais em puxar meu saco, querendo algum tipo de promoção, você é o único que faz bem o seu trabalho... sério rapaz, vá para casa e descanse! Mas quero você aqui amanha, e descansado! Parker vai estar aqui e já estou prevendo a bagunça que ele fará.– ele me aponta o dedo indicador. - Você me ouviu... arrume as suas coisas, e nos vemos amanha.

- Tudo bem Paul, mas me desculpe, acho que você tem razão. – me levanto e pego meu paletó que esta na minha cadeira.–  amanha não vai se repetir, prometo.

- Tudo bem. – ele toca meu ombro quando passo por ele. Pego minha pasta que está dentro do armário.

Ele não estaria tão preocupado se soubesse o que está me afligindo assim.

 

----------------------

Chegou o dia tão esperado por mim. Só que não. Ou Só que sim, pois assim poderia ver Tom ali. Mas não saberia como agir perto dele depois do sonho que tive. Estava na frente do espelho da minha penteadeira, retoquei um pouco a maquiagem. Nunca gostei de ser maquiada por ninguém além da minha mãe, então aprendi muitos truques com ela. Sempre falavam que eu era boa nisso. Fiz um penteado discreto, um coque baixo, e usei uns brincos com pedras azuis escuras, e um anel com uma pedra da mesma cor. Não coloquei colar.

Olhei o vestido no meu corpo na frente do espelho.

- Até que ficou bom. – dei uma viradinha olhando como tinha ficada o vestido na parte de trás. Pego a sandália preta de salto alto e o coloco Sempre precisei de salto, pois sempre me achei a baixinha e sofria com isso no ensino fundamental. Mas agora não me importava mais. Até gostava. As sandálias eram negras de veludo com com uma tira de pequenos brilhantes. Coloquei meu perfume.

- Pronto. – eu suspiro. – Espero que não tenha me arrumado assim toda em vão. Seria um desperdício imenso se me arrumasse toda e ele acabasse nem indo nesse jantar. - Mas se ele não estiver lá, só faço uma sala e já venho embora.

Pego um casaco negro dentro do armário e o vesti, amarrando ele na cintura.

Meu pai, Lydia e Marcel a estavam me esperando na sala. Desci as escadas.

- Porque o casaco? – papai me perguntou. - Espero que tenha um vestido por baixo disso ai!

- AHAHA. – resmunguei. – muito engraçado. Só estou de calcinha e sutiã. Na verdade estou pelada, e vou sair pulando pelo salão desse jeito!

Lydia e Marcel riram demais com isso, mas meu pai olhou para eles.

- Ué, é engraçado.. – Lydia deu de ombros e piscou pra mim.

- Vocês duas estão aprontando alguma coisa e não estou gostando nada disso! – o pai pegou a carteira, o celular e as chaves do carro.

- Dá um desconto pra gente! – Lydia o abraçou. Ela o considerava como um pai. – E você tá lindo com esse terno, vai chover mulherada encima de você!

- Nossa, acho que você foi a única que me disse isso! – ele olhou pra mim e revirei os olhos.

- Papai, você é o homem mais lindo do mundo pra mim!

- Puxa saco. - ele brinca me fazendo rir.

-  Vou ajudar o senhor a arrumar uma novinha dahora hoje! – Marcel brincou. Ele adorava tirar meu pai do sério.

- Não sei o que faria sem vocês três! – ele sorriu. – Mas não quero ninguém saindo escondido durante a festa! Da ultima vez vocês vazaram e nem me avisaram!

- Tá bom pai! Se a festa ficar chata, um porre.. avisamos! – eu disse rindo.- Mas sério! O outro jantar tava um porre! E tinha uma festinha na casa de uma amiga nossa, juntamos o util ao agradavel! Mas por você, nós faremos esse esforço hoje!

- E como faremos! - Lydia me olhou de um jeito safado. Tive que dar uma cotovelada discreta pra ninguem perceber isso. As vezes essa minha amiga doida não tem trava na lingua!!!!!!

- Então vamos logo! - ele jogou a chave pra Marcel. - Você dirige! Mas cuidado com o meu carro!

- Pode deixar amigão! - ele piscou.

Entramos no carro e rumamos para a festa.

 

PV TOM.

Estava ali naquela festa apenas porque foi um pedido de Paul. Daria tudo para estar em casa com um livro e tomando vinho. Não saberia qual seria minha reação se a visse ali. Não tínhamos conversado desde que nos conhecemos naquele dia, e estou aqui parecendo um adolescente de 15 anos, e não um homem de 37.

A conversa esta normal, estávamos falando do ultimo projeto da empresa, quando todos ali se viraram. Olhei em direção onde todos olhavam.

- Porra. - exclamo baixo vendo a mulher que não me saia da cabeça entrando com o vestido mais sexy que já vi na vida.


Notas Finais


ESPERO QUE GOSTEM :) Até a próxima! Bjssss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...