História Where The Angels Live - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jeongyeon, Jihyo, Mina, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Sana, Tzuyu
Tags Angels, Anjo, Chaeyoung, Kim Taehyung, Lalisa, Lisa, Micheng, Mina, Myoui, Son, Taehyung, Twice
Visualizações 28
Palavras 1.897
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, LGBT, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus amores~~ Estou começando mais uma fanfic e dessa vez é de Michaeng vulgo shipp da minha vida, sempre quis fazer uma delas mas não conseguia pensar em absolutamente nada, então pensei mais um pouquinho e trouxe uma história delas com um tema que nunca havia explorado antes mas ta bem legal, espero que gostem da introdução, fiquem agora com a leitura:

Capítulo 1 - O Anjo da Morte


Fanfic / Fanfiction Where The Angels Live - Capítulo 1 - O Anjo da Morte

Em um beco escuro e estreito de uma cidade movimentada podem acontecer inúmeras coisas, aposto que você não pensou em algo bom, colorido ou divertido, de fato, é mais improvável que aconteçam coisas assim, eu pensaria em assaltos, bocas de fumo ou até assassinatos, só coisas ruins ou horrendas, mas parece que pensei errado.

 

Neste mesmo beco escuro e sem vida, caminhava lentamente uma garota de postura graciosa e de extrema beleza, capaz de persuadir qualquer um, um rosto no qual a mentira e humana ainda não era capaz de compreender, era angelical, era de outro mundo. Os olhos continham o brilho das estrelas, o nariz afilado e delicado com um pequeno sinal no topo do mesmo, a boca macia e bem desenhada e o maxilar que parecia conseguir cortar o que tocasse. A postura demonstrava poder e decisão, mas, acima de tudo, leveza e elegância. Os que a conhecem a descrevem como alguém sorridente e carismática, alguém gentil e podemos dizer de bom coração, então o que uma pessoa assim estava fazendo em um lugar completamente o oposto de sua aparência?

 

Simples: completando o objetivo daquela noite. Não era um ser humano como muitos pensavam, na verdade, poderia ficar bastante perversa se fosse intitulada como um, preferia ser tratada como a divindade que era, uma divindade um tanto peculiar, eu diria. Tinha um certo desprezo pelos humanos, os achava tolos e ingratos, mas nada que não pudesse esconder com um lindo sorriso radiante.

 

Ouvia diariamente conspirações contra ela, achavam que era uma alienígena, um demônio ou até mesmo um zumbi, já que sempre usava uma elegante roupa branca de mangas compridas e não a tirava por nada, tentava ao máximo não deixar ninguém ver suas costas, também ficando um tanto irritada quando tocam na mesma.

 

O cabelo longo tinha um cheiro doce e textura macia, voava com leveza a medida que a menina caminhava, se é que gosta de ser chamada de menina, ela é um anjo. Todos que a olhavam não tinham dúvidas disso, mas estou sendo literal, ela é um anjo, um anjo que mata, o anjo da morte.

 

Veio de algum lugar do céu ou do inferno, não se sabe ao certo, por sua beleza, podemos deduzir que veio do céu, mas é sempre bom lembrar que Lúcifer era o anjo mais belo de todos. A aparência e o carisma nos faz achar que foi uma enviada de Deus, mas o que ela faz e sua frieza nos faz achar que é uma enviada do diabo.

 

Só sabemos que foi enviada por alguém com o único objetivo de abraçar a pessoa na hora da morte que ela mesma causara e dá-las uma subida feliz, é claro que mantinha o desprezo pelos humanos, mas vis a morte como um momento de salvação e purificação, por isso ficava feliz ao ver a alma de alguém e a recebia de braços abertos para leva-la embora, é um pouco contrário, mas em sua cabeça fazia o total sentido...”Humanos precisam sofrer para se salvarem, sou só a mediadora do processo, dou o fim para dar alegria.” Era assim que pensava.

 

Os pés descalços continuavam andando pelo beco escuro, o anjo ouviu um barulho, mas sorriu ao invés de amedrontar-se:

 

— Ei!- Uma voz masculina gritou atrás dela, virou-se lentamente na direção da voz e baixou a cabeça.— Quem é você?- Perguntou e ela olhou nos olhos do homem, este que estremeceu e em seguida paralisou, os lábios se separaram conforme ficava abismado, até medo sentiu, medo daquela beleza toda, parecia não acreditar:

 

— Myoui Mina.- O anjo respondeu com a voz calma.

 

— Só isso? E o que uma menina linda como você veio fazer neste lugar?

 

Myoui voltou a olhar para baixo, mas desta vez com um sorriso de canto nos lábios, o que deixou o homem bastante confuso.

 

— Te buscar.- Respondeu brevemente e um arrepio intenso percorreu o corpo inteiro do outro, sentiu um perigo gigantesco emanando daquela menina e recuou.

 

O coração dele acelerou e uma ventania que mal permitia-o ver passou pelo local, as mãos foram até os olhos com o intuito de proteger-se e ele não entendia absolutamente nada, já poderia considerar-se um desgraçado, cruzara caminho logo com ela, mas nada adiantaria se estivesse em qualquer outro lugar, Mina o acharia, afinal, era a hora dele e ela precisava cumprir a lista daquela noite.

 

Uma forte luz amarela foi vista quando o homem abriu os olhos, uma brilhante auréola havia surgido sobre a cabeça da menina, mas este não foi o mais chocante, o que fez o homem perder a força das pernas e ficar de olhos arregalados foram as duas grandes asas brancas nas costas da mesma, eram perfeitas, eram deslumbrantes.

 

— V-você é...o q-que você é afinal?- O homem disse se aproximando, julgava aquilo um milagre, um anjo enviado dos céus para lhe libertar, quis chorar e se ajoelhar perante aquela divindade de beleza extrema. Mina levantou a mão direita até a altura do pescoço e deu mais um sorriso, prosseguiu tendo a boa vontade de responder ao ser humano.

 

— Sou o Anjo da Morte.- O barulho de estalo de seus dedos foi ouvido e o homem foi ao chão após cuspir sangue, caiu morto naquele local aonde a única luz era da auréola.

 

A alma levantou-se do corpo estirado no chão, ao ver aquilo, Mina deu um largo sorriso de felicidade, as asas ficaram até um tanto agitadas.

 

— O que aconteceu?- A alma perguntou vendo seu corpo ao redor de uma poça de sangue.

 

— Eu te libertei.- Respondeu ainda sorrindo, afinal, aquele homem não era mais um ser humano, não era mais desprezível e detestável aos olhos dela, agora era alguém digno, purificado, perdoado.— Aquela é sua carcaça.- Apontou, nem o trabalho de chamar de “corpo” ela se dava.

 

— Eu morri?- Perguntou com a mão no peito.

 

— Chame como quiser, eu só te tirei daquele sofrimento. Tem um lugar muito feliz para aonde eu levo todos como você, um mundo cheio de luz e pureza.- Mina disse ainda sorridente e estendeu sua mão.— Venha comigo, eu te levo.- Persuadido pelas palavras e pelo rosto do anjo, o homem segurou sua mão dando também um sorriso, era aquilo que ela queria, aquilo que ela gostava, a sensação de salvar alguém era impagável, fazia ela valorizar o cargo a que foi confiada pelos Deuses, era a levada de meros humanos a um passo mais próximo deles.

 

Em um movimento quase majestoso, Myoui bateu as duas asas e subiu aos céus juntamente com o homem no qual segurava a mão.

 

— Alguém pode nos ver?- Ele perguntou olhando para baixo à medida que subia.

 

— Não, nem você, só conseguem me ver quando eu quero que me vejam, posso muito bem estar em um lugar e ninguém notar, mas nós dois podemos ver à todos, pois somos puros, somos superiores.- Com um pequeno gesto de mãos, um buraco no céu foi aberto e fechou-se imediatamente quando os dois passaram.

 

Após deixar o homem aonde disse, ou melhor, no local aonde seria julgado para ver se cairia no céu ou no inferno, Mina voltou ao beco de volta ao corpo, este que estava ao redor de uma poça de sangue muito maior. Olhou o braço. Estava com uma mancha do líquido vermelho de quando o humano o cuspiu no momento da morte, fitou aquilo com nojo, o sangue de um mero humano havia manchado sua linda pele angelical.

 

— Nojento.- Falou referindo-se ao sangue e, de repente, um pequeno estrondo ecoou, o anjo abaixou a cabeça e ficou imóvel, já sabia do que se tratava.

 

— Bom trabalho, Myoui.- Uma voz cavernosa falou lentamente.

 

— Você sabe que eu odeio isso.

 

— Mas é um trabalho tão digno.

 

— Eu sei, refiro-me à forma na qual o matei, sabe que tenho pouca tolerância a métodos violentos.- Disse virando-se de frente para a Morte, sempre com sua foice na mão, ela flutuava e era coberta por um manto preto que não permitia ver nada de seu corpo, se é que tem um. O rosto era um profundo buraco preto que poderia deixar qualquer ser humano perdido, por isso só seres divinos tinham contato com aquela misteriosa entidade tão temida por muitos, Mina era a separação do que os humanos viam e do que almas purificadas viam.

 

A Morte aproximou-se do anjo:

 

— Não acha o outro método também violento? Haverá sangue de todas as maneiras.- A voz cavernosa voltou a soar.

 

— Também sei disso.- Quis revirar os olhos, mas conteve-se perante aquele à quem era submissa.— Gosto de causar a morte de um jeito indireto aonde eu incentivo a pessoa a buscar esta salvação, como fiz com a garota da última semana, dizendo que, se ela pulasse do prédio, seria feliz pela eternidade, ou como fiz com o garoto que levei para o meio dos trilhos do trem, existe um brilho diferente nestas pessoas.

 

— Tenho você ao meu lado à quase um século e seu cada passo que dá no céu ou na terra, conheço suas preferências, é claro. Mas o poder que você tem é inigualável, mesmo não gostando de matar alguém diretamente, basta você estalar os dedos para que isso aconteça, pode abrir dimensões, conversar diretamente com os Deuses e Humanos, destruir cidades inteiras de uma vez, controlar qualquer elemento da natureza e até criar ilusões.

 

— Porque está sendo tão generoso com as palavras?- Perguntou com sua postura elegante e a ponta das asas miradas para o céu.

 

— Não estou. Sabe que não sou generoso, sou realista. Você é meu anjo fiel e a mais poderosa de todas, pode parecer que não, mas sei que isso infla seu ego.

 

— Ego? Anjos não possuem ego.- A Morte ouviu aquilo e respondeu em certo tom provocativo.

 

— Então pode considerar-se humana.

 

— O que?!- Irritou-se profundamente e perguntou rispidamente enquanto fechava os punhos, chame ela de animal, mas nunca de humana. A Morte riu.

 

— Viu? Todos têm ego, de humano à Deuses, pensei que não precisasse mais te explicar isso, e é porque te consideram um dos anjos mais sábios, imagina o mais ingênuo.- Mina fechou os olhos e riu pela garganta, colocou a mão na cintura e olhou para o vazio do rosto da Morte.

 

— Não vou me aborrecer com essa conversa novamente. Lá no fundo, o Senhor está ciente de que, de eu fosse ingênua, nunca teria vencido o anjo do sono naquele ataque de inveja.

 

— Você esteve sob cuidado de Métis e Thanatos, a Deusa da proteção e o Deus da Morte, assim qualquer um venceria.

 

— Mas ela possuía ao seu lado o Deus do Sono, Hypnos e, não menos importante...você, acha que eu esqueci?- Desta vez quem riu foi a Morte.

 

— Mina...Myoui Mina...eu só queria te testar, a vitória já era sua.— O anjo resmungou e olhou para o chão.

 

— Que seja, aonde está a lista?- A pergunta transformou-se em um pequeno sorriso. Iria salvar mais almas. Um papel em forma de pergaminho surgiu entre uma luz roxa e foi entregue à ela, que abriu e leu por alguns segundos.

 

— Son Chaeyoung...uma das poucas meninas da lista.

 

— Meu trabalho aqui está feito, boa sorte.- Dito isso, a Morte sumiu em meio à névoa.

 

— Não acho que irei precisar.- Fechou o pergaminho, estalou os dedos e sumiu como se nunca esteve ali.


Notas Finais


Gostaram? É algo diferente que eu estou trazendo mas estou confiante sobre isso, tenho muitas ideias legais em mente kkkk, obs: essa fanfic não tem como objetivo romantizar a morte ou influenciar o suicídio, por favor né gente kkkkkkkkkk, espero de coração que tenham gostado e até o próximo capítulo❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...