História Where do broken hearts go?- H.S. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Styles
Tags Amizade, Drama, Harry, Mudanças, Romance, Superação
Visualizações 110
Palavras 2.165
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei eu sei, mas não desistam ainda...

Capítulo 7 - Wild night


Fanfic / Fanfiction Where do broken hearts go?- H.S. - Capítulo 7 - Wild night

 

Harry parou diante da Opium e foi tomado por nostalgia. Era uma das boates mais agitadas da cidade. Costumava ser o point de sua turma anos antes...

Andou por ali e tentava inutilmente encontrar Perrie em meio aquele mar de gente. Não entendia porque ela insistia em marcar esses encontros no meio desse pandemônio. Virou-se quando sentiu os dedos correndo por suas costas e se virou para encontrar o grande sorriso da amiga.

__ Oi lindo. – ela o beijou no rosto – achei que meu encontro tinha me dado um bolo.

__ Estava quase desistindo. – ele admitiu e ela o encarou – como espera que eu encontre alguém do seu tamanho, no meio dessa selva?

__ Por acaso está insinuando que sou pequena, anãozinho?

Harry riu por ela estar usando seu apelido quase como uma ofensa.

__ Me abstenho de responder essa. – desconversou rindo – e o que aconteceu nesse lugar? Para todos os lados que olho, parece que só vejo crianças.

__ Não são crianças, bobo. – ela riu disso – nós é que ficamos velhos.

__ Fale por você, porque eu só tenho 23! – gabou-se.

Algumas amigas de Perrie vieram abraça-la e Harry escapou por um instante, olhando ao redor.  Tinha que parar de ficar voltando aos lugares que costumava ir quando Zayn ainda estava por perto.  Ou quando ainda namorava Barbara. Aquilo parecia masoquismo.

Por um tempo foi como se tivesse voltado no tempo e pudesse observar seus amigos dançando na pista. Jovens, felizes e cheios de vida. Quase podia ver a si mesmo observando tudo lá de cima, enquanto fumava seu cigarro e perdia-se no olhar de Barbara.

O coração apertou-se porque teve a nítida sensação de que Barbara estava ali, vindo na sua direção, com aqueles lindos e longos cabelos castanhos, cheio de cachos, aqueles olhos acinzentados, que mudavam de cor, de acordo com seu humor. E ela sorria e Harry se via refletido naqueles olhos. Se fechasse os olhos quase podia sentir o calor de seu corpo quando dançavam juntinhos, sentia seu cheio e a maciez de sua pele roçando na dele...

Realmente sentiu os dedos descendo pelo seu braço e se entrelaçando na sua mão. Abriu os olhos, alarmado, porque aquilo parecia muito real. Sorriu, sem jeito, quando percebeu que era Perrie quem estava com os dedos entrelaçados nos seus e o olhava parecendo preocupada.

 

 

Muito próximo a eles, Danielle havia acabado de chegar a boate, acompanhada de Josh  e alguns amigos. O plano dela para aquela noite era se livrar de sua virgindade nos braços de Josh e para isso havia se vestido para seduzir, tentando parecer mais madura do que realmente era.

__ Poderíamos continuar a festa na sua casa, mais tarde, o que acha? – disse de maneira sedutora, enquanto deslizava os dedos pelo peito do rapaz.

__ Adoraria linda, mas minha irmã mais velha estará em casa e isso significa que não teríamos privacidade. – ele sorriu antes de beijá-la, fingindo não notar a carinha decepcionada da garota.

Logo estavam todos na pista, dançando como loucos. Os corpos ficando suados e Danielle tentava a todo custo chamar a atenção do garoto, com os sensuais movimentos de seu corpo.

Josh não era imune, mas ainda tinha certa resistência por ela ser irmã de Barbara. E claro que sabia que a garota nem tinha completado 18 ainda, embora tentasse parecer mais adulta do que era na verdade.

Por um tempo se deixou levar e dançaram juntos, seus corpos se roçando no ritmo da música, mas mantinha seu controle em apenas caricias inocentes...

Mas Danielle queria mais...muito mais e faria qualquer coisa para conseguir o que queria.

__ Eu sei que parece estar se segurando... – provocou – mas saiba que não sou tão moralista e certinha como minha irmã.

__ Bom saber... – ele riu safado.

Quando alguns amigos trouxeram bebidas, Danielle virou um copo de um único gole, sem nem se importar com o que havia naquele copo. Sua amiga Lucy a olhou preocupada, porque talvez fosse a única que sabia o que ela planejava para aquela noite. Não concordava, mas achou que devia encontrar um jeito de fazê-la relaxar e parecer menos ansiosa em abrir as pernas para Josh.

Sendo assim, inventou a desculpa de que precisava ir ao banheiro e arrastou Danielle com ela.

__ Dani, não acha que está exagerando? – ralhou com a amiga assim que teve uma chance – está solta demais e vai assustar o garoto.

__ Eu quero apenas me divertir, Lucy! – retrucou. – é que estou muito nervosa e não quero que ele perceba que será minha primeira vez.

__ Não creio que exista uma maneira dele dormir com você sem saber que ainda é virgem! – Lucy disse já impaciente.

__ Porque não nos drogamos? – sugeriu e Lucy suspirou – eu preciso de alguma distração. Algo que tire a ansiedade e o medo.

__ Eu comprei apenas um... – Lucy mostrou um pequeno comprimido colorido, com uma expressão culpada – disseram que é muito forte. E eu não acho que seja boa ideia Dani.

__ Muito duro, não consigo partí-lo. – reclamou quando não conseguiu dividir o comprimido em dois para compartilharem – não vai dar certo? Se importa?

__ Pode ficar, não vou querer...mas ainda acho que...

Tarde demais. Danielle havia engolido o comprimido e voltou correndo pra dentro, logo se jogando na pista de dança e pendurando-se no pescoço de Josh.

 

 

Harry estava no bar, tomando uma cerveja e se perguntando porque diabos estava ali. Devia estar fora de forma, porque não se sentia a vontade no meio daquele bando de corpos suados e todo aquele barulho ao redor.

Perrie estava dançando e pulando no meio da pista, com os braços levantados e com aquele lindo sorriso nos lábios, que fazia seus encantadores olhos azuis brilharem. A ultima vez que Harry viu sua amiga sorrir assim, Zayn ainda estava com eles...

Tomou mais um gole de sua cerveja e foi arrancado de seus pensamentos quando sentiu uma pedra de gelo atingir seu rosto. Olhou o local de onde tinha vindo o ataque e ficou surpreso ao perceber que era Thomas, o cara que ele havia socado na academia de boxe. E aquele olhar de deboche que havia na cara do outro fez seu sangue ferver.

__ Tenho algo que você quer! – disse devagar.

Harry levantou-se de onde estava, com os punhos cerrados e os olhos verdes faiscando. E nem sabia explicar porque aquele homem o incomodava tanto. Nem o conhecia mas tinha a impressão de que devia lembrar-se de algo importante.

Thomas era capaz de trazer a tona, toda a fúria que ele levou mais de três anos para acalmar em seu espirito. Não queria mais ser aquele Harry sem controle, que não media as consequências do que fazia. Aquele garoto raivoso que batia primeiro e perguntava depois. Seu gênio indomável, foi o que lhe causou tantos problemas no passado, que o afastou de sua família, que estragou tudo entre ele e Barbara, que causou o acidente de Zayn...

__ O que ele quer? – Perrie apareceu ao lado dele, como um anjo capaz de acalmá-lo.

__ Não é nada. – ele mentiu – nem conheço o cara. O que vai beber?

__ Que tal começarmos com shots de Tequila? – ela bateu palmas, animada.

__ Nem quero saber como vamos terminar a noite. – ele riu e virou-se para o barman – shots para a galera.

Tentou não olhar novamente me direção a Thomas, mas sabia que ele estava perto dali, rodeado por seus amigos e o observando. Como um abutre rodeia a carniça. Harry estava inquieto porque tinha a impressão de que aquele idiota sabia alguma coisa que ele deveria saber. E não gostava nada dessa sensação.

Perrie já tinha tomado vários shots e estava ainda mais alegre do que o normal. Harry também já havia perdido a conta de quanto bebeu, mas era muito mais resistente ao álcool do que sua amiga risonha. De qualquer forma, estava louco para sair dali e respirar ar puro, mas Perrie continuava gritando por mais um rodada e não queria deixar aquela maluca ali, bêbada. Então fingia que bebia enquanto tomava conta da garota.

 

 

Danielle estava na pista de dança e de repente, nem sabia mais o que estava fazendo ou quem a estava abraçando e beijando. Lucy já havia ido embora com o namorado e não estava ali para ajudar a amiga. E assim a garota se viu sendo beijada e apalpada por vários garotos diferentes, talvez acreditando que fosse Josh.

Não ofereceu nenhuma resistência quando foi levada para um dos banheiros e encurralada em uma das cabines apertadas. Os beijos continuavam de maneira quase selvagem e sentia a pele se arrepiando quando sua roupa foi arrancada sem nenhuma delicadeza. Suas pernas foram abertas e sentiu a dor tomando conta quando seu corpo parecia estar sendo rasgado ao meio.

Não tinha forças para afastar o garoto ou pedir por ajuda. As lagrimas escorreram em seu rosto, enquanto continuava sendo pressionada contra a parede e sendo invadida em estocadas fortes e dolorosas. Estava perdendo os sentidos, em meio a dor e vergonha. E então sentiu algo quente entre suas pernas e seu corpo foi largado ali naquele chão imundo, semiconsciente e gemendo baixinho...

 

 

Harry conseguiu finalmente afastar Perrie do bar, embora ela continuasse gritando que precisava de outra rodada para comemorar que seu melhor amigo estava de volta a cidade. Ele apenas riu e a carregou para fora, jogando a garota em seus ombros como se fosse uma boneca. Ela ria e se debatia, socando as costas dele e esperneando.

Lá fora, a brisa gelada a fez se aquietar e se aconchegar mais ao corpo quente de Harry, que parecia muito pensativo.

__ Em que tanto pensa, Hazz? – ela tentava desmanchar a carranca no rosto dele, passando os dedos ali, quando os dois sentaram-se nas escadarias da boate. – vamos fumar, porque isso costumava te acalmar...

Harry a olhou e sorriu, inconformado. Fumar era um péssimo hábito que ele tinha abandonado. Era verdade que o acalmava em outros tempos, mas não era aconselhável para alguém que tinha asma como ele. Mas naquele momento, achou que alguns tragos não fossem mata-lo afinal.

__ Você é tão lindo, sabia? – Perrie ainda acariciava o rosto dele.

O garoto se perdeu por um momento naqueles olhos de céu e ficou imóvel quando ela aproximou seus rostos e colou seus lábios. Ambos estavam carentes e tinham uma ligação forte, mas Harry se afastou sentindo que aquilo era errado por diversos motivos.

__ Não posso fazer isso! – ele negou sem poder encará-la.

__ Desculpe. – ela recostou a cabeça no ombro dele – eu que não devia ter feito isso, mas é que sinto tanta saudade que as vezes, não suporto.

__ Fique tranquila, menina! – Harry a puxou para seu peito e beijou seus cabelos – não tem do que se desculpar. Está tudo bem Pezz... acho apenas nos serviram tequila do mal e então vamos colocar a culpa nela.

Perrie riu enquanto escondia o rosto no peito dele. Amava esse idiota! E mesmo perdida em meio a bebida, estava muito feliz por ter Harry de volta a cidade e a sua vida.

Pouco depois decidiu entrar novamente e jogar uma agua no rosto antes de deixar que Harry a enfiasse em um taxi e manda-la pra casa. De jeito nenhum ele permitiria que ela subisse na moto dele bêbada.

Olhou seu reflexo no espelho e quis se bater por ter tentado beijar Harry. Onde estava com a cabeça? Na tequila do mal, provavelmente! Talvez em sua cabeça alcoolizada achou que beijando Harry, sentiria o mesmo que sentia ao beijar Zayn...sentia falta dele e era uma dor que jamais iria embora.

Estava quase saindo do banheiro quando ouviu um barulho estranho em um dos banheiros. Caminhou até lá desconfiada e ficou chocada ao encontrar Danielle jogada no chão do banheiro, de uma maneira meio estranha, cheia de sangue e choramingando encolhida. As lagrimas lhe escaparam porque costumava ser muito amiga de Barbara e conhecia Danielle desde muito pequena.

E a menina estava ali, obviamente drogada e pelas condições de suas roupas meio rasgadas e o sangue entre suas pernas, estava claro que havia sofrido algum tipo de abuso.

Não teve escolha a não ser chamar por Harry e pedir ajuda. Danielle estava perdendo a consciência e ela própria estava bêbada demais para carrega-la ou tomar conta de qualquer outra pessoa.

Harry a ergueu nos braços e colocou dentro de um taxi, dando ao motorista o endereço onde deixa-la. Colocou Perrie em outro taxi prometendo que tomaria conta das coisas e que ele podia ir embora tranquila. A menina retrucou mas acabou desistindo porque ela mesma já não estava dando conta nem dela mesma.

Harry seguiu o taxi de Danielle em sua moto, sentindo a fúria dentro dele crescendo por imaginar quem tinha sido covarde a ponto de fazer o  que  tinham feito com a menina. Quando teve certeza de que ela estava sã e salva em casa, pagou o taxista e saiu dali. Não queria correr o risco de encontrar Barbara. Era coisa demais para lidar em uma única noite...


Notas Finais


Espero que alguém ainda esteja acompanhando essa fic, depois da imensa demora em att.
Me deixem saber o que estão achando.
Aguardo os maravilhosos comentários de sempre.
Love always


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...