1. Spirit Fanfics >
  2. Where the fire doesn't go out >
  3. Chapter 1

História Where the fire doesn't go out - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


galerinha, então... as capas não tem nada haver com o capítulo, por isso não liguem mt pra elas
eu vou avisar quando uma capa vai fazer referência ao cap hehe
aproveitem o cap, bjs desocupados kkk

Capítulo 2 - Chapter 1


Fanfic / Fanfiction Where the fire doesn't go out - Capítulo 2 - Chapter 1

                                                                                        Jimin

Minha mãe deveria estar decepcionada.

ela me dizia sempre para tomar cuidado com estranhos, não beber e principalmente usar drogas.Lá estava eu, sentado na bancada da varanda de uma casa qualquer, rindo de qualquer coisa que diziam entre a roda, com uma garrafa de cerveja em uma mão e na outra rolinho de maconha.

Depois que rolou aquele clima entre mim e jungkook, ele me levou para caminhar pelas ruas iluminadas, me apresentou seus amigos próximos, se me lembro bem eram...yoongi e Hwasa. Andamos juntos, todos embriagados, graças  ao maldito coelho que nos convenceu a parar num boteco, para comprar apenas UMA cervejinha. 

Pulamos um muro e cá estamos nós, em uma casa desconhecida, com cervejas espalhadas pela grama, ouvindo "how deep is your love", nada melhor que uma clássica numa noite estrelada. Olhei para o céu abobado, não sabia se era efeito da bebida ou das drogas, mas finalmente minha cabeça parou de pensar... eu estava em paz. Quase chorei se não fosse pela próxima musica tocando no radio. Eu adorava aquela canção, então mesmo tonto me levantei e comecei a dançar ao som de "Every breath you take".

Balancei meu corpo, mexi a cabeça e fiz uma guitarra imaginária. Minha repentina animação atraiu os olhares dos bêbados, que foram contaminados pela minha empolgação e agora formávamos uma banda de roqueiros maloqueiros. Senti um olhar cair sobre minhas costas, quando comecei a dar leves reboladas. Olhei para trás, vendo jeon me olhando de forma indecifrável.Provavelmente foi o efeito dos líquidos que ingeri, pois perguntei

-tá bom olharrss pra minha bunda?- sabia que ele provavelmente não entenderia, pois a fala embolada eu mesmo não entendi.Mas então deu um sorriso ladino, dando passos largos em minha direção.

- gostaria ainda mais se ela não estivesse coberta - minha vergonha se revelou em minhas bochechas cheias.Virei o rosto para o lado contrário, voltando a dançar de modo desajeitado. Senti mãos rodearem minha cintura, me levando a uma dança lenta. Olhei para os desmaiados no chão que ressoavam. Foi então que percebi... estávamos sozinhos, praticamente.A música seguinte era  "i want to know what love is".

Não me mexi um centímetro, sem querer que ele parasse de me apertar contra seu corpo e cantarolar a música baixinho em meu ouvido.

"I gotta take a little time
              A little time to think things over"(Eu preciso achar um tempo
Um pouco de tempo para pensar sobre as coisas

"I better read between the lines
             In case I need it when I'm older"(É melhor eu ler nas entrelinhas
Caso eu precise quando estiver mais velho

Não me surpreenderia se alguém confundisse a voz de jungkook com a de um anjo.Cada nota parecia se entrelaçar num misto de perfeição e divindade... não tinha palavras para descrever a sensação de ter a canção direcionada a mim. Apreciei o som das cordas vocais até o final da música.Me virei minimamente afim de observar sua face tranquila.

- sua voz parece a de um anjo -foi uma das coisas mais sinceras que eu disse na vida.Me orgulhei internamente por isso.Estava tão anestesiado com jeon... ele era como uma droga, mas por ser uma droga, sabia que ao cair em seus efeitos poderiam trazer prejuízos. Estava com medo.Mal conheci jungkook e já me sentia cativado por ele, não poderia ser assim.... eu não posso criar esperanças.

Com isso em mente, me afastei de seu abraço e me deitei na grama verdinha e macia. Logo senti um corpo esbarrar levemente em meus braços e se deitar ao meu lado.

- do que tem medo? - falou simples e direto.Seu olhar sobre mim parecia ter o peso de mil toneladas, e logo desviei minha atenção para a lua. Como ele podia saber exatamente o que sentia? algo em meu interior achou apavorante, alguém que poderia ver através de suas máscaras. Naquele momento tive vontade de contar... sobre meu passado, meus poderes e do quanto estava cansado de não sentir nada, mas mantive minha boca fechada e bastou um olhar meu que ele não tocou no assunto pelo resto da noite.

Senti os raios de sol me acertando em cheio no rosto.Já havia amanhecido, me levantei lentamente e olhei para os lados. Puta-que-pariu, nós estávamos na casa de outra pessoa, alem de ter feito todas aquelas coisas...calma jimin, não surta. Peguei todas as latinhas do chão apressado e chutei os seres com uma provável ressaca.

- acordei seus gorilas, a gente ainda ta numa casa que não nos pertence pelo o que eu saiba. - irritação era o que me definia no momento.Estava bravo comigo mesmo por ter feito isso, por ter concordado com isso. Ouvi resmungos atrás de mim mas não me importei, apenas corri e pulei o muro antes que alguem chegasse naquela moradia.Me desculpei mentalmente com a pessoa que morava ali.

Joguei todo o lixo numa lixeira e subi para meu quarto no hotel.Minha dor de cabeça estava terrivel, somando com a minha fome desesperadora, fiquei de mal humor. Arrumei qualquer coisa na cozinha e devorei.Liguei a Tv, me deitando no sofá largado.

Refleti bastante com simpsons e  resolvi ir pra praia de novo.Andei todo o trajeto calmamente com uma toalha no ombro. Fui para uma área "desconhecida"Aproveitando a privacidade, esbanjei do mar.

Nadei por horas seguidas, alternando entre ficar boiando ou utilizando minha habilidade física para mergulhar fundo na água.A sensação é indescritível.Senti a leveza, a graciosidade e a beleza do azul.De fato, ir a praia foi a melhor decisão que já tomei.

Mergulhei mais algumas vezes, antes de me sentar na areia branca e observar o céu. Quase que automaticamente lembrei de jungkook. Seu sorriso....sua atitude...., tudo nele me atraia, mas sei que não poderia ficar com uma pessoa tão boa. Me levantei vagarosamente e expulsei alguns grãos da bermuda. Estava quase partindo quando ouvi chamarem meu nome.

Olhei para trás e vi que de longe estava jeon abanando os braços e correndo estabanado. Provavelmente não teria enxergado se fosse uma pessoa normal em meu lugar.Pensei em fingir demência e continuar andando, mas algo me atraia para aquele homem, então parei no lugar.

- eu me lembrei q-que não sei seu nome ainda - suas palavras saíram tropeçadas por conta de sua respiração ofegante.Tinha esquecido que não havia revelado meu nome. Até pensei em mentir mas... ele era tão sincero comigo.

-jimin, Park Jimin - falei baixinho, como se tivesse medo das consequências dessas pequenas palavras. O encarei depois de algum tempo e o vi me observando.

- você é uma pessoa bem interessante ,Park Jimin - ele disse meu nome come se saboreasse o sabor de cada letra, me envergonhei minimamente com isso mas mantive minha cara impassível.

- não sou nada do que pensa, na verdade seria melhor você se manter afastado, eu.... não sou uma boa pessoa para se... conviver - hesitante me virei para ir embora mas senti aqueles braços fortes me rodearem por trás.

- isso quem decide sou eu, uh? e por falar nisso... me passa seu número? - encostou sua cabeça na curva do meu pescoço e senti seu sorrisinho na pele sensível. Novamente aquele efeito que ele tinha sobre mim... me senti estasiado.

-sim... eu acho, você tem papel? - perguntei inseguro, e vi suas acrobacias para encontrar algum pedaço de papel em seu corpo. Sorri minimamente com isso e  seus lindos olhos negros se direcionaram para mim.

-você... sorriu-  fiquei surpreso com suas falas, eu era tão mal-humorado assim?

-ah... bem, não tenho muitos motivos para sorrir - por alguma razão eu não conseguia mentir para ele, era como... se uma poção da verdade tivesse me atingido.

Naquele momento tive uma das imagens mais bonitas, jungkook com seu sorriso de coelhinho, ajoelhado em minha frente e de fundo a paisagem paradisíaca do mar.

-pois então lhe darei diversos motivos para rir no seu tempo aqui - eram palavras tão simples... por que me atingiram tão fortemente? desde quando... alguem se importava comigo?. Senti meus olhos marejarem e virei a cabeça para o lado. Não queria que ele visse meu lado fraco. Por algum motivo naquelas breves férias eu tinha soltado mais lagrimas em um dia do que em toda a minha vida adulta.

-c-certo, eu estou num hotel chamado "camélia", se você quiser pode ir... me ver ou... sei lá haha - estou nervoso. Sentia minhas mãos suando e minha boca seca.Mas tudo se aliviou quando me foi lançado outro sorriso.

- vou te chamar então. Aqui está o papel e uma caneta- falou me entregando o pedaço amassado e uma caneta praticamente sem tinta. Escrevi meu número e entreguei novamente para o dono.

- por que você carrega essa caneta? ela ta quase acabando - curioso, isso era uma palavra que me definia muito bem.

- ela é muito importante pra mim, digamos como se fosse um ... item da sorte - disse simplista e se virou para ir embora. Segui seu exemplo e fui na direção do hotel.Durante o percurso pensei em diversas coisas, inclusive nos meus poderes.Me lembrei de minha infância...

flashback.on

Acordei com os soluços de uma mulher, que mais tarde descobri ser minha mãe. Ela estava com a cabeça encostada na mesa, com uma garrafa de soju em frente aos seus olhos molhados por lágrimas.

-Por que ele não pode ser um menino normal? eu só queria ser feliz- disse a bêbada aos soluços. Me sentia inútil, naquele dia na escola acabei lendo a mente de um colega meu, o dedurando para a professora,pois ele estava mentindo que estava passando mal.A professora me perguntou como eu sabia disso e eu disse que havia lido a mente do menino.Meus coleguinhas não falaram comigo pelo resto do dia, as vezes ouvindo xingamentos direcionados a mim.

Assim que minha mãe se recompos e voltou para o quarto, deitei no sofá da sala e olhei pro teto. Só tinha 7 anos... mas se sentia tão maduro. Não percebeu as lágrimas caírem sobre meu roste até sentir o sofá úmido.

Na manhã seguinte, a mulher o puxou pelo braço e me jogou no chão.

- ninguém pode saber de seus poderes, você não é especial, você é uma aberração para esse mundo.- eram palavras tão simples...por que me cortaram tanto?, andei até a porta e sai correndo pelas ruas.

flashback.off

Apesar de amar minha mãe, odiava seus momentos frágeis e as horas que descontava suas angústias em mim.Graças a esses momentos, acabei desenvolvendo uma baixa auto-estima e uma ansiedade aguda.Sinceramente, se sentia um bosta, mesmo sabendo que as críticas que ela dizia eram da boca para fora, por que eu não conseguia esquecer?...

Bufei e fechei a porta do quarto com uma força excessiva.Só queria ficar debaixo do chuveiro por mais 500 anos, esquecer tudo e dormir tranquilamente por uma noite ao menos.

Ouvi meu celular apitando ao longe, o que me fez levantar sonolento indo até o aparelho.Vi mensagens de um número anônimo e as abri.

número anônimo- oi gatinho, td bem contigo?

número anônimo- tava pensando da gente sair amanhã, oq acha?

                                                                                                                               quem é vc mesmo?- eu

número anônimo- sua tataravó, sou o jungkook faça meu favor

                                                                                                                  culpe meu sono que vc provocou quado interrompeu meu                                                                                                                                  cochilo- eu

boiola chatinho - poxa, eu só tava querendo sair com o crush -- vizualizado as 20:55

Andei até a mala e vesti uma roupa qualquer. Saí para caminhar e talvez comer algo fora. Andou por diversas barraquinhas de frutos do mar, mas nenhuma lhe apeteceu. Decidiu por fim ir em um restaurante de comida japonesa, adentrando o local. Depois disso só andei novamente até em casa e me joguei na cama.

Eu até poderia perambular por ai sem destino, mas não gosto de fazer isso. Via diversas família dando um passeio, tão felizes e  empolgadas, e me lembrava que nunca tive aquilo... nunca sequer ganhei um abraço de fato carinhoso.

Com meus pensamentos tristes, acabei caindo num sono profundo.

 

 

                                                                       


Notas Finais


gente eu sei, a história ta entediante pra caralho e provavelmente confusa, mas to contando com vcs pra melhoras os detalhizinhos kkk
pfv se tiver alguma crítica CONSTRUTIVA eu estou aceitando de bom grado, afinal eu sou novinha aq kkksksk.
jimin sad parece eu, pq eu literalmente o inspirei um pouco em mim.
jungkook super gente boa né? não se enganem hehe
vai ser uma long fic ent se preparem, pq ela provavelmente vai ser gigante.
vou tentar postar o mais rápido possível, mas to com mais preguiça e parcendo o jimin que dorme toda hora
enfim, espero que essa ficzinha meia boca agrade os gostos de vcs kksks


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...