História Where two hearts meet - - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jocelyn Fairchild, Magnus Bane, Raphael Santiago, Simon Lewis
Tags Alec, Magnus, Malec, Romance, Shadowhunters
Visualizações 83
Palavras 3.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, tudo bom? Espero que gostem deste capitulo, me dediquei muito, boa leitura.

Capítulo 9 - Por um momento fiquei sem ar!


Fanfic / Fanfiction Where two hearts meet - - Capítulo 9 - Por um momento fiquei sem ar!

POV CLARY:

Acordei maldisposta, não tinha dormido quase nada pois estava pensando no que dizer a Simon e eu já sabia o que dizer, me levantei, fiz minha higiene matinal e desci para o café da manhã, coloquei uma blusinha regata, uma calça preta e um tênis, desci as escadas e fui até a cozinha, minha mãe estava terminando de arrumar a mesa, Luke estava junto a ela, ele sempre vinha pela manhã para tomar café e ir ao trabalho, Luke era detetive chefe na polícia  de Nova York, Luke é como se fosse um pai para mim, quando eu pai biológico morreu, ele me ajudou a superar e sempre ficou do meu lado em tudo e eu adorava isso, ele sempre me ajudava a sair escondida quando eu morava com a minha mãe.

─ Bom dia mãe, bom dia Luke – Disse e abracei eles

─ Bom dia filha – Eles disseram em coro. Me sentei a mesa e me servi com um copo de suco e algumas torradas. Luke se sentou ao meu lado e falou.

─ Eu sei que esta cedo, mas sua mãe me disse o que aconteceu entre você e Simon, queria saber se você está bem? – Ele perguntou.

─ Claro, estou sim. – Falei e sorri. Minha mãe se sentou, e disse.

─ Você já sabe que decisão tomar? Disse ela.

─ Eu pensei bastante essa madrugada, e já sei o que farei, assim que terminar de tomar meu café vou me encontrar com Simon, mandei uma mensagem para ele antes de descer e ele concordou – Falei e tomei meu suco.

─ Que bom filha, espero que de tudo certo entre vocês. – Disse ela.

─ Bom, então eu vou indo, prometo vir mais vezes – Disse e beijei minha mãe e Luke no rosto. Fui caminhando até o apartamento onde morava com Simon, cheguei e abri a porta, não vi Simon na casa, e pensei que talvez ele tenha saído para não conversarmos, mas se fosse isso, porque ele concordou em me ver? Meus pensamentos foram interrompidos pelo barulho da porta, Simon estava entrando com dois copos de café, olhei na embalagem e percebi que era da minha cafeteria favorita, será que ele foi até o outro lado da cidade só para comprar meu café? Antes de dizer algo fui interrompida por Simon.

─ Me desculpe, eu sinto muito pelo que aconteceu no lago, eu fui impulsivo e.... – Não deixei ele terminar e o abracei.

─ Eu te entendo Simon, quem deve desculpas sou eu, não deveria ter te deixado sozinho lá, mas eu estava confusa. – Falei e olhei em seus olhos. ─ Mas isso, nós, não pode acontecer, eu nunca te vi como meu namorado, você é como um irmão e por isso não daria certo, ainda continuarei morando com você, e você ainda será meu melhor amigo, mas o que aconteceu não pode se repetir – Falei e tomei um gole de café.

─ Eu te entendo Clary e eu prometo que não vai acontecer, eu só fui tonto de pensar que quando eu dissesse que eu amo alguém, essa pessoa dissesse que me amava também. – Disse ele e escorreu algumas lagrimas.

─ E alguém um dia ira dizer, você só tem que esperar pela pessoa certa. – Falei enxugando seu rosto. ─ Mas agora precisamos esquecer o que aconteceu e seguir em frente – Falei.

─ Tudo bem, já está esquecido. Disse ele.

─ Mudando de assunto, já tem meu presente de aniversário mocinho? Não acha que eu esqueci só por causa do que aconteceu eu teria esquecido né? Olhei e sorri.

─ Olha como é atrevida essa menina, mas eu também não esqueci, e sim, já comprei seu presente, mas só irá ganhar no dia. – Disse ele com um sorriso de satisfação.

─ Aah, chato! Não acho certo, compro antes, tem que dar antes, é regra! – Falei e sorri.

─Não existe essa regra, não mesmo, você deve ter inventado isso! – Disse ele e riu.

─ Claro que não, eu jamais faria isso! Você que nãos sabe das regas de aniversário – Falei e ri ─ Mas tudo bem, eu espero – Falei.

─ Ta bom então, mas posso te falar o que faremos no dia! – Ele disse.

─ E onde nós iremos? – Perguntei curiosa.

─ Nó dia do seu aniversário, uma boate nova na cidade vai ser inaugurada e eu comprei os ingressos antecipados! Disse ele.

─ Ai que legal, já amei! – Falei.

 

POV RAPHAEL:

Acordei super disposto, tinha dormido desde ontem quando cheguei do hospital, estava super cansado e não tem como dormir bem em hospital, mas as vezes acordava com minha irmã vindo ver se eu estava bem, ela não me chamava, só vinha e me dava um beijo na testa e depois voltava para o que estava fazendo. – Me levantei da cama, fui para o banheiro e fiz minha higiene matinal, tomei um banho, terminei e escolhi uma roupa para fazer caminhada, não aguentava mais ficar entre quatro paredes, precisava de ar fresco. Desci e fui de encontro com minha irmã, a abracei e a beijei, ela estava fazendo o café, me sentei na mesa e fiquei a observando, ela pôs a mesa e comemos, depois que terminamos ajudei ela a arrumar a cozinha, logo em seguida a avisei que sairia para caminhar um pouco, ela concordou e nos despedimos. Fui correndo até o central parque, sentir o vento bater em meu rosto era a melhor sensação, eu senti falta daquilo, no caminho pensei em Magnus, o dia da inauguração estava chegando,  tive sorte de melhorar antes de inaugurar, então resolvi passar em frente a boate, só para ver como estava ficando, corri por uns 15 minutos até chegar, havia muitas pessoas em frente ao local, havia algumas pessoas tirando foto com o celular, a maioria era adolescente e havia outros que pareciam ser fotógrafos profissionais, reparei em uma mulher que estava com uma câmera na mão, ela estava de costas, tinha cabelos longos e pelo clara, resolvi me aproximar dela e perguntar se ela trabalhava para Magnus.

─ Olá, bom dia. – Falei, ela levou um susto, devia estar super concentrada.

─ Oh, que susto, bom dia! – Disse ela e se virou. Quando ela virou em minha direção, eu travei, nunca havia visto uma mulher tão linda quanto ela, seus olhos verdes claro, sua boca com um batom vermelho, combinando com sua maquiagem, ela era perfeita – Meus pensamentos foram interrompidos com ela me chamando.

─ Ei, está aí? – Disse ela.

─ Me desculpe, por um momento fiquei sem ar! Falei.

─ Você está bem? Está passando mal? – Ela perguntou.

─ Não, perdi o folego quando te vi mesmo! Falei e sorri.

─ Oh, obrigado, mais um pouco e eu teria que fazer respiração boca a boca! Disse ela e sorriu.

─ Calma, acho que estou ficando sem ar de novo – Falei e comecei a fingir que estava ficando sem ar, ela me riu e me empurrou de leve para o lado.

─ Desculpe, eu precisava tentar né! Falei e rimos.                         

─ Idiota! – Disse ela.

─ Mas então, você está só tirando foto mesmo ou está trabalhando? Perguntei

─ Estou trabalhando, o dono desta boate nos contratou para tirar foto e fazer alguns folhetos e ajudar na divulgação! Disse ela.

─ Ah que legal! Se as fotos ficarem bonitas assim como a fotografa é, acho que vou adquirir o serviço – Falei e a olhei com malicia. ─ Mas agora vou deixar vocês trabalharem, e quem sabe não nos vemos por ai! – Falei e comecei a andar. Fui em direção a porta do fundo da boate, Magnus havia me contado sobre aquela entrada, entrei e fui em direção ao seu escritório, não havia ninguém na sala, então resolvi ir embora, sai da boate e caminhei mais um pouco, peguei meu celular e liguei para Magnus.

 

CHAMADA ON:

─ Oi Magnus, tudo bem? É o Raphael – Falei.

─ Olá Raphael, estou bem e você? O que devo a honra desta ligação? Não vai me dizer não irá mais trabalhar! – Ele perguntou

─ Não claro que não, estou animadíssimo e muito ansioso para a inauguração, estou te ligando porque passei na boate e não te encontrei por lá.

─ Há que bom, também estou ansioso, mas hoje nem deu tempo de ir para a boate, tenho que resolver alguns assuntos pendentes, mas no final da tarde estarei lá, se quiser pode aparecer – Ele disse, parecia estar muito ocupado, então não demorei a falar.

─ Tudo bem então, darei uma passada lá, até mais – Falei e desligamos.

 

CHAMADA OFF.

POV ISABELLE:

Acordei animada hoje, não sabia o motivo, mas estava muito feliz, acho que algo de bom irá acontecer hoje, me levantei da cama e fui ao banheiro fazer minha higiene matinal, tomei um banho, e depois fui me trocar, vesti minha calça preta, vesti uma blusinha, e coloquei meu salto baixo, fui até o espelho do banheiro, passei um batom vermelho e passei um pouco de maquiagem, desci para tomar o café junto a Alec.

 

─ Bom diaaa Alec! – Falei animada

─ Bom dia Isi! Posso saber o motivo de tanta felicidade? – Disse e perguntou.

─ Não tem motivo, só acordei bem! – Falei e sorri.

─ Então está bem! Hoje não vamos para a loja, vamos direto para aquela boate, fui mais cedo e peguei todo o equipamento necessário e coloquei no carro, e Jace não ira conosco hoje, ele disse ter outros compromissos. – Ele falou.

─ Tudo bem, que pena ele não poder ir hoje. – Falei – Terminamos nosso café, arrumamos a cozinha e fomos para o carro, me sentei no lado do passageiro e liguei o som, estava tão feliz e desligada do mundo que nem notei que já tínhamos chegado. Descemos do carro, Alec abriu o porta malas e pegamos os equipamentos, fomos até a boate, entramos e eu fiquei a observando, esse lugar era lindo, estou ansiosa para frequentar, começamos a tirar fotos, Alec ia de um lado e eu iria do outro, quando terminamos a parte de dentro fomos para o lado de fora – Estávamos tirando fotos, Alec estava um pouco longe de mim, quando escutei alguém me chamar, me assustei, pois, estava bem concentrada.

─ Olá, bom dia. – Escutei.

─ Oh, que susto, bom dia! – Me virei, e vi um rapaz moreno, alto e bonito, pensei comigo mesma “ que gostoso”, reparei que ele não falava nada, então resolvi chama-lo.

─ Ei, está aí? Falei.

─ Me desculpe, por um momento fiquei sem ar! Disse ele.

─ Você está bem? Está passando mal? – Perguntei preocupada.

─ Não, perdi o folego quando te vi mesmo! Disse ele e sorriu.

─ Oh, obrigado, mais um pouco e eu teria que fazer respiração boca a boca! Falei e sorri, na minha cabeça pensei, ‘ meu deus Isabelle, isso era o melhor que você tinha para dizer?

─ Calma, acho que estou ficando sem ar de novo – Ele disse e começou a fingir que estava ficando sem ar. – Comecei a rir e o empurrei de leve

─ Desculpe, eu precisava tentar né! Ele disse e rimos.                 

─ Idiota! – Falei e pensei, “ puxa, bem que poderia acontecer né, menos a falta de ar, só o beijo mesmo”!

─ Mas então, você está só tirando foto mesmo ou está trabalhando? Ele perguntou e falei.

─ Estou trabalhando, o dono desta boate nos contratou para tirar foto e fazer alguns folhetos e ajudar na divulgação! Falei.

─ Ah que legal! Se as fotos ficarem bonitas assim como a fotografa é, acho que vou adquirir o serviço –Ele disse e me olhou com malicia. – Puxa, que olhar- Pensei.

─ Mas agora vou deixar vocês trabalharem, e quem sabe não nos vemos por ai! Disse ele.

─ Até mais – Falei. Que homem era esse gente, fiquei até com calor. Alec se aproximou e falou.

─ Quem era Isi? Disse ele.

─ Não era ninguém, só um curioso – Falei e pensei, “ e que curioso hein”, pensei e comecei a rir, Alec me olhou estranho e voltou para o trabalho.

 

 

POV MAGNUS:

Acordei disposto, estava animado, pois minha boate seria inaugurada em breve, me levantei e fui fazer minha higiene matinal, me troquei e fui até a boate, tinha que abrir para os fotógrafos, mas infelizmente não veria Alec, tinha que resolver alguns assuntos e não podia ficar esperando, mas eu tentaria chegar antes deles irem embora. Indo para meu compromisso meu telefone tocou, era Raphael, atendi o celular, conversamos por uns 10 minutos e depois desligamos, continuei seguindo meu caminho, quando cheguei encontrei minha empresaria no local, fui até onde ela estava e a cumprimentei, entramos no escritório dela e ficamos lá por umas duas horas e meia, sai de lá as pressas e fui direto para a boate, estacionei meu carro e vi que os fotógrafos ainda estavam lá, suspirei de alivio, poderia ver Alec novamente, me encontrei com Isabelle no meio do caminho e a cumprimentei.

─ Olá Isabelle, tudo bem? Prazer, Magnus! – Falei e ela me olhou.

─Ah, olá Magnus, estou bem e você? – Disse ela.

─ Estou bem, e como vai o trabalho?  - Perguntei.

─ Está indo a mil maravilhas, sua boate é linda, tanto por fora, quanto por dentro – Disse ela e sorriu.

─ Muito obrigado, vou garantir que você e seu irmão Alec, sejam Vips na minha lista – Falei.

─ Oh, muito obrigada, eu ia adorar, mas você já conhece Alec? Não me lembro de ter mencionado o nome dele em nenhuma de nossas conversas? Disse ela.

─ Não, Alec e eu nos encontramos aqui em frente a boate mesmo, ele estava parado observando e vendo os ângulos e pontos que as fotos iam sair boas. Uma pena a conversa ter sido tão curta naquele dia, seu irmão é um homem encantador. – Falei e sorri.

─ A que legal, mas não seja por isso, vou chama-lo.  – Disse ela e foi chamar Alec. Ele se aproximou, a cada passo dele meu coração acelerava, aquele homem estava mexendo comigo.

─ Olá Alec, que prazer revê-lo! Falei com um sorriso no rosto.

─ Olá Magnus, o prazer é meu! – Disse ele e sorriu, e que sorriso foi aquele, era perfeito, não fiz nada de admira-lo, sua boca era linda, seus olhos, tudo era lindo, queria poder beija-lo, mas não sabia se ele gostava de homem.

─ Bom Magnus, daqui a pouco conversamos mais, preciso terminar, o dia da inauguração está chegando e não podemos atrasar – Disse ele.

─ Claro, não podemos mesmo! Falei e voltei a conversar com Isabelle.

─ E ai, você gostou dele não é mesmo? – Ela perguntou e a olhei com um sorriso bobo.

─ Deu pra notar? – Falei e sorri.

─ Claro, eu percebi antes mesmo dele vir falar com você, com aquela indireta que ele era um “ homem encantador”, mas fica tranquilo, não vou contar para ele, vou mesmo é te ajudar a ficar com ele! – Disse ela e a olhei assustado.

─ Você vai o que? Seu irmão gosta de homens? – Perguntei e quase pulei de felicidade.

─ Sim, mas não fala para ele que fui eu que contei, me dê o seu celular, vou gravar o número dele, ai quando você quiser falar com ele, é só ligar ou mandar mensagem. – Disse ela e logo peguei meu celular, não podia perder a oportunidade né.

─ Uau, obrigado! Falei e sorri.

─ Me agradeça depois que vocês estiverem namorando! Ela disse e riu.

─ Claro, eu vou me lembrar disso. – Falei e peguei meu celular de volta.

─ Alec ainda é meio guardado com seus sentimentos, então sugiro que você vá com calma, mas prometo que ele é um amor de pessoa – Disse ela.

─ Obrigado pelo conselho, vou ir com calma, quero descobrir sobre ele pouco a pouco – Falei e sorri. Disse para Isabelle que precisava ir embora, tinha que contratar mais alguns funcionários e faria isso lá em casa, nos despedimos e fui pessoalmente me despedir de Alec, demos um aperto de mão e eu não queria mais soltar, mas não podia ficar ali para sempre, ele sorriu e ficou sem graça, fingi não notar, mas ele ficou mais lindo ainda, soltamos nossas mãos e fui embora.

 

POV ALEC:

Percebi que Magnus havia chegado e estava conversando com Isabelle, o que fui uma surpresa, mas gostei de vê-lo, Magnus era um homem de segredos e eu adoraria desvenda-lo, mas voltei ao trabalho, até que escutei Isabelle me chamar. Fui até onde ela estava, cumprimentei Magnus.

─ Olá Alec, que prazer revê-lo! Disse ele.

─ Olá Magnus, o prazer é meu! – Falei e sorri. Magnus era muito bonito, estava sempre arrumado, e eu achava isso um charme, seu sorriso era lindo. ─ Que bom que apareceu, sua boate está linda, aposto que vai ser bem famosa por aqui, adoraria ficar para conversar mais, mas precisamos terminar, o dia da inauguração está chegando e não podemos atrasar – Falei e ele concordou. Voltei a tirar fotos, depois de algum tempo Magnus veio se despedir, ele segurou minha mão e me olhou nos olhos, reparei novamente nele, seus olhos eram lindos, sua mão era macia, sorri e fiquei sem graça, espero que ele não tenha notado, soltamos nossas mãos e ele foi embora. Isabelle veio até mim com um olhar de quem estava curiosa e perguntou.

─ E ai, o que achou do Magnus? Disse ela.

─ Ele parece ser um cara bem legal – Falei e ela revirou os olhos.

─ Legal Alec? Você pode dizer algo melhor do que isso, ele é um gato e acho que vocês combinam juntos. – Disse ela e fiquei sem jeito.

─ Não exagera Isi, talvez ele nem tenha gostado de mim, não viaja. – Falei e tirei uma foto.

─ Aposto que ele ficou caidinho por você! Disse ela.

─ Claro que não Isi, agora vai trabalhar, a inauguração é daqui a 4 dias e temos muito o que fazer! Falei e ela revirou os olhos e saiu andando. Será que Isabelle tinha razão? Eu realmente achei Magnus mais do que “legal”, tinha gostado dele, e havia ficado fascinado por ele, talvez devêssemos marcar um encontro e descobrir se daria em algo.


Notas Finais


E ai, gostaram? Deixem a opiniões de vocês e boa semana a todos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...