1. Spirit Fanfics >
  2. Who do u love? - Mark Lee >
  3. Pedidos e surpresas.

História Who do u love? - Mark Lee - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - Pedidos e surpresas.


Três anos mais tarde.

Vancouver, Canadá.

19:30 PM.

O jogo estava prestes a começar. Minhas mãos tremiam e eu sentia o suor frio escorrer pelas minhas costas, em ansiedade. Baekhyun e Taemin afagavam minhas costas, enquanto eu rezava para mamãe chegar com papai o mais depressa possível, com as bebidas.

Os pais de Mark, estavam sentados atrás de nós, junto com os pais de Ten e Lucas. Via Daniel com a sua família, um pouco mais para baixo. Estávamos todos ansiosos, pois era o primeiro jogo fora da escola e faculdade. Era um jogo que mudaria algumas vidas e traria novos rumos. E eu torcia para que tudo ocorresse bem e visse o sorriso de satisfação do meu amor, após o jogo acabar indicando que eles ganharam.

- Calma, maninha. Isso vai fazer mal pro bebê. - tudo pareceu ter parado diante de mim. Meus olhos se arregalaram e minha boca secou mais ainda. Meu coração pareceu parar de bater, mas era só besteira minha. Era pra ser uma surpresa.

- Como soube disso, Taemin? - me virei para o loiro, e o vi olhar para Baekhyun.

- Achamos teu exame. - o Byun disse simples, roendo a unha.

- Mexeram nas minhas coisas? - aquela merda estava guardada no fundo da minha gaveta de peças íntimas, ou seja, só eu mexo lá.

- Corrigindo. O Taemin, mexeu nas tuas coisas. Eu apenas dei o palpite. - deu de ombros e por cima de mim, Taemin bateu na nuca do mesmo. - Ah! Qual é?

- Eu ainda vou colar essa tua boca grande com cola de madeira, seu merda! 

- Enfia no teu cu, idiota. - revidou e eu apenas revirei os olhos. O tamanho da infantilidade desses dois, ultrapassa a estratosfera.

- Cadê a mamãe? - perguntei para mim mesma, olhando para a entrada principal. Nada daqueles dois.

- Mas enfim... - Taemin começou, passando seu braço por cima dos meus ombros e Baekhyun, fez o mesmo. Ótimo! Adorei esse grude. - Parabéns.

- Vamos ser ótimos tios, pode apostar. - Byun beijou minha bochecha e Taemin fez o mesmo. Os dois me envolveram em um abraço e acariciaram minha barriga.

O momento se encerrou por conta dos gritos eufóricos. O jogo havia começado.


21:16 PM.

- Eu te amo. - Mark sussurrou em meu ouvido. Tinha minhas pernas por cima de suas coxas e seus braços estavam envoltos de mim. Sorri como um boba e o olhei.

- Amo mais, bebê. - o mesmo conteve um riso mordendo o lábio e eu o beijei em seguida. - Fico feliz por ter ganhado o jogo. - segredei.

- Agora é só esperar, para ver o que vai acontecer.

- Vai dar tudo certo, amor.

- Vai. - beijou minha bochecha demoradamente e me abraçou mais forte. Permanecemos um pouco assim, até Jongin adentrar o cômodo em que estávamos, nos chamando para ir lá pra baixo. Onde estavam nossas famílias comemorando a vitória do jogo, junto de alguns patrocinadores.

- Não posso beber, Daniel. - neguei assim que o mesmo veio até mim, com aquele sorriso que eu conhecia muito bem.

- Só um pouquinho, S/A. Acompanha seu amigo, que nem nos velhos tempos. - riu disso e eu apenas revirei os olhos.

- Outro dia, quem sabe. - me sentei ao seu lado. - Cadê o Ten? - rolei os olhos pela sala. Baekhyun, Lucas e Jongin conversavam. Taemin estava conversando com Mark e mais um cara que eu não conhecia. 

- Deve ter ido no banheiro, mas eu acho que tá pegando a minha irmã mesmo. - deu de ombros me arrancando uma risada bem exagerada.

- Esse não perdoa. - lembrei que antes ele queria pegar o Jongin e bom... Pegou a irmã agora. O sangue dele gritava pela família Kim, só pode.

- É... O tempo passa, né não? - tomou da cerveja e me olhou.

- Verdade... Quando que tu vai dar jeito de arrumar alguém, ein? - o mesmo riu soprado, negando. - O Jongin, tá de rolo com uma garota aí. A Nana, tá pegando o Ten. Eu, namoro com o Mark e o Yukhei decidiu focar apenas na vida profissional agora.

- Tu sabe que meus relacionamentos não duram. Fica difícil tentar, porque eu sei que não vai dar certo.

- E tu não ajuda nenhum pouco, né? - cruzei os braços. 

- Elas me pedem coisas impossíveis, fala sério. - riu.

- É amigo... Não resolveu mudar de lado ainda? Quem sabe, dê certo. - brinquei e o mesmo me atirou uma almofada.

Fui atrás de algo para comer, mas meu pai negou dizendo que iríamos comer todos juntos. Imagina se ele soubesse que agora como por dois? Com certeza iria me empanturrar de comida, assim como mamãe.

- Te achei! - me assustei ao sentir as mãos em minha cintura. Ten me virou para si e eu notei algumas marcas avermelhadas em seu pescoço.

- Pode ir parando de bancar a de hétero, Chittaphon. - bati em seu peito.

- Tu sabe que meu lado bissexual grita por mulheres, não sabe? - passou a andar do meu lado, me fazendo enrroscar meu braço no seu.

- Talvez. - o mesmo riu baixo.

- E como vai o relacionamento? Faz tempos que não conversamos bastante. Parece que tudo mudou depois do ensino médio. - suspirou.

- Uma loucura. - murmurei. - Você ficou mais bonito.

- O quê? Eu sempre fui bonito, S/N!

- Eu deixo você se iludir um pouco. - dei tapinhas em seu ombro desnudo, por conta da regata branca que usava. - Mas então. Tá tudo bem, nós nos damos bem e torcemos um pelo outro. Tivemos alguns conflitos, mas nada que não pudesse ser resolvido.

Voltamos para sala, agora ocupada por uma boa parte das pessoas presentes ali. Mark abanou para mim ao me ver e eu sorri. Yukhei veio em minha direção e me abraçou, não tínhamos nos falado ainda.

- É... Parece que hoje a vida de todo mundo vai dar uma mudada. - parou ao meu lado e cruzou os braços. Precisei esticar o pescoço para lhe olhar, assim como Ten.

- Pelo menos, vai ser para a melhor. - o tailandês sorriu e eu vi quando o mesmo piscou, para a irmã dos Kim.

- Eu amo vocês. - soltei e os dois me olharam. Sorri constrangida e eles me abraçaram forte.

- Nós também te amamos, coisa chata. - Yuk beijou minha cabeça e a de Chittaphon.

- É, mesmo que não tenha nos contado sobre o bebê. - me separei dos dois. Eu não acredito nisso.

- Foi o Baekhyun, não foi? - cruzei os braços.

- Na verdade... Foi a sua mãe.

- O QUÊ? - gritei atraindo alguns olhares. Merda! Até minha mãe já sabia? E qual é a parte da surpresa, que ninguém entendeu?

- Calma calma. - Lucas afagou meu braço. - Tá tudo bem, eu sabia que você queria fazer uma surpresa, mas você sabe como o Ten não consegue manter a boca fechada.

- Tudo culpa do Chittaphon, é sempre assim. - Ten cruzou os braços e soprou o ar de seus pulmões. Rimos baixo, vendo o mesmo nos dar a língua. - Quando pretende contar pra ele?

- Hoje. 

- Uma noite cheia de surpresas, quem diria. - Baekhyun se meteu no assunto.

- Foi tu que contou pra ela? - me virei para o moreno.

- Taemin. - corrigiu. - Ele é bem fofoqueiro quando quer.

- Até parece. - semicerrei os olhos. - A fruta não cai longe do pé, pena que não dá pra dizer que vocês são farinha do mesmo saco.

- Nós dois! - me abraçou de lado. - Somos farinha do mesmo saco. - piscou.

A janta ficou pronta e com isso, a enorme mesa da sala de jantar, foi ocupada por todos. Eu e Mark ficamos separados por conta dos meus queridos irmãos. Esses idiotas não desgrudam mais de mim.

- Quem tocou na comida primeiro, faz a oração. - olhamos todos para Daniel. Ele não fazia o tipo de quem agradecia pela comida, mas sua prece foi boa até.

- Querido papai do céu... - Byun segurou o riso ao meu lado, e eu o cutuquei. - Obrigado pela comida? - Taemin roncou. - Nunca a deixe faltar... Por favor. - Jongin ria baixinho. Só os mais velhos, realmente oravam quietos. - E é isso... Amém!

- Amém. - dissemos em uníssono e logo Yukhei se matou na gargalhada, assim como Ten e Jongin.

Comemos todos entre risadas e conversas. Assim que a maioria tinha parado de comer, Mark se levantou de sua cadeira. O acastanhado parecia estar apreensivo e suas mãos tocavam os bolsos de sua calça. Ele pigarreou chamando atenção da maioria, exceto eu, que já o olhava.

- Eu... Eu quero agradecer a todos que estão aqui. - rolou os olhos pela mesa, e parou em mim. - E especialmente para minha namorada, que sempre acreditou em mim e nunca largou minha mão. - sorriu encabulado. Senti cada parte minha estremecer. - Quero dizer que... Eu amo cada um de vocês que estão aqui, vocês são muito importantes na minha vida. Os garotos do basquete, minha família e a família do amor da minha vida. - céus! Mark Lee é sim, o homem da minha vida. - Até os irmãos chatos dela. - sussurrou audível, arrancando uma risada de todos ali. - Mas... A parte em que eu quero chegar, é a que me fez ficar uma semana inteira sem saber o que fazer e o que tentar fazer. - respirou fundo e tirou a mão do bolso. - S/N... - droga. Por que eu fiquei tão nervosa agora? Parece que sinto cada gota de suor, escorrendo pelo meu corpo. - Eu não me vejo em uma vida, aonde você não faz parte. Pensar em um dia acordar sozinho, sem você do meu lado, parece um pesadelo. Eu quero ter um pra sempre do teu lado, por mais curto que ele possa ser. - é agora que eu desmaio? Se for, eu não quero não. Tenho que ser firme, mesmo que meus olhos estejam prontos a liberar lágrimas. - Eu te amo e nunca vou me cansar de demonstrar isso ou de te dizer. - o Lee saiu de onde estava e por impulso, eu lavantei, mas ficando ali, o vendo vir até mim. - Eu não aguento mais esperar por isso... - soprou um riso. - Quer casar comigo? - perguntou após se ajoelhar.

Eu queria rir, mas queria rir de nervoso. Eu nunca me imaginei em uma situação dessas, nunca se passou pela minha cabeça que alguém me amaria tanto assim ao ponto de me pedir em casamento. E quiçá, eu estava grávida dele e parecia que nada poderia ficar mais perfeito agora.

- Caralho... - murmurei atordoada. - É claro que sim, Mark. Nossa que pergunta besta! - as risadas foram muitas, mas todas elas pareceram cessar quando ele me abraçou e me beijou. Beijo esse que foi cheio de sentimentos e que me fez ficar com as pernas bambas. Me permiti soltar as lágrimas, quando senti as de Mark.

- Eu te amo demais, garota. - segredou contra meu lábios e os beijou uma última vez. O anel que havia na caixa de veludo preta, era simples e com algumas pedrinhas brilhantes enfeitando sua volta. As mãos trêmulas de Mark, puxaram a minha mão e logo o anel se encaixou perfeitamente no meu dedo anelar. Sorri o abraçando mais uma vez, ouvindo os aplausos do restante.

- Está na hora da sua surpresa também, S/A. - Ten me lembrou e eu engoli seco. Sério, era só dizer que estava grávida, não tinha problema nenhum.

- O quê que é, amor? - seu sorriso era tenso, assim como o meu.

- Eu estou grávida, Mark. - me virei para o mesmo, e vi a palidez tomar conta de seu rosto. Em um piscar de olhos, ele estava no chão.

Mark havia desmaiado.


Notas Finais


ACABOU GALERA NOS VEMOS EM OUTRA ESTÓRIA AMO VOCÊS E NÃO ME MATEM DOIS BEIJOS ❤️❤️🤘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...